שמע ישראל י-ה-ו-ה אלקינו י-ה-ו-ה אחד
Shemá Yisrael Adonai Elohêinu Adonai Echad

sábado, 24 de julho de 2010

Yeshua a qual devemos a nossa Salvação é o Filho de D-us , portanto não o D-us Todo Poderoso e nem parte de uma trindade.

1. Somente uma única pessoa é D-us : Yeshua não é D-us porque há somente uma pessoa que é D-us . Essa pessoa única tem sido identificada com o Pai. Yeshua portanto, não pode ser também D-us . Não há outra pessoa que possa ser D-us no mesmo sentido em que o Pai é D-us . "Para nós há um só D-us , o Pai, de quem é tudo, e para quem nós vivemos." (I Cor. 8:6). "Um só D-us e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos, e em todos." (Efésios 4:6). Yeshua é divino, mas não a Divindade. Ele é o divino Filho de D-us , mas, não é a Divindade, O Ser Supremo.

2. Yeshua como mediador não pode ser o próprio D-us : "Porque há um só D-us , e um só mediador entre D-us e os homens, Yeshua HaMashiach homem." (I Tim. 2:5). Yeshua é Mediador entre D-us e os homens, portanto, não é ele o próprio D-us . Se Yeshua  fosse D-us e igual à D-us , como os trinitarianos declaram, ele não estaria numa posição para servir como Mediador alguém deve ser a terceira parte; pois caso o Messias sendo D-us ou igual à D-us , seria uma das duas partes, e não teria condições de ministrar como Mediador entre os dois - D-us e o homem. (Gál. 3:20).
O fato de que Yeshua  é um Mediador anula a possibilidade de que Ele seja parte de uma trindade. Yeshua insistiu que Ele e Seu Pai não são idênticos mesmo afirmando serem Eles UM. Ele e Seu Pai são de personalidades separadas. Ele declarou que Ele e Seu Pai constituem duas testemunhas separadas: "E na vossa Lei está também escrito que o testemunho de dois homens é verdadeiro. Eu sou o que testifico de mim mesmo, e de mim testifica também o Pai que me enviou." (João 8:17-18)

3. Yeshua é o Filho de D-us : Yeshua em Si mesmo não é D-us , nem parte de um D-us triuno pois Ele é o Filho de D-us . Ele não pode ser D-us e Filho de D-us ao mesmo tempo. O Pai e o Filho não são nem iguais, nem idênticos. O Pai vivia antes do Filho; o Filho recebeu Sua vida do Pai; o Pai é maior do que o Filho. Yeshua foi gerado de Seu Pai e nascido de Maria; Ele é o Filho do D-us vivo. O Novo Testamento está repleto de escrituras afirmando que Yeshua é o Filho de D-us .
4. D-us é o D-us de Yeshua: Yeshua reconheceu o Pai, o único D-us verdadeiro, como seu D-us . Yeshua jamais reivindicou Ele próprio ser D-us ; não pretendia ser igual à D-us . Ele sempre se referiu ao Pai como sendo superior à Ele, Seu D-us . Nas seguintes Escrituras, Yeshua faz referência ao Pai como Seu D-us , ou D-us é descrito como o D-us de Yeshua.
João 20:17 - "Meu D-us e vosso D-us "
Apocalipse 3:12 - "Meu D-us / meu D-us / meu D-us "
Mateus 27:46 - "D-us meu, D-us meu..."
Marcos 15:34 - "D-us meu, D-us meu..."
Salmo 22:1 - "D-us meu, D-us meu...''
II Cor. 11:31 - "O D-us e Pai de Nosso Senhor..."
Efésios 1:3 - "O D-us e Pai de Nosso Senhor..."
Efésios 1:7 - "O D-us de Nosso Senhor Yeshua HaMashiach..."
I Pedro 1:3 - "O D-us e Pai de Nosso Senhor..."
Hebreus 1:8-9 - "D-us ...O Teu D-us Te ungiu..."
Salmo 45:6-7 - "D-us ...O Teu D-us Te ungiu..."
Apocalipse 1:6 - "...para Seu D-us ..." (R.S.V.)
II Cor. 1:3 - "D-us e Pai de Nosso Senhor..."
5. Yeshu’a (Jesus) orou ao Seu D-us , o Pai: Yeshua revelou que Ele próprio não era D-us , quando orou à Seu Pai como D-us . Caso Yeshua fosse igual à D-us , porque orou Ele então à D-us ? Os trinitarianos afirmam que D-us , Jesus, e o Espírito todos tem uma mesma inteligência e um propósito; caso Yeshua  e D-us compartilhassem um propósito, o poder de decisão, pareceria zombaria para uma pessoa de uma trindade orar à uma outra pessoa de uma trindade. Yeshua mostrou ser inferior à Seu Pai, e que somente Seu Pai é D-us pelo fato de que o Messias orou para Ele.
Hebreus 5:7-8 - Ofereceu orações à D-us .
Lucas 6:12 - A noite toda em oração à D-us .
Mateus 11:25 - "ó Pai, Senhor do céu e da terra. "
João 17:1 - "Pai, é chegada a hora. "
Mateus 26:38,42 - "Meu Pai, se é possível... "
6. Yeshua é inferior à D-us : Yeshua ocupa a mais exaltada posição no universo, junto à D-us . Yeshua não é igual à Seu Pai, pois o Pai é maior do que o Filho, e este, por sua vez, é inferior à Seu Pai. Jesus, portanto, não é D-us . Reconhecer este fato, não quer dizer que não estejamos dando a glória devida à Cristo: é simplesmente o reconhecimento da verdadeira relação entre o Pai e Seu Filho. Yeshu’a (Jesus) declarou: "Meu Pai é maior do que Eu." (João 14:28). Quando Yeshu’a (Jesus) disse; "Eu e o Pai somos um" (João 10:30), Ele não ensinou que Ele e Seu Pai eram um em essência ou ser (como os trinitarianos afirmam) ou um em pessoa (como os Sabelios ensinam). Ele referiu-se à unidade de propósito e perfeita concordância que existe entre Ele próprio e Seu Pai. Yeshu’a (Jesus) orou para que esta mesma unidade tornasse possível entre Seus seguidores. (João 17:11,21-23). Yeshu’a (Jesus) sempre reconheceu que Seu Pai é maior do que Ele. Isto claramente expõe o fato de que Yeshu’a (Jesus) não pode ser parte então, de um D-us triuno.
João 14:28 - O Pai é maior do que Eu.
João 10:29 - Meu Pai...é maior do que todos.
I Cor. 11:3 - A cabeça de Cristo é D-us .
I Cor. 3:23 - Cristo é de D-us .
Mateus 20:23 - Não me pertence dá-lo(...)mas, à Meu Pai.
I Cor. 15:24-28 - O próprio Filho sujeitou-se ao Pai.
Depois de haver sido completada a soberania redentora de Cristo e D-us haja posto todos os inimigos debaixo de Seus pés, Yeshu’a (Jesus) contuará à ser sujeito à D-us . D-us será supremo; será tudo em todos: "Porque todas as coisas sujeitou debaixo de Seus pés. Mas quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas. E quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o Filho mesmo se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que D-us seja tudo em todos." (I Cor. 15:24-28) Yeshu’a (Jesus) viveu como o Servo de D-us . Ele rendeu perfeita obediência à Seu Pai, sempre fazendo aquilo que agradava à D-us , mostrando assim, que Ele reconhecia ser inferior à D-us .
Zacarias 3:8 - Meu servo, o Renovo.
Mateus 12:18 - Eis qui o Meu Servo.
Filipenses 2:7-8 - A forma de um Servo.
Hebreus 10:7,9 - Eis aqui venho para fazer a Tua vontade.
João 4:34 - Fazer a vontade d'Aquele que me enviou.
João 5:30 - Busco (...) a vontade do Pai que Me enviou.
João 6:38 - Não para fazer minha própria vontade.
João 8:29 - Eu faço sempre o que Lhe agrada
Lucas 22:42 - Não se faça a minha vontade, mas a Tua.
Romanos 5:19 - Pela obediência de um.
7. Yeshu’a (Jesus) é inferior à D-us em atributos: O Novo Testamento revela Yeshu’a (Jesus) Cristo como inferior à D-us em atributos. Esta é uma indicação definitiva de que Yeshu’a (Jesus) em si mesmo não é D-us ; não é nem igual ou idêntico ao Pai, tão pouco parte de um D-us triuno. D-us é infinito e perfeito em todos os Seus atributos. Em todas estas coisas, D-us é imutável; Sua perfeição infinita não pode nem aumentar, tão pouco diminuir. O que Ele Tem sido, sempre será. Yeshu’a (Jesus) demonstrou Ele mesmo ser inferior à D-us em Seus atributos.
Inferior em conhecimento - D-us é onisciente; é perfeito em conhecimento. "Conhecidas de D-us são todas as Suas obras desde o começo do mundo." Seus conhecimentos são infinitos, eternos e completos. Jesus, por outro lado, não era onisciente. Yeshu’a (Jesus) "crescia em sabedoria" (Lucas 2:52). Se Yeshu’a (Jesus) era D-us com conhecimento infinito, como poderia Ele ter "crescido em sabedoria"? O conhecimento de D-us é nem adquirido nem derivado: Origina-se com Ele mesmo. "...que conselheiro o ensinou?" (Isaías 40:13). Por outro lado, Yeshu’a (Jesus) recebeu Seu conhecimento de D-us . (João 8:28). O conhecimento de D-us inclue todas as coisas, presentes, passadas, e futuras; Ele conhece todas as coisas. Jesus, por outro lado, era limitado em conhecimento com relação à data de Sua volta. (Marcos 13:32). Yeshu’a (Jesus) não é D-us .
João 5:19 - O que Ele vê o Pai fazer.
João 8:28 - Como o Pai me ensinou.
Marcos 13:32 - Não sabe a data de Sua volta.
Atos 1:7 - Na autoridade do Pai.
Inferior em poder - D-us é onipotente. Ele é Todo-Poderoso; tem poder infinito. "Com D-us todas as coisas são possíveis." O poder de D-us originou-se d'Ele próprio. Através de seu poder, D-us executa todas as Suas obras. Yeshu’a (Jesus) por outro lado, não era onipotente. O poder que Cristo exercia quando operava milagres era recebido de D-us . Ele disse: "O Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma." (João 5:19). O poder que Cristo usa para relizar Sua obra na Igreja hoje, e o qual Ele usará para governar a terra em Seu reino futuro foi recebido de D-us . O poder de D-us originou-se de Si mesmo; Yeshu’a (Jesus) recebeu poder de D-us . Yeshu’a (Jesus) não é D-us .
João 5:19 - O Filho por Si mesmo não pode fazer coisa alguma.
João 5:30 - Eu não posso de Mim mesmo fazer coisa alguma.
João 8:28 - Nada faço por Mim mesmo.
Inferior em vida - D-us sempre existiu. Nunca houve um tempo no qual D-us não existisse. D-us não somente viverá para sempre no futuro, mas também viveu eternamente no passado. A vida de D-us foi sem começo. A vida de Cristo, por outro lado, teve um começo definido; houve um tempo, em que Yeshu’a (Jesus) não existia; Ele viverá por toda eternidade no futuro, mas não viveu por toda a eternidade no passado. Yeshu’a (Jesus) é inferior à D-us , com relaçãoà idade e extensào anterior de vida.
D-us é a fonte de toda a vida. Sua existência derivou-se de nada; Possui vida em Si mesmo. Jesus, ao contrário, recebeu vida de D-us . Se não fosse por D-us , Yeshu’a (Jesus) jamais teria existido; Yeshu’a (Jesus) foi gerado do Pai, Sua vida foi portanto, derivada de D-us . O poder de D-us fez com que Maria concebesse e desse à luz à um filho. Se não fosse pelo santo poder de D-us , Yeshu’a (Jesus) jamais teria nascido. "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a Sua sombra; pelo que também o Santo que de ti há de nascer será chamado Filho de D-us ." (Lucas 1:35). Yeshu’a (Jesus) disse, "O Pai que vive Me enviou, e Eu vivo pelo Pai."(João 6:57).
Yeshu’a (Jesus) também recebeu vida ressureta do Pai. D-us levantou Yeshu’a (Jesus) dos mortos através de Seu poder, o Espírito. (Atos 10:40; 13:30; Rom.10:9). Yeshu’a (Jesus) voluntariamente entregou Sua vida como um sacrifício. Ele tinha autoridade para entregá-la e tornar à tomá-la novamente (João 10:17-18). Yeshu’a (Jesus) não ressurgiu dos mortos por Si mesmo. Ele foi levantado da morte através do poder de D-us , pois Ele éa fonte de toda a vida; Yeshu’a (Jesus) recebeu a vida de D-us , portanto, Yeshu’a (Jesus) não é D-us .

D-us não pode morrer - D-us é imortal, e não pode estar sujeito à morte; sempre foi e será imortal, pois é impossível que Ele morra. Jesus, ao contrário, nasceu mortal, pois é sabido que experimentou a morte. Yeshu’a (Jesus) tinha as características de um homem mortal. Ele experimentou: fome (Mat. 4:2), sede (João 19:28), cansaço (João 4:6), tentação (Mat. 4:1), e sofrimento (Luc.24:46). Yeshu’a (Jesus) morreu (João 19:33 I Cor. 15:3). D-us não pode morrer, mas, Yeshu’a (Jesus) morreu. Yeshu’a (Jesus) não é D-us . Yeshu’a (Jesus) tornou-se imortal quando D-us o levantou da sepultura, assim sendo, recebeu imortalidade de D-us ; com isso, sabemos que Yeshu’a (Jesus) jamais pode morrer novamente (Rom. 6:9). Quando Yeshu’a (Jesus) voltar, todos os verdadeiros crentes serão feitos imortais como Ele. (I Cor. 15:52-53 - Filipenses 3:20-21).

8. Atributos e Posições Divinas recebidas de D-us : Alguns acham que Yeshu’a (Jesus) deve ser D-us porque Ele exerce certa autoridade divina, e revela certos atributos divinos. Exaltado à mão direita de D-us , Yeshu’a (Jesus) recebeu autoridade e poder divinos de D-us . Isto entretanto, não prova que Yeshu’a (Jesus) é igual à D-us , o próprio D-us , nem uma parte de D-us .
O fato que Yeshu’a (Jesus) foi exaltado pelo Pai mostra que Ele é maior que Jesus. O fato de que Yeshu’a (Jesus) recebe posição e obras divinas mostra que Ele é inferior à D-us . Hoje, Yeshu’a (Jesus) tem sido exaltado à mais alta posição no universo, segundo apenas pelo próprio D-us .

Autoridade recebida de D-us - Yeshu’a (Jesus) disse, "Todo o poder (autoridade) me é dado no céu e na terra" (Mat. 28:18). Yeshu’a (Jesus) sempre entendeu que Seu Pai era superior à Ele em autoridade. Ele viveu em perfeita obediência à D-us . Após Sua ressurreição, Yeshu’a (Jesus) recebeu autoridade divina de D-us . A autoridade de D-us é derivada do nada; é originária do próprio D-us . D-us é maior do que Yeshu’a (Jesus); Yeshu’a (Jesus) é inferior à D-us ; Yeshu’a (Jesus) não é D-us .

Reinado recebido de D-us - Yeshu’a (Jesus) é designado Rei dos Reis. D-us sempre tem sido designado Rei do universo; Yeshu’a (Jesus) recebeu Sua autoridade real de D-us . A base do reinado de Cristo é o fato de que Ele é o Filho de Davi (Lucas 1:31- 33) e também o Filho de D-us (Salmo 2:6-9 e Daniel :14). Yeshu’a (Jesus) não tornou-se Filho de Davi e Filho de D-us até que tivesse nascido de Maria.

Obra de Julgamento - D-us autorizou Yeshu’a (Jesus) à ser o juiz da humanidade. D-us entregou o julgamento à Seu Filho. D-us julgará a humanidade através da obra de Cristo, o juiz. Yeshu’a (Jesus) recebeu esta posição e obra de D-us . (João 5:22,27 - Atos 10:42; - 17:31). O fato de que Yeshu’a (Jesus) recebeu esta prerrogativa de Seu Pai, indica que o Pai é superior à Ele. Yeshu’a (Jesus) não é D-us .

Sua presença Invisível - Embora Yeshu’a (Jesus) esteja nos céus, Ele pode estar presente em todos os lugares com Seus seguidores. Ele disse: "Eis que Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos." (Mat. 28:20). Yeshu’a (Jesus) pode fazer isso através do poder de D-us , o Espírito. Yeshu’a (Jesus) recebeu este poder de D-us . (João 15:26) (Atos 2:33). Durante Seu ministério terrestre? Yeshu’a (Jesus) pode curar o servo do centurião (Mat. 8:5-13) mesmo estando o servo doente à uma grande distância daquele lugar que Se encontrava. Ele também podia conhecer o que havia no coração do homem. Yeshu’a (Jesus) podia fazer essas coisas, não porque Ele é parte de um D-us triuno, mas, porque D-us O revestiu de poder para executar essas obras.

9 - Quatro argumentos trinitarianos considerados - Os trinitarianos objetam o fato de que Yeshu’a (Jesus) não é D-us . Os quatros mais importantes argumentos que eles costumam ensinar que Yeshu’a (Jesus) é o próprio D-us são:
(1) Atributos divinos são atribuídos à Cristo; (2) Prerrogativas divinas são atribuídas à Cristo; (3) Certas escrituras atestam que Yeshu’a (Jesus) era a imagem ou plenitude de D-us ; (4) Dá-se o título de "D-us " à Yeshu’a (Jesus) em certas Escrituras.
Já consideramos o primeiro argumento e observamos que Yeshu’a (Jesus) era inferior à D-us em atributos de conhecimento, poder e vida durante Seu ministério terrestre: Ele era dependente de D-us em todas as coisas. Em vez se provar que Yeshu’a (Jesus) é D-us , seus atributos provam que não. O segundo argumento também já foi considerado. O fato de que Yeshu’a (Jesus) exerceu ou exercerá certa autoridade divina e executará obras divinas (Rei, Juiz, etc.) não indica que Yeshu’a (Jesus) é D-us , ao contrário, notamos que Yeshu’a (Jesus) recebeu todas essas posições e obras de D-us , mostrando que Ele é inferior à D-us .
O terceiro argumento usado pelos trinitarianos contra a verdade de que Yeshu’a (Jesus) não é D-us , é o fato de que algumas Escrituras atestam que Yeshu’a (Jesus) é a imagem de D-us . Estas Escrituras são as seguintes:
Filipenses 2:6 - Sendo em forma de D-us .
Colossenses 1:19 - N'Ele habita toda a plenitude.
Colossenses 2:9 - N'Ele habita toda a plenitude da divindade.
II Cor. 4:4 - Cristo, que é a imagem de D-us .
Hebreus 1:3 - A expressa imagem da Sua pessoa.
João 12:45 - Quem me vê a mim, vê aquele que me enviou.
João 14:9 - Quem me vê a mim, vê ao Pai.
Estas Escrituras não ensinam que Yeshu’a (Jesus) é D-us . Não indicam também que Yeshu’a (Jesus) é parte de uma trindade. A palavra "imagem" significa "semelhança" ou "caráter impressionado". Yeshu’a (Jesus) era a semelhança moral de D-us . Seu caráter refletia os atributos de morais de D-us - santidade, retidão, justiça, amor, misericórdia, amabilidade, verdade, fidelidade. Yeshu’a (Jesus) é Divino. Ele é semelhante à D-us em caráter e conduta. Yeshu’a (Jesus) propriamente não era D-us ; Ele refletia o caráter de D-us em Sua vida perfeita.
O quarto argumento usado pelos trinitarianos é que Yeshu’a (Jesus) é chamado pelo título de "D-us " em algumas Escrituras. As três principais Escrituras são: João 20:28; Tito 2:13; Hebreus 1:8. Este argumento é respondido pelo fato de que a palavra de "D-us " (Heb. 'ELOHIM' / Gr. 'THEOS') às vezes é aplicado à homens e anjos na Bíblia. Quando usada no sentido secundário, a palavra "D-us " indica alguém que é 'representante' d'Aquele que é o verdadeiro e supremo D-us .
O termo D-us é empregado nas Escrituras principalmente em dois sentidos.
O primeiro destes é quando designa Aquele que governa e preside sobre todas as coisas no céu e na terra, que é reconhecido como Superior à todas as coisas...Neste sentido as Escrituras afirmam que D-us é um. O último sentido é quando designa um ser que recebeu do primeiro (o D-us único) algum tipo de autoridade superior ou no céu ou sobre a terra entre os homens, ou poder superior com relação à todas as coisas humanas, ou autoridade para impor julgamento sobre outros homens, sendo dessa maneira, e nesse sentido considerado como um participante da Divindade do D-us único. (The Recovian Cathecism. Seção 3 Cap.I).
Moshé (Moisés) foi designado por D-us como "D-us " em relação à Aarão (Ex. 4:16) e com relação à Faraó (Ex.7:1). Moshé (Moisés) foi chamado D-us (ELOHIM), mas ele não era o único supremo D-us , nem parte de uma trindade. Moshé (Moisés) foi o representante de D-us . Juízes, representantes humanos do único D-us verdadeiro, são desginados como D-us . Em Êxodo 22:28 a palavra "D-us es" refere-se à Juízes humanos; *apesar de termos "Juízes", no original encontramos "ELOHIM" (D-us es). Em Êxodo 21:6; 22:8-9; e em I Samuel 2:25, a palavra "Juízes" é traduzido do Hebraico 'ELHOIM' ou D-us . Salmo 97:7 é citado em Hebreus 1:6. Os "anjos" de Hebreus 1:6, são "D-us es" no Salmo 97:7. Anjos são representantes de D-us , mas, não Ele próprio.
Os Israelitas foram chamados "D-us es" no Salmo 82:6-7. Yeshu’a (Jesus) citou este verso para mostrar este fato. "Respondeu-lhes Jesus: Não está escrito na vossa Lei: Eu disse: Sois D-us es? Pois , se a Lei chamou D-us es àqueles a quem a palavra de D-us foi dirigida (e a escritura não pode ser anulada). Aquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo, vóz dizeis: Blasfemas; porque disse: Sou Filho de D-us ? (João 10:34-36).
O fato de que a palavra D-us é usada no sentido secundio com um representante de D-us em Hebreus 1:8 é mostrado no versículo seguinte. Em Hebreus 1:9 o "único D-us verdadeiro" (João 17:3) é descrito como sendo o D-us do Filho! "Amaste a justiça, e aborreceste a iniquidade; por isso D-us , o teu D-us te ungiu com óleo de alegria mais do que a teus companheiros." (Hebreus 1:8-9 é uma citação de Salmo 45:6-7). Yeshu’a (Jesus) não é o próprio D-us ; também não é parte de uma trindade. Yeshu’a (Jesus) é o Filho de D-us .

NOTA: O presente estudo foi traduzido da obra: ”SYSTEMATIC THEOLOGY” de Alva G. Huffer - 1976.


Versículos que provam um D-us, o Pai e Seu Filho:
Isaias 45:21
"Pois não há outro D-us, senão eu, D-us justo e salvador não há alem de mim."

Judas 1:25
"Ao único D-us , Salvador nosso, por Yeshu’a HaMashiach, nosso Senhor, seja glória e majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, agora, e para todo sempre, amem."

Exodo 20:3
"Não terás outros deuses diante de Mim" (singular)
Exodo 20:7
"Não tomarás o nome do Senhor teu D-us em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão." (singular)
Filipenses 2:6
"Que, sendo em forma de D-us, não teve por usurpação ser igual a D-us ."
Deuteronômio 4:5
"A ti te foi mostrado para que soubesses que o Senhor é D-us; nenhum outro há senão Ele."

Malaquias 2:10
"Nem todos temos o mesmo Pai ? Não nos criou um mesmo D-us?"

Marcos 12:29
"E Yeshu’a respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve Israel, o Senhor nosso D-us é o único Senhor."

I Coríntios 8:4
"... e não há outro D-us, senão um só."
Efésios 4, 5 e 6
" Um só Senhor .... um só D-us e Pai de todos ."
Tiago 2:19
"Tu crês que há um só D-us; fazes bem."

Isaias 44:6
"Eu Sou o Primeiro e Eu Sou o Último. Forá de mim não há D-us."

Isaias 44:8
"Há outro D-us além de Mim ? Não há outra Rocha que eu conheça."

Isaias 45:5
"Eu Sou o Senhor e não há outro. Fóra de mim não há D-us."
I Corintios 8:6
"todavia para nós há um só D-us, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Yeshu’a HaMashiach , pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele."
João 17:3
"E a vida eterna é está: que te conheçam a ti, o único D-us verdadeiro , e a Yeshu’a HaMashiach, a quem enviaste."
João 14:28
"Ouviste que eu vos disse: Vou e venho para vós. Se me amasseis, vertamente exultarieis por ter dito: Vou para o Pai; porque o Pai é maior do que Eu."
I Corintios 15:28
"Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, o próprio Filho, também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou para que D-us seja tudo em todos."
Judas 1:25
"ao único D-us, nosso Salvador , mediante Yeshu’a HaMashiach, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém."
II João 1:3
"a graça, a misericórdia e a paz, da parte de D-us Pai e de Yeshu’a HaMashiach, o Filho do Pai, serão convosco em verdade e amor."
I Timóteo 2:5
"Porquanto há um só D-us e um só Mediador entre D-us e os homens, Yeshu’a HaMashiach, homem,"
Apocalipse 5:13
"Então, ouvi que toda a criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro seja o louvor, e a honra,e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos." (só fala em 2)
Romanos 16:27
"Ao único D-us, sábio, seja dada glória por Yeshu’a HaMashiach para todo o sempre."
Efésios 5:5
"Reino do Mashiach e de D-us."

Tiago 2:19
"Crês, tu, que D-us é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem."
II Coríntios 3:17
"Ora o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade."
Romanos 6:9
"Sabendo que, havendo o Mashiach ressusitado dos mortos, já não morre; a morte não mais terá domínio sobre ele."
Atos 1:6-7
"Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade "
Qual tradução ?
No Interlinear Grego "Jay P. Green Sr." diz: "que o Pai estabeleceu por sua própria autoridade".
Marcos 12:29, Jesus apenas repetiu Deuteronômio 6:4 :
"E Yeshu’a respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve Israel, o Senhor nosso D-us é o único Senhor."

I Cor. 11:3
"Mas quero que saibais que o Mashiach é a cabeça de todo varão, e o varão, a cabeça da mulher; e D-us, a cabeça do Mashiach "
Filipenses 2:9-11:
"Pelo que também D-us o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho, dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra. E toda a lingua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de D-us o Pai."

Mateus 16:13-17
"Quem dizem os homens ser o Filho do homem? E eles disseram: Uns João Batista, outros Elias, e outros Jeremias ou um dos profetas. Disse-lhes ele: E vós quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro repondendo , disse: Tú é o Mashiach, Filho de D-us vivo. E Yeshu’a respondendo-lhe, disse: Bem aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não to revelou a carne e o sangue, mas meu Pai que está no céu."
Isaias 53:10
"Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, e o meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim D-us nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá."

O D-us do Apóstolo Paulo:

Juntamos algumas passagens que retratam a crença do apóstolo Paulo em um só D-us e em Seu Filho Jesus:

Romanos 1:7: "A todos os amados de D-us, que estais em Roma, chamados para serdes santos, graça a vós outros e paz, da parte de D-us, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo."

Romanos 15:6: "para que concordemente e a uma voz glorifiqueis ao D-us e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo."

1 Coríntios 1:3: "graça a vós outros e paz, da parte de D-us, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo."

1 Coríntios 8:6: "todavia, para nós há um só D-us, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele."

2 Coríntios 1:2 e 3: "graça a vós outros e paz, da parte de D-us, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Bendito seja o D-us e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e D-us de toda consolação!"

2 Coríntios 11:31: "O D-us e Pai do Senhor Jesus, que é eternamente bendito, sabe que não minto."

Gálatas 1:1 "Paulo, apóstolo, não da parte de homens, nem por intermédio de homem algum, mas por Jesus Cristo e por D-us Pai, que o ressuscitou dentre os morto"

Gálatas 1:3 e 4: "graça a vós outros e paz, da parte de D-us, nosso Pai, e do nosso Senhor Jesus Cristo, o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso D-us e Pai,"

Efésios 1:2 e 3: "graça a vós outros e paz, da parte de D-us, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Bendito o D-us e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo,"

Efésios 1:17: "para que o D-us de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele,"

Efésios 5:20: "dando sempre graças por tudo a nosso D-us e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo,"

Efésios 6:23: "paz seja com os irmãos e amor com fé, da parte de D-us Pai e do Senhor Jesus Cristo."

Filipenses 1:2: "graça e paz a vós outros, da parte de D-us, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo."

Filipenses 2:11: "e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de D-us Pai."

Colossenses 1:2 e 3 "aos santos e fiéis irmãos em Cristo que se encontram em Colossos, graça e paz a vós outros, da parte de D-us, nosso Pai. Damos sempre graças a D-us, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, quando oramos por vós,"

1 Ts 1:1 e 3: "Paulo, Silvano e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses em D-us Pai e no Senhor Jesus Cristo, graça e paz a vós outros... recordando-nos, diante do nosso D-us e Pai, da operosidade da vossa fé, da abnegação do vosso amor e da firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo,"

1 Ts 3:11e 13 "Ora, o nosso mesmo D-us e Pai, e Jesus, nosso Senhor, dirijam-nos o caminho até vós,... a fim de que seja o vosso coração confirmado em santidade, isento de culpa, na presença de nosso D-us e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus, com todos os seus santos."

2 Ts 1:1 e 2 "Paulo, Silvano e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses, em D-us, nosso Pai, e no Senhor Jesus Cristo, graça e paz a vós outros, da parte de D-us Pai e do Senhor Jesus Cristo."

2 Ts 2:16: "Ora, nosso Senhor Jesus Cristo mesmo e D-us, o nosso Pai, que nos amou e nos deu eterna consolação e boa esperança, pela graça,"

1 Timóteo 1:2: "a Timóteo, verdadeiro filho na fé, graça, misericórdia e paz, da parte de D-us Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor."

2 Timóteo 1:2: "ao amado filho Timóteo, graça, misericórdia e paz, da parte de D-us Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor."

Tito 1:4: "a Tito, verdadeiro filho, segundo a fé comum, graça e paz, da parte de D-us Pai e de Cristo Jesus, nosso Salvador."

Filemon 1:3: "graça e paz a vós outros, da parte de D-us, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo."

Esta é a crença do apóstolo Paulo, ele cria em "um só D-us, o Pai... e um só Senhor... Yeshu’a HaMashiach" I Cor. 8:6. E você?

202 comentários:

  1. Como explicar o primeiro capítulo do evangelho de João, precisamente que tudo foi feito por meio de Jesus e sem Ele nada seria feito?

    Como explicar em Genesis qd se fala "façamos o homem a nossa imagem e semelhança" se Jesus nao é considerado Deus?

    Como explicar Apocalipse 22:13 nesse contexto de divindade do messias?

    Quem é afinal de contas o Espírito Santo, um energia, uma força, ou uma pessoa que tem reações pessoais de acordo com a Bíblia?
    Seria a Trintade na verdade 3 seres distintos com a mesma essencia divina?

    Porque "Lúcifer" em Isaías 14:12 e comparado a estrela da manhã e em Apocalipse 22:16 Jesus também é, quem é estrela afinal?

    Agradeço muito se puder me ajudar a entender esses pontos de vista bíblicos do modo judaico.

    ResponderExcluir
  2. Como explicar o primeiro capítulo do evangelho de João, precisamente que tudo foi feito por meio de Jesus e sem Ele nada seria feito?

    Como explicar em Genesis qd se fala
    ;façamos o homem a nossa imagem e semelhança; se Jesus nao é considerado Deus? Como explicar Apocalipse 22:13 nesse contexto de divindade do messias?

    Quem é afinal de contas o Espírito Santo, um energia, uma força, ou uma pessoa que tem reações pessoais de acordo com a Bíblia?Seria a Trintade na verdade 3 seres distintos com a mesma essencia divina?

    Porque ;Lúcifer; em Isaías 14:12 e comparado a estrela da manha e Jesus tambem em Apocalispe 22, afinal quem é a estrela da manhã?

    Obrigado

    ResponderExcluir
  3. A DEIDADE DO ESPÍRITO SANTO

    Ensinam os jeovistas que o Espírito Santo é uma influência, a "força ativa de Deus", e nada mais. Não admitem Sua Personalidade e, conseqüentemente, Sua Divindade. As Escrituras, contudo, ensinam e revelam coisa bem diversa: que o Espírito Santo é uma Pessoa e é divino. Preferimos ficar com as Escrituras. Revelam elas que o Espírito de Deus tem as seguintes características e qualidades:

    1. É volitivo, tem querer e determinação. Rom. 8:27.
    2. É agente (parakletos), isto é, consolador, advogado, instrutor, guia, amparador, representante, patrão. S. João 14:16, 26; 15:26; 16:7; I S. João 2:1.
    3. É tratado por pronome pessoal Ele. S. João 16:14; Efés. 1:14.
    4. Seu nome se cita entre outras pessoas. Ex. Atos 11:28: "Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós". Ler também S. Mat. 28:19, e II Cor. 13:13.
    5. É um outro Consolador, isto é, além de Cristo que também o é em S. João 14:16. E Cristo é Pessoa. O Espírito também o é.
    6. Tem conhecimento, e sabe as coisas divinas. I Cor. 2:11.
    7. Ensina. S. Luc. 12:12; S. João 14:26.
    8. Convence. S. João 16:8; Gên. 6:3.
    9. Perscruta. I Cor. 2:10, 11.
    10. Impede, põe obstáculo. Atos 16:6, 7.
    11. Concede, permite. Atas 2:4.
    12. Administra, distribui. I Cor. 12:11.
    13. Fala. Atos 10:19; 13:2; S. João 16:13; S. Mat. 10:18-30.
    14. Toma decisões. I Cor. 12:11.
    15. Guia. S. João 16:13; Gál. 5:18.
    16. Anuncia. S. João 16:14, 15.
    17. É entristecido. Efés. 4:30.
    18. Intercede. Rom. 8:26.
    19. Chama. Apoc. 22:17.
    20. É resistido. Atos 7:51.
    21. Procura. I Cor. 2:10.
    22. Agrada-Se. Atos 15:28.
    23. Comissiona. Atos 13:2; 30:28.
    24. É tentado pelo homem. Atos 5:9.
    25. Pode ser difamado e blasfemado. S. Mat. 12:31 e 32.

    Ainda outras especificações de personalidade poderiam ser acrescentadas, mas as mencionadas são suficientes para provar, de modo irreversível, a Personalidade do Espírito Santo.

    Quanto à Sua Deidade, transcrevemos nove itens do excelente tratado do Prof. Elemer Hasse, "Luz Sobre o Fenômeno Pentecostal", pp. 10 e 11:
    "1) Ele é eterno como Deus – Heb. 9:14.
    2) Ele é onipresente como Deus – Sal. 139:7-10.
    3) Ele é onisciente como Deus – I Cor. 2:10, 11.
    4) Ele é onipotente como Deus – Sal. 139.
    5) Ele é Criador como Deus – Jó 33:4; Sal. 104:30.
    6) Ele é Senhor como Deus – I Cor. 3:17, 18.
    7) Ele é Recriador como Deus – S. João 3:6; 1 S. João 5:4.
    8) Ele é Jeová como Deus – Compare Sal. 69 com Atos 1:16; Compare Isa. 6:3-10 com Atos 28:25-37; Jer. 31:33, 34 com Heb. 10:15, 16; S. Luc. 1:67 com Atos 3:18-21; Atos 5:3, 4.
    9) Ele é igual a Deus – I Cor. 2:10 ('O Espírito penetra até as profundezas de Deus'. Ora, nada inferior ao próprio Deus, poderia perscrutá-Lo)".

    Qual sua opinião quanto a essas evidências?

    ResponderExcluir
  4. Zergon,

    Estou tentado a responder pontualmente a cada questão proposta, mas se a questão aqui for apenas uma disputa, dai eu não gostaria de ficar a nos degladiar.
    Mas se pelo contrário a sua intensão é apenas crescer com o diálogo, ficarei feliz em mostrar o meu ponto de vista.
    Mas antes disso eu gostaria que vc lê-se o artigo aqui do Blog no seguinte link : http://judeu-autonomo.blogspot.com/2009/05/introducao-para-se-entender-de-onde.html

    Após a leitura, se vc quizer faça uma refutação ponto a ponto de todo o texto, se assim o for eu publicarei como um post a sua argumentação de tudo que esta lá exposto.

    Shalom

    ResponderExcluir
  5. Metushelach,

    Estarei lendo e "não me entenda mal", mas eu apenas não entendo o seu ponto de vista pois sou de formação trinitariana e estou meio confuso com tanta argumentação contrária.

    Eu agradeço sua atenção se puder me auxiliar nesse caso pois meu primeiro comentário reflete o momento teológico que estou passando e percebi muito conhecimento em seu blog e pouca especulação, fato que me fez ter um grande respeito pela visão judaico-messianica apesar de divergir em alguns pontos chaves, que agora peço sua elucidação despida de catolicismo, protestantismo, adventismo e gnosticismo.

    Apenas quero corrigir meu modo de pensar e acredito que você possa me ajudar nesse sentido.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  6. Zergon,

    Se o seu intuito é apenas dialogar, fico mais tranquilo, pois "não me entenda mal" é que fica dificil as vezes argumentar com muitos que aparecem por aqui apenas para causar tumulto, não querendo aprender, ou ensinar mas epenas querendo forçar que os outros engulam tudo o que eles tem como regra e doutrina de suas instituições, sem ao menos fazer uma análise desprovida de preconceito e levando em conta o contexto geral das Escrituras, pois tem alguns conceitos apresentados por estes individuos que são apenas erro de contextualização ou sem contextualização seja cultural, histórica e muito menos escrituristica, pois pegam um verso ou texto isolado de um tradução nem de um texto original e dai formulam entendimentos e doutrinas desprovida de base lógica escrituristica.

    Mas eu recomendo ler o artigo proposto, pois a maioria de suas dúvidas serão ao menos citadas naquele artigo, isso só para que eu não me torne repetitivo na argumentação, dai após a sua leitura, e persistindo dúvidas estarei a disposição para tentarmos juntos entender o problema e assim mostrar o meu ponto de vista.

    E desde já agradeço as suas palavras de confiança em nosso trabalho neste Blog.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  7. Caro Metushelach Ben Levy "מתושלח",

    Para somar ao seu post encontrei esse artigo já confirmado em várias versões da Bíblia, vc sabia desse acrécimo? segue abaixo:

    Comma Johanneum

    Em algumas versões da Bíblia (KJV, AV, Almeida Revista e Corrigida, Tradução brasileira, etc.), encontra-se a seguinte passagem acrescentada a 1 João 5:7,8: …"no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo, e esses três são um. E três são os que dão testemunho na terra". O Comma Johanneum, não aparecia (nem o faz em cópias posteriores até o século XII A.D.) nos manuscritos originais da Bíblia. É a razão de muitas versões modernas da Bíblia não incluirem essas palavras no contexto entre os v.v. 7-8 de 1 João; pode se tratar duma interpolação ao texto original.

    Minha opinião é que colocaram esse acrécimo intencionalmente para tentar fazer a Bíblia dizer o que "os trinitarianos" querem e não a verdade.

    Resumindo: versículo apócrifo (essa é nova).

    Shalom

    ResponderExcluir
  8. Elvis,

    Muito bem lembrado.

    Este texto tem naquele artigo do Blog sobre a trindade, que transcrevo o techo abaixo:

    "Um grande versículo para apoio da trindade no qual não existe em manuscritos, e nem mesmo das versões mais antigas da vulgada, é o texto de I João 5:7.

    Esse texto em I João 5:7 nem mesmo chega ser um fragmento de manuscrito.
    Revista e Corrigida: (I João 5:7) - Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.
    Westcott/Hort (I João 5:7) – Pois são três os que testemunham.
    Westcott/Hort (I João 5:8) - o espírito, e a água, e o sangue; e estes três concordam.
    Onde foi parar o texto que apóia a trindade?"

    Versículo Apócrifo é demais. rsss

    Shalom

    ResponderExcluir
  9. Metushelach,

    Obrigado sobre o esclarecimento sobre a BJC, e afins, porém estou realmente tentando compreender melhor, já que comecei a entender sua linha de raciocínio sobre o assunto, peço sua ajuda linguistica principalmente para um eclarecimento sobre 4 pontos sendo um deles mencionado já em seu post sugerido, são:

    1-

    Mateus, 28
    18. Mas Jesus, aproximando-se, lhes disse: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra.
    19. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
    20. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.

    2-

    E a todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem ser-lhe-á perdoada, mas ao que blasfemar contra o Espírito Santo não lhe será perdoado. Lucas 12:10

    3 -

    Qualquer, porém, que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas será réu do eterno juízo Marcos 3:29

    4 -

    Não consegui entender ainda quando Deus diz "façamos o homem a nossa imagem", seriam eles anjos então, mesmo anjos sendo seres sem corpo?

    Agradeço sua atenção a esses pontos confusos pra mim.

    Fique na Paz.

    ResponderExcluir
  10. Zergon,
    Como estes textos que você citou sempre causam dúvidas eu vou tentar te responder de forma mais detalhada possível, sendo assim eu postarei cada resposta de cada vez.

    1.R) Estes texto é o único que mostra algo trinitário nos Evangelhos, mas descordando da maioria que diz que por terem muitos manuscritos com esta formula batismal, a mesma seria a correta, eu fico com dois historiadores renomados , a saber, David Flusser e Hans Kosmala, que relatam que mesmo existindo apenas dois ou três manuscritos que descrevem a formula batismal somente em nome de Yeshua eles são os mais aceitáveis segundo o contexto histórico cultural da época pois mesmo sendo ínfimos os relatos, estes são os com datação mais antiga.
    Eu também posso citar um fonte histórica confiável como por exemplo os escritos de Eusébio de Cesárea (263-340 D.E.C.). que transcrevem as seguintes palavras na História Eclesiástica, Livro III, Capítulo 5, Parágrafo 3° e dependendo da edição Paginas 82-83. “ E os demais apóstolos sofreram milhares de ameaças de morte e foram expulsos da terra da Judéia. Porém, com o poder de Cristo, que havia-lhes dito: “Ide e fazei discípulos de todas as nações em meu nome” , dirigiram seus passos para todas as nações para ensinar a mensagem.”
    Podemos citar também que se a formula trinitária fosse um realidade ensinado por Yeshua ou com relevância dogmática, os seus discípulos foram muito desobedientes pois temos relatos na Brit Hadashá (“Novo Testamento”) que houveram somente batismos em nome de Yeshua conforme as seguintes passagens: Atos 2:38; 8:16; 10:48; 19:5; e Rm 6:3.
    Outra fonte que pode nós dar subsidio para o nosso entendimento do assunto é o comentário da passagem em apresso na Bíblia de Jerusalém que é um publicação Católica portanto de cunho apologético trinitário. O comentário nos leva a crer que a Igreja está a se defender de algo que não é “muito legitimo”. Assim eu o transcrevo a seguir: “ É possível que, em sua forma precisa, essa fórmula reflita influência do uso litúrgico posteriormente fixado.......Mais tarde deve ter-se estabelecido a associação do batizado às três pessoas da Trindade. Quaisquer que tenha sido as variações nesse ponto, a realidade profunda permanece a mesma. O batismo une à pessoa de Jesus Salvador; ora, toda a sua obra salvífica procede do amor do Pai e se completa pela efusão do Espírito Santo.”

    A primeira vez que o termo trindade foi concebido foi por Tertuliano e com outras características não como ela é apresentada hoje, pois ele definia a trindade como a manifestação de D-us em forma tripla, assim como D-us emanava seu poder pela Ruach Hakodesh para que Moshe fizesse os milagres no Egito, assim como D-us emanava seu poder pela Ruach Hakodesh para que o Profeta Elyahu (Elias) comandasse o clima fazendo parar de chover e mais tarde chovendo assim a forma tripla de D-us se manifestar como o Autor de um propósito, como o Transmitente de Poder pela Ruach e o como aquele que é representado por um receptáculo a saber o homem que o representa assim Tertuliano relata a Trindade, e a forma mais perfeita de representatividade desta forma Tripla foi com a expressão exata de D-us a saber a Palavra de D-us chamada agora por Filho de D-us como o receptáculo de sua vontade e representante perfeito para o propósito de Salvação da Humanidade.
    Mas para saber mais sobre os pais da Igreja recomendo ler o artigo no seguinte link: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2010/07/passeio-na-historia-os-cristaos-da.html

    ResponderExcluir
  11. Metushelach,

    Agradeço sua atenção nesses pontos trinitários bem dualísticos de entendimento e de difícil hermenêutica, quanto a primeira reposta já clareou um pouco esses versículos, mesmo que a massividade trinitariana contradiga, eu já estou conseguindo ver por outro angulo.

    Gostaria de acrescentar outras 3 questões na lista se nao for te sobrecarregar que tem haver uma delas e a outra seria para verificaçao linguistica pois faz uma semelhança impossível nas escrituras:

    São elas:

    5-

    Em Apocalipse capitulos 22 e 21 cita-se o trono de Deus e do Filho (Jesus), e em outra passagem estevao ( se nao me engano) teve uma visao do ceus onde via o Pai e o Filho, daé surge a pergunta: Como pode um homem ressucitado, Filho de Deus, estar a destra de Deus e nao ser uma autoridade divina mesmo que menor como ele mesmo disse?

    6-

    Porque Lúcifer; em Isaías 14:12 e comparado a estrela da manha e Jesus tambem em Apocalispe 22, afinal quem é a estrela da manhã? O que dizem as escrituras no original grego, hebraico e aramaico?

    7-

    Quem a Bíblia de um ponto de vista judaico, realmente diz ser o Espírito Santo? Uma Energia? A Manifestação de Deus na terra? Um representante de Jesus entre nós? Ou alguém pessoal subordinado ao Pai Todo-Poderoso? Levando em conta que a trindade está bem longe do que eu pensava ser como vc tem me mostrado, entao onde entra o Espírito Santo?

    Agradeço sua boa vontade em me ajudar.

    Fique na Paz.

    ResponderExcluir
  12. Zergon,

    Agradeço por suas participações, e saiba que suas indagações são ótimas, pois assim consigo pontuar algumas particularidade do ponto de vista majoritário da forma de entender e interpretar Judaica-Messiânica.
    Mas como as sua indagações demandam um aprofundamento linguistico, e para que eu me faça entender de uma forma que não te confunda ao invés de esclarecer eu detalharei as respostas com embasamentos idiomáticos e culturais longe do senso comum, sendo assim eu demorarei um pouquinho para responder uma a uma de suas questões, mas não nos abandone neste meio tempo.

    Somos gratos a D-us por podermos ajudar no melhor entendimento das Escrituras, e gratos a quem nos prestigia com suas participações e confiança.

    Fiquem na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  13. Metushelach,

    Mais uma vez muito obrigado por sua boa vontade e estarei aguardando as respostas sem pressa.

    Saiba que suas respostas não estarão ajudando somente a mim, mas todos aqueles do meu convívio, pois eu quero entender a verdade bíblica genuína e não essas impostas por traduções tendenciosas que querem dizer somente a visão de seus tradutores e quero poder ajudar a outros a entender melhor como eu estou entendendo agora.

    Obrigado e continuarei a ler seus artigos mais antigos nesse meio tempo.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  14. Zergon,

    Segue mais alguns comentários sobre as suas indagações.

    2-3 R.) Como estes dois textos são sinópticos terão uma resposta conjunta; O pecado imperdoável aqui em questão não é um simples comentário como aparenta na passagem em que os P’rusim(Fariseus) falam que o que Yeshua faz é pelo poder de Ba’al Zevuv (Belzebu), a questão é mais delicada pois o termo grego para blasfêmia é βλασφημήσῃ “blasphēmēsē” e tem o sentido de maledicência, difamação, juízo vil, calúnia, vemos que todos estes sentidos são características de alegações em que o autor que as pratica tem conhecimento de que são falsas por saber que o ofendido não as cometera em tempo algum ou não se enquadra nas definições proferidas, então trazendo esta aplicação a um individuo que fala contra a Ruach HaKodesh (Espírito Santo) mesmo tendo conhecimento da origem e qual a Sua função, implica que ele está mentindo ou virando as contas para a única forma que ele tem de ser convencido do pecado, da justiça e do juízo (Jo. 16:8).
    Notamos então que o individuo que já entendeu a obra sacrificial e justificadora de Yeshua, pela ação convencedora da Ruach HaKodesh, se volta contra tudo isso e começa a dizer que toda esta obra não é real sabendo que ela é, e calca os pés novamente no Filho de D-us, não tendo mais sacrifício que o possa justificar para obter a vida eterna, conforme a passagem de Hebreus 6:4-6 explica claramente.
    Quanto a se proferir uma palavra contra o Filho do homem não se implicar em ofensa imperdoável, isto depende do contexto consubstancial do ato, pois se o individuo como no exemplo anterior que já tem conhecimento de toda a obra de Yeshua, profere palavras contra o próprio Yeshua maldizendo-o e “dando de ombros” para a salvação por Ele proporcionada, conseqüentemente que isso será uma ofensa imperdoável, mas se pelo contrario o individuo não ter conhecimento da obra de Yeshua por não ter sido iluminado pela ação da Ruach e fizer como os Judeus de hoje que por não entenderem a obra, não terem o conhecimento do Evangelho e por apenas ter as informações distorcidas de Yeshua como sendo um impostor, infiel a Torah que levou multidões de Israel a se desviarem do santo caminho, acreditam estarem fazendo uma boa obra ao rejeitarem Ele como Mashiach, isso não implicará em Ira Divina contra eles, porque eles estão inconscientes do que estão fazendo.
    Em resumo blasfemar contra Yeshua não consiste em meramente dizer palavras contra Ele, mas lutar contra a Ruach (Espírito Santo), quando ela está defendendo a verdade sobre Yeshua diante de nós.

    Espero ter ajudado, qualquer dúvida estamos ai.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  15. Zergon,

    4.R) As dúvidas que geralmente são suscitadas por este versículo do "façamos" são:
    a - Com quem D-us estava falando? seria com anjos?
    b - D-us tem uma imagem?
    c - O que significa a repetição: "à nossa imagem, nossa semelhança"?
    d - D-us criou o homem apenas para que fosse poderoso "dominará os peixes..."? Tenho certeza de que D-us poderia pensar em um propósito melhor para o homem!
    Façamos...
    D-us estava falando para todas as forças da criação que Ele trouxe a existência (Targum Yonatan; Ramban). Agora que todos os ingredientes da criação tinham sido completados, todos participariam na criação do homem, a coroação da criação.
    Alguns tradutores interpretam "façamos" como apenas sendo algo de sentido majestático, e traduzem o versículo assim, "Eu farei o homem à Minha imagem"(Ibn Ezra)
    É comum o uso verbal plurálico no hebraico para a pessoa no singular, como por exemplo quando diz Manoá (Juízes 13:15) "...Deixa que te detenhamos...", ou Daniel (2:36) "Este é o sonho; agora diremos ao rei..." referindo-se a si próprio. Assim, em diversos outros casos.
    Façamos homem...
    Bereshit Rabá comenta que D-us se "aconselhou" com os anjos sobre a conveniência ou não de criar o homem.
    "Façamos um homem" - traduz Rashi; Comenta que aqui D-us já nós dá uma lição (ensinamento), o da modéstia, quando Ele diz "façamos". Se o homem fosse criado à semelhança dos anjos, estes poderiam ficar enciumados dele (homem), por isso, aconselhou-se com eles. E quando julga os Reis, aconselha-se com Sua corte, conforme vemos no caso de Ahab a quem disse Mihá 7(Reis I 22:19): "Vi o Senhor sentado em Seu Trono, e todo o exército dos céus parado perto d'Ele, à Sua direita e à Sua esquerda". E por acaso exisite "direita" e "esquerda" diante D"us? Claro que não! Apenas significa que aqueles da direita são para defender e aqueles da esquerda para acusar. E igualmente em: "Este é o decreto pronuciado pelos anjos, e esta sentença é a palavra dos santos" (Daniel - 4:14). Aqui também com Sua corte obteve permissão, dizendo: "Há nos mundos superiores [seres] conforme a Minha semelhança; se não houvesse conforme a Minha semelhança nos mundos inferiores, eis que haveria ciúmes entre os seres da criação" [do homem], Ainda que os [anjos] não tenham ajudado na sua criação [do homem], e há lugar para os hereges discordarem pelo uso do plural "nós", a Escritura não se absteve de nos ensinar o respeito e a virtudade da humildade: que o maior deve se aconselhar e pedir permissão ao pequeno. E se na Torá estivesse assim: "Farei o homem" ou "Fiz o homem", não aprenderíamos que [D-us] estava falando com Sua corte celestial, mas apenas consigo mesmo. E a resposta para os hereges está descrita no versículo seguinte:"criou D-us o homem", e não foi escrito "e eles criaram".
    Mas algumas dúvidas continuam, correto? O problema começa logo na tradução.
    Esta tradução não apenas é incorreta, como também presume que o leitor entende seu contexto. Portanto, eis aqui a tradução correta e o contexto:
    "E D-us disse: 'Modelemos [D-us e as Criações] a humanidade em nossa essência, então ele será como nós, e [somente então] eles [a raça humana] dominarão os peixes do mar, as aves do céu e os animais, e toda a terra, e tudo que se mover sobre a terra.'"
    continua....

    ResponderExcluir
  16. continuando...
    O homem é a única criatura a ser apresentada individualmente na cena, porque o Homem é o ponto alto da criação. Tudo foi criado para ele e seu uso. Está subentendido que o Homem é portanto considerado responsável por suas ações, pois estas afetam não apenas a ele, como também todas as criaturas de D-us. O Homem não foi feito "segundo sua espécie" como um animal, em grandes quantidades, mas "... à Nossa imagem" como D-us, como um único indivíduo. Assim como D-us é Um, assim também o homem foi criado Um.
    Com quem D-us estava falando?
    A resposta é simples: D-us estava falando com a mesma entidade com quem falou nos dias precedentes - o universo inteiro! D-us na verdade está dizendo: "Que o cosmos (e tudo que nele existe) e Eu façamos o homem."

    O ser humano é a mais complexa de todas as criaturas. Sua existência é uma batalha constante de forças opostas puxando-o em direções diferentes. Não admira que o homem seja a única criatura que busca a terapia! Sua dualidade se estende até os extremos de todos os espectros: desde a fúria infundada até atos absurdos de bondade, da inspiração enérgica à depressão patética, da crueldade ao altruísmo, da consciência à indiferença, da espiritualidade ao materialismo. É como se todas as forças da natureza estivessem comprimidas em uma pequena criatura chamada Homem. Mas isso é exatamente o que este versículo nos diz.
    D-us tem uma imagem?
    Não: "Pois não viste nenhuma imagem" (Deuteronômio 4:15), e "A quem podes Me comparar: a quem Eu serei igual?" (Isaias 40:25). Quando o versículo diz "imagem," isso significa "essência," querendo dizer que o homem foi criado da essência do cosmos, e da essência de D-us. O homem tem em si um aspecto de tudo da criação: todo animal tem sua contraparte no homem, assim como cada mineral e elemento.
    Porém o homem é também da essência de D-us, como está explicado no próximo versículo: (Gênesis 1:27): "... na essência de Elohim Ele o criou." A costumeira má tradução erra ao traduzir: "à imagem de D-us Ele o criou" - mas não foi o que acabamos de ler? O que a Torá está nos dizendo é que o homem foi feito similar a Elohim, (um dos nomes Divinos, que significa "juiz.") Em outras palavras: "À imagem do Juízo Ele o criou." Ter a "imagem" de D-us significa não apenas possuir ânsias espirituais como somente o Homem possui, como também a habilidade de julgar entre opções moralmente boas ou más.
    Qual o significado da repetição: "À nossa imagem, nossa semelhança"?
    A razão pela qual o homem foi feito da essência do cosmos e da essência de D-us é que ele deveria ser "como" ambos, portanto a repetição. Embora o homem tenha recebido o potencial para conseguir este equilíbrio em sua vida, isso permanece exatamente assim: potencial. Cabe ao homem agir sobre isso. D-us deseja que o homem equilibre o corpo e a alma. Se o homem mergulha apenas no materialismo, será devorado por aquilo que o cerca: as forças da natureza, os animais e as outras pessoas. Por outro lado, se afasta completamente suas necessidades físicas para se concentrar apenas nas espirituais, torna-se inútil ao Plano de D-us. O homem deve dar tratamento igual aos seus lados terreno e espiritual. Para ficar acima da Criação, o homem deve ser a "imagem" do cosmos e a "semelhança" de D-us. Por esta razão lê-se: "pois ele será como nós..." o que nos leva até o esclarecimento da pergunta seguinte.

    ResponderExcluir
  17. continuando....
    D-us criou o homem para que ele pudesse "dominar os peixes..."?
    Estou certo de que D-us poderia ter pensado em um propósito melhor para o homem!
    Continuaremos aqui dentro do contexto de "qual o significado da repetição: ""a nossa imagem, nossa semelhança", "... e [somente então] eles [a raça humana] dominarão os peixes do mar, e as aves do céu e os animais e tudo sobre a terra, e tudo que se mover sobre a terra." Quando o homem atinge este já mencionado equilíbrio entre o material e o espiritual, ele na verdade "domina os peixes do mar..." e toda a matéria física (exceto outras pessoas!). Ele demonstra que está um ponto acima deles... e atinge o próprio pináculo da Criação, tornando-se um parceiro do Próprio D-us na Criação.

    ResponderExcluir
  18. Metushelach,

    Está ajudando com certeza,

    Referente a R:2-3: no caso específico dos judeus ortodoxos eles estariam como cita do livro de Tiago "no tempo da ignorância", e os demais seriam os conhecem a verdade mas mesmo assim nao à aceitam, se afastando tanto que perdem a comunhão espiritual com Deus. Seria isso?

    Quanto R 4: estou conseguindo entender melhor.

    Estou fazendo verdadeiros devocionais teológicos diários com seus artigos, excelente trabalho...

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  19. Zergon,

    Obrigado pelas palavras e pela confiança.

    Quanto a seu entendimento da R:2-3, perfeito, isso mesmo "tempo da ignorância" fora o entorpecimento retratado em Romanos 11, quanto aos demais seria o esfriamento e apostasia principalmente.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  20. Zergon,

    Segue a esplanação da ponto 5.

    5.R) Primeiramente o texto onde Estêvão vê Yeshua a destra do Pai é Atos 7:56, este termo destra ou direita (δεξιῶν “dexiōn”) está ligado mais a um lugar de Honra e de Respeito do que propriamente um local direcionalmente falando.
    Para entender o Trono compartilhado de Apocalipse, temos que ter em mente algo corriqueiro na Idade Média a figura do Príncipe ainda pequeno assentado ao lado direito do Monarca, vemos que O Filho de D-us tem autoridade Divina sim, compartilhada pelo Pai que conforme Mateus 28.18 foi “dada” ao Filho, mas tal autoridade assim como das altezas humanas não ultrapassa a da majestade, isto é, um Príncipe pode por e dispor em autoridade, mas esta limitada à autoridade do Rei.
    Temos algumas passagens que Yeshua comprova isso como por exemplo João 5:19-27 principalmente os versos 19 e 20: “Então Yeshua disse a eles: — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: o Filho não pode fazer nada por sua própria conta, pois ele só faz o que vê o Pai fazer. Tudo o que o Pai faz o Filho faz também, Porque o Pai ama ao Filho, e lhe mostra tudo o que faz, e maiores obras do que estas lhe mostrará, para que vos maravilheis.” João 14.28 “Ouvistes que eu vos disse: vou e volto para junto de vós. Se me amásseis, alegrar-vos-íeis de que eu vá para o Pai, pois o Pai é maior do que eu.”

    Outra passagem que vemos o papel de Príncipe Divino desbravador que faz a obra que o Rei lhe mandou é a de 1 Coríntios 15:24-28, atentem bem para as frases “quando ele entregar o reino ao D-us e Pai” e “ o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou”, pois vemos nestas frases o papel de subordinação de um Príncipe que recebe autoridade real para conquistar algo e devolve-la ao seu Rei.

    ResponderExcluir
  21. Zergon,

    Segue a explicação do ponto 6.

    6.R) O termo “estrela da manhã” de Isaías 14:12 é uma entre diversas traduções da expressão em Hebraico הילל בן שחר “Heilel Ben - Shachar”
    Vamos analisar os termos separadamente para entendermos melhor a expressão.

    Heillel tem um sentido primário de brilhar, mas este termo vem da raiz Halal que significa atrair a atenção para se vangloriar, auto proclamar-se, e em algumas traduções modernas “dar um showzinho”.

    Ben tem um sentido bem mais amplo do que o conhecido filho ou descendente, tem pode significar figurativamente objetos inanimados, coisas sem vida, como por exemplo, faíscas e flechas, mas nesta passagem significa estrela, então vemos na passagem de Isaías que a estrela vem do Termo “Ben” é não de Heilel.

    Shachar tem relação com a idéia do lusco-fusco matutino, portanto não algo luminescente e claro. Existe a comparação destes termos em conjunto com a aparência de Vênus que como o terceiro astro em luminescência depois do Sol e da Lua, se mostra imponente e sozinho em meio à penumbra do amanhecer.

    Agora a partir destes significados podemos entender a expressão הילל בן שחר “Heilel Ben - Shachar”, não se esquecendo de levar em conta o contexto depreciativo do verso 12 de Isaías, da seguinte forma no texto “Como caíste desde o céu, ó ser orgulhoso que quer se mostrar como uma estrela que brilha sozinha na escuridão do amanhecer! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações”.

    Agora vamos analisar os textos de 2 Pedro 1:19 e Apocalipse 22:16 onde Yeshua é comparado a estrela da manhã da expressão grega ἀστὴρ ὁ λαμπρὸς “astēr o lampros”, que em contexto grego não tem significado algum, mas em hebraico tem referência a uma profecia messiânica feita por Bil’am (Balaão) em Números 24:15-19 “Então proferiu a sua parábola, e disse: Fala Bil’am, filho de Beor, e fala o homem de olhos abertos;Fala aquele que ouviu as palavras de D-us, e o que sabe a ciência do Altíssimo; o que viu a visão do Todo-Poderoso, que cai, e se lhe abrem os olhos.Vê-lo-ei, mas não agora, contemplá-lo-ei, mas não de perto; uma estrela procederá de Jacó e um cetro subirá de Israel, que ferirá os termos dos moabitas, e destruirá todos os filhos de Sete. E Edom será uma possessão, e Seir, seus inimigos, também será uma possessão; pois Israel fará proezas. E dominará um de Jacó, e matará os que restam das cidades.”
    Portanto a Estrela de Jacó, כוכב “Kowkab”, da passagem acima é ninguém menos que o Mashiach Libertador e este entendimento é compartilhado por escritos de nossos Sábios Rabinos como, por exemplo, no Testamento de Levy 17:3 e Testamento de Yahudá 24:1-5 que retratam a história de rabi Akiva que escolhe um rebelde chamado Sh’imon e o declara Mashiach o chamando a partir daí de “filho da estrela” ou o conhecido Sh’imon Bar-Kochba, por entender a profecia messiânica de Bil’am, no século XII o Ramban Nachmanides tem o mesmo entendimento a cerca do Mashiach.

    ResponderExcluir
  22. Suas respostas são bastantes esclarecedoras e lógicas, porém baseado na resposta 5 eu te perguntaria se a passagem de coríntios 1 Coríntios 15:24-28, especificamente o 27 e 28 não seriam eles escatológicos, por citar o futuro final desse mundo, e o mais interessante foi que de acordo com a Biblia de Jerusalem, Biblia do Peregrino (traduzida por um judeu), BJC, entre outras corrigidas e atualizadas de Joao Ferreira de Almeida como a Bíblia Anotada, divergem entre si nos respectivos comentários, mas claramente indicando um fato apocalíptico, ou seja, me corrija se eu estiver errado mas nao seria entao o Filho governando com o Pai até que assuma como Juiz de toda a humaninade na ocasião do segundo advento?

    Quanto a resposta 6 entao deduzo que as traduçoes disponíveis hj são lamentavelmente erradas e distorcidas liguisticamente. Seria isso? Porque sua explanação foi bem clara e específica que esse infeliz comparação jamais deveria ocorrer.

    Obrigado novamente.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  23. Zergon,

    Novamente agradecemos.

    Quanto aos comentários de 1 Co. 15-24-28 por David Stern em CJNT e na Biblia de Jerusalém ambos são coesos na idéia escatológica de devolução pelo Filho do Reino ao pleno controle do Pai, mas enquanto isso não ocorre hoje temos o Pai no controle de tudo mas não em forma de Reinado Pleno, pois o Reinado hoje contempla como súditos apenas os Filhos de D-us, os nascidos dos Espírito, em contraposição aos filhos da ira, e este Reinado parcial é do Pai mas é controlado pelo Filho o qual recebeu tal incumbencia de autoridade do Pai pelo que passou e aprendeu em sua encarnação, como podemos ver na passagem de Hebreus 2:5-18, mas o Reinado Total do Filho acontecerá na implantação do Reino Messiânico a partir do acorrentamento de HaSatan por mil anos, e que culminará com a implantação do grande Trono Branco (Apoc. 20:6-15)onde haverá o julgamento final de todas as obras, e é neste julgamento que a morte será lançada no lago de fogo, e é aqui que vemos o último inimigo sendo vencido, é neste momento que o Filho se subjulgará ao Pai, para que D-us seja tudo em todos.

    Quanto ao ponto 6 eu diria que a expressão "estrela da manhã" é aceitável linguisticamente em Isaías 14:12, por ser uma das inúmeras possibilidades de tradução, o problemas que o desconhecimento da contextualização cultural e histórica que é necessária para não encorrermos em comparações errôneas, deveria ser levada em conta na hora da escolha do termo que com certeza deveria ser mais adequado.

    Espero ter sido claro, pois as vezes eu me vejo redundante, mais complicando do que ajudando, por isso, nos ajude, nos alertando quando faltar clareza em citações biblicas e históricas.

    E qualquer dúvida estamos a disposição.

    Fique na Shalom de Yeshua Hamashiach

    ResponderExcluir
  24. Só para mim concluir então a respeito do reinado de Cristo: então de acordo com suas colocações sobre o assunto Cristo é superior a toda e qualquer criatura de Deus, porém só se tornará uma divindade efetivamente após o cumprimento das citaçoes apocalípticas, mas será uma divindade menor que o Pai Eterno, e hj Cristo apenas aguarda como Filho de Deus ao seus retorno esperado? Seria mais ou menos isso ou eu estou complicando as coisas?

    Se vcs me permitirem, estarei fazendo mais uma pergunta:

    8-

    Qual a veracidade do Juízo Investigativo que estaria acontecendo hj por Cristo?

    Fique tranquilo que suas respostas estão me esclarecendo bem, e onde surge alguma dúvida eu irei mencionar com tenho feito, que tbm estão sendo sanadas perfeitamente, pois esses assuntos abordados são muito complexos e as vezes para mim, um gentio, é um pouco mais difícil de entender certos pontos de vista judaicos, pois eu estou me tornando cada vez mais próximo do judaísmo messiânico no modo de agir e pensar quanto as sagradas escrituras, me libertando de dogmas culturais pagãos doutrinados pela grande maioria.

    Obrigado por isso.

    Fique na Paz.

    ResponderExcluir
  25. Zergon,

    Para descomplicar um pouco, a concepção é que o Mashiach é superior a qualquer criatura por ser Ele a “ferramenta” que D-us utilizou para fazer toda a criação, isto é, a Palavra, o Verbo Divino, pois todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez (Jo. 1:3) e que sustenta todas as coisas pela Palavra do seu poder(Hb. 1:3b), veja que é Palavra de seu poder e não poder de sua Palavra, mostrando que o Poder vem de D-us que o manifesta pela Palavra, e esta Palavra não é uma criatura, mas sim um ser gerado de D-us, isto é, uma certa data D-us arranca de si a sua própria Palavra, e ela é personificada, isto é, torna-se em um Ser, distinto de D-us, um Ser divino, divino assim como os arcanjos, serafins, querubins e os demônios pois divindade significa ser um Ser sobrenatural, com poderes significantes que é admirável em sua essência, mas aprouve a D-us chamar este Ser Divino, que é a sua Palavra de Filho "pois hoje Te gerei e Me tornei seu Pai" (Salm. 2:7; Hb. 1:5).
    Portanto Yeshua não será Divino pois desde sua geração ele é Divino, na concepção acima exposta, mas ao encarnar ele se despiu de sua divindade se esvaziando conforme (Filipenses 2.7) para cumprir o propósito que o seu Pai determinou conforme eu já havia passado na resposta anterior, Hebreus 2:5-18 (leia na BJC é mais compreensível).
    E quanto ao lugar hierárquico celeste ele é menor que o Pai pelo simples fato de ele ser subordinado ao desígnios do Pai em obediência, mas ele é representante de toda a autoridade do Pai diante da criação, pois esta autoridade foi dada a ele (Mt. 28:18; Hb. 2:8) mas vemos que a autoridade somente é manifesta dentro do seu Reinado que ainda é Parcial hoje, pois Ele Reina somente sobre os Filhos de D-us, mas em sua vinda quando Ele aprisionar HaSatan por mil anos Ele terá além da autoridade completa terá tambem o Reino Total, pois reinará sobre todos, até o dia da implantação do grande Trono Branco (Apoc. 20:6-15) onde haverá o julgamento final de todas as obras, e é neste julgamento que a morte será lançada no lago de fogo, e é aqui que vemos o último inimigo sendo vencido, é neste momento que o Filho se subjulgará ao Pai, para que D-us seja tudo em todos.

    ResponderExcluir
  26. Zergon,

    Eu não gosto muito de descutir algumas doutrinas dos Adventista pois sempre acontecem réplicas, tréplicas e nunca se acabam com algum tipo de entendimento sério pois nunca as pessoas se dão ao trabalho de ler todas as informações para poder pontuá-las e assim contradizê-las uma à uma.

    Mas para não te deixar na mão segue a explanação da pergunta 8.

    R.8)Os postulados do pseudo juízo investigativo para investigar e ver se os servos de D-us têm direito à uma ressurreição, nada mais é que um dos vários erros da Seita Adventista e faz com que grandes verdades bíblicas sejam lançadas por terra por contradizê-las em seu contexto geral além de anular a conclusão da salvação na cruz, deixando para uma data pseudo e esquizofrenicamente posta em 1844 a purificação dos pecados. Sugere uma oferta constante de sangue, quando na verdade a oblação do Mashiach Yeshua foi uma única. Rememora os pecados do povo de D-us, que a Palavra diz “estarem esquecidos para sempre”.
    SEGUNDO ELLEN WHITE, QUAL É A FINALIDADE DO JUÍZO INVESTIGATIVO?
    “... Os que no juízo forem havidos por dignos, terão parte na ressurreição dos justos...” (Grande Conflito, pág. 420).
    Não há como negar: pelos escritos de Ellen White, profetisa adventista, o objetivo deste «embuste de juízo» é determinar quem está apto para ser ressuscitado na ressurreição dos justos.

    ResponderExcluir
  27. continuando...
    Veja as alarmantes contradições desta esquizofrênica doutrina!
    De acordo com os Escritos da B´rit Chadashah, D-us não vê a necessidade de um juízo para identificar seus servos: ...“O Senhor conhece os que são seus...” (II Tim. 2:19).
    A Palavra testifica que Abel, Enoque, Noé, Abraão e outros, já tinham alcançado testemunho de que agradaram a D-us. Os textos dizem claramente que o tal juízo investigativo jamais existirá para estes heróis da fé (Heb. 11:13,39).
    QUANDO SE DARÁ O JULGAMENTO?
    “Conjuro-te pois diante de D-us, e do Senhor Yeshua HaMashiach, que há de julgar os vivos e os mortos na sua vinda e no seu reino” (II Tim. 4:1).
    O texto é cristalino: haverá julgamento sim, mas somente na vinda do Mashiach Yeshua, nunca no tal juízo.
    Todavia, escreveu Ellen White:
    “A obra do juízo investigativo dos pecados deve efetuar-se antes do segundo advento do Senhor” (idem, pág. 448). Que “espírito de profecia” é este, que fala contra D-us?
    O texto (NT) contesta esta idéia enganosa, garantindo que, os que estão no Mashiach, não necessitam de juízo algum:
    “Em verdade, em verdade vos digo: Quem escuta a minha palavra e crê naquEle que me enviou, tem a vida eterna e não vem a julgamento...” (João 5:24 - Bíblia de Jerusalém)
    “Portanto, não existe mais condenação para aqueles que estão no Mashiach Yeshua” (Rom. 8:1- idem) .
    Como podia Yeshua assegurar aos Seus discípulos que estes se assentariam em 12 tronos (Mateus 19:28), se antes ainda teriam que passar por um fictício juízo investigativo, que se iniciaria em 1844?

    ResponderExcluir
  28. continuando...

    A PURIFICAÇÃO DOS PECADOS OCORREU NA CRUZ; NADA FICOU PARA 1844!
    “Assim também o Mashaich, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de muitos...” (Hebreus 9:28).
    “...havendo oferecido, para sempre um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de D-us” (Heb. 10:12). Não se pode afirmar o contrário disto: Yeshua efetuou na cruz, total purificação dos pecados e nada restou para 1844! Os pecados dos que criam eram apagados imediatamente no batismo, mediante a conversão (Atos 2:38; 3:19; I Cor. 6:11).
    Reflita: Se os salvos ainda tiverem que passar por este juízo, por que o batismo para remissão dos pecados?
    Paulo disse que somos salvos, e não que seríamos após tal juízo: “Pela graça sois salvos...”(Efé. 2:8).
    PAULO NÃO ESPERAVA NENHUM JUÍZO
    “...acabei a carreira, guardei a fé, desde agora, a coroa da justiça me está guardada...” (II Tim. 4:7, 8). Paulo não sabia deste juízo, pois se soubesse teria que ter dito assim:
    “A coroa da justiça me esperará depois que eu tiver passado pelo «juízo investigativo», que se iniciará em 1844!”
    JESUS ENTROU NO SANTO DOS SANTOS, NA SUA ASCENSÃO, E NÃO EM 1844!
    “Depois de o Senhor lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à destra de D-us” (Mar. 16:19).
    ...pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção” (Heb. 9:11, 12 - ARA).
    Os escritos da senhora White, contradizendo a Nova Aliança, dizem que Yeshua na Sua ascensão, entrou no primeiro compartimento do santuário celestial e lá permaneceu até o ano de 1844. Que somente após essa data, Ele passou para o segundo compartimento, o Santo dos Santos, para fazer o julgamento de todos os servos de D-us. O primeiro deles teria sido Abel. Seria isto verdade? Confira os textos a seguir e veja mais esta tremenda contradição! (Heb. 9:12; 9:24; 10:12; Efé. 1:20; Col. 3:1; I Ped. 3:22; Apo. 3:21).
    Os textos comprovam claramente: Yeshua desde que ascendeu ao Céu, se encontra no Santíssimo, assentado à direita de D-us, exercendo trabalho sacerdotal como nosso advogado e mediador. Não está julgando a ninguém!
    CONCLUSÃO: NADA FICOU PARA 1844!
    Na cruz, Yeshua cumpriu tudo para nos salvar. Realizou um trabalho completo!
    A partir do “está consumado”, Yeshua concluiu e aperfeiçoou tudo (João 19:30; Mat. 27:51); abriu o véu do Templo e cancelou a todos os pecados cometidos sob a Primeira Aliança e de todos os que futuramente cressem no Seu nome (Heb. 9:15). Os que criam eram batizados e tinham seus pecados apagados no ato, portanto, nada, nada ficou para 1844!
    (Texto Base de Abiéser Junqueira adaptado por Metushelach Ben Levy)

    ResponderExcluir
  29. Metushelach,

    Estou compreendendo e pode ficar tranquilo pois nao vou replicar sua análise por ser bastante esclarecedora e com fontes bíblicas bem contundentes, saiba que minha admiração pela forma judaico-messiânica de pensar sua só aumenta pois como diz o ditado "contra fatos não há argumentos".

    Agora entendo porque que apesar de uma aparente semelhança doutrinária como o shabat os judeus se divergem do adventismo.

    Gostaria de esclarecer somente uma questão que muito me intriga sobre a interpretação dessa dita data 1844 e sobre o dito "selo da bêsta ser o falso shabat (o domingo católico) que será imposto nos últimos dias e afinal de contas o milênio será terrestre e satanás será aprisionado ou será na Nova Jerusalem e satanás será aprisionado circunstancialmente por não haver ninguém para ser tentado.

    Se puder me ajudar a organizar esses pontos, eu lhe agradeceria muito pois vc consegue analisar somente na Bíblia sem doutrinas de igreja, por isso te pergunto isso, lembrando que sou um pesquisador e um grande admirador do judaísmo messianico.

    Mais uma vez obrigado.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  30. Não aceitar a divindade de Cristo, mesmo fora de uma trindade não é o mesmo que negá-lo como fazem os judeus ortodoxos?

    Paz do Senhor Jesus

    ResponderExcluir
  31. Quando foi confundido a linguas na torre de Babel foi dito "deçamos e confundamos", quem além de Deus poderia descer, como explicar essa passagem?

    Paz

    ResponderExcluir
  32. Não seria uma espécie de adiantamento do juizo final esse tal investigatório, se observarmos que Deus está nos observando 24 hs por dia e Cristo também, portanto independente desse investigativo, ele sempre ocorreu desde a criação do homem, porque caso contrário como saberemos do Juízo final quem será salvo e quem se perderá se já nao estivermos sendo analizados e "pré-julgados", independente 1844.

    Graça e Paz.

    ResponderExcluir
  33. Zergon,

    Para te ajudar a compreender este assunto que eu não gosto muito por questões já reveladas, eu digo que a data de 1844 surge da contagem errônea que adventistas fazem da profecia de Daniel 8:14 que fala das 2300 tardes e manhãs, abaixo segue um texto feito a algum tempo na tentativa de explicar tal engano mostra o nosso ponte de vista.


    A profecia de Daniel 8, embora clara e bem explicada pelo anjo Gabriel, foi interpretada erroneamente pelos pioneiros do movimento adventista. As revelações deste capítulo, não tratam de Roma, nem do papado e nem de algum avivamento religioso no final dos tempos. A ponta pequena de Daniel 8, não é a mesma de Daniel 7, isto a Bíblia e a história confirmam. Flávio Josefo, grande historiador da nação judaica, comentando sobre Daniel 8, deu as mesmas explicações que daremos a seguir.
    Que purificação foi realizada por Judas Macabeu e que se ajusta perfeitamente ao caso e tempo mencionados em Daniel 8:14?
    O período de contaminação e purificação do santuário referidos nesta profecia se cumpriram literalmente em 1150 dias e dentro do império grego; para ser mais exato, no fim deste imprório. É inconcebível e inaceitável a interpretação adventista que tenta colocar o surgimento da ponta pequena de Daniel 8 no ano 457 a.C., ou seja, no princípio do império medo-persa.
    Igualmente absurda a idéia de usar a mesma data para o início da contagem das 70 semanas, que nada tem a ver com o assunto.
    O santuário foi profanado por Antíoco IV Epífanes, no final do Império Grego (Dan. 8:21-23), de 165-168 a.C. e purificado por Judas Macabeu: " Então Judas e seus irmãos disseram: Eis que estão nossos inimigos derrotados; vamos agora purificar e renovar o templo. Então ordenou Judas que fossem alguns combater...enquanto se purificavam os lugares santos. E escolheu sacerdotes sem mancha...os quais purificaram os lugares santos...e reedificaram o santuário...santificaram o templo e os Átrios...E no dia vinte e cinco do nono mês... levantaram-se antes do amanhecer e ofereceram o sacrifício...sobre o novo altar. " (I Mac. 4:36,41-53). Esta purificação se completou no dia 25 do nono mês, denominado Kislev.
    As 2300 tardes e manhãs (ou 1150 dias literais) de contaminação do Santuário terrestre de Jerusalém se cumpriram em Antíoco IV Epífanes!
    A 15 de Kislev de 145 (Ano Selêucida que corresponde ao ano de 168 a.C. do calendário Juliano), ocorreu a profanação do Santuário (I Mac. 1:37-54), com a introdução da abominação desoladora sobre o altar dos holocaustos, ou seja, a ereção do altar do deus pagão Zeus ou Júpiter.
    A 25 de Kislev, começou a oferta de sacrifícios impuros e, finalmente, a 25 de Kislev de 148 (ano 165 a.C. do calendário Juliano), o templo foi purificado e reedificado ao Senhor (I Mac. 1:54).
    Podemos facilmente concluir que o período de 1150 dias literais, ou de 2300 sacrifícios, se cumpriram de 145 a 148 (Ano Selêucida) ou de 168 a 165 a.C. (calendário Juliano).

    ResponderExcluir
  34. continuando...

    Convém lembrar que Antíoco reinou de 143 a 149, ou seja, de 170 a 164 a.C.. Também podemos visualizar melhor os erros da manipulação de datas da teologia adventista.
    Contando o tempo desde a introdução da abominação no templo, a 15 de Kislev de 148, temos 3 anos e 10 dias, ou seja, 1105 dias, faltando para 1150, apenas 45 dias. Temos que considerar que na verdade a profanação começou antes, conforme descreve I Mac. 1:37-53, o que preenche tranquilamente os 45 dias faltantes.
    Segundo a nota de rodapé da Bíblia católica - Ed. Paulinas, Pontifí­cio Instituto Bíblico de Roma, o dia 15 de Kislev corresponde a 10 de dezembro de 168 a.C., e conforme Braley em, "A Negleted Era ", o decreto contra a religião hebraica emitido por Antí­oco IV e descrito em I Mac. 1:41, foi enviado a 25 de outubro de 168 a.C. Ora, de 25 de outubro até 10 de dezembro temos 45 dias, que somando as 1105, totalizam 1150 dias. Concluimos que Antíoco IV foi, portanto, a ponta pequena do capítulo oito. Não se deve confundir esta ponta surgida no fim do império grego, com a do capítulo sete de Daniel, que surgiu no império de Roma.
    Ainda que a teologia adventista começasse a contagem no tempo correto, indicado na profecia, chegaria ao ano de 2132, o que seria outro erro.
    Face ao que até agora foi exposto, perguntamos:
    Se a profecia das 2300 tardes e manhãs teve seu ponto de partida em 457 a.C., e terminando em 1844, haveria pelo menos uma prova histórica ou bíblica de que durante este grande período de tempo não foi oferecido sacrifício algum? Sim, porque é conhecido que no tempo de Jesus Cristo, e até depois, ainda havia o sistema sacrificial.
    Perguntamos, porque o sacrifí­cio sendo tirado (proibido) é uma das condições para que fosse profanado o Santuário.
    O sistema sacrificial judaico foi interrompido uma única vez na história: e isto se deu no final do Império Grego, quando a nação judaica estava sob o domí­nio de Antí­oco (Massorah, haphtaroth XVIII 6, ref. Dan. 8: 11-12; Dan. 11:31). também digno de nota que o sistema de sacrifícios foi reativado no dia 14 de dezembro de 164 a.C., quando da purificação do Santuário (Jewish Antiquities - F. Josefus, tomo vii).
    (Texto Base Abiézer Junqueira - CINA)

    ResponderExcluir
  35. Zergon,

    As marcas da besta nada mais são que a atitudes anômicas generalizada na vida das pessoas, isto é, modo de vida com prática totalmente e conscientemente contrárias ao padrão divino revelado e estabelecido pela outorga da Torah em pentecoste no Sinai com inscrições feitas em pedras, e restabelecido em pentecoste em Jerusalém (Atos 2) com inscrições feitas no coração e na mente (Jer. 31:33-34 e Hb. 10:16) pela própria ação de D-us mediante o derramar da Ruach HaKodesh (Espírito Santo).
    O local das marcas da besta são ao meu ver totalmente alegórico, numa tentativa zombeteira alusiva ao mandamento expresso em Deuteronômio 6:8, pois ao contrario do que fazem os Judeus Ortodoxos ao prenderem os Tfilin, isto é, caixinhas de couro com textos da Torah na testa e na mão esquerda, este mandamento tem sua aplicabilidade prática pois “na tua mão” significa nada mais que em seus atos praticados estejam as Palavras ensinadas na Torah, “e que seja por frontais entre seus olhos” pode tanto significar o modo de enxergar as coisas pelo prisma da Palavra, ou no controle de seus pensamentos pautados pelo padrão divino explicitado pela Palavra, neste mesmo entendimento podemos aplicar isso ao significado implícito nas marcas da Besta nas mãos e na testa.

    Quanto ao Reino Messiânico e a prisão de HaSatan recomendo ler Apocalipse 20, pois lá há clareza nos fatos narrados, vemos que o Reinado vai ser na Terra, pois desde que Yeshua pisa no monte das Oliveiras ele não volta para o alto conforme narrativa, vemos também que HaSatan é literalmente aprisionado por um anjo (Apoc, 20:1-3, 7) provavelmente Miguel, por mil anos, vemos que nações ainda não regeneradas que obviamente não poderiam estar habitando a Nova Jerusalém se levantando contra o arraial dos santos e a cidade amada que é Jerusalém Terrestre, na famosa guerra de Gogue e Magogue, e após a Vitória definitiva há estabelecimento do julgamento final diante do Trono Branco e daí sim vem os novos céus e nova terra e a descida da Nova Jerusalém (Apoc. 21)
    Para melhor entender o Reino Messiânico, recomendo ler o Livro de Ezequiel inteiro, mas principalmente entre os Capítulos 40 e 48.

    Espero ter ajudado.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  36. Anônimo,

    Que coisa feia não se identificar, mas vamos ao ponto, antes de falar que não aceitamos a Divinda de Yeshua primeiramente leia o artigo na íntegra, e aproveite para ler nos comentários acima os desdobramentos da explicação do ponto 5 levantado pelo colega Zergon, no qual nós ao contrário do que você acha afirmamos a Divindade de Yeshua e a confirmamos com embasamento bíblico, mas o conceito de divindade para mim deve ser diferente do que você acredita, por isso recomendo a leitura com calma e sem preconceitos e depois nós voltamos a nos falar.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach

    ResponderExcluir
  37. Tertuliano,

    Recomendo a você ler logo acima um cometário nosso de 22/05/2011 em resposta ao caro Zergon que tem como epígrafe o seguinte: 4.R) As dúvidas que geralmente são suscitadas por este versículo do "façamos" são:.....
    Após a leitura dos três comentários em sequencia sobre o nosso ponto de vista do "Façamos", e se ainda surgirem dúvidas sobre o "Desçamos e confundamos" entre em contato novamente para ajudarmos nas dúvidas.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  38. Tito,

    Isso mesmo seria uma infundada antecipação do Juízo, que contradiria e impossibilitaria a futura provação das obras dos santos pelo fogo conforme a gramática de 1 Cor. 3:12-15 nos leva a entender.
    E se há esta invesigação iniciada em 1844 por que em Apocalipse 20.12 ainda tem a abertura de livros para ver as obras das pessoas, será que de 1844 até a data do Juizo Final , nao deu tempo de estar tudo lido e julgado.
    Fora a incompatibilidade da idéia trinitária deles e a estranha movimentação de Yeshua do Lugar Santo para o Lugar Santissimo, pois se Yeshua é D-us ou 33,3333% de D-us, então ele seria onipresente, assim como explicar o movimento dentro do Tabernáculo Celeste, estranho não acha. fora outras coisas que não quero perder tempo relatando.


    Tito, agradecemos a sua importante e sempre requisitada participação, fique a vontade.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shalom Metushelach!

      Eu li os dois comentários, ou melhor dizendo, as duas respostas que vc deu a respeito do Juízo Investigativo, e acabo tendo que discordar delas.

      Não me leve a mal, por favor, mas caso o irmão queira responder a tais questionamentos, procure compreender melhor a doutrina do Juízo dentro da compreensão Adventista para você não cometer o erro de dar explicações e refutações equivocadas, como por exemplo, afirmar que o Juízo Investigativo é para D'us conhecer quem são os Seus servos (o Juízo não é para D'us, mas sim para os seres celestiais que estão ao redor do trono na abertura dos livros Dn 7); ou então utilizar a tradução errada de Hb 9:11 que trás "Santo dos Santos"; ou confundir o pagamento da salvação feita na cruz com o sacrifício de Yeshua com a expiação ministrada por Ele no Santuário Celetial (Seu sacrifício foi completo na cruz, mas a expiação dos pecados ainda se dá pelo Seu ministério que iria exercer. Lembre-se das sombras que o Eterno estabeleceu no Santuário Terrestre); ou misturar a abertura dos livros de Ap 20 que ocorre após o retorno de Yeshua com o Juízo Investigativo, a qual na realidade refere-se ao que chamamos de Juízo Comprovativo ou Confirmativo, pois o mesmo tem como objetivo comprovar para os salvos o porque tais pessoais não foram salvas.

      Em fim, meu conselho não é para que o irmão creia nessa doutrina, mas que procure ter um maior conhecimento para não fornecer respostas, e/ou explicações erradas para pessoas que buscam aprender mais.

      De resto, admiro muito os seus artigos, pois são ricos no conteúdo apresentado.

      Que o Eterno lhe abençoe! Fique na Paz de Yeshua, seu Filho!

      Excluir
  39. Metushelach,

    Mais uma vez sou obrigado a parabenizá-lo pela aula de história antiga.

    Foi bem esclarecedor e com certeza está me ajudando a ver a Bíblia como Deus a fez e não como as religiões por aí estão impondo.

    Ficou apenas a dúvida da pergunta 7 que é muito significativo para mim saber seu posicionamento teológico sobre:

    7-

    Quem a Bíblia de um ponto de vista judaico, realmente diz ser o Espírito Santo? Uma Energia? A Manifestação de Deus na terra? Um representante de Jesus entre nós? Ou alguém pessoal subordinado ao Pai Todo-Poderoso? Levando em conta que a trindade está bem longe do que eu pensava ser como vc tem me mostrado, entao onde entra o Espírito Santo?

    Que o Eterno os abençõe vcs que fazem esse blog, pois esse blog tem me ajudado bastante.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  40. Num resumo objetivo, como vc vê a dita "trindade", digo individualmente pois eu tambem nao creio num Deus 3 em 1, e mesmo não sendo judeu e tendo conhecido sobre o judaísmo messianico através de seu Blog, como vc descreveria em essencia, natureza e hierarquia principalmente quanto a nós humanos e ao anjos e demônios, quem são na sua visão teológica: Yahaweh, Yeshua HaMassiach e Ruach Hakodesh?

    É com muita tristeza no coração que vejo que o mundo está cada vez mais perdido por doutrinas criadas por homens como diz em Jo 7:17-18, as vezes me vejo sem rumo por tantas loucuras teologicas espalhadas por aí.

    Agradeço a você por esse Blog, pois alguém tem que se levantar contra os falsos profetas.

    Parabéns pelo belo trabalho de concientização Bíblica Genuína.

    Graça e Paz

    ResponderExcluir
  41. Zergon,

    Obrigado novamente pelo apoio e pela confiança, Bendito seja o Eterno em nos possibilitar ajudar aos que se achegam até nós.

    Sobre a questão 7, fique tranquilo que eu já postarei algo, é que o assunto é tão relevante que eu quero ser minucioso para não gerar confusões e ser mal entendido.
    E gostaria de saber se o assunto da marca da besta, e do Reino Messiânico ficou bem explanado, ou se ficaram muitas dúvidas?
    Qualque coisa estamos aqui.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  42. Tito,

    Agradecemos o apoio em suas palavras, e pedimos sempre A D-us que nos capacite para que possamos enfrentar as batalhas com fé e amor, e desde já pedimos a ajuda de todos para orem por nossa causa, e nos ajudem sempre participando e difundindo as verdades Biblicas aqui estudadas.

    Quanto a suaa indagações, primeiro pra saber o que podemos relatar da essencia do homem segundo a Biblia recomendo ler o artigo do Blog chamado Alma vivente ou Alma penada?

    Quanto a trindade não creio nem no termo, pois existem apenas duas pessoas no processo criacional a saber o D-us Todo Poderoso, o Pai, e a Palavra de D-us personificada em certa data que a partir da personificação é tido como o Filho de D-us, que é a "ferramenta" pela qual o Pai faz todas as coisas, e que após a encarnação na qual a Palavra se esvaziou de sua Divindade ou melhor, Sobrenaturalidade, se tornado servo, obedecendo e aprendendo pelo que padeceu, foi honrado novamente recebendo do Pai toda a autoridade que é do Pai para concluir um plano divino estabelecido pelo Pai.
    Quanto a Ruach HaKodesh como o proprio termo quer dizer é um sopro, emanação, canal de comunicabilidade de atributos que D-us se utiliza para auxiliar os Homens, e dependendo da intensidade chega a ser a manifestação compactada de D-us, digo compactada pelo fato de poder se achegar ao homem maldito e pecador sem destruí-lo com a Sua santidade, pois se nao fosse desta forma compactada de manifestação o homem seria desintegrado diante de tamanha santidade e poder, mas pelo contrario por esta forma compacta Ele convence o homem da justiça do juizo e do pecado, o consola e adentra nele para o fazer um no corpo místico de seu Filho.

    Espero ter ajudado.

    Shalom

    ResponderExcluir
  43. Metushelach,

    Quando você se refere: "e após a Vitória definitiva há estabelecimento do julgamento final diante do Trono Branco e daí sim vem os novos céus e nova terra e a descida da Nova Jerusalém (Apoc. 21)", nesse caso para descer ela teria que ter subido, pois a dúvida é na questão "lago de fogo", pois se for aqui tudo queimado e purificado a cidade santa nao poderia estar aqui na terra, digo, pelo menos no momento da recriação do novo céu e nova terra. Não sei se estou confundindo tudo mas assim que entendi essa parte.

    Quanto a marca da besta, seria uma espécie de alusão a simbolismo da caixinha na cabeça dos judeus ortodoxos, cito (fronte) como uma idéia mentirosa que vários terão como verdade prática e a marca na mao ficou ainda meio confuso, aguardo mais alguma explanação qd possível.

    Que o Eterno Deus soberano sempre os abençõe.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  44. Zergon,

    Quando eu falo da vitória definitiva, falo do fim da guerra de Gogue e Magogue, após isso vem o julgamento final, mas a Nova Jerusaláem ainda não havia descido até então, não confundir a cidade santa e amada que é a Jerusalém terrestre com Nova Jerusalém que somente esteve próxima a Terra quando aqui existia o Jardim do Éden e que se estabelecerá por sobre a jerusalém terrestre apóa a purificação da terra pelo fogo.

    A marca da besta é uma alusão não a caixinha em si, mas sim ao mandamento que deu a origem errônea do uso da caixinha na testa e na mão esquerda, pois o mandamento faz alusão a se ter o mandamento ou as Palavras de D-us por frontais entre os olhos não de forma física de caixinhas mas sim na forma de se filtrar o mundo pela visão e pelo pensamento, e quando fala de ter os mandamentos ou Palavra de D-us na mão, nao quer dizer estar com a caixinha amarrada na mão sim ter a Palavra expressa pelas atitudes e obras que pela mão efetuamos, sendo assim a marca da besta é a inversão do sentido deste mandamento, fazendo que tenhamos na mente tudo que é contra a Palavra e que as noassas atitudes expressa pela nossas mãos tambem transparessam esta negação as coisas santas de D-us.

    ResponderExcluir
  45. Zergon,

    E para não ter dúvida do que é a Nova Jerusalém, quando Moshe fez o tabernáculo ele fez conforme modelo que ele viu nos céus, e este modelo que é a Nova Jerusalém, que tem em seu centro a árvore da vida que estava no jardim do Éden e teve que ser protegida pelo Querubin de espada Flamejante.

    ResponderExcluir
  46. Metushelach,

    Agora eu entendi, mais uma vez sua explicação foi bem exposta.

    A pergunta que fica baseado nessa correta interpretação das escrituras então, é: e a tal famosa teoria da conspiração mundial pelos, ditos Illuminatis, isso tem algum fundamento ou é devaneio humano apocalíptico, pois até o tal "CHIP MONDEX 666" foi criado, seria isso tudo uma forçação de barra para inserir terrorismo religioso na população, não sei se vc já ouviu falar da FEMA, é muito argumentos que os conspiracionistas tem para tentar trazer para a Bíblia mas pelo visto acho que estão muito fora da verdade.

    Mais uma pergunta que tem haver com o assunto, oque vc sabe e até que ponto nos influência a famigerada maçonaria dentro das Escrituras Sagradas? Você já observou os códigos de barras, veja qual é o numero 6 e onde ele aparece... muito intrigante.

    Fique na Paz.

    ResponderExcluir
  47. Metushelach,

    Fui confrontado com a passagem de Romanos 9:5, onde na grande maioria das Bíblias se coloca Jesus como Deus, porém a BJC o coloca acima de todos (que reflete uma posição mais real) porém os subsídios da Bíblia de Jerusalém são gritantes em afirmar sua igualdade ao Eterno em seu coméntário de rodapé.

    Dai eu te perguntaria, como estaria no original Hebraico/Aramaico/Grego essa conflitante passagem para que eu possa elucidá-la? Se chama Jesus de Deus realmente ou é mais uma adulteração trinitariana proposital?

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  48. Encotrei esse artigo e gostaria que vc pudesse fazer uma análise judaica sobre o mesmo e confirmar se essas informações podem afirmar tal teoria:

    Em relação ao recurso que se faz aos Pais da Igreja que viveram antes de Nicéia,
    percebe-se que existe uma aproximação por demais piedosa por parte de autores católicos e outra mais cautelosa por parte de autores protestantes. É que o catolicismo sempre aceitou a tradição pós-bíblica como legítima fonte de doutrinas,
    o que eleva os Pais da Igreja à categoria de “ autores inspirados”, cuja função norte-adora era a mesma atribuída aos escritores bíblicos. Já o protestantismo com seu ideal de sola scriptura preferiu ver nos escritos dos Pais apenas uma loca probantia da teologia sistemática, ou seja, estudá-los como testemunhas históricas do comportamento progressivo de uma doutrina através dos tempos e não como fonte autoritativa de uma crença.

    Com estes elementos em mente, é importante desdobrar alguns esclarecimentos em
    relação às citações patrísticas que, a seguir, serão feitas. Uma abordagem adventista destes escritores compreenderá que:

    1) Os Pais da Igreja testemunham o modo como o cristianismo primitivo, antes de
    sofrer qualquer influência do catolicismo medieval, entendia certas passagens das Escrituras. Assim, podem oferecer uma visão mais desanuviada das doutrinas apostólicas, pois alguns deles, como Clemente de Roma e Policarpo, conheceram pessoalmente os apóstolos e receberam aprovação destes como líderes da Igreja.

    2) Embora não se possa dizer que houvesse uma perfeita “unanimidade de
    pensamento” neste período, é possível afirmar que eles já tinham bem nítida a diferença
    entre ensino apostólico (ortodoxia) e os movimentos heréticos, especialmente aqueles
    Elementos básicos da fé como a filiação divina de oriundos de Marcion e do gnosticismo. Cristo, sua encarnação, o juízo final e outros já estavam firmemente estabelecidos desde os tempos antigos.

    3) Devido ao caráter historicamente inicial de seus tratados, é importante que o leitor
    não busque em seus argumentos a nomenclatura teológica própria dos tempos pós-nicenos. Termos que mais tarde passaram a ser técnicos na teologia não possuíam ainda aquele tratamento unânime e cuidadoso que se exigirá de um tratado teológico contemporâneo. Hypostasis, por exemplo, era um termo usado por alguns escritores para referir-se à pessoa, enquanto outros o empregavam como sinônimo de substância.
    O mesmo se dá com seus conceitos que por estarem numa sistematização inicial não abarcarão todos os detalhes de uma discussão que lhes é posterior.

    Continua...

    ResponderExcluir
  49. 4) A despeito de seu grande valor testemunhal, os Pais da Igreja não devem ser
    usados como fonte de doutrina. Na verdade nenhum deles reclamou para si inspiração divina ou se declarou profeta. A fonte básica e única da fé cristã era e continua sendo a Bíblia. Quaisquer escritos posteriores servirão apenas para facilitar a compreensão do que está no Santo Livro e não para produzir novas crenças.

    5) O valor testemunhal destes escritores está representado profeticamente na carta
    apocalíptica à Igreja de Esmirna (Ap 2:8-11), pois foi neste período que eles viveram. Note que nenhuma repreensão é apresentada em relação aos cristãos daquele tempo. Pelo contrário, sua fé é elogiada com muito vigor, pois muitos deles tiveram que assinar seu testemunho com o próprio sangue de seu martírio.

    6) É importante repetir que o proposto neste artigo não é endossar indiscriminadamente toda doutrina dos Pais da Igreja, mas verificar, pelo seu testemunho, se a
    Trindade era crida na Igreja pré-nicena ou se, como dizem alguns, seria fruto apenas do
    Concílio ocorrido no quarto século.

    CONCEITOS PATRÍSTICOS SOBRE A TRINDADE
    Clemente de Roma, que viveu no fim do primeiro século, escreveu por volta do ano
    96 uma carta de conforto aos cristãos de Corinto, que estavam sendo perseguidos por
    Domiciano (o mesmo imperador que deportou João para a ilha de Patmos). Ao falar da união da Igreja ele diz: “Não temos nós [todos] um único Deus e um único Cristo? E não há um único Espírito da Graça derramado sobre nós?”
    Embora este não seja um texto de “defesa” da Trindade, chama-nos a atenção sua “linguagem trinitariana” que subentende uma idéia triúna de Deus. Outros autores são ainda mais claros em sua exposição.

    Inácio († 105 d.C.), que foi o segundo sucessor de Pedro como pastor em Antioquia,
    também ensinava a doutrina da Trindade. Mártir durante o reinado de Trajano, ele escreveu uma epístola aos cristãos da Trália, dizendo-lhes que, a despeito do sofrimento, continuassem “em íntima união com Jesus Cristo, o nosso Deus”
    – o que acentua a idéia da divindade de Cristo. Num outro manuscrito, onde uma versão mais longa é preservada, o mesmo autor adverte os irmãos contra aqueles que ensinavam doutrinas contrárias à fé dos apóstolos. Entre seus ensinos equivocados estaria a idéia de que “o Espírito Santo não existe” e que “o Pai, o Filho e o Espírito Santo seriam a mesma pessoa”.

    Continua...

    ResponderExcluir
  50. Justino, cognominado “o Mártir”, foi outro que escreveu várias apologias em favor do
    Cristianismo e contra a supremacia da filosofia grega. Num de seus textos, concluído por volta de 160 d.C., ele diz: “Já que somos considerados ateus, nós admitimos nosso ateísmo em relação a estes [vários] tipos de deuses [do politeísmo]. Mas, no que diz respeito ao verdadeiro Deus, o Pai da justiça e temperança ..., ao Filho, ... e ao Espírito Profético, [saibam que] nós os adoramos e reverenciamos.”

    Atenágoras, também respondendo à acusação de serem os cristãos chamados de
    ateus por não aceitarem o politeísmo pagão, escreveu em 175 d.C.: “Ora, quem não ficaria perplexo em ouvir chamar de ateus pessoas que pregam de Deus o Pai, de Deus o Filho e do Espírito Santo e que declaram serem um no poder, mas distintos na ordem?”
    Noutra passagem ele ainda diz: “Os cristãos reconhecem a Deus e a seu Logos. Eles também reconhecem o tipo de unicidade que o Filho tem com o Pai e que tipo de comunhão o Pai tem com o Filho. Ademais, eles sabem o que é o Espírito e que a unidade é [formada] destes três: O Espírito, o Filho e o Pai”. “Nós reconhecemos um Deus, um Filho e um Espírito Santo, os quais são unidos na essência.”

    Ireneu de Lion é outro importante autor deste período. Convertido na adolescência,
    ele foi discípulo de Policarpo que, por sua vez, foi discípulo do apóstolo João. Sua principal obra, intitulada Contra heresias, dispõe de cinco volumes e foi escrita por volta de 177 d.C. Respondendo às idéias gnósticas de seu tempo, ele toma o cuidado de diferenciar, por exemplo, o “fôlego [espírito] de vida” dados às criaturas em geral, do “Espírito Santo”, que é Deus habitando com o crente.
    Explicando ainda que Deus é diferente dos homens, Ireneu fala da Palavra e da
    Sabedoria do Criador como sendo duas pessoas divinas unidas a uma terceira (o Pai) numa única divindade.

    Hipólito (c. 205 d.C.), autor do mais antigo comentário de Daniel de que dispomos,
    disse que “a Terra é movida por estes três: o Pai, o Filho e o Espírito Santo”.
    Noutra passagem, após citar a fórmula batismal em nome do Pai, do Filho e do Espírito, ele demonstra que já no seu tempo havia os que negavam esta doutrina, pois diz: “qualquer um que omitir um destes três, falha em glorificar a Deus de um modo perfeito. Pois é por meio desta Trindade (Triados) que o Pai é glorificado.”
    Sendo o último teólogo de peso a escrever em grego e não em latim, Hipólito merece
    um destaque por ter sido, nas palavras de W. Walker, “um dos primeiros antipapas” da
    história. Ele foi veemente em sua oposição a Calixto, bispo de Roma, que já naqueles idos pretendia a centralização do poder. Calixto chegou a disciplinar Hipólito por sua teologia acerca do Logos divino, o que demonstra que seus conceitos trinitarianos provinham de sua consciência, e não de uma imposição arbitrária do bispo de Roma.

    Cripriano ( † 250 d.C.), que também cita como válida a fórmula batismal mateana,
    explicando que “ele [o evangelista] sugere aqui a Trindade, na qual as nações foram
    batizadas”.Embora a crítica textual coloque como espúrio o texto de 1 João 5:7, é digno de nota que Cipriano parece fazer referência a esta interpolação quando diz: “O Senhor disse: ‘Eu e o Pai somos um’ e novamente está escrito acerca do pai do Filho e do Espírito Santo: ‘e estes três são um’”. É claro que tal citação, indireta, não é suficiente para qualificar como digna a interpolação da comma joanina. Não obstante, é possível assumir que esta interpolação ou parte dela já fosse conhecida pelos pais latinos bem antes de Nicéia.

    Obrigado

    ResponderExcluir
  51. O interessante nisso tudo é que, nao existem nas Escrituras menções desta triunidadee ou trindade explicita, diretamente pelos apostolos. Se,assim passaram a interpretar seus "discipulos" nao deve ser descartada a 'fragilidade humana' dos chamados pais da igreja. Se assim ensinaram seus 'mestres' , por que nao o colocaram explicitamente nos seus Escritos? Shalom.

    ResponderExcluir
  52. Zergon,

    Pra ser direto, a maçonaria não existia nos tempos Bíblicos, o que existia e faz parte da maçonaria hoje é a famosa sociedade dos homens que guardam os Mistérios Babilônicos surgidos com Ninrod o construtor da Torre de Babel e perpetuado por sua família que deu origem a tudo que é pagão.
    Quanto a FEMA é apenas teoria da conspiração, pois os filhos das trevas que sabem do plano do Iníquo, agem de forma discreta no cotidiano das pessoas, controlando o que é ensinado para os nossos filhos nos primeiros anos de idade, controlando o que assistimos na Tv e no cinema, controlando o forma como comemos, tudo com influências sorrateiras que nem percebemos, que fez sairmos de uma idade de ingenuidade de outrora para a completa perversidade dos dias de hoje.
    O intrigante código de barras é apenas uma simples associação de 13 algarismos, que identifica bem cada produto.
    Os 2 primeiros algarismos correspondem ao país;
    os 5 números seguintes identificam a empresa fabricante do produto;
    os outros 5 formam o número escolhido pela empresa para identificar o produto;
    o último algarismo é um dígito de controle que permite detectar erros nos dígitos do país, da empresa ou do produto.

    No Brasil todo o produto que tem os dizeres Ind. Brasileira começa por 78, a exceção são os livros que por seguirem o padrão ISBN tem sempre o começo por 978, como vemos nada de “conspiração bestial”.

    ResponderExcluir
  53. Zergon,

    Segue o texto de Romanos em Grego:
    ὧν οἱ πατέρες καὶ ἐξ ὧν ὁ Χριστὸς τὸ κατὰ σάρκα, ὁ ὢν ἐπὶ πάντων θεὸς εὐλογητὸς εἰς τοὺς αἰῶνας, ἀμήν

    Segue em Hebraico:
    ולהם האבות ואשר מהם יצא המשיח לפי בשרו אשר הוא אל על הכל מברך לעולמים אמן׃

    Segue em Aramaico da Peshita:
    ܘܐܒܗܬܐ ܘܡܢܗܘܢ ܐܬܚܙܝ ܡܫܝܚܐ ܒܒܤܪ ܕܐܝܬܘܗܝ ܐܠܗܐ ܕܥܠ ܟܠ ܕܠܗ ܬܫܒܚܢ ܘܒܘܪܟܢ ܠܥܠܡ ܥܠܡܝܢ ܐܡܝܢ ܀

    O entendimento é simples, mas pode se chegar na negação da Eudeusação de Yeshua por dois caminhos, um é mostrar a estrutura da frase em Grego, e compara-la com diversas outras construções similares e chegaremos na seguinte conclusão, após "sobre todos", Há um interrupção textual, isto é uma virgula ou ponto que nãoexistem graficamente no grego, e logo se tem uma construção conhecida como benção judaica
    "Louvado seja D-us para sempre" que se mal traduzida vira "D-us bendito para sempre,amém", notamos que ocorre a mesma benção por exemplo em Romanos 1:25, e nada mais é que a seguinte benção em hebraico: Baruch Adonai L'olam Va'ed, Amen.
    Fora que o comentário da Biblia de Jerusalem não é tão gritante assim, pois primeiro ela quase que somente se defende, explicando que Paulo assume a postura verdadeira de um Judeu Messiânico que é a de enchergar Yeshua como Filho de D-us, Palavra de D-us e ferramenta usada na criação, após isso que ocorre uma tentativa infrutifera de citar texto críticos para apoiar a idéia errada por má tradução.

    Continuamos.... mais tarde, comecei para nao te deixar na mão muito tempo.

    Shalom

    ResponderExcluir
  54. Metushelach,

    Aguardarei pela continuidade de sua explicaçao desse versículo com ansiedade, pois ele tem me causado uma certa "impotência" hermenêutica apologética quando em explanações com trinitarianos, pois através de sua boa vontade e conhecimento bíblico genuíno judaico, que eu já não acreditava na trindade da forma que é pregada, pois eu cria sim numa trindade separada individualmente (pseudo-politeísmo), e com o seu blog eu vi que estava no caminho certo faltava apenas ENTENDER CORRETAMENTE o lugar de cada um da dita "triunidade pregada".

    Daí me foi colocado que Cristo teria sim uma "sobordinação funcional" à Deus, ou seja, que enquanto Jesus estava encarnado, sua subordinação era óbvia, mas após sua ressurreição ele tornaria a trindade e a deidade (eterno) e para me justificarem isso se utilizam de Romanos 9:5 e mais uma pancada de versículos em sua maioria dos comentários da Bíblia de Jerusalém e do Peregrino, fora as famosas de estudo de Joao Ferreira de Almeida, daí como eu nao tenho o conhecimento igual a vc embora esteja buscando, e nem de longe sua flexibilidade linguistica de expor as questoes eu recorri a vc e mais uma vez agradeço.

    Quanto a questao da teoria da conspiração, eu também nao dou muita importancia, apesar deles pegarem pesado em seus argumentos do tipo: Illumitatis, Modex, FEMA e cia. ltda., porém queria saber sua opinião, que com certeza foi bem clara.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  55. Zergon,

    Desculpe pela demora.

    Sobre a interpretação correta de Romanos 9:5 pela configuração da frase e pelo teor do contexto, o que foi dito anteriormente já seria o suficiente para quem tem um conhecimento de cultura Judaica, e conhecimento lingüístico do Grego Koinê para se convencer de que Yeshua não é chamado de D-us bendito eternamente, amem; pode ver que até em português soa muito estranho o alongamento da frase com termino em algo litúrgico como o “AMEN”.
    Mas podemos complementar o nosso ponto de vista, em desmistificar a Endeusação de Yeshua apoiado nesta passagem.
    Podemos citar a utilização do termo εὐλογητὸς “eulogetos”, que é um termo utilizado prioritariamente na Bíblia para se referenciar a D-us o Todo Poderoso, e na liturgia Judaica este termo é vertido para “Baruch ata” no hebraico com o sentido de Brachot “benções”, que são feitas antes e após qualquer ato cerimonial e quando na escrita há um recital dos atributos ou de atos ou características do Eterno sempre se suscita esta benção que se inicia com o Bendito seja ele ou Bendito o seja.
    E como já exposto esta construção é idêntica à de Romanos 1:25, com exceção do Theos que é subentendido como o Criador.
    Outras passagens que comprovam o uso do termo εὐλογητὸς “eulogetos” somente a D-us Todo Poderoso são as seguintes: Luc. 1:68; 2 Cor. 1:3, 11:31; Ef. 1:3 e 1 Pe. 1:3.
    Na Septuaginta também encontramos a mesma regra de utilização do termo εὐλογητὸς que é prioritariamente em referência a D-us o Todo Poderoso conforme as seguintes referências: Gn. 24:27; Rt. 4:14; 1 Sm. 25:39; 1 Rs. 5:7; 1 Cron. 29:10; 2 Cron. 2:12, 6:4; Esd. 7:27; Salmos 144.1; Dn. 3:28 e Zc. 11:5.

    Neste caso especifico de Romanos 9:5 por causa da construção gramatical da frase que já vimos que é a recitação de uma benção, não cabe um outro argumento que eu me utilizo para correta compreensão do sentido do texto bíblico, que seria principalmente as regras gramaticais do grego koine, como a distributiva usada para explicar Tito 2:13, a compressiva e varias outras, e fora a contextualização da cultura hebraica na utilização do Termo Elohim que no grego ficou vertido prioritariamente para Theos de forma que pode trazer confusão à alguns textos, pois Yeshua pode ser chamado de Elohim, assim como eu e você em certos aspectos podemos ser chamados de Elohim (Salmos 82:6 e João 10.34), pois este termo nada mais é que a designação daquele que possui autoridades e poderes para trazer juízo sobre questões em que D-us o Todo Poderoso, assim nos outorga para que façamos.
    Yeshua por questões hierárquicas é o que perfeitamente pode trazer o justo juízo da parte de D-us por ser a própria Palavra de Justiça de D-us. e que pela obediência em forma de servo recebeu tal autoridades e poderes assim na Terra como nos Céus ( Mt. 28:18; Jo. 5:27, 10:18, 17:2 e 19:11)

    ResponderExcluir
  56. Tertuliano,

    Assim como o Paulo Jorge falou, eu também replico, se a Torah, os Profetas, os Salmos, os Evangelhos, os Apóstolos e finalmente Yeshua nunca falaram da dita Trindade é porque o entendimento dela não é fundamental para a salvação.
    Ficamos assim, se ela existir não há pecado nenhum em não a reconhecermos pois não foi retratada na Escrituras para isso.
    Mas se pelo contrário ela não existir encorremos em sacrilégio, idolatria, heresia em aceita-la e proclama-la, sendo assim não quero correr riscos.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  57. Metushelach,

    Mesmo os trinitarianos, e confesso eu também ainda não consegui me despir desse conceito de uma vida inteira, concordo com o seu comentário e do Paulo Jorge sobre o assunto, o difícil é quebrar os argumentos pré-concebidos através de séculos de história cristã, é muito estranho depois de tanto tempo se descobrir que algo ensinado por gerações não passa de um grande engodo proposital.

    Estou sinceramente tentando aceitar essa verdade.

    Grato

    ResponderExcluir
  58. Metushelach,

    Muito bem explicado e já compreendido, faz bastante sentido sua análise, e fica bem óbvia que nesse caso de Romanos 9:5, foi intensionalmente colocado Cristo como Deus para mais uma vez atestar a doutrina trinitária, sendo a tradução da Bíblia Judaica trás um sentido bem mais próximo do original e retira esse conceito trinitário.

    Quanto a Tito 2:13, vc teria mais alguns versiculos similares para eu enriquecer minha tese sobre esse versiculo de Romanos 9:5?

    Obrigado.

    Fique na Paz

    ResponderExcluir
  59. Zergon,

    Sobre outros textos que podem causar dúvida de uma olhada na postagem conforme link: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2009/05/introducao-para-se-entender-de-onde.html

    Com certeza exitem vários outros que podem causar interpretações tendenciosas, mas conforme as dúvidas forem aparecendo, vamos estudando-as juntos.

    Shalom

    ResponderExcluir
  60. Tertuliano,

    Tenha Shalom em suas decisões, e sempre peça ao Pai em oração que Ele tem dê entendimento e firmeza em suas escolhas.

    Fique Na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  61. Metushelach,

    Baseado nos primeiros versiculos do evangelho de João, eu te perguntaria: Desde quando passou a existir Jesus? Qd Ele se formou, antes ou depois do nascimento através de Maria? E oque é o Espírito Santo? Seria uma manifestaçao de Deus em nossos corpos?

    Obrigado pelas palavras de incentivo.

    ResponderExcluir
  62. Metushelach,

    Esse artigo é muito interessante, e já enconterei um ponto duvidoso, porque a passagem de Êxodo 22:8 a palavra original Elohim é traduzida do hebraico para "juízes" na Bíblia Revista e Atualizada, Revista e Corrigida, Revista e corrigida Fiel, e na King James e no caso da Bíblia de Jerusalém, do Peregrino, e na Bíblia Judaica de David Stern se traduz para "Deus"? Qual está correto sendo que de acordo com o contexto dá claramente a entender que eram juízes e não Deus.

    Fique na Graça

    ResponderExcluir
  63. Tertuliano,

    Para ajudar na sua indagação recomendo ler a postagem sobre uma conversa que está até aqui nestes comentários acima que se encontra no link: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2011/05/conversas-sobre-o-verbo-ser-d-us-ou-d.html
    Após você ler a minha humilde tentativa de falar sobre este assunto tão complexo, e ainda você tiver alguma indagação pontual, estamos a disposição para ajudar.
    Mas para adiantar um pouquinho, O Filho de D-us, existe antes de seu nascimento carnal, pois ele é a Palavra de D-us, o Verbo Divino, as "vibrações vocais de D-us" se assim podermos antropatizar, que em certa data foi arrancado de D-us e se personificou sendo a partir dai um ser distinto de D-us, que se subordina aos designios de D-us e os cumpre em obediencia perfeita.
    Sobre o Espírito Santo, como eu já estou devendo um artigo para o Zergon somente sobre este assunto, eu apenas peço para aguardar que logo eu publico.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  64. Zergon,

    Bela observação, e desde já notamos a complexidade interpretativa do termo Elohim, mas não sei porque David Stern preferiu o termo D-us na BJC, tanto neste verso como em 21:6 e 22:28, sendo que o contexto é claro que são juízes, mas David Stern somente utiliza o termo “por juízes” no verso 21:22 quando aparece בפללים “bi’fililim”
    Já no verso 22:11 tanto na BJC, Bíblia Hebraica e JFA-RC usam termos similares para D-us como Adonai, o Eterno, SENHOR respectivamente, para a traduzir o tetragrama יהוה.

    EM Ex. 21.13 tem o termo והאלהים veha'Elohim que na JFA-RC pelo contexto não se utilizou do temo juízes mas optou corretamente pelo termo “mas D-us”

    Desta vez tenho que dar o braço a torcer e felicitar a versão João Ferreira de Almeida por ter a interpretação alinhada ao entendimento cultural do termo, sendo que neste ponto concordou em todas as passagens com a versão em português da Bíblia Hebraica da editora Sêfer.

    Mas nem por isso o entendimento de David Stern pode ser de todo desprezado no contexto da BJC, pois ele pode entender que os juízes estabelecidos, conforme conselho de Yetro para Moshe em Ex. 18:19-26 e reafirmado em Num. 11:16-17 , para julgar segundo os propósitos e instruções de D-us sendo assim os próprios representantes de D-us diante dos homens falam conforme o conselho de D-us portanto é o próprio D-us que julga, assim o entendimento de David Stern quanto ao termo אלהים não é de todo errado.

    ResponderExcluir
  65. Metushelach,

    Baseado em sua explanação:

    "...juízes estabelecidos, conforme conselho de Yetro para Moshe em Ex. 18:19-26 e reafirmado em Num. 11:16-17 , para julgar segundo os propósitos e instruções de D-us sendo assim os próprios representantes de D-us diante dos homens falam conforme o conselho de D-us portanto é o próprio D-us que julga..."

    Peguei essas anotações de rodapé das seguintes Bíblias que traduziram como "Deus" oque na verdade seria "juizes", para sua verificação e para ajudar no entendimento da troca desse termo:

    1) Bíblia de Jerusalém (Ecumênica)- O único que conhece os segredos do coração (Rm 2:16; I Co 4:3s)

    2) Bíblia do Peregrino (Luis Alonso SchoKel - Judeu)- Comparecer depois da morte (Hb 9:27; At 17:31)

    3) Bíblia Anotada JFA-RA
    O Tribunal de Deus (I Co 3:10-15; II Co 5:10)

    4) Comentario do novo testamento de David Stern -
    Limitou-se a citar Is 45:23, mencionado no versículo Rm 14:11, e englobou dos vers. 6 a 12 no mesmo comentário, portanto não justificou o termo infelizmente (Pois sem dúvida será a justificativa que vai fazer mais falta, por ser um judeu messianico).

    Qual dessas na sua visão judaica, estariam mais próximo do ideal de justificativa dessa tradução?

    E outra coisa curiosa, finalmente JFA-RC e JFA-RC Fiel, acertaram uma tradução complexa.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  66. Metushelach,

    REFAZENDO MEU COMNENTÁRIO, baseado em sua explanação abaixo:

    "...juízes estabelecidos, conforme conselho de Yetro para Moshe em Ex. 18:19-26 e reafirmado em Num. 11:16-17 , para julgar segundo os propósitos e instruções de D-us sendo assim os próprios representantes de D-us diante dos homens falam conforme o conselho de D-us portanto é o próprio D-us que julga..."

    Peguei essas anotações de rodapé das seguintes Bíblias que traduziram como "Deus" oque na verdade seria "juizes", para sua verificação e para ajudar no entendimento da troca desse termo:

    1) Bíblia de Jerusalém (Ecumênica)- Por decisão judiciaria, ordálio, oráculo ou juramento.

    2) Bíblia do Peregrino (Luis Alonso SchoKel - Judeu)- Casos de depósito. Qd o julgamento humano não basta, recorre-se a Deus: num caso para jurar a própria inocência, noutro caso para que o juizo de Deus designe o culpado. O juramento de inocencia se formula como imprecação contra si mesmo e se considera eficaz; ver Sl 7:3-6.

    3)Bíblia Pastoral (Católica) - sem justificativas sobre o termo em questão.

    Observação: a JFA-RC e JFA-RC Fiel, acertaram essa tradução que é bem complexa.

    Qual dessas na sua visão judaica, estariam mais próximo do ideal de justificativa dessa tradução?

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  67. Zergon,

    Desde já eu peço desculpas por não ser muito detalhista nesta minha argumentação, bem que eu gostaria de analisar a fundo os originais e comparar versões, mas como estou com uma filhinha pequena demandando minha atenção, bem como estou tentando criar uma argumentação sólida para explanar as Relações de Shavuot no Sinai com Pentecostes em Jerusalém para tentar apresentar à uma comunidade pentecostal que está comemorando o centenário do movimento no Brasil, me falta tempo, mas se lhe interessar mais adiante poderemos voltar ao assunto para dessecá-lo.


    Mas vamos as passagens que exprime D-us como juiz, pois o termo Elohim serve primariamente a D-us com o detentor dos poderes e das autoridades para julgar assim como é Ele quem capacita os juízes para que assim o façam em seu Nome.

    Vou usar a Versão da Biblia on line JFA-RA por ser a mais rápida de manuseio, para mostrar as passagens, sem nenhuma outra conotação de preferência.

    Romanos 2.16 “no dia em que D-us, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho.”

    Aqui vemos Elohim (D-us) em seu papel de detentor de poderes e autoridades em julgar, e também vemos Ele outorgando este poder para outro Elohim (Juiz) a saber o que melhor e perfeitamente poderia assumir este papel, o Filho de D-us.

    1 Coríntios 4.1-5 “Assim, pois, importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de D-us. Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel. Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós ou por tribunal humano; nem eu tampouco julgo a mim mesmo. Porque de nada me argúi a consciência; contudo, nem por isso me dou por justificado, pois quem me julga é o Senhor. Portanto, nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não somente trará à plena luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um receberá o seu louvor da parte de D-us.”

    Nesta passagem acima que o comentário da Bíblia de Jerusalém relaciona ao de Romanos, vemos novamente o julgamento por parte de um juiz que neste caso é Yeshua pelos mas que pelos termos originais “Kurios “que quer dizer Senhor, não tem a conotação de Elohim mas de praticamente Dono.

    Aproveito aqui para mencionar que há dois julgamentos, a saber, um feito por Yeshua para julgar as boas obras dos salvos na primeira ressurreição dos mortos para que ele recebam o louvor ou galardão do próprio D-us, e o outro é o Julgamento do Trono Branco em que há manifestação do próprio D-us, não sei explicar de que forma, se é por representatividade ou por sua glória ou em sua totalidade o que é menos provável, para julgar os ímpios na segunda ressurreição dos mortos para a condenação e estipulação de pena.

    Atos 17.31 “porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos.”

    Corroborando com Hebreu 9:27 que fala do julgamento após morte, esta passagem assim mostra linda e definitivamente o papel de “Elohim” outorgado de D-us para Yeshua, pois a compreensão fica perfeita pois o juiz estabelecido e destinado a julgar o mundo, julgará mediante a o conselho de D-us que o estabeleceu, sendo assim vemos que é D-us que julga por intermédio de um Elohim destinado para este propósito.

    continua....

    ResponderExcluir
  68. Em 1 Cor. 3:10-15 vemos o tribunal do Mashiach onde Yeshua julga as obras dos salvos.
    Em 2 Cor. 5:10 vemos novamente o Tribunal do Mashiach

    Agora aqui em Romanos 14:10-11, notamos a falta entendimento do Termo Elohim, pois no fim do verso 10 temos o termo Elohim tanto no Hebraico como no Aramaico da Peshita.
    Dos seis manuscritos mais comuns temos em 2 a opção pelo termo THEOS e em 4 a opção pelo termo Crhistós, constatamos que se o entendimento pela contextualização do termo Elohim fosse compreendida hoje não haveria problema algum em se aceitar as duas opções sem que isso desse pano pra manga para Endeusar Yeshua, pois entenderíamos que o julgamento perante o tribunal é de D-us (Elohim) que o faz por intermédio de um Elohim (Juiz) que neste caso é a expressão exata de seu julgamento a saber o verbo divino que se fez carne e é chamado de Filho de D-us.

    David Stern nem se preocupa em explicar isso por ser corriqueiro a ele este entendimento, tanto que ele usa o termo “trono do juízo divino” que engloba toda a colocação feita por mim acima.

    Espero ter ajudado.

    Shalom

    ResponderExcluir
  69. Metushelach,

    Ajudou bastante a minha compreeção do assunto, e pelo visto caiu por terra mais uma tentativa frustrada dos trinitarianos de comprovarem uma deidade romana, com fins idólatras dentro do cristianismo.

    Quanto a questao citada no ínicio sobre pentecostes e Espírio Santo, fica tranquilo, pode elaborar com calma uma matéria sobre o assunto, pois eu frequento um comunidade pentecostal, apesar de nao aceitar a doutrina deles, tambem por isso essa explanaçao vai me interessar muito para poder entender como eles conseguiram se desviar tanto da Bíblia e se pautar em doutrinas humanas.

    E aproveita bastante sua filhinha, pois eu tambem sou pai e sei o quanto é importante a participação e envolvimento dos pais para um crescimento saudável dos filhos, parabéns pelo seu exemplo.

    Fique na Graça

    ResponderExcluir
  70. Zergon,

    Agradecemos as palavras e a compreensão.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  71. Metushelach,

    Me foi colocado os seguintes versículos para atestar a trindade hj e gostaria muito se vc pudesse me ajudar a dar as traduçoes e sentidos corretos a esse versiculos dentro das linguas originais: Hb 1:1-2; Pv 30:4; Is 48:16; Jo 14:23; 2 Co 13:13; Ef 2:19-22. Apenas uma refutação de que esses versículos atestariam supostamente a teoria da trindade, para que eu tenha argumentação mais sólida sobre os tais.

    Desde já agradeço.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  72. Metushelach,

    De acordo com os versiculos Jo 14:16-17 pela humildade de João, ele nao se dirigia a si próprio diretamente, dando a entender de acordo com os demais versículos que seria o própio João citado indiretamente, tais como: Jo 18:15-16; 20:2-4,8; 21:2 baseando que João nao utilizava o pronome "eu", portanto quem seria esse outro consolador?

    Quem foi enviado como consolador? ver 2 Co 3:17-18; 1 Pe 1:10-11; At 16:6-7; Jo 14:17-19 e Gl 4:6.

    Grato.

    ResponderExcluir
  73. Zergon,

    Algumas desta passagens ficam bem contextualizadas no artigo no seguinte link: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2011/05/conversas-sobre-o-verbo-ser-d-us-ou-d.html, que foi fruto de nossas conversar anteriores.
    Hebreus 1.1-2 “Havendo D-us, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem também fez o mundo.”
    Como já disse anteriormente não vejo nada aqui que possa “Endeusar” Yeshua, mas vejo o seu papel de Filho, e como tal necessitou que o Pai o constituísse como herdeiro de todas as coisa, se ele fosse parte da trindade qual a necessidade de ser feito herdeiro de algo que já é seu?
    Outro ponto já citado é o de Yeshua ter sido usado como ferramenta, isto é, Palavra Criadora, ou Verbo Divino na criação do mundo, sendo assim ele participou da criação não como o Arquiteto Intelectual mas sim como a ferramenta por meio de qual o que veio a existir, exista, não é simples?
    Tanto que no verso posterior, tem-se a expressão “Palavra de seu poder” veja que é “Palavra de seu poder” e não poder de sua Palavra, mostrando que o Poder vem de D-us que o manifesta pela Palavra, e esta Palavra não é uma criatura, mas sim um ser gerado de D-us, isto é, uma certa data D-us arranca de si a sua própria Palavra, e ela é personificada, isto é, torna-se em um Ser, distinto de D-us, um Ser divino, divino assim como os arcanjos, Serafins, querubins e os demônios pois divindade significa ser um Ser sobrenatural, com poderes significantes que é admirável em sua essência, mas aprouve a D-us chamar este Ser Divino, que é a sua Palavra de Filho "pois hoje Te gerei e Me tornei seu Pai" (Salm. 2:7; Hb. 1:5).

    Quanto a Provérbios 30:4, não vi nada, apenas temos que ver o contexto, um cara injuriado está a perguntar várias coisas a D-us e somente isso.

    Isaías 48:16 Também não entendi a relação, é apenas uma profecia temporal à Ciro.

    João 14:23 “Yeshua respondeu, e disse-lhe: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, e Nós viremos a ele e faremos nele morada”
    A questão aqui dever ser o pronome “nós”, mas ao invés de complicar isso nos mostra o papel da Ruach HaKodesh como a manifestação de D-us ao homem de modo a que não o destrua, mas o habilite a entender a tudo o que Yeshua ensinou em relação ao modo de proceder diante das Leis de D-us, sendo assim o homem recebe a Ruach HaKodesh dentro de si ao entender que necessita de poder do alto para deixar de ser escravo de suas paixões a saber o pecado, e assim ser feito um Filho de D-us, no momento que isso ocorre podemos citar Paulo que disse em Gálatas 2.20, que não é mas nós mesmos que vivemos em nossos corpos mas é o Mashiach que vivem em nós por meio de nossas atitudes que são pelo poder da Ruach HaKodesh condizentes com a vontade de D-us expressa em sua Palavra, assim sendo o “nós viremos e faremos morada” do verso acima revela esta vivencia da Palavra em nós, como que fazendo morada figurativamente, e pela Ruach HaKodesh que ai sim literalmente faz morada em nós.

    2 Coríntios 13:13, faz referencia ao papel individual de Yeshua em nos dar a Graça de nos reconectarmos a D-us por seu sacrifício vicário, o papel de D-us em nos amar de tal maneira a ponto de oferecer o seu Filho Unigênito perfeito em sacrifício para assim nos dar a vida Eterna, e ao recebermos esta vida eterna antecipadamente em nosso corpos corruptos é que a comunhão se manifesta no corpo místico do Mashiach a qual somos nós a Igreja, entenda se não fosse D-us nos capacitando com emanação de seus atributos pela Ruach HaKodesh não seriamos capazes de termos comunhão a ponto de estarmos em um só pensamento e em um só propósito como um corpo bem ajustado com vários membros como Paulo não cansa de exortar.

    continua....

    ResponderExcluir
  74. Em Efésios 2:22 “Em quem também vós juntamente sois edificados para morada de D-us através do Espírito”
    Aqui vemos que precisamos do Mashiach, pedra angular, isto é, a pedra que faz ângulo entre os profetas e os apóstolos para que possamos ser edificados para a morada de D-us através do Espírito,
    Mas por que através do Espírito? Porque a Ruach HaKodesh (Espírito Santo) é a manifestação compacta do próprio D-us, de foram que o homem suporte a presença emanada de D-us sem que com isso ele seja destruído por causa do seu pecado em contraposição à Santidade de D-us, sendo assim como Shlomo (Salomão) falou que nem o céus comportam a presença de D-us, imagine se um ser humano iria suportar, sendo assim D-us habita em nós através de sua emanação de atributos, ou seja é por meio do “Sopro do Santo” ou melhor Ruach HaKodesh que temos as vontades de D-us comunicadas ao nosso espírito que também nos foi emprestado por D-us.
    Vemos então que a Ruach HaKodesh não é Endeusado ou parte da trindade mas sim a própria manifestação de D-us de uma forma que o homem suporte sem derreter.
    Mas muito vem com a seguinte argumentação, o Espírito Santo tem designações que são próprias de pessoas, eu diria que assim ofendem minha inteligência, reparou que a minha inteligência foi ofendida mas ela não é uma pessoa, entende que quando o sangue de Abel clamava por justiça, o sangue não tinha boca e nem cordas vocais para clamar, não sendo uma pessoa por fazer isso, da mesma maneira quando alguém entristece a Ruach HaKodesh, não o faz à uma pessoa distinta mas sim ao próprio D-us manifesto através de sua emanação, assim como foi D-us que matou Ananias e Safira por mentirem à Ele e não a terceira pessoa da trindade.
    Vejamos que a Ruach HaKodesh é dada em porções e derramada, uma pessoa não pode ser derramada e nem fracionada, mas a manifestação de D-us em forma de comunicação de atributos pode.
    Assim como uma chama de um vela pode acender outras velas sem que a primeira diminua a intensidade assim aconteceu com a Ruach que estava sobre Moshe e foi distribuída por 70 anciãos (Num. 11:16-17), e mesmo assim o compreensão e discernimento das coisas divinas de Moshe não diminuíram.
    E por ai vai o assunto sobre a Ruach HaKodesh, que eu ainda publicarei algo bem detalhado.

    Tomara D-us, que eu tenha sido claro, e não tenha ofendido ninguém.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach

    ResponderExcluir
  75. Metushelach,

    Claríssimo como sempre, e já será útil hoje mesmo com meus amigos trinitarianos radicais, pois nada como uma análise somente nas escrituras despido de toda e qualquer doutrina eclesiástica. Agradeço sua antenção.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  76. Zergon,

    Estamos ai pra isso, conte conosco.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiahc.

    ResponderExcluir
  77. Tertuliano,

    Com certeza este Consolador não era o discípulo João, e sim era a Ruach HaKodesh, o mesmo Espírito que se movia sobre as águas em Gênesis, e o mesmo que capacitou a Yeshua a ser obediente até a morte, portanto ele é referenciado como o Espírito de D-us bem como o Espírito do Mashiach, por ser Ele que nos reveste do Mashiach para não mais vivermos mais nós, mas sim o Mashiach viver em nós conforme Gal. 2:20.

    Shalom

    ResponderExcluir
  78. Metushelach,

    Participei ontem de Palestra sobre a "Trindade" e fiquei chocado com 3 coisas que foram ditas e merecem sua avaliação mais criteriosa até para ajudar outros que pensam da mesma forma, primeiro "a Bíblia não fala da trindade, pq trindade é um mistério e mistério é uma questão de fé ", segundo "os apóstolos de Jesus como Pedro e Paulo batizavam errado somente em nome de Jesus pq eles não tinham acesso a internet e a livros de teologia que temos hj, por isso batizavam errado", e terceiro "a igreja primitiva (da época de Paulo) era uma seita (no sentido pejorativo da palavra)".

    Estou abismado com isso, mas por força maior terei que continuar lá, mas fica aqui o meu protesto, e mais esse seu blog que deveria se chamar "João 8:32", ainda bem que existem pessoas livres das doutrinas impostas pelos imperadores romanos, obrigado por compartilharem com nós gentios.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  79. Zergon,

    Vamos às considerações dos ponto que lhe chocaram, o que digo sinceramente que não é pra menos.

    1)"a Bíblia não fala da trindade, porque a trindade é um mistério, e mistério é uma questão de fé ",
    1R) Que desculpa mais sem sentido esta, mas vamos para a análise, na passagem seguinte BJC - Romanos 10.17 “Portanto, a fé procede do que se ouve, e o que se ouve provém da palavra anunciada a respeito do Messias.”, vemos que a fé vem de ouvirmos a palavra, esta palavra nada mais é que a Torah, os escritos e os profetas e o relato da realidade vivida pelos apóstolos ao lado do Mashiach, sendo assim a Fé vem da mesma Bíblia que “os trinitarianos” falaram na frase acima não dizer nada sobre a trindade, portanto uma contradição sem tamanho ter um fé que provem de algo que não revela nada sobre o dogma defendido.
    Outro ponto que podemos levantar é conforme a passagem de Amós 3:7 “Certamente o Senhor D-us não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas.” , sendo assim se os Patriarcas como profetas e os profetas que davam de dedo na cara dos Reis não disseram uma palavra da trindade, quer dizer que tal profissão de fé não pode provir de D-us que segundo sua palavra revela todos os seus desígnios para os seus servos, os profetas.
    Talvez também “os trinitarianos” possam usar o seguinte verso em Deuteronômio 29:29: “As coisas encobertas pertencem ao Senhor, nosso D-us, porém as reveladas nos pertencem, a nós e a nossos filhos, para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.”, veja que o que é revelado tem um propósito magnífico que é o de dar a nós o entendimento necessário para cumprirmos as Instruções de D-us, expressa em sua Lei, se assim sendo não temos nas Instruções nada que nos obrigue a entender e proclamar a trindade, porque se mesmo existindo, ela não nos serve para nos moldarmos conforme o caráter de D-us expressa em suas Instruções (Torah), e porque não temos a necessidade de ficarmos criando dogmas sobre o tema e nem obrigando a ninguém a aceita-lo por Fé.

    Continua... ponto 2

    ResponderExcluir
  80. 2)"os apóstolos de Jesus como Pedro e Paulo batizavam errado somente em nome de Jesus pq eles não tinham acesso a internet e a livros de teologia que temos hj, por isso batizavam errado",
    2R) Bizarra tal afirmação, ou eles estavam brincando nesta palestra, ou são pessoas sem Temor para com o Senhor a ponto de oferecerem tal ensinamento aos outros, podemos enquadrá-los na seguinte passagem de Mateus 18.7 “Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual vem o escândalo!”
    Um ponto a se considerar é a ignorância destas pessoas pois os livros de Teologia que eles não devem nem ler, são baseados nos Escritos e Epistolas destes mesmos homens que eles afirmam não terem visto nada na internet ou lido livros de Teologia para batizarem errado.
    Fiz um levantamento de quantas horas de estudo são necessárias para que uma pessoa hoje no Brasil possa ser chamada de Doutora em alguma área, mas mais especificamente em um área de Ensino.
    Segundo a Lei 9.394 de 20/12/96 tanto o Ensino Fundamental, duração de 9 anos, quanto o Ensino Médio, duração de 3 anos, tem que ter no mínimo 800 horas-aula anuais, sendo assim após concluir o Ensino Médio o individuo já terá tido no mínimo 9.600 horas-aula.
    Segundo Parecer CNE/CES 184/2006 para se concluir um curso de Ensino Superior é necessário em média 3.200 hora-aula.
    Sendo Parecer CNE/CES 001/2007 para se ter um mediano Curso de Mestrado é necessária 400 horas- aula, e para um Doutorado Regular será necessário em média mais 1.200 horas-tese.
    Calculando todas as horas despendidas em estudo regular para um pessoa ser chamada de Doutora no Brasil hoje será necessária 14.400 horas de aprendizagem.
    O paralelo que faço é com o tempo de aprendizado que os discípulos, principalmente Pedro que foi citado pelos “seus palestrantes”, tiveram com o Mestre dos Mestres.
    Vamos aos cálculos, os discípulos estiveram com Yeshua desde de o inicio de seu ministério após o seu batismo no qual recebeu o revestimento de poder pela Ruach HaKodesh que lhe sobreveio como um pomba, este tempo segundo relatos bíblicos e tradição posterior perfazem 3 anos e meio ou 1260 dias coadunando com as profecias sobre a ultima semana escatológica de Daniel, que não vem ao caso agora, sendo assim os discípulos ficaram 3 anos e meio em curso intensivo com o Mestre dos Mestres, para arredondarmos a conta vamos supor que os discípulos recebiam ensinamento diário em torno de 12 horas por dia, sabemos que pode ser muito mais que isso levando em consideração os nosso sábios rabinos que sempre ensinam a seus discípulos enquanto estão acordados, mas vamos arredondar para 12 horas dia já descontando os dias de orações retiradas e viagens de barcos em meio a tormentas e etc..., então fazendo as contas de 12 horas por dia vezes 1260 dias de ensinamentos chegamos a marca de 15.120 hora de curso intensivo com o Mestre dos Mestres, sendo assim os discípulos se estivessem à ensinar hoje aqui no Brasil eles poderiam ser chamados de PHD ou Pós Doutorados por sua carga horária de estudo.
    Sem contar Paulo que estava aos pés de Gamaliel(Atos 22:3), isto quer dizer que ele estava no caminho para substituir um dos Lideres do Sinédrio que era o Tribunal Maior das causas da Torah na época, sendo assim Paulo teria que ter conhecimento de uma pessoa que estudou a Torah pelo mínimo 18 anos de sua vida, fora o conhecimento lingüístico, filosófico, epistemológico, geográfico, histórico e muito mais que podemos nos deleitar ao lermos suas Epistolas e sobre tudo isso a capacitação do alto que faz com que todo o seu intelecto seja usado em prol da causa de D-us.
    Com o acima exposto, fica claramente visível o quão escandalosa e ignorante foi à argumentação dos “palestrantes da trindade”.

    ResponderExcluir
  81. 3) “(a igreja primitiva (da época de Paulo) era uma seita (no sentido pejorativo da palavra)".
    R) O termo αἵρεσιν “airesin” e sua variações gramaticais, são traduzido por Seita no livro de Atos, e tem o significado de ramificação de pensamento que interpreta ou dá ênfase diferenciada aos elementos dogmáticos do pensamento anterior ou do pensamento dominante da época, sendo assim não tem nada de pejorativo pois se fosse assim a Seita dos Saduceus (Atos 5:17) e a Seita dos Fariseus (Atos 15:5; 26:5) também seriam designações pejorativas, situação óbvia que não se caracteriza.
    Paulo se diz da Seita chamada Caminho, e profere que continua servindo a D-us de acordo com a Torah e os profetas, conforme Atos 24:14 “Porém confesso-te que, segundo o Caminho, a que chamam seita, assim eu sirvo ao D-us de nossos pais, acreditando em todas as coisas que estejam de acordo com a Lei e nos escritos dos profetas,”; Vemos aqui que a Seita do Caminho assim como a Seita dos Saduceus e da Seita dos Fariseus continuavam com o mesmo pensamento dogmático em se ter a Lei como parâmetro de vida, mas como explicado no conceito de Seita elas diferem na interpretação e ênfase de determinados pontos.
    Novamente os “seus palestrantes de trindade” escorregam feio, e se tornam escândalo para os demais.
    Peçamos a D-us misericórdia sobre aqueles que foram contaminados com tal palestra, para que eles venham a ter entendimento da verdade e se livrem do pecado.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  82. Metushelach,

    Eu me retirei antes do final pois não estava mais suportando tanta heresia, e pude perceber outras pessoas fazendo o mesmo, orei para que Deus Todo-Poderoso tenha misericórdia daqueles homens palestrantes, para que possam aceitar a verdade e saírem da penumbra que os encobre na ignorância.

    Muito obrigado por sua análise correta dessas infelizes declarações.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  83. Caro Metushelach,

    Aproveitando o assunto eu gostaria de saber o verdadeiro significado palavra seita, digo isso pq pelo que eu entendo seita pejorativa são as que usam outros livros fora a Bíblia e outras doutrinas extra biblica (ex: mormons, testemunhas de Jeová, espiritismo, catolicismo romano, etc.) e seita no sentido teológico do termo seria um grupo religioso que se difere dos demais em seus dogmas e regras de fé, oq faz com que praticamente todas as religiões sejam seitas nesse sentido.

    Faz algum sentido essa minha análise?

    Shalom

    ResponderExcluir
  84. Elvis,

    É quase isso, uma seita é ramificação que difere não no dogma em si mas sim na ênfase e na interpretação deste mesmo dogma comum a uma forma de pensamento dominante ou somente um pensamento anterior.
    Sendo assim a maioria das ramificações judaicas partem do judaismo puro dado por D-us a Adam, revelado a Avraham e solidificado em pedras a Moshe.

    ResponderExcluir
  85. Metushelach,

    Me foi passado hj essa tabela entre AT e NT com o objetivo é demonstrar que as Escrituras, identificam a Cristo como Jeová, e isto provaria a Deidade de Cristo. Eu confesso que achei meio confuso certos pontos e pediria por gentileza sua análise judaica monoteísta sobre tais afirmações para que eu possa elucidar esse asssunto e ajudar outros que estão precisando de mim nesse sentido por ainda crerem na "trindade", conto muito com sua ajuda, segue os comparativos abaixo:

    CRISTO IDENTIFICADO COM JEOVÁ?
    A Crucificação

    JEOVÁ
    1. É Jeová quem fala de Si mesmo:
    "Naquele dia, diz Jeová (...)
    olharão para Mim a quem
    traspassaram (...)" Zac. 12:4 e 10

    CRISTO
    l. Refere-se a Cristo: "(...) eles
    verão Aquele a quem
    traspassaram".
    João 19:37.

    O Preparo do Caminho

    JEOVÁ
    2. "Eis a voz do que clama:
    Preparai no deserto o Caminho
    de Jeová, endireitai no ermo
    uma estrada para o nosso Deus".
    Isa. 40:3.

    CRISTO
    2. "Voz do que clama no deserto:
    Preparai o caminho do Senhor
    (no grego Kyrios, referindo-se
    a Cristo)" . Mat. 3:3.

    A Pedra de Tropeço

    JEOVÁ
    3. "A Jeová dos Exércitos santificai
    (...) Ele vos será Pedra de tropeço e
    rocha de escândalo (...)" Isa. 8:13, 14.

    CRISTO
    3. "Chegando-vos a Ele [Cristo].
    pedra viva (...) e como uma
    pedra de tropeço e rocha de

    A Tardança

    JEOVÁ
    4. "Jeová me respondeu: (...) Se
    tardar espera-O, porque certamente
    virá, não tardará". Hab. 2:2, 3.

    CRISTO
    4. "(...) dentro de pouco tempo,
    Aquele que vem, virá, e não
    tardará". Heb. 10:37.

    Todo Joelho e Toda Língua

    JEOVÁ
    5. "Por Mim mesmo [Jeová] tenho
    jurado (...) diante de Mim se dobrará
    todo o joelho, e por Mim jurará
    toda a língua". Isa. 45:23.

    CRISTO
    5. "Ao nome de JESUS se dobre
    todo joelho dos que estão nos
    Céus e debaixo da terra, e toda
    a língua confesse que Jesus
    Cristo é o Senhor para glória
    de Deus Pai". Filip. 2:10, 11.


    O Esquadrinhador

    JEOVÁ
    6. "Eu, Jeová, esquadrinho o coração,
    provo os rins, para dar a cada um
    segundo as suas abras". Jer. 17:10.

    CRISTO
    6. "Isto diz o Filho de Deus
    (...) todas as igrejas
    conhecerão que Eu sou o que
    esquadrinha os corações e os
    rins, e darei a cada um segundo
    as suas obras". Apoc. 2:18, 23.


    "Cativo o Cativeiro"

    JEOVÁ
    7. O Salmo 68 é, todo ele, uma
    exaltação a Jeová. "Subiste ao
    alto, levaste cativos os prisioneiros;
    recebestes dons aos homens".
    Sal. 68:18.

    CRISTO
    7. "(...) o dom de Cristo. Por isso
    diz: Quando Ele subiu ao alto,
    levou cativo o cativeiro, deu dons
    aos homens." Efés. 4:8.
    (ver também os versos 9 e 10)


    O Primeiro e o Último

    JEOVÁ
    8. "Assim diz Jeová (...) Eu sou
    o primeiro e Eu sou o último".
    Isa. 41:6 (versão Brasileira).

    CRISTO
    8. Refere-se a Cristo:
    "Não temas: Eu sou o primeiro e
    o último". Apoc. 1:17.
    "Isto diz o primeiro e o último".
    Apoc. 2:8.
    "Eu sou o Alta e o Ômega, o
    primeiro e o último".
    Apoc. 22:13.

    Cont.

    ResponderExcluir
  86. O Alfa e o Ômega

    JEOVÁ
    9. "Eu sou o Alfa e o Ômega,
    diz Jeová Deus, Aquele que é,
    e que era, e que vem, o
    Todo-poderoso". Apoc. 1:8.
    "Aquele que está sentado no
    trono disse (...) Eu sou o Alfa
    e o Ômega (...)" Apoc. 21:5, 6.

    CRISTO
    9. Refere-se a Jesus:
    "Eis que venho depressa,
    e a recompensa que dou está
    comigo (...) Eu sou o Alfa e o
    Ômega (...)". Apoc. 22:12. 13.


    O "EU SOU"

    JEOVÁ
    10. "Disse Deus s Moisés: EU SOU
    O QUE SOU; e acrescentou: Assim
    dirão aos filhos de Israel: EU SOU
    enviou-me a vós". Êxo. 3:14.


    CRISTO
    10. "Respondeu-lhes Jesus: Em
    verdade Eu vos digo: Antes
    que Abraão existisse EU SOU".
    João 8:58 (também v. 54).

    Os Céus – Obra de Deus

    JEOVÁ
    11. (Quando se ajuntarem os povos
    para servirem a) Jeová ...
    "Desde o princípio lançaste (Jeová)
    os fundamentos da terra; e os céus
    são abra das Tuas mãos (...) Tu és
    o mesmo, e os Teus anos nunca
    terão fim" Sal. 102:22, 25-28.

    CRISTO
    11. "[acerca do Filho, porém, diz:
    E Tu, Senhor, no princípio
    fundaste a terra; e os céus são obra
    das Tuas mãos (...) Tu és o mesmo,
    e os Teus anos não terão fim."
    Heb. 1:8, 10-12.
    terão fim" Sal. 102:22, 25-28.


    Rei dos Reis, Senhor dos Senhores

    JEOVÁ
    12. Refere-se ao Pai:
    "(.. ) a qual [manifestação de Cristo]
    em suas épocas determinadas, há de
    ser revelada pelo bendito e único
    Soberano, o Rei dos reis, o senhor
    dos senhores". I Tim. 6:15 (ver v. 16).

    CRISTO
    12. Refere-se a Cristo:
    "O Cordeiro os vencerá, pois é o
    Senhor dos senhores e Rei dos
    reis". Apoc. 17:14.
    "[Cristo] tem no seu manto e na
    sua coxa um nome inscrito: Rei
    dos reis e Senhor dos senhores"
    Apoc. 19:16.

    Cont.

    ResponderExcluir
  87. Invocar o Nome

    JEOVÁ
    13."Todo aquele que invocar
    o nome de Jeová será salvo".
    Joel 2:32.

    CRISTO
    13. Ler o contexto: Rom. 10:1-13,
    e ver que se refere a Cristo:
    "Todo aquele que invocar o nome
    do Senhor será salvo". Rom. 10:13.

    Provocar a Ira

    JEOVÁ
    14. "Jeová disse (...) portanto
    Eu os provocarei a zelos com
    aquele que não é povo; com
    louca nação os despertarei à ira".
    Deut. 32:19, 20 e 22.

    CRISTO
    14. "(...) o Evangelho (...) a pregação
    pela Palavra de Cristo (...) Eu vos
    porei em ciúmes com um povo que
    não é nação, com gente insensata Eu
    provoquei à ira". Rom. 10:16, 17 e 10.

    A Mente Divina

    JEOVÁ
    15. "Quem conheceu a mente
    de Jeová? ou O possa instruir
    como seu conselheiro?" Isa. 40:13.

    CRISTO
    15. "Pois quem conheceu a mente
    do Senhor, que O possa instruir?
    Nós, no entanto, temos a mente
    de Cristo." I Cor. 2 :16.

    Provar a Bondade

    JEOVÁ
    16. "Provai e vede que Jeová é
    bondoso". Sal. 34:8.

    CRISTO
    16. "(...) se é que já provastes
    que o Senhor é bondoso (...)
    chegando-vos para Ele [Cristo],
    a Pedra viva". I Ped. 2:3-4.


    Palavras Eternas

    JEOVÁ
    17. As Palavras de Jeová são eternas
    eternas: "Seca-se a erva, e cai a flor,
    mas a palavra do nosso Deus
    permanece eternamente". Isa. 40:8.

    CRISTO
    17. As Palavras de Jesus são eternas:
    "Passará o céu e a terra, porém as
    Minhas palavras não passarão."
    S. Mat. 24:35.

    Autoridade de Falar

    JEOVÁ
    18. "Assim DIZ Jeová (...)"
    Isa. 45:18, (mais de 100 vezes).

    CRISTO
    18. "Eu, porém, vos DIGO (...)"
    Mat. 5:21 (Ver vv. 28,34,39,44)


    Poder de Perdoar Pecados

    JEOVÁ
    19. "(...) diz Jeová: Pois perdoarei
    a sua iniqüidade, e não Me
    lembrarei mais de seus pecados".
    Jer. 31:34.
    "É Ele [Jeová] quem perdoa as
    tuas iniqüidades". Sal. 103:3.

    CRISTO
    19. "Quem pode perdoar pecados
    senão Deus? (...) o Filho do
    homem tem sobre a Terra
    autoridade para perdoar
    pecados." Lucas 6:21, 24.

    Redentor

    JEOVÁ
    20. "Jeová (...) Redentor meu".
    Sal.19:14.
    "Quanto ao nosso Redentor, Jeová
    dos Exércitos é o seu nome". Isa. 47:4.

    CRISTO
    20. "O Filho (...) no qual temos
    temos a redenção". Col. 1:14.
    "(...) a redenção em Cristo
    Jesus". Rom. 3 :24.

    Cont.

    ResponderExcluir
  88. Esposo, Noivo

    JEOVÁ
    21. "Como o noivo se alegra
    da noiva, assim de ti se
    alegrará o teu Deus". Isa. 62:5.
    "Naquele dia, diz Jeová, me
    chamareis Esposo (...) Oséias 2:16.

    CRISTO
    21. Jesus se compara a um noivo (ou
    esposo) em Mar. 2:19 e 20.
    Na Parábola das Dez virgens, Cristo
    também o é "Eis o novo!" Mat. 25:6.




    O Pastor

    JEOVÁ
    22. "Jeová é o meu Pastor".
    Sal. 23:1.
    "Eu mesmo apascentarei as
    Minhas ovelhas, diz o Senhor
    Jeová". Ezeq. 34:15.



    CRISTO
    22. "Eu [Jesus] sou o bom Pastor".
    João 10:14.
    "Logo que o supremo Pastor se
    manifestar recebereis a imarcescível
    coroa de glória". I Ped. 5:4.
    "Agora, porém vos convertestes ao
    Pastor (...) das vossas almas". I Ped. 2:25.


    A Luz

    JEOVÁ
    23. "Jeová é a minha luz". Sal. 27:1.
    "Jeová será a tua luz
    perpétua (...)". Isa. 60:19, 20.
    "Deus é luz". I João 1:5.

    CRISTO
    23. "[Jesus] a verdadeira luz".
    João1:9.
    "Eu sou a luz do mundo".
    João 8:12.

    Rocha, Pedra

    JEOVÁ
    24. "Jeová é a minha rocha (...)"
    Sal. 18:2.
    "Jeová (...) Rochedo da nossa
    salvação". Sal. 95:1.

    CRISTO
    24. Refere-se a Cristo:
    "(...) Ponho em Sião uma pedra
    angular eleita e preciosa".
    I Ped. 2:6.
    "E a pedra era Cristo".
    I Cor. 10:4.






    Salvador

    JEOVÁ
    25. "Eu sou Jeová (...) teu Salvador"
    Isa. 43:3 (49:26).
    "Eu sou Jeová, e fora de Mim
    não há Salvador". Isa. 43:11.

    CRISTO
    25. "o Salvador, que é Cristo
    o Senhor". Luc. 2:11.
    "grande Deus e Salvador
    Cristo Jesus". Tito 2:13.

    A Verdade

    JEOVÁ
    26. "Mas o Senhor Deus é a verdade".
    Jer. 10:10.
    "Deus é a verdade e não há nEle
    injustiça". Deut. 42:4.

    CRISTO
    26. "Respondeu-lhe Jesus: Eu
    sou (...) a verdade". João 14:6.

    Deus Imutável

    JEOVÁ
    27. "Eu, Jeová, não mudo". Mal. 3:6
    "O Pai das luzes em quem não há
    mudança (...)" Tiago 1:17.

    CRISTO
    27. "Jesus Cristo é o mesmo
    ontem, hoje, e para
    sempre". Heb. 13:8.

    Cont.

    ResponderExcluir
  89. O Justo

    JEOVÁ
    28. "Jeová é justo". Sal. 129:4.
    "Justo é Jeová (...)" Sal. 145: 17.

    CRISTO
    28. "Jesus Cristo, o Justo". I S. João 2:1.
    "a vinda do Justo". Atos 7:52.


    Digno de Adoração

    JEOVÁ
    29."Adorarás ao Senhor teu Deus,
    e só a Ele servirás". Mat. 4:10.
    "Adorai a Jeová (...)"
    I Crôn. 16:29; Sal. 96:9.
    "Não adorarás outro Deus". Êxo. 34:14.

    CRISTO
    29."E todos os anjos de Deus O
    adorem" [a Cristo]. Heb. 1:6.
    "Ao nome de Jesus se dobre
    todo joelho, nos céus, na terra
    e debaixo da terra". Filip. 2:10.


    Onipotente

    JEOVÁ
    30. "Deus Todo-poderoso te abençoe".
    Gên. 28:3.
    "(...) o Todo-poderoso". Apoc. 1:8.

    CRISTO
    30. "Jesus disse-lhes: foi-Me
    dado TODO O PODER no
    Céu e na Terra". Mat. 28:18.

    Eterno

    JEOVÁ
    31. "Abraão (..) invocou ali o
    nome de Jeová, o Deus
    ETERNO". Gên. 21:33.
    "(...) o eterno Deus (...)
    não se cansa (...)" Isa. 40:28.

    CRISTO
    31. "e Ele (Jesus] tem por nome (...)
    Pai da ETERNIDADE" Isa. 9:6.
    "(...) suas origens são desde os dias
    da eternidade". Miq. 5:2.
    "O que era desde o princípio".
    I João1:1.



    Onipresente

    JEOVÁ
    32. "NEle [Deus] nós vivemos, nos
    movemos e existimos". Atos 17:28.
    "Jeová (.. ) se subo aos céus lá estás;
    se faço minha cama no mais profundo
    abismo, lá estás também". Sal. 139:1, 8.

    CRISTO
    32. "[Cristo] Aquele que enche tudo
    em todas as coisas". VB;
    Efés. 1:3.
    "Estou convosco todos os dias
    dias até a consumação dos
    séculos". Mat. 28:20.
    "Onde estiverem dois ou três
    reunidos em Meu nome, ali
    estou no meio deles". Mat. 18:20.


    Criador
    JEOVÁ
    33. "Jeová que criou os céus (...)
    e fundou a Terra (...)" Isa. 42:5.

    CRISTO
    33. "Sem Ele [Cristo] NADA do
    que foi feito se fez". João 1:3.

    Onisciente

    JEOVÁ
    34. "Os olhos de Jeová estão em
    todo o lugar, vigiando aos
    maus e aos bons". Prov. 15:3.
    Ler o Salmo 139, sobre Jeová.
    "Todas as coisas estão nuas e
    patentes aos olhos dAquele com
    Quem temos de tratar". Heb. 4:13.

    CRISTO
    34. "(Jesus) sabia o que era a
    natureza humana". João 2:45.
    "Jesus conhecendo-lhes os
    pensamentos (...)" Mat. 3:4.
    "Ele sabia quem era a traidor".
    João 13:11.
    "(...) cinco maridos já tiveste, e
    esse que agora tens não é teu
    marido". João 4:18.

    O Santo

    JEOVÁ
    35."Eu Jeová (...) sou Santo". Lev.19:2.
    Também Isa. 6:3. Deus"

    CRISTO
    35. "Tu [Cristo] és o Santo de
    VB, João 6.69.
    Negastes o Santo". Atos 3:14.
    "Possuís a unção que vem
    do Santo". I João 2:20.

    Desde já agradeço,

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  90. Metushelach,

    Me desculpe pelo tamanho do comentário, mas é porque quanto ao Espírito Santo eu já consigo mostrar pra muita gente a verdade, porém um líder eclesiastico que me indagou com essa tabela muito complexa que daí eu pensei, só mesmo o Metushelach poderá fazer uma análise judaica livre de doutrinas trinitarianas, que vão ajudar a mim e outras pessoas que se utilizam do mesmo raciocinio, pois terei como refutar com bases judaicas sólidas essa tabela.

    O que falta para a igreja hj é voltar as origens da Bíblia e perceberem que a bíblia foi escrita por judeus e portanto nao basta apenas ler mas sim entender quando foi escrito e com que propósito histórico, mas infelizmente as pessoas se deixam levar só pelo que lêem literalmente dos vários copistas que a Bíblia já passou, oq é lamentável.

    Um outro grande absurdo que ouvi na Igreja foi que o VT foi feito somente para judeus e o NT somente para a "Igreja", qd ouvi isso por respeito a pessoa que proferiu essa frase eu me calei mas fiquei muito decepcionado, pq se é assim a Igreja pode viver o evolucionismo pois só os judeus acreditariam na Torah, vc nao tem noçao o quanto eu suporto de heresias desiformativas mas por falta de opção estou sobrevivendo graças ao Eterno.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  91. Zergon,

    Não precisa se desculpar por nada não, quando a suportar heresia, calma, respire e se firme pois eu agüento heresia, chacota, escárnio, preconceito, intolerância, racismo desde de que eu nasci, e isso não me afeta pois sou firmado na Rocha que é a Palavra de D-us, viu Palavra Divina, isto é, o Verbo Divino, em outras palavras a Rocha que é o nosso sustentáculo não é ninguém mais a não ser Yeshua a Palavra que se fez Carne e tabernaculou entre nós.

    Outro ponto a se dizer sobre a afirmação de “AT” pra Judeu e “NT” pra Igreja, é que então a Igreja não pode se beneficiar do que “AT” deixa claro em todo ele que é a remissão de pecado pelo derreamento de sangue inocente mediante arrependimento do pecador que devia se achegar ao sacerdote para praticar tal ato remissor, fora a noção do que é o pecado, e o porquê do pecado ser pecado e causar a morte do transgressor, simples não é, sem isso tudo até mesmo o Sacrifício Perfeito de Yeshua não tem sentido, pois se perguntar pra "igreja" que só tem o NT, por que Yeshua morreu na cruz? A resposta seria pra me salvar, mas a resposta para responder salvar de que? só é encontrada no desprezado “AT“, viu como tal afirmação é contradizente, sem citar e pormenorizar que a mensagem do Evangelho somente chegou aos gentios, porque muitos Judeus deram as suas vidas para que esta mensagem libertadora se propagasse pelo mundo, veja, os Judeus que só tem o “AT” são os responsáveis por terem escrito e espalhado o “NT“, novamente a contradição deixa furos de entendimentos gritantes, realmente temos que clamar por misericórdia de D-us sobre as vidas de tais cegos que guiam outros cegos.

    Quanto a tabela, calma que eu irei estudá-las, pedir inspiração de D-us para explicá-las da melhor forma possível sem machucar e causar a queda da fé de ninguém, apenas peço um tempo.

    ResponderExcluir
  92. Zergon,

    Segue a leitura do ponto 1.

    1R) Zacarias 12:10: ושפכתי על־בית דויד ועל ׀ יושב ירושלם רוח חן ותחנונים והביטו אלי את אשר־דקרו וספדו עליו כמספד על־היחיד והמר עליו כהמר על־הבכור׃

    O problema se encontra na palavra אלי “elai” que não quer dizer especificamente “para mim” da maioria das traduções mas sim na “direção de” conforme contexto, tanto que a JFA-RA transcreve desta maneira Zacarias 12.10 “E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito da graça e de súplicas; olharão para aquele a quem traspassaram; pranteá-lo-ão como quem pranteia por um unigênito e chorarão por ele como se chora amargamente pelo primogênito.”, vemos então que o “na direção de” ficou compatível com “para aquele a quem”, note no pronome obliquo de pranteá-lo-ão, se referindo a terceira pessoa do singular “ele”, sendo assim o texto ficaria gramaticalmente impróprio se dissesse e “olharão para mim a quem transpassaram e chorarão por ele como se chora por um unigênito”, pois é claro que o “ele” por quem choram é aquele a quem transpassaram.
    Resumindo segundo o contexto, quando todos se reunirem contra Israel mais propriamente dito contra Jerusalém, D-us os protegerá e derramará do seu Santo Espírito sobre todos os moradores, tirando o que lhes escurecia as vistas e o entendimento, como um endurecimento e sono conforme (Romanos 11:8, 10 e 25), e é neste momento que os Judeus com um todo reconhecem Yeshua como o Mashiach enviado por D-us como o Filho unigênito e por se darem conta do que os seus antepassados fizeram com o Mashiach chorarão muito, e daí no decorrer da passagem de Zacarias podemos ver o que João viu e relatou em Apocalipse, como por exemplo a destruição de um terço da Terra e várias outras analogias e paralelismo, mostrando que o Espírito que revela tanto a Zacarias como para João o Grande Final é o mesmo.

    Algumas possibilidade de tradução para אלי “elai” podem ser as seguintes: superior, segundo, Além disso, adjacente , depois , após a , contra, junto entre, entre, porque, antes de, por trás, ao lado, entre, transportados, relativo, em qualquer lugar, frente, muito, dentro, próximo, ao lado, nem, em, frente, do lado oposto, durante, lembra, em conta, sobre, em linha reta, através, de visita, junto, direção, em direção, onde, a quem

    ResponderExcluir
  93. Segue analise do ponto 2:
    YHWH
    2. "Eis a voz do que clama: Preparai no deserto o Caminho de YHWH, endireitai no ermo uma estrada para o nosso D-us". Isa. 40:3.
    Mashiach
    2. "Voz do que clama no deserto:Preparai o caminho do Senhor(no grego Kyrios, referindo-se a Cristo)" . Mat. 3:3.

    2R) Notemos a total tendenciosidade de quem se utiliza desta tradução pois ele deixa o Tetragrama ou o nome errado Jeová no texto de Isaías 40:3, opção esta não utilizada em quase nenhuma tradução em português como JFA-RC ou RA, BJ, CNBB, KJV, NVI, nem na vulgata e nem na Septuaginta que no caso pode nos ajudar a entender o texto grego majoritário de Mateus 3:3 que em seu prólogo indica que está citando a passagem de Isaías 40:3, vejamos o texto grego da Septuaginta de Isaías 40:3 “φωνη βοωντος εν τη ερημω ετοιμασατε την οδον Κυριου ευθειας ποιειτε τας τριβους του θεου ημων” note o termo destacado, é o termo Kuriou que verte para o grego o tetragrama do hebraico, sem margem para erros, agora vamos para o texto majoritário grego de Mateus 3:3 “οὗτος γάρ ἐστιν ὁ ῥηθεὶς διὰ Ἠσαΐου τοῦ προφήτου λέγοντος· Φωνὴ βοῶντος ἐν τῇ ἐρήμῳ, Ἑτοιμάσατε τὴν ὁδὸν Κυρίου, εὐθείας ποιεῖτε τὰς τρίβους αὐτοῦ.” novamente vemos o termo em destaque aqui se referindo a mesma pessoa de Isaías 40:3 a saber o YHWH o nosso D-us, e não ao Senhor Yeshua como por muitas vezes é denominado de Kurios no grego, mas não neste caso que faz óbvia referencia ao texto de Isaías 40:3.
    Agora feita a analise lingüística, vamos a analise interpretativa:
    Primeiro, no capitulo 3 de Mateus está sendo feita a apresentação de João Batista, e Yeshua não está no desenrolar dos argumentos de apresentação até o verso 11, então fica claro que o Kuriou “do Senhor” no verso três não se referencia diretamente a Yeshua gramaticalmente falando mas sim a YHWH de Isaías 40:3.
    Segundo, o caminho preparado por João Batista é o caminho de D-us, pois mesmo que queiram entender forçadamente que é o caminho de Yeshua, o caminho de Yeshua não é o dele mesmo mas sim de seu Pai que o enviou, como Yeshua mesmo deixa claro em suas afirmações de que o Caminho é estabelecido pelo Pai como em Mt 11.27a “Tudo me foi entregue por meu Pai.” Mt. 12.50 “Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe.”; Mt. 15.13 “Ele, porém, respondeu: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada.”; MT “ 20.23 Então, lhes disse: Bebereis o meu cálice; mas o assentar-se à minha direita e à minha esquerda não me compete concedê-lo; é, porém, para aqueles a quem está preparado por meu Pai.”; Mt 24.36 “Porém daquele Dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas unicamente meu Pai.”; Mt. 25.34 “Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: Venham, vocês que são abençoados pelo meu Pai! Venham e recebam o Reino que o meu Pai preparou para vocês desde a criação do mundo.”; Jo. 5.36 “Mas eu tenho maior testemunho do que o de João; porque as obras que o Pai me confiou para que eu as realizasse, essas que eu faço testemunham a meu respeito de que o Pai me enviou.” ; Jo 5.43a “Eu vim em nome de meu Pai, e não me recebeis;”; Jo. 6.40 “De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.” Jo. 6.65 “E dizia: Por isso, eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai lhe não for concedido.” Jo. 8.16 “E, se eu julgar, o meu julgamento é verdadeiro porque não julgo sozinho, pois o Pai, que me enviou, está comigo.” Jo. 8.54 “Respondeu Yeshua: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória nada é; quem me glorifica é meu Pai, o qual vós dizeis que é vosso D-us.”; Jo 14.23-24 Respondeu Yeshua: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras; e a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai, que me enviou.”
    continua...

    ResponderExcluir
  94. Notamos claramente que a Soberania em estabelecer o caminho é do Pai e não de Yeshua em si mesmo, que a saber personifica o caminho, a verdade e a vida Jo. 14:6.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  95. Metushelach,

    Com referencia ao ponto 1, verifiquei na Bíblia Anotada - Ed. Mundo Cristao - do ano de 2001- JFA-RA - que mantém a tradução confusa (pois é a unica RA que tenho), porém a BJ está com a mesma tradução mas faz essa mesma correção que vc e inclusive cita dados adicionais na nota de rodapé, portanto está comprovado onde está o problema.

    Está muito boa sua análise, eu tenho certeza que vai ajudar muita gente que ainda tem dúvidas ou que se escondia atrás dessa tabela para sustentar uma trindade insustentável biblicamente falando.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  96. Zergon,

    Vamos à análise do ponto 3.

    A Pedra de Tropeço

    YHWH
    3. "A YHWH dos Exércitos santificai (...) Ele vos será Pedra de tropeço e rocha de escândalo (...)" Isa. 8:13, 14.

    Mashiach
    3. "Chegando-vos a Ele [Cristo]. pedra viva (...) e como uma pedra de tropeço e rocha de 1 Pedro 2:4...8.

    3R) A questão é simples e ligada a todos os versículos apontados na análise ponto 2, pois Yeshua é a forma de D-us interferir na história por isso Yeshua conforme verso 4 de 1 Pedro é chamado de a pedra eleita e preciosa para com D-us, sendo assim Yeshua é a representatividade de D-us, pois sendo envidado por Ele, com a instrução revelada por Ele é que Yeshua faz em si D-us ser lembrado como o responsável pela existência de uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, assim como podemos ver na profecia de Isaías 28:16 “Portanto, assim diz o SENHOR D-us: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada; aquele que crer não foge.” vemos na passagem que D-us assentou a pedra em Sião e não que Ele mesmo é esta pedra, mesmo entendimento temos lendo Salmos 118.22, Mateus 21.42-45, Marcos 12:10-12 e Romanos 9:33.
    Em Resumo D-us será em Yeshua que o representa a pedra de tropeço e rocha de escândalo em Sião, não implicando que Yeshua tenha que ser D-us para isso.
    Aproveitando o tema segue uma argumentação sobre a pedra angular. continua...

    ResponderExcluir
  97. O que significa ser pedra angular? Em grego o termo usado é akrogoniaiós [ακρογωνιαιος], seu correspondente hebraico é rosh piná [ראש פינה]. recorremos ao Salmo 118:22 interpretado profeticamente que diz: "A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular." Texto que Yeshua tinha usado em Mt 12:10 se referindo indiretamente a ele.
    A pedra angular é uma pedra posicionada estrategicamente em determinada parte da estrutura de uma construção, com o fim de equilibrar as partes que a compõe. Um exemplo bem ilustrativo é seu uso na construção de arcos de pedra. Nestas edificações, arcos eram construídos com blocos de pedras pré-moldados, que se encaixavam sem o uso de argamassa, e mantinha-se em equilíbrio, sendo a pedra angular, a pedra em forma de cunha que se encaixava precisamente na parte superior do arco, entre uma metade e outra dos blocos de um arco, mantendo o equilíbrio físico da estrutura.
    Baseado nisso, o texto de Paulo em Efésios 2 começa a tomar forma. A família de D-us é edificada sobre o fundamento dos profetas e apóstolos, que é o testemunho da Antiga Aliança e da Nova Aliança. A atividade profética e a atividade apostólica, a narrativa da Bíblia Hebraica (“Antigo Testamento”) e do “Novo Testamento”, convergem para a pedra angular, para o Mashiach, a pedra que os construtores rejeitaram, o que se encaixa, assim, perfeitamente na profecia e em seu cumprimento.
    A família de D-us só pode crescer, se estiver bem ajustada nas Escrituras, no testemunho dos profetas e dos apóstolos, centrados no Mashiach Yeshua. Não é um conhecimento literário, uma apreensão teológica a respeito das Escrituras, isto não é suficiente. A família de D-us é uma comunidade edificada, construída na revelação proclamada pelos profetas e ensinada pelos apóstolos, porém sob a perspectiva e o ajuste de Yeshua o Mashiach. Se o Mashiach for tirado do centro, a edificação se desmorona, e as palavras das Escrituras se tornarão apenas conhecimento literário.
    Em Yeshua HaMashiach, o construtor, a pedra angular: "... todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de D-us em Espírito." (v.21 e 22 de Ef. 2).
    Sim! Yeshua HaMashiach é a pedra, a rocha rejeitada, desprezada, mas que completa o "quebra-cabeças". Yeshua é o testemunho definitivo, aparentemente insignificante, mas a única peça que se encaixa precisamente no que os profetas falaram e era ele o sentido final da missão dos apóstolos.
    Por isto o apóstolo Pedro, cujo nome ironicamente significa pedra, afirma as palavras de (I Pe 2:4-10). Uma grande comunidade está sendo edificada em Yeshua HaMashiach. Aqueles que rejeitam a pedra, tropeçam nela, se torna rocha de escândalo. Entretanto, para os santos, Yeshua o Mashiach se torna o fundamento, a pedra angular, para quem convergem os profetas e os apóstolos, sendo Ele, o núcleo de onde a família de D-us cresce e todos os santos na unidade do Espírito. Deixamos assim de ser pagãos, assimilados pelo pecado, para sermos inseridos, na comunidade eleita, a comunidade sacerdotal, a casa espiritual: a Família de D-us.

    ResponderExcluir
  98. Zergon,

    O ponto 4 nem tem muito o que comentar, fica claro que a narrativa de Hebreus 10 fala daquilo que há de vir que nada mais é que o julgamento do Senhor nosso D-us evidenciado nos versos 30 e 31, e a passagem do verso 37 e 38 é clara a analogia e paralelismo como o texto de Habacuc, não havendo portanto nenhuma forma de identificação de Yeshua com D-us, tanto que Yeshua não aparece evidenciado no bloco do verso 32-39 que é exatamente o comparativo com o bloco de Habacuc, falando da esperança que virá no dia do julgamento de D-us,onde os homens vivevão pela fé, aguardando o galardão mesmo que tarde um pouquinho. Simple? vemos que forçam interpretações até onde não há nem mesmo sombra de representatividade quem dirá de identidade.

    Shalom

    ResponderExcluir
  99. Zergon,

    Segua a análise do Ponto 5.

    YHWH
    5. "Por Mim mesmo tenho jurado (...) diante de Mim se dobrará todo o joelho, e por Mim jurará toda a língua". Isa. 45:23.

    Mashiach
    5. "Ao nome de Yeshua se dobre todo joelho dos que estão nos Céus e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Yeshua HaMashiach é o Senhor para glória
    de D-us Pai". Filip. 2:10, 11.

    Novamente vemos a falta de compreensão destas pessoas diante das palavras de Shaul (Paulo), levando-os a criarem interpretações distantes da realidade bíblica.
    Primeiro temos que ver o contexto da passagem de Filipenses 2 que começa com o marcante da mensagem no verso 3, onde Shaul (Paulo) nos exalta a sermos humildes e com atitudes de submissão para que assim propaguemos a justiça comum, daí no verso 5-6 vem a comparação para sermos conforme o exemplo do Mashiach Yeshua que mesmo tendo a Autoridade em sua forma divina não usurpou como HaSatan ser como D-us, vemos aqui que Yeshua não teve este pensamento, mas os trinitários de hoje tem usurpando o que é próprio somente a D-us e dando a Yeshua que não usurpou ser igual a D-us mas a insistência em fazê-lo por parte dos trinitários é um erro que devemos evitar.
    Vemos então nos versos 7-9 que Yeshua se despiu de sua glória que como Palavra Divina personificada com direitos de Filho ele detinha nos Céus, e se fez servo humilde e obediente até a sua morte de cruz.
    E é neste verso que eu queria chegar pois neste verso 9 vemos que Shaul (Paulo) a despeito do que querem enxergar os trinitários, não igualou Yeshua à D-us mas mostrou que foi D-us que exaltou sobremaneira à Yeshua por sua obediência, lhe dando um nome que é sobre todo o nome, para que diante deste nome todo o joelho se dobre tanto na terra como no Céus, e toda a língua confesse que Yeshua é aquele que D-us colocou como o Governante sobre todos, e daí vemos no fim do próprio verso que os trinitários se utilizaram, a resposta a eles mesmos, verso 11, respondendo a eles por que todos se dobram e confessam o Senhorio de Yeshua, a saber, PARA GLÓRIA DE D-US PAI.
    Resumindo, em Isaías D-us faz uma promessa que se cumprirá no Mashiach, pois se todos na terra e nos Céus entenderem e confessarem que o Senhorio de Yeshua que foi dado pelo próprio D-us, foi para GLÓRIA DE D-US PAI, então esta cumprido o juramento de D-us, tanto para àquele contexto de salvação do povo por meio de Ciro de forma temporal como no contexto escatológico de forma eterna.
    Complementando vemos que Shaul tem este mesmo entendimento em Romanos 14:10-12, onde há o relato do julgamento ante o Tribunal Celeste, que alguns manuscritos falam que é de Cristo outros que é de D-us, mas em suma o tribunal julgará conforme as leis de D-us mediante a sua justiça expressa pelo Mashiach e é neste mesmo contexto que vemos todos na Terra como nos Céus dobrando os joelhos e confessando com sua língua a GLÓRIA DE D-US.
    Outro verso que mostra este entendimento de Shaul de que há um só D-us, o qual deu todo o Senhorio sobre todas as coisas à Yeshua, está em 1 Coríntios 8:6.

    ResponderExcluir
  100. Zergon,

    Segue analise do ponto 6.
    O Esquadrinhador

    YHWH
    6. "Eu, YHWH, esquadrinho o coração,
    provo os rins, para dar a cada um
    segundo as suas abras". Jer. 17:10.

    Mashiach
    6. "Isto diz o Filho de D-us
    (...) todas as igrejas
    conhecerão que Eu sou o que
    esquadrinha os corações e os
    rins, e darei a cada um segundo
    as suas obras". Apoc. 2:18, 23.

    Não vou me repetir sempre, mas aqui novamente vemos que o Mashiach está sendo a ferramenta que D-us se utiliza para trazer juizo assim como ELE mesmo prometeu nas palavras dos profetas e novamente a sequencia do texto nos revela que Yeshua dá o poder de julgamento aos outros assim como o Pai deu a ele, como podemos comprovar no verso 27 de Apoc 2.
    Simples novamente.

    Shalom

    ResponderExcluir
  101. Zergon, Elvis e Tertuliano,

    Peço paciência a vocês, pois a cada versículo pesquisado encontro uma mina de conhecimento que me deslumbra pois, ao tentar apenas enquadrar um texto de caracter judaico a uma perspectiva cristã sincera eu descubro ligaçôes internas entre cada passagem indagada que eu acabo fazendo ligaçôes com os mais diversos temas bíblicos que se iluminam em minha frente tanto que as vezes perco o foco inicial de argumentação simples à indagação porposta por vocês em resposta ao seus contrapositores, que fico tentado a fazer as minha anotaçôes pessoais para não perder tanta iluminação antes de apresentar a vocês uma argumentação sólida.
    Mas gostaria de saber de vocês se o que já foi apresentado até agora está ajudando de alguma maneira?
    Agradeço a confiança e a paciência.

    Fiquem na Shalom que emana do Mashiach Yeshua.

    ResponderExcluir
  102. Metushelach,

    Nunca aprendi tanto em tão pouco tempo, oro que Espirito Santo continue a lhe iluminar em suas respostas, e saiba que existem outras almas que eu tenho repassado o que tenho aprendido aqui que de forma indireta também tem muito a te agradecer.

    Nós gentios, somos catequisados desde o inicio da forma romanizada de se ver a Biblia e finalmente estou me libertando das correntes romanas e reformistas e vendo a Biblia como Deus a inspirou, sem influencia doutrinaria.

    Que Deus em Espírito continue a emanar conhecimento para assim como eu estou aprendendo com o blog, vc possa continuar a ajudar outras almas viventes esplalhadas por aí, que precisam se libertar de dogmas pre-concebidos.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  103. Caro Metushelach,

    Tem ajudado bastante, fico tranquilo em saber que você é imparcial e mostra a Sagradas Escrituras de forma clara, fazendo-se entender até para quem não é estudioso do assunto.

    Pode elaborar com calma as respostas pois tenho certeza que o resultado será satisfatório, e precisamos mostrar a verdade a todos, pregar o verdadeiro evangelho e mostrar a Bíblia como ela é, e não como querem que seja.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  104. Metushelach,

    Análises perfeitas, fez mudar completamente meu modo de interpretar a Bíblia, está me ajudando muito.

    ResponderExcluir
  105. Agradeço a todos vocês pelo apoio pois o Senhor tem me dado muita graça para que eu possa conpartilhar e isso tem dado frutos que muito te me feito feliz e agradecido Ao Eterno, Bendito seja Ele.
    Que a Ruach HaKodesh possa nos manter em comunhão para juntos trilharmos o caminho da verdade, a verdade que liberta e muda vidas.

    Shalom a Todos.

    ResponderExcluir
  106. Os últimos três comentários aqui postados foram excluidos, primeiro por ser postado de forma anônima, outro por usar um nome horrível pra Yeshua, outra por não ser direto aque veio.

    ResponderExcluir
  107. Shalom,

    Não é facultado post anônimo? Não é uma opção do próprio blog? Estou em um debate? N entendi.

    Eu deixei bem claro que existe uma triunidade divina, citando Paulo:

    2 Co 13:14: A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós. (Senhor Jesus, amor de Deus, e Espírito Santo) Não é uma Triunidade do Eterno?

    Afirmei que o escrito de Eusebio não pode ser usado para refutar a triunidade Deus, já que o Didaque é mais antigo.

    Afirmei que Yeshua é Yahweh; e apresentei textos.

    Em relação ao nome de Yahshua, vc esta um pouco desinformado.

    Quando escrevi Yahshua; vc diz que é horrível. Porém, deixo os seguintes link's:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Yahshua

    Deixo o site da Yahweh`s Philadelfia Truth Congregation:

    http://www.yahstruth.org/Publications/YahshuaorYeshua.php

    Quero também deixa um outro link:

    http://www.eliyah.com/yahushua.html

    Esse link, talvez pode dizer que eu estou errado, mas também não vai dar muito apoio para vc, já que eles preferem Yahushua ao inves de Yeshua.


    Até o que eu sei, Yahshua é o nome correto de nosso salvador, e não Yeshua. Porém, se for Yahushua, não tem problema.

    Novamente não irei me apresentar, pois primeiramente eu quero saber se é obrigatoria minha apresentação. Se for, é claro que eu irei me apresentar.

    Se for, quero dizer que certamente irei usar algumas informações do Dr. Tim Hegg, para refutar aquele teu post sobre Mt. 28

    Deixo um link:
    http://www.torahresource.com/EnglishArticles/Matt28.19TexualCriticism.pdf


    Em suma, vc escreveu

    1. Somente uma única pessoa é D-us : Yeshu’a (Jesus) não é D-us porque há somente uma pessoa que é D-us .

    Eu afirmei que Jesus é Deus. E apresentei os textos.

    Shalom

    ResponderExcluir
  108. Anônimo,

    Gostaria sim que você se identifica-se para ficarmos mais a vontade para dialogarmos, quanto ao nome do Mashiach segue um breve comentário a este respeito pois é normal muitas pessoas se questionarem qual é a pronúncia certa do nome do Mashiach.
    Existe muitas facções religiosas que normalmente só existem virtualmente e quando existem fisicamente não são reconhecidas por conselho nenhum que aderem a uma pronúncia e apregoam que somente com o nome certo é que estarão realmente se referindo ao Mashaich.
    Existem os adeptos do nome Yehoshua , existem até os que dizem ser Yahushua e outros que dizem Yahshua ou Yashua e ainda outros que dizem ser "Yaohushua" e por aí vai.
    Todas as pessoas que me deparei que afirmam tais coisas nenhuma delas sabia hebraico ou tinham conhecimento gramatical para expor suas escolhas.
    Eles não conhecem estruturas do idioma e não sabem que uma palavra recebe sons vocálicos diferentes quando passada para o plural ou quando há alguma contração.

    Por exemplo:
    yagea = cansado. Percebe que o início da palavra é "ya".
    yegeim = cansados. Perceba que agora o início é "ye".

    Yadid = colega. Início com "ya"
    Yedidim = colegas. Início agora com "ye".

    O mesmo acontece quando há uma junção do substantivo com um pronome possessivo, por ex:
    Yadid = colega
    Yedidi = meu colega

    Por isso quando há a junção de parte do Tetragrama com outra palavra a pronúncia nunca será "ya".

    Então:
    "Yahushua, Yaohushua, Yahshua , Yahoshua, etc" está fora de questão e é gramaticalmente incorreto.

    Em hebraico acontece essas coisas e há outras mudanças vocálicas bem radicais, alguns exemplos:

    Pétek = Pitakim
    Shuk = Shivakim
    Ima = Imahot
    Então não é simples assim como acham que é, não é apenas acrescentar uma palavra a alguma partícula do tetragrama e acabou.

    As junções e plurais modificam a vocalização, não tem jeito, isso é hebraico.

    Mas voltando ao nome do Mashiach.

    O nome próprio "Yeshu’a" é a pronúncia aramaica de "Yehoshua".
    Onde o ’a é um forma de representar a letra ain, que não tem correspondente em língua portuguesa por ser uma letra gutural que se forma no interior da garganta.

    Nas escrituras podemos ver que os nomes que iniciam-se com partículas do tetragrama, quando pronunciados no aramaico, ficam mais curtos.

    Alguns Textos:

    יב וַיִּשְׁמַע זְרֻבָּבֶל בֶּן-שַׁלְתִּיאֵל וִיהוֹשֻׁעַ בֶּן-יְהוֹצָדָק הַכֹּהֵן הַגָּדוֹל וְכֹל שְׁאֵרִית הָעָם, בְּקוֹל יְהוָה אֱלֹהֵיהֶם, וְעַל-דִּבְרֵי חַגַּי הַנָּבִיא, כַּאֲשֶׁר שְׁלָחוֹ יְהוָה אֱלֹהֵיהֶם

    Esse texto é Hagai (Ageu) 1:12, perceba a pronúncia "Yehoshua Ben Yehotzadak".


    Agora Ezra (Esdras) 3:2:

    ב וַיָּקָם יֵשׁוּעַ בֶּן-יוֹצָדָק וְאֶחָיו הַכֹּהֲנִים, וּזְרֻבָּבֶל בֶּן-שְׁאַלְתִּיאֵל וְאֶחָיו, וַיִּבְנוּ, אֶת-מִזְבַּח אֱלֹהֵי יִשְׂרָאֵל--לְהַעֲלוֹת עָלָיו, עֹלוֹת, כַּכָּתוּב, בְּתוֹרַת מֹשֶׁה אִישׁ-הָאֱלֹהִים
    Perceba a pronúncia do mesmo nome, só que agora é "Yeshua Ben Yotzadak".
    A pronúncia modificou bastante, ficou mais curta.

    Bamidbar (Números) 11:28 :
    כח וַיַּעַן יְהוֹשֻׁעַ בִּן-נוּן, מְשָׁרֵת מֹשֶׁה מִבְּחֻרָיו--וַיֹּאמַר:

    Acima a pronúncia "Yehoshua Bin Nun".

    Nechemiah (Neemias) 8:17:
    יז וַיַּעֲשׂוּ כָל-הַקָּהָל הַשָּׁבִים מִן-הַשְּׁבִי סֻכּוֹת, וַיֵּשְׁבוּ בַסֻּכּוֹת--כִּי לֹא-עָשׂוּ מִימֵי יֵשׁוּעַ בִּן-נוּן כֵּן בְּנֵי יִשְׂרָאֵל, עַד הַיּוֹם הַהוּא;
    Acima a pronúncia "Yeshua Bin Nun" se referindo ao mesmo "Yehoshua Bin Nun".
    Então no período do exílio, quando o povo estava falando aramaico, passaram a pronunciar "Yeshua" em vez de "Yehoshua" .

    No período que o Mashiach veio, o idioma falado pelo povo cotidianamente era o aramaico, então o nome "Yeshua" foi utilizado.
    Por isso dizemos "Yeshua" , pois quando o Mashiach veio era essa a pronúncia utilizada na época.

    ResponderExcluir
  109. E se quiser refutar as nossas argumentaçôes solicito fazê-lo após ler o post http://judeu-autonomo.blogspot.com/2009_05_01_archive.html, mas as faça por inteiro e não somente a algumas exposições.

    Agradecemos a compreensão.

    Shalom

    ResponderExcluir
  110. Shalom,

    Metushelach, gostei de tua explicação e sem duvida tirou todas as minhas duvidas. Perdão pelo erro.

    Irei sim ler os post. Não irei me indentificar ainda. Porém, quero enviar um e-mail refutando o presente post e aquele de Mateus 28. Aí, se vc quiser publicar nosso "debate" no blog, não tem problema. O que acha?


    Parabens pelo Blog

    ResponderExcluir
  111. Anônimo,

    Agradecemos as palavras, e fique a vontade para mandar o e-mail.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  112. Zergon,

    Segue analise do ponto 7.

    "Cativo o Cativeiro"
    YHWH
    7. O Salmo 68 é, todo ele, uma exaltação a YHWH. "Subiste ao alto, levaste cativos os prisioneiros; recebestes dons aos homens". Sal. 68:18.

    Mashiach
    7. "(...) o dom do Mashiach. Por isso diz: Quando Ele subiu ao alto, levou cativo o cativeiro, deu dons aos homens." Efés. 4:8. (ver também os versos 9 e 10)

    Primeiramente vamos utilizar uma tradução mais fidedigna do Salmo 68:18(19) עלית למרום ׀ שבית שבי לקחת מתנות באדם ואף סוררים לשכן ׀ יה אלהים׃ “ Tu subistes ao lugar alto, levando presos os cativos, recebendo homens como despojos bem como todos os que se rebelam à habitação do Senhor D-us” Tradução interlinear da Hebrew Study Bible.

    Após árdua pesquisa, estudo e leituras sobre esta passagem de Salmos 68:18(19), reparei que há muita divergência sobre de quem se trata o sujeito da frase referida, tanto entre os sábios judeus como os estúdiosos cristãos, mas achei referências mais concisas nas explicação de Aben Ezra que são corroboradas pelas notas sobre o texto dos renomados cristãos Calvino e C. H. Spurgeon, bem como uma bela nota de rodapé da Bíblia Católica de Jerusalém.
    Concordamos com o que diz no ponto 7 da tabela, que diz que o Salmo 68 é todo ele uma exaltação a YHWH, exaltação de todos as maravilhas feitas a Israel desde a saída do Egito até o tempo dos profetas, mas tais maravilhas foram feitas por D-us à Israel bem como por meio de Israel, sendo assim existem menções implícitas no texto à personagens da história de Israel como aos Juízes Débora e Gedeão, aos reis David e Salomão, aos profetas Elias e Eliseu, bem como menções dos tempos de Acab e Ezequias e de lugares específicos como o monte Sinai, Colina de Siquém e o Monte Sião.
    Com este entendimento de correlação de personagens da historia de Israel com o ritmo das estrofes musicais do Salmo 68, é que entramos no assunto de definição de quem é o sujeito da frase do verso 18 (19), e com o apoio dos autores já citados chegamos a conclusão de que o sujeito do verso 18 (19) é David que ascendeu e estabeleceu a morada do Senhor no lugar alto chamado Sião, após longas batalhas onde tomou cativo os inimigos pelo caminho os prendendo e os levando como despojos de guerra, principalmente aos que se rebelavam com a presença dele bem como conseqüentemente a presença da habitação do Senhor D-us naquele lugar.
    Vemos portanto que o pronome Tu não pode ser referência ao próprio D-us, mas sim aquele que se fez ferramenta na mão do Senhor para imputar juízo aos povos habitantes de Sião, assim com Yeshua o fez num plano espiritual e profético.
    Seguindo na argumentação gramatical se o Tu fosse o Senhor a referência à habitação teria que ser a “sua” habitação e não a habitação do Senhor que comprova ao menos gramaticalmente que o sujeito do inicio da oração é outro e não o Senhor D-us.

    Agora vamos para analise da passagem de Efésios 4:8-10.
    Segundo as mesmas fontes analisadas anteriormente podemos corroborar o nosso ponto de vista dizendo que a passagem citada por Shaul (Paulo) em Efésios não é um citação direta mais sim um paralelismo de termos muito recorrente em explanações rabínicas, sendo Shaul em rabino expoente em seu tempo ele se utiliza destes métodos e assim neste caso ele evoca a passagem de Salmos 68:18(19) apenas para esclarecer dois termos, a saber, “subiu“, e “concedeu“, este ultimo nem esta no original hebraico, que é uma reversão do termo “recebeu”, assim ele faz uma Midrash* em termos de Salmos e não uma citação direta.
    continua...

    ResponderExcluir
  113. Mas isso não quer dizer que Shaul errou ao citar as Escrituras pois ele não a faz de forma didática direta mais sim de forma midrashica indireta, pois ele apenas quer comparar a obra de Yeshua à obra de David, mostrando que David teve que subir a Sião para estabelecer a habitação do Senhor D-us, levando os opositores cativos tomando deles seus despojos, enquanto que Yeshua teve que subir da sepultura para nós pudéssemos receber o dom de sermos nós mesmos a habitação de D-us em Espírito, assim como também por este sacrifico de Yeshua de ir para a sepultura mas mais precisamente por ele ter ressuscitado, é que podemos ter a confiança de que como o contexto do capitulo 4 todo podemos ser um só corpo bem ajustados em amor e entendimento cuja a Cabeça é o Mashiach.
    Resumindo não há como usarmos estes textos para identificarmos a Yeshua com YHWH, pois novamente faltou entendimento do contexto de ambas as passagens, e digo isso apoiado não somente em entendimento judaico mas sim em entendimento de grandes estudiosos cristãos.

    (*) Midrash: Método de ensino onde se faz cruzamento referencial de passagens, levando em consideração ou o entendimento literal da passagem, ou o entendimento contextual da passagem no bloco de pensamento do texto, ou e no Livro, ou e nas Escrituras como um todo, bem como apenas em comparação lingüísticos de termos equivalente ou contrapostos ao que se propõe abordar.

    ResponderExcluir
  114. Metushelach,

    Para mim sua análise sobre o ponto 7 ficou eclarecida dentro das justificativas apresentadas, porém gostaria de expôr à título de um maior esclarecimento sobre essa Midrash, o posicionamento do Dr. Luís Alonso Skokel sobre Efésios 4:7-11 para que aqueles que se apoiarem igualmente possam ter um melhor entendimento judaico messianico sobre tal, cito: "Da unidade brota a pluralidade, e esta se unifica pela organicidade. Vem de Cristo glorificado, que distribui seus dons, como faz um vencedor esplêndido. Dois motivos literários que encontra em Salmos 68:19, adaptado ao caso sem esforço, graças à versao grega. Todos os céus (plural): os 3 ou os 7, segundo diversas representações. Ver Jo 3:13; 1Co 12:27-29; Is 44:23; Ec 4:7,15; Dt 32:22; Ez 31:14; Sl 63:10."

    Espero não ter complicado demais, porém ao ler essa nota sobre o mesmo, precisei colocar para sua verificação sendo eu sabedor que outros poderiam se basear erroneamente nesse raciocínio, por isso peço sua análise complementar sobre o ponto 7.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  115. Zergon,

    Sinceramente eu nem entendi o posicionamento do Dr. Luis Alonso, quanto o texto em si.
    Pode divergir se for o caso, pois eu não me propus a interpretar a passagem como um todo mais sim no que tange a comparação de Yeshua a YHWH com o mal uso do texto de Salmos 68.
    Mas a frase "Da unidade brota a pluralidade, e esta se unifica pela organicidade" vai além do que o texto quer dizer da unidade que o corpo que é Igreja, tem que ter no Mashiach, sutilmente é proposta a Trindade aqui, que de forma sorrateira é evocada na pluralidade que brota da unidade, mas deixa pra lá tal pormenor.
    Fora as referências citados, novamente não entendi o que ele quis dizer com tais citações pois na maioria vemos a sepultura que no texto grego ficou em quase todos os casos vertido por inferno, tomara que ele não tenha querido dizer que Yeshua foi para o inferno quando morreu, fica claro nos textos originais que é sepultura, e da lá subiu vitorioso, assim como David em Salmos 68 subiu vitorioso até Sião estabelecer a habitação do Senhor D-us.

    Desculpe mas o texto é muito estranho, por isso não dá pra ter uma postura defensiva ou corroborativa com ele.

    ResponderExcluir
  116. Metushelach,

    Concordo com sua avaliação pois ficou muito confuso a nota do Dr. Luis Alonso, interessante até saber se ele como judeu foi católico (por utilizar uma editora católica como a Paulus) por toda vida ou em algum momento ele seguiu o judaísmo, pois como vc colocou existe uma tendenciosidade de trinitarianismo nessa nota.

    Ponto 7 pra mim está resolvido.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  117. Zergon Geisler,

    Muitos judeus acreditam que Jesus é Deus. Alguns não acreditam que Jesus é Deus, porém, é uma minoria.

    Eu recomendo você fazer uma pesquisa. Irei indicar um site:

    www.torahresource.com/ArticlesEnglish.html

    Este site é mantido por Tim Hegg, líder da Congregação Beit Hallel em Tacoma, Washington.

    Leia os artigos:

    The Deity of Yeshua

    The Greater & Lesser YHVH Heresy


    Jesus, no primeiro artigo, diz Hegg, pode ser adorado.

    ResponderExcluir
  118. Zergon Geisler,

    Espero que você faça uma leitura dos artigos que estou apresentado.

    Em relação ao Dr. Luis Alonso Schökel, ele era um padre. Porém, não acredito que ele tenha sofrido influência em relação a doutrina da Trindade. Por exemplo, existe um certa liberdade dentro do catolicismo em apresentar pontos de ensinos que não são oficiais. Alguns teologos catolicos não acreditam na doutrina da imortalidade da alma. Porém, tal entendimento não é o posicionamento oficial da instituição catolica romana.

    Durante um bom tempo pesquisei sobre a doutrina da trindade. Para mim, o NT havia sofrido muitas modificações. Todavia, não acredito mais nessa falsa ideia.

    Você já ouviu falar do Papiro 7Q5? Espero que sim, mas recomendo uma pesquisa sobre o assunto.

    Como estudante do judaismo e do cristianismo, me sinto obrigado apresentar para você, informações que vão de encontro com as que foram apresentados por Metushelach.

    Como Cristão, descendente de judeus(pelo lado paterno e materno), peço para você, que tenha cuidado quando for buscar conhecimento.

    Não aceite tudo o que é apresentado, seja de com for.

    Deixo para você, uma indicação de um outro site, onde encontrara um testemunho do Rabino Max Wertheimer.

    O referio rabino nasceu na alemanhã; o mesmo era filho de judeus ortodoxos (...) Nós Estados Unidos ele foi rabino da Sinagoga Yeshorum B'nai.

    Quando sua esposa ficou doente ele reconheceu que Jesus era o Mesias. Em resumo, durante seus estudos, ele escreve:

    De repente eu estava diante da doutrina da Trindade. E agora sobre o nosso slogan popular monoteísta: Sh'ma Isroel, Adonai Eloheynu, Adonai, Echod.

    Eu irei para por aqui. Porém, deixo o link onde pode encontra o testemunho do referido rabino.

    Link: http://www.menorah.org/rabbimaxwertheimer.html

    A doutrina da Trindade, não siginifica que há três deuses. Somente quem não conhece um ensino teologico do referido assunto, que faz uma afirmaçao tão erronea.

    Deus é um em sua natureza. Como escreveu nosso irmão Jack Cotrell:

    The traditional Trinitarian view is that God is one in nature;essence;being; substance.

    Quando afimamaos que Deus é três em um. Cotrell, diz:

    when we say that God is three persons in one essence, we are saying that he is three centers of consciousness sharing one divine essence(God the Redeemer , 154, 159).

    Graça e Paz, leis os artigos dos link's

    ResponderExcluir
  119. Caro Anônimo,

    Agradeço pelas sugestões de artigos relacionados e o testemunho do Dr. Max Wertheimer, porém sou de formação católica romana, me converti ainda na adolecência ao protestantismo, e desde então passei por neo-pentecostais, tradicionais, sectárias e atualmente pentecostal no momento por falta de opção, sou um profundo pesquisador das histórias das igrejas no geral e principalmente do cristianismo tanto genuíno (judaico) quanto romanizado e reformista, baseado nisso nunca concordei por ter comprovações mais que suficientes históricas e bíblicas na dita doutrina da trindade como se apresenta, principalmente por ter sido claramente imposta pelo anti-semitismo romano e sido seguido pelo protestantismo, portanto consegui através do Metushelach as peças que faltavam para eu ter certeza de que tudo isso foi inventado para apagar o judaísmo de Jesus e dos apóstlos, e mais impôr politeísmo pagão dentro do cristianismo recém formado, se vc observar meus diálogos eu forcei com os clichês trinitarianos o Metushelach logo no início para completar através do conhecimento judaico messianico a verdade sobre a divindade de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e sua autoridade como Rei dos reis, fato que me foi muito bem exposto e comprendito de forma clara dentro das escrituras, portando, respeito aqueles que mesmo diante das evidências nao querem ver a verdade, mas sou muito grato ao Metushelach por estar me ajudando a ajudar a terminar de montar esse quebra-cabeças teológicos a que nos propomos.

    Li os artigos mas não tem conteúdo refutatório suficiente para ir contra as Sagradas Escrituras, mesmo assim agradeço sua preocupação e boa vontade.

    Que Deus o abençõe.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  120. Zergon,

    Novamente agradeço as palavras de apoio, incentivo e confiança de sempre.

    O que me deixa descontente pra começar sobre o anônimo é que ele se esconde atrás do anonimato, não nos dando a oportunidade de conhecermos a historia de vida e trajetória de fé dele, da forma comum como sabemos dos demais participantes de nosso Blog, mesmo que não tenhamos muitas vezes os nomes reais, mas um pouco da historia que cada um compartilha já nos deixa mais íntimos para dialogarmos com mais liberdade e confiança.
    Outro problema do anônimo é a falta de originalidade, pois como temos visto ele não declara com suas próprias palavras as suas impressões e idéias mas tende a apenas copiar e colar colocações muitas das vezes sem profundidade relacional com as Escriturar, pois apesar de ser postados muitos versículos a descontextualização relacional desconfiguram o entendimento da passagem.
    E por falta deste manejo de expressar as idéias com as próprias palavras e se utilizar de enlatados americanos é que eu me dei o direito de excluir as montanhas de textos apenas CONTROL C, CONTROL V, pois além de ser demasiado incômodo termos apenas recortes de idéias sem originalidade, o propósito do anônimo não é de saber o que pensamos e a partir daí nos colocar suas objeções, mais sim de vir com idéias pré concebidas e sem argumentação original própria e nos descê-las goela baixo sem diálogos, pois se ele fosse honesto com o propósito do Blog, ele teria ao menos lido as postagens que já tratamos de vários dos assuntos por ele citados e se pautaria neles para argumentação e refutação, mas como isso não está acontecendo eu conto com a compreensão dos participantes do Blog na minha decisão de excluir tudo o que for postado que de alguma forma fuja ao propósito do Blog que é o de um dialogo sincero e sem pré concepções que possam nos emperrar a conversa franca e desarmada.

    Sem mais para o momento,

    Fiquem na Shalom Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  121. Para quem ficou com alguma má impressão das palavras do anônimo ao citar 1 Coríntios 12:3, e para não suscitar dúvidas, informamos que é descabida a informação transmitida por muitos ao dizerem que sempre que aparece a palavra Kúrios no grego temos que verte para o nome Santo representado no hebraico pelo tetragrama YHWH, só pelo fato da versão grega da Tanach (“Antigo Testamento”) a Septuaginta fazer tal adaptação, primeiro temos que ter em mente que quem fez a versão em grego foram sábios judeus que tinha respeito pelo nome do Senhor, tanto que mesmo em hebraico quando lido o tetragrama ele é expresso verbalmente com os designatórios Adonai, Elohim ou HaShem, tanto que os massoréticos fazem menção a tais designatórios, pois foram postos tais sons vocálicos no tetragrama para fazer lembra a um judeu que ele deveria apenas expressar verbalmente Adonai ou Elohim e não o nome Santo, sendo assim os nomes corruptos como Yahovae, Yehova, Jeová e por ai vai foram uma tradução cristãs do tetragrama que desconsiderou o conhecimento da preservação do nome do Senhor, pela substituições designatórias, assim sendo no grego ocorre o mesmo pois quanto temos Tetragrama YHWH em hebraico se verteu para Kúrios em grego, mas aplicar isso ao “Novo Testamento” e generalizá-lo, é forçar muito um entendimento, pois o texto de 1 Coríntios 12:3 chama Yeshua de Senhor, Senhor que rege nós o seus servos, mas também um dia será Senhor de tudo e isso ocorrerá no seu Reino Messiânico.
    Mas para deixar bem claro o uso do termo κύριος (kurios), ele é figurado mais de 717 vezes no “Novo Testamento”, sendo na sua forma primária ou em suas variações como κύριε (kurie), κύριοι (kurioi), κυρίοις (kuriois), κύριον (kurion), κυρίου (kuriou), κυρίῳ (kuriō), κυρίων (kuriōn), tendo como significados contextuais diversas designações desde ao próprio D-us, bem como ao senhorio de Yeshua, e por varias vezes apenas como pronome de tratamento, ou de respeito à um pai, ou um mestre ou até um proprietário de terra que seria um chefe.
    Um exemplo que figura o Kurios é na passagem de Mateus 21:29-30, que vemos pelo contexto que o senhor é apenas um pronome de tratamento que expressa respeito de um filho pelo pai, e também no mesmo capitulo no verso 40 vemos um proprietário da vinha sendo chamado de Kurios bem como o mesmo ocorre em Mt. 18:31-34, uma outra passagem que pode ser visto o erro em se atribuir apenas como designativo de D-us o uso do termo κυρίοις (Kúrios) é em Mateus 6:24, onde os dois senhores são igualmente contemplados no termo, pois se Kúrios fosse somente para verter o Tetragrama aqui teríamos um politeísmo escancaradamente exposto, onde teríamos dois YHWH, no qual teríamos que escolher a qual agradar.
    Esperamos ter ajudado na compreensão do termo e seu uso correto.

    Fiquem na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  122. PAZ DE DEUS

    Primeiramente, o Novo Testamento, não faz distinção onde "Senhor" significa YHWH, e onde "Senhor" significa ADON.

    Porém, a versão HRV, faz brilhantemente uma distinção.

    Na referida versão (HRV) apresenta que Jesus é YWWH.

    Ela será, ou melhor, já é usada em muitos debates para provar que Jesus é divino, e que também é Deus.

    Certamente, algumas pessoas já souberam da presente informação, aquei no Blog.

    Se alguém, usar a versão HRV, acredito que é impossivel afirmar o contrario, que Jesus não é Deus.

    Tenho tentado, encontrar, uma outra versão que venha ir contra as informações que foram apresentadas pela referida versão. Até agora, não encontrei.

    Em minhas pesquisa, o que encontrei mesmo,foi que James Trimm, não é assim muito querido; muitas são os ataques.

    O que diz as fontes hebraicas, aramaicas, do NT?

    ResponderExcluir
  123. Anônimo,

    Para começar a HRV não é recomendada e não referenciada por nenhum Movimento Sério de Teologia Restauracionista ou Judaico Messiânica.

    Segue texto aramaico da Peshitta de 1 Cotintios 12:3 "ܡܛܠ ܗܢܐ ܡܘܕܥ ܐܢܐ ܠܟܘܢ ܕܠܝܬ ܐܢܫ ܕܒܪܘܚܐ ܕܐܠܗܐ ܡܡܠܠ ܘܐܡܪ ܕܚܪܡ ܗܘ ܝܫܘܥ ܘܐܦܠܐ ܐܢܫ ܡܫܟܚ ܠܡܐܡܪ ܕܡܪܝܐ ܗܘ ܝܫܘܥ ܐܠܐ ܐܢ ܒܪܘܚܐ ܕܩܘܕܫܐ"
    A palavra que você insiste em dizer que é o Tetragrama é a palavra "דמר'א" que tem como significado apenas Senhor e nada de referêcia ao nome Santo representado pelo Tetragrama, a menos que você queira questionar a autenticidade da Peshitta também.

    Segue o Texto Hebraico da Hebrew Modern Bible de 1 Coríntios 12:3 " לכן אודיע אתכם כי אין איש דבר ברוח אלהים אשר יאמר ישוע חרם הוא ולא יוכל איש לקרא לישוע אדון בלתי אם ברוח הקדש׃"

    Vemos novamente que a palavra em questão está no hebraico da seguinte forma "אדון" Adon, e não o Tetragrama como você gostaria que estivesse.

    Sendo assim concluimos que HRV é tão tendenciosa quanto a versão Novo Mundo das Testemunhas de Jeová, simples, versão de Nazarenos que força o entendimento com jogo de palavras e com falta de contextualização, antiga e batida tática que apenas engana os incautos.

    ResponderExcluir
  124. Metushelach Ben Levy,

    Muito obrigado, pois era essa versão que eu estava usando, por isso que fiquei muito confuso, agora, apesar de vc não me conhecer, porém, saiba que eu sou alguém que acompanha o blog, fico muito feliz por ter respondido.

    Já participei de muitos em outros debates, e as vezes eu sou chamado de judaizante, escravo da lei, servo de satanás, e outras coisas.

    Posso dizer, que foi um pouco incauto rsrs. Vc tem sido não somente para mim, mas para outros, um verdadeiro professor.

    Paz

    ResponderExcluir
  125. Segundo a regra de Sharp, quando vc tem dois nomes, os quais não são nomes próprios, q estão descrevendo uma pessoa, e os dois nomes são conectados pela palavra "e", e o primeiro nome tem o artigo ("o" ou "a") enquanto q a segunda não possui, ambos nomes estão se referindo à mesma pessoa. Em nossos textos, isto é demonstrado pelas palavras "Deus" e "Salvador" em Tito 2:13 e 2 Pedro 1:1. "Deus" tem o artigo, é seguido pela palavra "e", e a palavra "Salvador" não tem o artigo. Daí, ambos nomes estão sendo aplicados à mesma pessoa, Jesus Cristo. Esta regra não possui exceção. Deve-se argumentar unicamente com bases teológicas contra estas passagens. Não há verdadeiramente nenhuma objeção gramatical que pode ser levantada.

    Em Tito 2:13, vemos primeiro q Paulo está se referindo à "epiphaneia" do Senhor, Sua "aparição". Cada outro uso desta palavra é reservado para Cristo e Ele apenas. É imediatamente seguido pelo verso 14, q diz, "o qual se entregou por nós, para que Ele possa nos redimir de toda iniquidade e purificar p/ Si mesmo um povo p/ Sua própria possessão, zeloso de boas obras." A referência óbvia aqui é a Cristo q "se entregou por nós " na cruz do Calvário. Também não há evidências aqui de um antecedente plural para o "o qual" do verso 14. Deve ser também mencionado que o verso 14, enquanto se refere diretamente a Cristo, é uma paráfrase de algumas passagens do Velho Testamento que se referem a Deus Yahweh. (Salmos 130:8, Deuteronômio 7:6, etc). Dificilmente pode-se objetar à identificação de Cristo como Deus quando o apóstolo continua a descrever Suas obras como as obras de Deus!

    A passagem encontrada em 2 Pedro 1:1 é ainda mais constrangedora. Alguns simplesmente desviam das regras gramaticais e considerações, e decidiram por uma tradução inferior com base no verso 2, q eles dizem, "claramente dintingue" entre Deus e Cristo. Tal tradução com base em preconceitos teológicos é dificilmente louvável. O pequeno livro de 2 Pedro contém um total de cinco construções "Granville Sharp". Eles são 1:1, 1:11, 2:20, 3:2 e 3:18. Ninguém argumentaria que os outros quatro casos são exceções à regra. Por exemplo, em 2:20, é óbvio que tanto "Senhor" e "Salvador" são em referência a Cristo. Tal é o caso em 3:2, assim como 3:18. Nenhum problema aqui, pois a tradução apropriada não se torna uma pedra no sapato teológico de ninguém. 1:11 é ainda mais notável. A construção aqui é idêntica à construção encontrada em 1:1, com uma única palavra sendo diferente. Aqui estão as passagens como elas são transliteradas para o alfabeto ocidental:

    1:1: tou theou hemon kai sotaros Iesou Christou

    1:11: tou kuriou hemon kai sotaros Iesou Christou

    A única diferença é a substituição de "kuriou" por "theou". Ninguém questionaria a tradução de "nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo" em 1:11; porque questionar a tradução de "nosso Deus e Salvador, Jesus Cristo" em 1:1? Consistência na tradução requer que nós não permitamos nossos preconceitos pessoais interferirem com nossa tradução da Palavra de Deus.

    Dr. A. T. Robertson examinou este mesmo tema, e em conclusão disse:

    Não há razão gramatical sólida para alguém hesitar em traduzir 2 Pedro 1:1 como "nosso Deus e Salvador Jesus Cristo" e Tito 2:13 como "nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus"... Erudição, a verdadeira erudição, busca encontrar a verdade. Isto é sua recompensa. O estudioso cristão encontra a mesma alegria na verdade e ele não é receoso de que os fundamentos serão destruídos.

    Para um bom estudo indico o seguinte link:

    http://vintage.aomin.org/GRANVILL.html

    Sei q tua intenção não é quebrar a fé de ninguém, e sim apresentar um estudo; como vc falou: proporcionar um dialogo. Quando digo q vc é um verdadeiro professor, é por ser uma pessoa que busca seguir a Biblia.

    Graça e Paz

    ResponderExcluir
  126. Anônimo,

    Segue uma explanação sobre gramatica de Grego Koine.
    Primeiro limpe o seus pré conceito de uma teologia já formada em sua mente e observe o que a gramática revela sobre esta passagem.
    Traduções feitas por grandes mestres de nosso tempo em idiomas originais escolheram verter a passagem de Tito 2:13 da seguinte maneira, Por que ?
    "aguardando a bendita esperança e o*aparecimento da glória [do grande D-us e nosso Salvador (nota ao pé da página)], Cristo Jesus, " (New American Standard Bible,), entendendo que a glória manifesta do Grande D-us e Salvador é Jesus.

    " do grande D-us e nosso Salvador Jesus Cristo; " King James Version

    "do grande D-us e de nosso Salvador Cristo Jesus" A New Translation of the Bible, por James Moffatt, New York and London, 1935

    "do grande D-us e de nosso Salvador Cristo Jesus"—The Riverside New Testament.
    “do grande Deus e de nosso Salvador Cristo Jesus "—A New Translation of the Bible
    "do grande D-us e de nosso Salvador Jesus Cristo"—La Sainte Bible
    " do grande D-us e de nosso Salvador Cristo Jesus "—The New American Bible,
    "do grande D-us e de Cristo Jesus nosso Salvador"—The New Testament in Modern English , by J.B. Phillips, New York, 1972

    “do grande D-us e de nosso Salvador Jesus Cristo” The New Testamento f our Lord and Saviour Jesus Christ, por cornelius Nary,1719

    “do supremo D-us e de nosso Salvador Jesus Cristo”The New Testament in Greek and English, por Daniel Mace, Londres, 1729

    “do grande D-us e de nosso Salvador Jesus Cristo” The New Testament, in na Improved Version, upon the basis of Archbishop Newcomes´s New Translation ,Londres, 1808.

    “do grande D-us e de nosso Salvador Jesus Cristo” The New Testament Translated from the Text of J.J Griesbach ,por Samuel Sharpe , Londres, 1840

    “do grande D-us e de nosso Salvador Jesus Cristo” The New Testament: Translated from the Greek Text of Tischendorf,por George R. Noyes, Boston, USA, 1869.

    ResponderExcluir
  127. Nesta passagem temos dois substantivos conectados por KAI (“e”) o primeiro precedido pelo artigo definido TOU e o segundo substantivo sem o artigo definido. Encontramos uma construção grega similar em 2 Pedro 1:1,2 onde no verso 2 uma clara distinção é feita entre Deus e Jesus.Isto indica que quando duas pessoas distintas são conectadas por KAI,se a primeira pessoa precede ao artigo definido não é necessário repetir o artigo definido antes da segunda pessoa. Exemplos da mesma construção ocorre em Atos 13:50; 15:22; Efesios 5:5; 2 Tess. 1:12; 1 Tim 5:21; 6:13; 2 Tim. 4:1 e encontramos a mesma contrução gramatical na LXX em Provérbios 24:21.

    Prov. 24:21 literalmente diz “teme a Jeová filho meu e Rei”. Vertido em várias versões por “Teme ao SENHOR e [ao] Rei” Acusaríamos os tradutores aqui de “interpolarem” algo que “não existe no grego” da LXX ou no texto hebraico visto que ambos NÃO POSSUEM O ARTIGO antes do segundo substantivo? Claro que não!



    Em An Idiom Book of New Testament Greek, por C. F. D. Moule, Cambridge, Inglaterra, 1971, p. 109, diz sobre Tito 2:13 que o sentido de "do grande Deus, e de nosso Salvador Jesus Cristo... é possível no Grego Koine até mesmo sem a repetição [do artigo definido]." (o grifo é nosso)



    O que dizem alguns Eruditos ?



    No The Expositor's Greek Testament, o Doutor. N. J. D. White observa: "em outras passagens onde Paulo usa expressões tais como “Deus nosso Salvador” ele definitivamente não quer dizer Jesus, pois "o Pai e o Filho são sempre claramente distinguidos um do outro." (1 Tim. 1:1; 2:3-5)

    ResponderExcluir
  128. Anônimo,

    Como eu tenho outras mais de 30 questões para estudar e argumentar, feitas pelos nosso outros irmãos seguidores do Blog, e já que foram feitas a mais tempo do que as suas considerações, e peço licença à você para que eu primeiro atenda ao meus caros colegas e depois voltemos a dialogar sobre suas questões.
    No momento eu apenas recomendo ler alguns dos artigos já publicas aqui no Blog, como por exemplo: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2011/05/conversas-sobre-o-verbo-ser-d-us-ou-d.html e http://judeu-autonomo.blogspot.com/2009/05/introducao-para-se-entender-de-onde.html.

    Agradeço a compreensão.

    ResponderExcluir
  129. Zergon,

    Segue análise do ponto 8:

    8) O Primeiro e o Último

    YHWH: "Assim diz YHWH (...) Eu sou o primeiro e Eu sou o último". Isa. 44:6.

    MASHIACH: "Não temas: Eu sou o primeiro e o último". Apoc. 1:17.
    "Isto diz o primeiro e o último". Apoc. 2:8.
    "Eu sou o Alta e o Ômega, o primeiro e o último". Apoc. 22:13.

    Ao analisarmos este paralelismo que se utilizam para forçar uma identificação entre YHWH, e o Mashiach, notamos novamente a falta de interação contextual das passagens propostas, pois ao se utilizarem do texto de Isaías 44:6 ninguém se ateve ao detalhe de em que contexto o Eterno, Bendito seja Ele, está proferindo Suas palavras, sendo assim vamos analisar o contexto do Capitulo 43 e 44 de Isaías; Já nos primeiros versos do capítulo 43 vemos que o Senhor está mostrando o seu íntimo amor pelos filhos de Yaacov (Jacó) ao povo de Israel, a quem Ele profetiza o retorno do Exílio e a reunião de seu povo novamente nos termos da Terra Santa, tais profecias eram temporais para o tempo de Ciro e são escatológicas para o tempo do Mashiach; No fim deste capítulo vemos a consternação de D-us com a ingratidão de seu povo, mas novamente no inicio do Capítulo 44, O Senhor torna a mostrar o seu fiel amor ao povo da promessa a despeito de sua ingratidão e incessante idolatria, e com o intuído de mostrar o quão ignorante é aquele que faz um deus para si, idolatrando-o como Israel o fez, é que O Senhor começa a exortação contra a se deixar levar a adorar a outros que não sejam o verdadeiro D-us Criador, e aqui está a essência de o porquê O Senhor proferir as palavras do verso 6 ao verso 8, que no texto original fazem parte de uma única frase, vou transcrever aqui esta passagem conforme a versão da BJC de David Stern: 6 Assim diz YHWH, o Rei e Redentor de Israel, YHWH Tzva’ot: “ Eu sou o primeiro e o último; não há Elohim além de mim. 7 Quem é como Eu? Que se manifeste! Que ele me mostre claramente o quem tem acontecido desde que estabeleci o povo eterno; que ele prediga os sinais e os acontecimentos futuros. Não tenham medo nem se atemorizem. Já não disse isso a vocês há tempo? Eu o predisse, e vocês são minhas testemunhas. Existe outro Elohim além de mim? Não há outra Rocha - não conheço nenhuma”. veja que o que está entre aspas é uma frase continua sendo assim O Senhor se auto intitula o primeiro e o último no contexto de não existir algum outro Elohim que seja como ELE, que possa fazer o que já fez e o que ele fará por Israel conforme as próprias profecias aqui relembradas pelo Senhor; e a partir do verso 9 até o verso 20 há uma repreensão e quase que uma ironia a acerca daqueles que fazem com suas mãos de restos de árvores e lenha os seus próprios deuses; do verso 21 até o fim, O Senhor volta a profetizar a redenção de Israel e de maneira amorosa volta a exortá-los para que se voltem para O Senhor.
    Continua...

    ResponderExcluir
  130. Agora vamos analisar as passagens de Apocalipse, no versos 17-19 do 1° capítulo temos Yeshua se apresentando a Yochanan (João) como aquele que morreu mas que agora está vivo para sempre, e que de posse da chave da morte, isto é, com a autoridade de matar e fazer viver pode verdadeiramente dar alento a Yochanan para que ele tenha coragem de escrever as coisas do presente daquela época e as futuras para o tempo do fim, sem que o medo de ser levado a morte por expor tais palavras o desencorajasse de sua jornada. Sendo assim Yeshua diz que é o primeiro e o último no tocante a ele ser o responsável de fazer o homem, enquanto Palavra DIVINA, servindo de molde para Adam, e como sendo o último Adam (1 Cor. 15:45) o responsável pela mortificação da carne para que com isso o pecado também fosse morto em sua ação de escravizador do homem carnal, e com efeito o homem vivificado pelo espírito pudesse agora ter vida, aqui vemos a ação da posse da chave da morte nas mãos de Yeshua, e na mesma entonação o anjo fala a Igreja de Esmirna da parte daquele que morreu e voltou a vida o primeiro e o último, no mesmo sentido do verso 17 do capitulo 1, vemos que em ambas as frases a expressão “primeiro e último” está ligada a frase que relata a humanidade daquele que teve que morrer e daí então tornar a vida recebendo a recompensa por sua obediência ao Pai Celeste, a saber recebendo toda a autoridade nos Céus e na Terra para assim trazer a salvação e o juízo (Hebreus 5:8-9).
    Podemos também entender estas passagens da seguinte forma: Yeshua sendo aquele que recebeu todas as instruções Divinas do Pai (João 3:35; 5:19-20 e etc...) é o primeiro e também o último a desenrolar o plano de salvação do homem que está escrito e determinado desde a fundação do mundo (Mt. 25:34; Jo. 17:24; Ef. 1:4; 1Pe. 1:20 e Apoc. 13:8) e é com este entendimento de que é Yeshua o ato primeiro do plano de salvação e também o último ato finalizador de salvação com a entrega dos galardões aos homens, que entendemos a passagem do verso 13 do capítulo 22 que é a saber é o capitulo que encerra a revelação escrita do plano de salvação.

    ResponderExcluir
  131. Vc possuiria a Bíblia de estudos Dake na versão integral da ed. Atos e não a versão adulterada pela CPAD? Se possuir existe um estudo que eu particularmente acho bem controverso, porém baseado na boa vendagem dessa Bíblia, muitos se utilizam de seus argumentos para refutarem os que são contrários a trindade, eu pessoalmente não sou judeu e nem ateu, sou cristão protestante mas nao creio na trindade por razões óbvias e históricas que através de seus artigos tenho podido complementar esse meu posicionamento, porém tenho tentado confrontar teologicamente esses estudos da Dake e se vc nao possuí-la eu gostaria muito se me permitisse postar comentários referentes para que aqueles que já tiverem algum artigo referente vc me encaminharia para o link e os demais pudesse complementar o estudo sugerido pelo Zergon, que está muitíssimo interessante e de grande proveito para os de minha congregação.

    Desde já agradeço sua atenção.

    ResponderExcluir
  132. Metushelach,

    Explicação bem objetiva, com certeza você se fez entender nesse ponto, que de certa forma tem uma ligação direta com os 2 pontos posteriores. Obrigado.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  133. Celso Lopes,

    Não tenho nenhuma Bíblia de Estudos Cristã tenho sim várias Versôes de Bíblias para esudo comparativo, mas fique a vontade para postar as argumentações que você gostaria de serem analisadas para uma melhor compreensão.
    Mas como neste post já temos muita informação ainda a se analisar, gostaria que fosse postada as argumentações em outro post que pode ser no seguinte link: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2009/05/introducao-para-se-entender-de-onde.html, pois esse post tem mais haver com as argumentações das notas sobre a trindade, da Bíblia de Estudo da Dake.

    Ficamos gratos por sua participação.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  134. Zergon,

    Sim a análise do ponto 8 tem muita ligação com a análise do ponto 9, sendo que uma complementa a outra em diversas abordagens.

    Sendo assim segue a análise do ponto 9.

    9) O Alfa e o Ômega

    YHWH: "Eu sou o Alfa e o Ômega, diz YHWH D-us, Aquele que é, e que era, e que vem, o Todo-poderoso". Apoc. 1:8.
    "Aquele que está sentado no trono disse (...) Eu sou o Alfa e o Ômega (...)" Apoc. 21:5, 6.

    Mashiach: "Eis que venho depressa, e a recompensa que dou está comigo (...) Eu sou o Alfa e o Ômega (...)". Apoc. 22:12. 13

    Como eu havia comentado esta análise complementará e se utilizará de argumentação da análise do ponto 8 no que tange ao papel do Mashiach como a Palavra Divina, e ela, A Palavra, que inicia a história do Homem por ser por meio dela que o Homem é formado recebendo a imagem e semelhança do Criador e ela, A Palavra, também responsável pelo fim do plano de salvação com a entrega da recompensa ao santos remidos pelo sangue vertido da Palavra conforme João 1:14 e Apocalipse 19:13; Mas antes por pertinência iremos voltar ao tema de um outro post discutido aqui no blog, intitulado de “Conversas sobre o Verbo ser D-us, ou D-us ser o Verbo”, pois é na abordagem deste tema que podemos sim dizer que o paralelismo deste ponto 9, pode mostrar uma similaridade dos atributos de YHWH e do Mashiach Yeshua, pois ambos já se apresentaram diante da Criação como O LOGOS, A PALAVRA criadora, pois como vemos em João 1:1, onde configura no Original a composição και θεὸς ἦν ὁ λόγος “ kai Theos ēn o Logos” que em português de uma forma não tendenciosa quer dizer apenas “e D-us era o Verbo”, corrobora com o entendimento judaico de D-us ser identificado pela criação como sendo a Palavra Criadora que estava no Principio de tudo trazendo a existência pelo ressoar de sons, a saber sons de palavras compostas por letras, que eram emanadas no meio do nada, do vácuo, trazendo a existência aquilo que não existia comunicando os atributos do Eterno à criação,(aqui poderíamos citar a emanação das Sefirot, proposta pela Cabalá, mas não cabe pormenorizar tal assunto), sendo que estas palavras formadas, conforme a tradição Judaica, por letras do alfabeto Hebraico comunicam determinados atributos divinos conforme cada letra utilizada compreendida entre o Alef e o Tav, isto é, entra a primeira e a última letra do Alfabeto Hebraico, sendo assim quando D-us diz em (Apoc. 1:8 e 21:6) que é o Alfa e o Ômega, Ele está fazendo referência a este entendimento Judaico, só que por ter sido Transcrito em Grego por Yochanan (João) verteu-se o Alef e Tav do Hebraico por Alfa e Ômega as letras inicial e final do Alfabeto Grego.
    Portanto vemos que D-us no Principio era o Verbo conforme João 1:1, no mesmo Principio relatado em Gênesis 1:1, e desde já alertamos a tendenciosidade de corromperem o texto de João 1:1 para melhor Endeusar a Yeshua vertendo a frase και θεὸς ἦν ὁ λόγος “ kai Theos ēn o Logos” pelo o inverso do que a construção gramatical quer dizer, ficando estranhamente assim: e o Verbo era D-us, numa séria descontextualização seja do próprio verso seja ao do entendimento que o receptor judeu dos escritos teria ao lê-lo, pois se ao lermos segundo o nosso entendimento todo o texto faz sentido conforme contextualização seja textual seja interpretativa, pois poderíamos parafrasear o verso da seguinte forma: “No Princípio de toda a Criação o que se manifestava era a Palavra, e a Palavra era uma ferramenta que era utilizada e estava em D-us, D-us diante da Criação era percebido somente como Palavra.”, note-se que tal forma de entendimento é muito mais concebível para um leitor judeu que qualquer outra forma.

    ResponderExcluir
  135. O argumento fraco que teólogos se utilizam para inverter a parte final do verso de forma tendenciosa é a defesa da existência de uma regra gramatical do grego que inverte a frase por causa de sua configuração frasal, mas o problema é que eles não respeitam tal regra nem mesmo no próprio verso, pois então vejamos no grego o verso todo: Ἐν ἀρχῇ ἦν ὁ λόγος καὶ ὁ λόγος ἦν πρὸς τὸν θεόν καὶ θεὸς ἦν ὁ λόγος “en archē ēn o Logos kai o Logos ēn pros ton theon kai Theos ēn o Logos”, o argumento deles é que a construção “Theos ēn o Logos” tem que ser vertida para outra língua de forma invertida dizendo que o Verbo era D-us, mas se esta é uma regra estrutural básica do grego, por que tais teólogos não vertem inversamente o começo do verso que tem a mesma construção? “en archē ēn o Logos”, pois se fosse ser respeitada tal regra gramatical do grego, teria que ser vertida para: “No Verbo era o princípio”, que claramente fica sem sentido mesmo que queiram verter mais adequadamente às conveniências da regra gramatical como “O Verbo estava no Princípio”, que por não haver complemento de frase, continuaria sem sentido, tais teólogos apenas se afundam mais em sua regras inexistentes.
    Mas quando o Mashiach tem a característica de o Verbo? Não temos a data certa disso, mas podemos inferir algum entendimento quanto a isso certamente ter ocorrido em algum tempo após o termino da criação, quando D-us faz uma espécie de mitose e se fende, fazendo com que a Palavra se torne um ser distinto dele, claro que proveniente dele, com características e essências de Seu ser, mas não em pé de igualdade com Sua Divina Soberania.
    D-us ao se utilizar da Palavra para criar tudo e depois personificar tal Palavra, conseqüentemente a Palavra se manteve mesmo personificada com os atributos de sustentar a ordem daquilo que foi criado, pois todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez (Jo. 1:3) e que sustenta todas as coisas pela Palavra do seu poder (Hb. 1:3b), veja que é Palavra de seu poder e não poder de sua Palavra, mostrando que o Poder vem de D-us que o manifesta pela Palavra.
    Mas a Palavra não sendo criada mas sim gerada, mas antes disso possuída por D-us como comprovamos em Provérbios 8:22-36, Ela recebeu honra por ter sido por meio Dela que O Senhor se utilizou para a criação e tudo, tanto que em determinado momento O Senhor ao personificar a Palavra a concede o lugar de Filho (Salm. 2:7; Hb. 1:5).
    E no mesmo sentido de ser a Palavra que por meio de letras emanou Atributos Divinos para formar a Criação que o Filho que é a personificação desta Palavra pode dizer que é o Alfabeto Criador ou no texto de Apoc. 22:13 o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim da criação como a conhecemos hoje, para a formação de novos céus e nova terra conforme a muito profetizado em Isaías 51:16, 65:17, 66:22 e 1 Pe. 3:13.

    Espero não ter me alongado.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  136. Boa Tarde,

    Permita-me interfirir no meio dessa análise, primeiramente parabéns pelo seu conhecimento e por esse fascinante blog, tenho lido já há algum tempo porém hoje resolvi colocar umas dúvidas referentes ao ponto 9 respondido ao Zergon Geisler, que tem bastante haver com o mesmo.

    Nós existíamos antes de nascermos?

    E Jesus, Ele existia antes de sua concepção através do Espírito Santo de Deus no ventre de Maria?

    Por ter uma natureza divina e até aceito com base nas escrituras que Ele não é como Deus, e porém também não aceito a Trindade, Jesus existia antes da criação do mundo assim como Satanás existia como anjo antes de se tornar maldito?

    Shalom Adonai.

    ResponderExcluir
  137. Metushelach,

    Estou no meu limitado conhecimento assimilando sua forma judaica sobre o ponto 9, já usando o ponto 8 como referência, estou compreendendo aos poucos pois esse ponto é claro e obscuro ao mesmo tempo.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  138. Samuel Alves,

    Primeiramente agradecemos a sua participação e suas palavras de incentivo.

    Por contextualização bíblica nós não temos uma existência consubstancial antes da concepção, mas pela onisciência de D-us nós já éramos conhecidos pelo Pai antes de sermos concebidos como podemos constatar nos textos como Jeremias 1.5 “Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta.”; Isaías 49.1b “...O SENHOR me chamou desde o meu nascimento, desde o ventre de minha mãe fez menção do meu nome;” ou em Gálatas 1.15a “Porém D-us, na sua graça, me escolheu antes mesmo de eu nascer e me chamou para servi-lo.” e também em Efésios 1.4 “assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor”.

    Mas diferente de nós, Yeshua já existia antes da concepção de Miryam (Maria), como sendo a personificação da Palavra que recebeu a honra de ser chamado de Filho Unigênito do Pai, temos inúmeras passagens que comprovam este fato, mas irei citar apenas algumas do Evangelho de João como por exemplo João 1.15 “Yochanan (João) disse o seguinte a respeito de Yeshua: — Este é aquele de quem eu disse: “Ele vem depois de mim, mas é mais importante do que eu, pois antes de eu nascer ele já existia.” João 3.13 “Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do Homem.” e João 8.58 “Respondeu-lhes Yeshua: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Avraham existisse, eu existo.” João 6:38 “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou”, João 17:5 "E agora, Pai, glorifica Tu a mim, tu mesmo, com a glória que eu tive contigo antes que o mundo existisse".

    A comparação com HaSatan não é muito devida pois, Yeshua diferentemente de HaSatan que foi criado portanto uma criatura, ele, Yeshua, é um ser Gerado, e isso quer dizer que ele foi arrancado do Pai, sendo substancia e essência do Pai, e não meramente um ser criado, mesmo porque como ele é a personificação da Palavra Criadora ele não poderia ter sido criado pois era por meio dele que se criaara as coisas, mas ele sim foi emanado de D-us sendo gerado como Filho, como podemos ver nos texto de Salmos 2:7; Atos 13:33 e Hebreus 1:5 e 5:5.

    Espero ter ajudado. Shalom

    ResponderExcluir
  139. Zergon,

    Qualquer obscuridade que trave a compreensão,fique a vontade para compartilhar, para que juntos possamos pela ação da Ruach trazer luz para o assunto.

    Shalom

    ResponderExcluir
  140. Metushelach,

    Só pra mim contextualizar melhor, qual seria a tradução literal correta de João 1:1-14. Quanto ao restante eu reanalizei e consegui assimilar melhor, somente esse trecho de João que eu ainda tenho dúvidas sobre a tradução fiel do hebraico.

    Agradeço a paciência.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  141. Obrigado por sua explicação, ajudou bastante e consegui entender melhor porém ainda resta uma situação, como Jesus foi gerado por Deus, fica então o seguinte:

    Como Jesus foi gerado por Deus? (se a Bíblia cita algum versiculo a respeito)

    Quando Ele foi gerado? (se Jesus estava no ato da criação do mundo e do homem)

    Quem surgiu primeiro: Jesus (o filho de Deus gerado) ou Lúcifer (anjo - criatura feita por Deus)

    E para finalizar sabemos que Deus é o único ETERNO, portanto qual seria a ordem cronologica das criaturas celestiais (anjos), e carnais, tipo um gráfico de tempo mais ou menos, somente para eu poder me localizar melhor.

    Shalom Adonai

    ResponderExcluir
  142. Zergon,

    Só um porém, O Livro de João não tem nenhum manuscrito ou fonte histórica que comprovem que ele tenha sido escrito em Hebraico, ao contrario dos Livros de Mateus Inteiro e Fragmentos de Lucas e Marcos; o Texto Aramaico de João não é 100% confiável e a versão em Hebraico Moderno de Hoje não tem originalidade nos hebraísmos e quase que parafraseia as versões em Inglês, sendo assim eu postarei a versão grega admitida como sendo a mais antiga, o Textus Sináiticos 1 Ἐν ἀρχῇ ἦν ὁ λόγος, καὶ ὁ λόγος ἦν πρὸς τὸν θεόν, καὶ θεὸς ἦν ὁ λόγος. 2 οὗτος ἦν ἐν ἀρχῇ πρὸς τὸν θεόν. 3 πάντα δι’ αὐτοῦ ἐγένετο, καὶ χωρὶς αὐτοῦ ἐγένετο οὐδὲ ἓν ὃ γέγονεν 4 ἐν αὐτῷ ζωὴ ἦν, καὶ ἡ ζωὴ ἦν τὸ φῶς τῶν ἀνθρώπων· 5 καὶ τὸ φῶς ἐν τῇ σκοτίᾳ φαίνει καὶ ἡ σκοτία αὐτὸ οὐ κατέλαβεν.
    6 Ἐγένετο ἄνθρωπος ἀπεσταλμένος παρὰ θεοῦ ὄνομα αὐτῷ Ἰωάννης· 7 οὗτος ἦλθεν εἰς μαρτυρίαν ἵνα μαρτυρήσῃ περὶ τοῦ φωτός, ἵνα πάντες πιστεύσωσιν δι’ αὐτοῦ. 8 οὐκ ἦν ἐκεῖνος τὸ φῶς ἀλλ’ ἵνα μαρτυρήσῃ περὶ τοῦ φωτός. 9 Ἦν τὸ φῶς τὸ ἀληθινόν, ὁ φωτίζει πάντα ἄνθρωπον, ἐρχόμενον εἰς τὸν κόσμον. 10 ἐν τῷ κόσμῳ ἦν καὶ ὁ κόσμος δι’ αὐτοῦ ἐγένετο καὶ ὁ κόσμος αὐτὸν οὐκ ἔγνω. 11 εἰς τὰ ἴδια ἦλθεν καὶ οἱ ἴδιοι αὐτὸν οὐ παρέλαβον. 12 ὅσοι δὲ ἔλαβον αὐτὸν, ἔδωκεν αὐτοῖς ἐξουσίαν τέκνα θεοὺ γενέσθαι, τοῖς πιστεύουσιν εἰς τὸ ὄνομα αυτοῦ, 13 οἳ οὐκ ἐξ αἱμάτων οὐδὲ ἐκ θελήματος σαρκὸς οὐδὲ ἐκ θελήματος ἀνδρὸς ἀλλ’ ἐκ θεοῦ ἐγεννήθησαν.
    14 Καὶ ὁ λόγος σὰρξ ἐγένετο καὶ ἐσκήνωσεν ἐν ἡμῖν, καὶ ἐθεασάμεθα τὴν δόξαν αὐτοῦ, δόξαν ὡς μονογενοῦς παρὰ πατρός, πλήρης χάριτος καὶ ἀληθείας.

    Vertendo para o português: 1 No Princípio era a Palavra, e Palavra estava em D-us, e D-us era a Palavra (ou Razão que é uma tradução admitida para o termo Lógos) 2 a mesma que estava no Princípio em D-us 3 Tudo por meio dela veio a existir, e aparte dela nada viria a existir daquilo que existe 4 Nela(ou em si) a vida existia, e a vida era a luz da Humanidade 5 A luz em meio as trevas brilha, e as trevas não a suprimiram.
    6 Houve um homem enviado por D-us, chamado Yochanan, 7 Ele veio como testemunha, para testemunhar sobre a Luz, para que todos cressem por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. 9 Era a luz a verdade que iluminava todos os homens que entram no mundo. 10 Ela estava no mundo, e por meio dela o mundo veio a existir, e o mundo não a compreendeu (ou percebeu) 11Ela veio para os seus e os seus não a receberam 12 Mas a todos quantos a receberam deu-lhes o poder de se tornarem filhos de D-us, aos que crêem no seu nome. 13 dos quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de D-us foram gerados.
    14 A Palavra se tornou um Ser Humano, e tabernaculou entre nós e vimos a sua glória como a glória do único gerado do Pai, cheio de graça e de verdade.

    Espero ter sido de proveito.

    Shalom

    ResponderExcluir
  143. Metushelach,

    Obrigado por postar este trecho, e agora posso dizer que o ponto 9 está resolvido, essa transliteração, elucidou qualquer dúvida que ainda restasse.

    Foi de grande proveito mais uma vez.

    Pode seguir em frente.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  144. Por favor, náo entenda minha msgs, como um pre-conceito; eu amo meus irmão judeus; o que eu não aceito foi tua falta em responder minhas msgs. Qual foi o motivo de apagar todas? Foram perguntas, e perguntas, e ficaram sem respostas...

    Mi

    ResponderExcluir
  145. Samuel Alves,

    Como eu escrevi acima "ele sim foi emanado de D-us sendo gerado como Filho, como podemos ver nos texto de Salmos 2:7; Atos 13:33 e Hebreus 1:5 e 5:5."
    E o próprio termo μονογενοῦς "monogenous" de João 1:14 quer dizer unico gerado do Pai.

    O tempo exato que ele foi gerado não se tem como saber, o que sabemos é que A Palavra que estava em D-us no Princípio é Eterna, pois não é concebível que em algum momento da existencia D-us tem sido "mudo",(antropopaticamente falando), mas a data exata da personificação desta Palavra em forma que se Gerou o Filho, não temos relatos.

    Quanto a quem surgiu primeiro, é claro que foi a Palavra, que por meio dela tudo o resto foi feito inclusive HaSatan.
    Entenda que Yeshua foi gerado de D-us e não criado, gerado quer dizer que veio do meio de D-us, como D-us não engravida para gerar alguem de Si, ele arrancou um "pedaço" de sua substância e essência e a chamou de Filho. (eu estou utilizando linguagem antropopatica para melhor visualizar os acontecimento, mas como D-us é Espírito, a realidade exata dos fatos somente saberemos na Eternidade).
    Quanto a cronologia, poderiamos dizer o seguinte:
    D-us - Eterno
    Palavra em D-us - Eterna
    Palavra Personificada em Filho - tem um Inicio, mas em Essencia é Eterno, morreu e ressucitou para ser sem fim.
    Arcanjos, Sentinelas, Serafins, Querubins, Anjos e Demônios e etc... - Criados Eternos
    Homens - Criados Mortais, Ressurretos para a Eternidade ou para o Lago de Fogo para perecerem.

    ResponderExcluir
  146. Anonimo,

    Quer ter sua perguntas respondidas, então as faça por si mesmo, e não como fez, descarregando um monte de enlatado, pense e caracterize suas dúvidas pontualmente, como todos aqui fazem, seja direto e suscinto, e saiba aguardar.

    Não gostou dos enlatados dos Tj. que bom eu tambem não gosto de enlatados, mas eu argumentos sobre assuntos com minha palavras, quando fiz como voce, você se ofendeu, que pesos e medidas dualisticas você tem.
    Se quiser participar seja você mesmo e terei prazer em dialogar do contrário, aceito sua despedida.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  147. Metushelach,

    Sua resposta está a altura doque eu esperava, e utilizando linguagem antropopatica, ficou mais fácil ainda, somente para finalizar esse assunto eu te pergutaria baseado no que voce disse "Arcanjos, Sentinelas, Serafins, Querubins, Anjos e Demônios e etc... - Criados Eternos", sendo anjos tanto celestiais como demoníacos e levando em consideração que creio que Satanás será destruído no lago de fogo em algum momento ou melhor dizendo num momento final, então eles (os maus) se tornarão finitos no lago de fogo?

    Outra questão seria que, então não é somente Deus o Eterno mas Jesus também, e quanto aos anjos celestes e nós humanos, teremos a eternidade mas alguns de nós perecerá no lago de fogo?

    Ou eu misturei tudo?

    Agradecido por suas respostas.

    Shalom Adonai.

    ResponderExcluir
  148. Samuel Alves,

    Sobre os anjos caídos e o próprio HaSatan serem finitos no lago de Fogo, eu não posso afirmar mas por entender Apoc. 20:10" E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre." eu apenos vejo um tormento sem fim, portanto infinito.

    Quanto a Yeshua ser o Eterno, eu diria que não, pois ele começou a sua existência em uma determinada data, não sendo sem começo como D-us o é.
    Mas a essência de Yeshua enquanto Palavra Personificada´, sim, é Eterna, pois a Palavra sempre existiu em D-us, mas só foi Personificada como Filho Gerado em determinada Data, mas quanto a ser sem fim, Yeshua o é, pois após a sua Ressurreição ele nunca mais terá fim.

    A minha posição sobre a punição aos ímpios ser o tormento eterno ou a aniquilação, serei sincero,não tenho uma posição firme, pois seguindo apenas a base bíblica vemos que o ímpio sofrerá eternamente juntamente com HaSatan e os demônios, mas seguindo a maneira de alguns rabinos de interpretar o castigo, eu particularmente tambem penso que cada ímpio sofrerá no Lago de Fogo e Enxofre pelo tempo necessário para punir todos os seus atos malévolos em vida, sendo o tempo cumprido da punição haverá a completa aniquilação de seu corpo ressurreto e o desvanecer de sua memória.

    ResponderExcluir
  149. Metushelach,

    Eu conheço as duas versões dos fatos, porém a grande maioria fica com o tormento eterno, e que eu me lembre somente os adventistas pensam que serão aniquilados enquanto a terra será purificada com fogo (lago de fogo) para a descida definitiva da Nova Jerusalém após o milênio onde Satanás e seus anjos serão aprisionados circunstancialmente por não ter ninguém para tentar, já que os salvos aguardam na Nova Jerusalém flutuante por mil anos, baseando nisso deduzo que a Sra. Helen White tirou parte dessa doutrina do judaísmo ou conhecimento dos Rabinos.

    Faz sentido isso?

    Deixo claro que eu entendi seu posicionamento que de certa forma condiz com o que eu penso.

    Shalom Adonai.

    ResponderExcluir
  150. Samuel Alves,

    Desculpe lhe dizer que temos vários contrapontos entre o pensamento adventista apresentado e o pensamento Rabinico, pois o pensamento Rabinico não tem conhecimento do detalhamento que existe no livro de Apocalipse sendo assim ele não pormenoriza certos aspectos, como a aniquilação que passa de longe do que foi pregado por Ellen White, pois o modo rabinico de pensar leva em consideração a justiça e a misericórdia Divina, fazendo com que o impio pague por seus feitos, mas não contradiga quando foi dito que se o homem desobedecesse certamente morreria conforme Gênesis 2:16-17, que morte seria essa? Apenas Física não foi, pois não morreram na hora, espiritual de forma permanente não foi pois o conhecimento de Adam o fez se achegar a D-us novamente.
    continua....

    ResponderExcluir
  151. Metushelach,

    Com certeza suas análises estão fazendo muita falta, mas a família é sempre prioridade, portanto estarei na constante expectativa da continuidade de suas excelentes análises, não só propostas por mim, mas por todos os colegas que colocaram questões em outros posts ainda pendentes, muito interessantes e úteis para os dias atuais, que com certeza vale a pena esperar sua analogia sempre guiada pelo Espírito Santo dentro da verdade bíblica de Deus.

    Serei perseverante e aguardarei seu retorno.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  152. Zergon,

    Segue análise do ponto 10.

    10) O "EU SOU"

    YHWH: "Disse D-us a Moisés: EU SOU O QUE SOU; e acrescentou: Assim
    dirão aos filhos de Israel: EU SOU enviou-me a vós". Êxo. 3:14.

    Mashiach; "Respondeu-lhes Yeshua: Em verdade Eu vos digo: Antes que Abraão existisse EU SOU". João 8:58 (também v. 54).

    A confusão ocorrida nesta comparação ocorre pela mau uso associativo do texto da Versão da Septuaginta em Grego de Êxodo 3:14 “καὶ εἰ̂πεν ὁ θεὸς πρὸς Μωυση̂ν Ἐγώ εἰμι ὁ ὤν” onde o termo “Ἐγώ εἰμι” Ego eimi se traduz como “Eu sou”, sendo que aqui se supõe que o próprio D-us se identifica nominalmente como “Eu Sou o que sou” e fatalmente ligam a passagem de João 8:58 onde Yeshua também diz “Eu sou”, mas se analisarmos o texto original em Hebraico de Êxodo 3:14, teremos o seguinte: אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה :אֶל־מֹשֶׁה אֱלֹהִים וַיֹּאמֶר “Vá-iomer Elohim el Môshé: Ehiê Ashér Ehiê”, vemos pra começar que em hebraico não está “Eu sou o que sou” com o verbo no presente, mas está no futuro contínuo expressando que D-us é aquele que se apresentará de forma como Ele sempre foi, sendo assim o termo אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê” pode receber varias significâncias como por exemplo - Eu serei ou que serei ou - Eu serei aquele que sempre fui, ou - Eu continuarei sendo aquele que sou, ou - Eu continuo sendo o que fui, temos que ter em mente que D-us ao se auto proclamar desta maneira Ele não está revelando a si mesmo de uma forma existencial, pois Ele se proclama assim a Moshe (Moisés) depois que Moshe indaga sobre como identificar D-us ao povo que lhe questionaria qual é o Nome deste D-us; nota-se que a resposta a uma simples pergunta do povo que gostaria de saber quem é Aquele que os retiraria da escravidão e lhes reafirmaria as promessas feitas aos Patriarcas não se responderia a contento pelo entendimento do senso comum de compreender o אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê” como “Eu sou o que sou” ou da forma de entender de alguns de nossos sábios que denominam D-us a partir deste verso de Ein Sof, ou Aquele que não tem fim ou simplesmente Eterno.
    O que eu quero dizer com tudo isso é que a Expressão: אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê” não designa o que D-us é existencialmente, mas sim o que D-us seria de forma relacional ao povo, pois Moshe antecipa o questionamento do povo em querer saber como é o “Shem” nome de D-us no verso 13, tal termo em hebraico não significa somente “NOME”, mas também fama, memória, e principalmente reputação, e é neste sentido que a resposta que cabe a pergunta não é um simples “Eterno”, pois como já vimos responder a pergunta de como é a reputação ou nome de alguém não cabe apenas dizer o nome ou a reputação dele é “אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê” ou Eterno, pois a pergunta tem intrínseca o entendimento de que a resposta será não existencial mas sim relacional, pois D-us ser Eterno mostra a sua concepção Existencial mas D-us dizer que “Eu serei aquele que sempre fui e continuarei sendo” relembra ao povo das promessas aos Patriarcas e principalmente das palavras de esperanças dadas a José, quando dentro da cisterna antes de ser vendido aos ismaelitas como escravo por seus irmãos, onde pela tradição D-us fala pra ele não se preocupar pois Ele seria o que seria com José em sua estadia no Egito, vemos aqui claramente a questão relacional do termo אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê” com o povo que perguntou simplesmente quem seria tal D-us apresentado por Moshe.

    ResponderExcluir
  153. Agora analisaremos o texto de João 8:58 de forma simples, pois Yeshua quando profere o termo “Ἐγώ εἰμι” Ego Eimi, Eu sou, ele não esta se identificando com o termo de Êxodo 3:14 pelo simples fato de não caber uma resposta como dissemos anteriormente de tamanho cunho relacional, pois na passagem em apreço ele apenas relata a sua existência pré corpórea como a Palavra Personificada de D-us, tal Palavra que foi apresentada a Avraham como numa antecipação do futuro, fato que sempre ocorre aos escolhidos de D-us, que pela Graça Divina recebem um vislumbre dos planos de D-us, tanto isso é verdade que a passagem de João 8 diz que Avraham se alegraria em ver os dias do Mashiach, e como que numa antecipação do futuro ele viu e se regozijou, o povo não entendendo os mistérios de revelação e antecipação dos propósitos divinos, indaga Yeshua sobre como Avraham teria o visto sendo que ele não tem nem cinqüenta anos, então Yeshua responde a tal indagação de forma simples dizendo que antes de Avraham existir Ele de forma incorpórea já era no principio, já existia, simplesmente Ἐγώ εἰμι, eu sou, estou, estava, em síntese existia.
    Muitos se utilizam da forma como o povo se indignou com tal afirmação de Yeshua para dizer que ele se fez o אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê” de Êxodo 3:14, mas não há subsidio contextual para isso, o que eu vejo e é compartilhado por muitos estudiosos é que devemos nos colocar no lugar dos ouvintes de Yahudá (Judá) que já vem replicando os feitos de Yeshua dizendo que tinha demônio, o criticando por seus ensinos de vida eterna e suas doutrinas, Yeshua indistintamente lhes categoriza como não sendo pertencentes a D-us pois não querem ouvir a verdade, e quem não se apega a verdade é filho do inventor da mentira, depois de tanta pancada o povo já está com a mira feita é só tacar o tijolo, e no clímax da conversa o povo vê um simples homem dizer que existe antes de ter corpo ou de que é mais velho que o grande Patriarca Avraham, me diga se nós cegos da verdade também não teríamos a mesma reação de pegar o primeiro tijolo pra tacar na cabeça de tal profeta que diz que existe por mais de 1700 anos. Como vemos a tendenciosidade em se achar no texto algo que não está lá é sempre perigosa.

    ResponderExcluir
  154. Metushelach,

    É com muita satisfação que vejo que vc não esqueceu de todos nós que, de estamos adquirindo conhecimento através de suas ótimas análises.

    Quanto ao ponto 10 está entendido e como de costume desvendado mais uma tendenciosidade de alterar a Sagradas Escrituras. Por mim pode ir adiante.

    Agradeço por seu retorno.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  155. Zergon,

    Agradeço a compreensão e as palavras, e que o nosso Eterno Pai, nos ajude a compartilhar o entendimento real de sua Santa Palavra.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  156. Metushelach,

    É com muita satisfação que vejo que o blog continua muito instrutivo e informativo, sou um grande admirador de seu trabalho no qual aprendi muito, porém tive alguns problemas pessoais e de saúde que me impediram de estar frequente aqui no blog e inclusive não me qualifiquei capaz de dar seguimento á essa brilhante análise dos pontos por mim propostos e que infelizmente não consegui prosseguir. Peço caso seja possível, quando vc puder que ressucite essas analises trinitarianas pois muitos até hj me cobram essas análises da qual eu fazia um grupo de estudos e lia e debatia com muito sucesso suas explanações.

    Estarei muito grato se recomeçasse essas analises mesmo que fosse 1 por mês, pois eu desisti por nem de longe ter o seu conehecimento sobre o assunto.

    Agradeço imensamente,

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Zergon,

      Que saudades de suas participações, e que bom que está tudo bem agora.
      Podemos analisar os pontos sim, e veremos como podemos postá-los.

      Participe a vontade.

      Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

      Excluir
  157. Metushelach,

    Eu que agradeço o previlégio de poder contar com o seu conhecimento sobre a palavra de Deus.

    Estou muito satisfeito de estar de volta, e irei participar sim.

    Saiba que a continuidade desse estudo dos pontos serão muito bem aproveitados em grupos de estudos bíblicos.

    Agradeço ao Senhor nosso Deus diariamente por sua vida.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  158. Metushelach,

    Uma dúvida que chegou até mim numa recapitulação dos pontos já analizados e discutido o assunto, quero elucidar com vc o seguite que me perguntaram e fiquei meio sem resposta lógica:

    Quanto ao ponto 10 qd se diz que a tradução hebraica seria algo como "Eu serei oque serei,..."; não coloca a prova de que o "Eu sou o que Sou" pode ser usado baseado em Malaquias que diz que Deus não muda, e se Ele não muda, Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre. Sendo o Eterno Senhor ele pode ser tratado no passado, presente e futuro de acordo com a necessidade?

    Parece que o assunto de Trindade voltou com força total no blog, tenho visto alguns comentários e postagens interessantes (clichês trinitarianos), voltei na hora certa.

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zergon,

      A expressão אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê é exatamente isso que você entendeu quando cita Malaquias, D-us não muda por isso ele se relaciona com o seu povo tanto ontem como hoje e amanhã, entenda conforme eu disse no ponto 10, tal expressão é relacional e não existencial, ela quer dizer como D-us se relaciona e não o que Ele é, sabemos que Ele é Eterno e não muda, mas isso é quanto a característica existencial de D-us, mas o termo אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה “Ehiê Ashér Ehiê faz referencia à como ele se relaciona, por isso eu repito o que disse, quando Moshe indaga de como apresentar a reputação, fama, nome ou mais direto: como ELE se relacionará com o povo, D-us responde com a expressão que responde a que tipo de relacionamento ele terá com este povo, Ele será aquele que sempre foi, é e será, mas a expressão linguisticamente não cabe direito num termo em português, pois teríamos que usar um futuro Continuo, Sendo assim o tempo verbal não é o principal mas a ação relacional de forma continua e sem mudança que é o foco da expressão, pois em português o que mais se achegaria no foco da expressão é " Eu continuarei sendo aquilo que sempre fui diante dos patriarca, agora diante de vocês e no futuro diante de sua descendência.
      Espero ter deixado claro que o tempo verbal não é o foco, pois D-us é atemporal, ELE é um eterno”É”, e não um simples foi ou será.

      Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

      Excluir
  159. Permíta-me interfirir um pouco.

    Fiquei feliz ao ver que o blog está em franca ascenção e cada vez mais útil e honesto com as sua brilhantes intepretações bíblicas.

    Quero propor uma análise muito pertinente ao assunto do Zergon:

    Jesus é mencionado como Todo-poderoso (Divino) na Bíblia:

    Se Compararmos Gn 17:1 e 35:11 com Ex 6:2-3 e 3:6,13-15. Alinhando essas passagens com Jo 8:58, torna-se claro o Senhor Deus do AT ser o Senhor Jesus do NT.

    Peço sua verificação dessa midrash proposta.

    Fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teófilo,
      Tal análise já foi feita logo acima em dois comentários meus do dia 20 de agosto de 2011 e explica exatamente esta comparação do EGO EIMI, leia e veja se ajudana compreensão.

      Shalom.

      Excluir
  160. Já tinha lido sim esse comentário, o problema que ao fazer essa associação que mencionei se evidencia muito uma co-relação direta de Jesus ser Todo-poderoso. Com isso eu te perguntaria se o evangelho de João foi escrito originalmente em grego, exitiria alguma tradução primára que deixasse ou cortasse essa co-relação dando o sentido proposto por você, ou infelizmente esse conhecimento está restrito a pesquisadores eruditos com você que busca o sentido da coisas nas raízes.

    Deus o abençõe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teófilo,

      Não há necessidade de erudição mas sim de respeito contextual, veja que usar um simples "EU SOU" não pode servir de doutrina de Endeuzação de Yeshua contra todo o contexto bíblico que diz que Yeshua foi gerado, que é menor que o Pai, que é mentiroso se falar de si mesmo, que se ele se louvar o louvor dele não vale de nada, que diz que ele se prostará diante de D-us e o se sujeitará ao Pai I Cor. 15:28.
      repare que no contexto de João 8 Yeshua se mostra sempre subordinado a D-us, que foi enviado por D-us e não por ele mesmo, honra a D-us e nã a ele mesmo, Yeshua diz que Avraham exultou por ver o dia dele, e viu e se Alegrou, mas se Yeshua fosse D-us, como tal frase faria sentido?
      A Frase "EU SOU", faz sentido para um ser que foi gerado antes da criação de tudo, e pelo qual sendo a Palavra tudo se fez, portanto dizer um simples "EU EXISTO, EU ESTAVA PRESENTE, EU JÁ EXISTIA, EU SOU" antes de Avraham nascer, não tem ligação forçada pelos trinitários em fazer Yeshua ser D-us, pois como eu disse é um texto mal interpretado contra o contexto biblico completo.
      Quanto ao Evangelho de João ele foi escrito em grego sim e num grego horrível pois João não era muito corrente em grego e comete erros de gramática e coordenação que mostra a sua falta de intimidade com a língua, mesmo em suas cartas bem como em partes de Apocalipse, não há indicios de haver um versão original em Hebraico de João como há a de Mateus que se encontra no Louvre Paris.

      Excluir
  161. Metushelach,

    Já consegui explicar melhor depois desse complemento que vc colocou da questão "atemporal", ficou bem mais fácil o entendimento.

    Fique na Graça

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zergon,

      Bendito seja o Senhor, por conseguirmos ajudar.

      Shalom.

      Excluir
  162. Frederico M. Gusstein3 de junho de 2012 11:32

    Prezado Metushelach Ben Levy,

    É com muito respeito e reconhecimento de seu fácil articular com o entendimento da Palavra de Deus que me reporto a sua pessoa para tentar complementar oque li neste artigo cruzando com informações com alguns resultados de estudos sobre o assunto das profecias de Daniel.

    A frase traduzida por ‘dias’ significa um período de 24 horas.

    A frase em hebraico é "ereb boqer", que significa literalmente: ‘tarde-manhã’.
    Esse mesmo conjunto de palavras é usado 22 vezes no Antigo Testamento hebraico. Quando a intenção é indicar um período de 24 horas, sempre aparece ‘tarde-manhã’e nunca ‘manhã-tarde’... A relação entre Daniel 8 e 9 revela que os 2300 dias são anos e indica o ponto de início do período. A visão de Daniel 9 foi dada em 538 a.C., 13 anos depois da visão de Daniel 8 (551 a.C.).
    Gabriel disse a Daniel que ‘setenta semanas’ (‘setenta setes’, em hebraico), seriam cortadas dos 2.300 dias.
    Esses ‘setenta setes’ devem se referir a 490 anos, porque eles devem chegar até o tempo do Messias. Como 490 anos não podem ser tirados de 2.300 dias literais, esses dias devem ser símbolos proféticos de 2.300 anos

    A teoria de Antíoco não teve origem cristã. Foi um pagão e inimigo do cristianismo chamado Porfírio, conhecido pela alcunha de ‘Sofista’ (que morreu no ano 304 d.C.) o inventor da teoria. Ele a forjou com o intuito de desacreditar o livro de Daniel, e tentar provar que aquele livro foi escrito depois de terem ocorrido os fatos apontados pela profecia

    Pois bem, dentro desta premissa (7 dias = 14 tardes manhãs?), transforma-se 2300 tardes e manhãs, em 1150 dias, levando o leitor, não atento, à aceitar a teoria epifanista.

    Bem, que a criação de todas as coisas se deu em seis dias, nenhum de nós, cristãos, duvidamos. Que Deus descansou no Sábado e que o dia é composto de uma tarde e uma manhã, também é irrecusável, mas... entender que sete tardes e sete manhãs, são quatorze tardes e manhãs é no mínimo, um sincero, para não dizer sutil, descuido matemático.
    Se uma tarde e uma manhã perfazem um dia de 24 horas, como ensina a Bíblia, sete tardes e sete manhãs são claríssimamente 7 dias. Como quatorze tardes e quatorze manhãs são 14 dias. Da mesma forma vinte e oito tardes e vinte e oito manhãs são 28 dias. E assim sucessivamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frederico,
      Segue trechos de um e-mail que consta uma refutação aos argumentos de Lourenço Gonzales autor deste artigo que você se utilizou.
      ערב בקר “Erev - Boker” tarde-manhã de Daniel 8:14, quer dizer um dia literal não é muito honesta, pois ele fala de 22 ocorrências no Tanach desta mesma construção mas eu não encontrei tantas assim, na mesma frase sim no mesmo verso sim, mas não neste mesmo contexto, em Gênesis 1° temos sim a mesma seqüência de palavras mas temos o complemento explicativo que faz referência ao 1°, 2°..... 6° dia da Criação, e como vemos referência a dias e não há anos como ele alega e generaliza a toda profecia, sendo assim não podemos bater o martelo quanto a expressão ערב בקר “Erev - Boker” querer dizer dias ou sacrifícios, há tentativas de usar tanto o verso 13 que indica a pergunta de alguém de quanto durará a visão da transgressão continua, sendo que a pergunta foi iniciada com referência aos sacrifícios de porco então a resposta poderia levar em consideração ao número de sacrifícios e não de dias, pode se reforçar tal idéia pela construção gramatical da frase no verso 26 onde Gabriel fala a Daniel: ...ומראה הערב והבקר “ Umare HaErev VeHaBoker” “Na visão da tarde e da manhã”, veja que há além do conjuntivo ו vav, “e”, há a presença de preposições ה hei “de” nas duas expressões, sendo que tal preposição mostra distinção temporal entre as duas expressões, pois se é a visão da tarde e da manhã elas não podem nesta linha de pensamento se referirem a um evento único indicando apenas um dia, mas sim dois eventos distintos, sendo que o verso 14 em hebraico deixa em aberto para as interpretações distintas ויאמר אלי עד ערב בקר אלפים ושלש מאות ונצדק קדש׃, tradução literal: E foi dito: até tarde manhã duas mil e trezentas, endireitará o Santo, vemos portanto que o texto por ser muito evasivo pode ter inúmeras interpretações.

      O tal Lourenço Gonzáles inventou uma frase ou ao menos que eu não achei no texto de Daniel vejamos: “Gabriel disse a Daniel que ‘setenta semanas’ (‘setenta setes’, em hebraico), seriam cortadas dos 2.300”, de onde saiu isso, para começar as profecias de Daniel são distintas nos Capítulo 7, no Capítulo 8 e no Capítulo 9, ambas em tempos distintos e em pouco se comunicam, sendo assim a referência das 2300 tardes e manhãs não se comunica com as da setenta semanas, assim como o chifre pequeno do Capítulo 7 não tem nada haver com o chifre pequeno do Capítulo 8.

      Excluir
    2. Foi Citado Porfírio como sendo o criador da Teoria do Antíoco IV como a ponta pequena que saiu de uma das quatro pontas que nascem depois que cai a grande ponta do Bode que acabou com o carneiro de duas pontas distintas em tamanho, mas tal Porfírio não foi o primeiro a falar disso mas sim o historiador judeu Flavio Josefo já no primeiro século relata tal interpretação baseado nas tradições rabínicas orais que tratam com mesmo entendimento as profecias de Daniel 8, tanto que anualmente há a festa memorial de tudo isso no Festival de Chanuká.

      Neste ponto há aulas de matemática muito instrutivas mas ninguém notou que o texto é gramaticalmente distinto do que a matemática pode comprovar. Como disse anteriormente o texto se for traduzido literalmente ele é muito evasivo e não se pode criar comparações pois não há na Tanach nenhuma contrução idêntica para elucidar o caso, nem mesmo em Gênesis 1 onde é claro o texto e foi “tarde e manhã o primeiro dia“, pois não há o mesmo contexto onde o sacrifico está em pauta como dito anteriormente.

      Ainda na tentativa de provar nada com coisa nenhuma sobre o tempo é citada as passagens de Gên. 7:4, 12. Êxo. 24:18. I Reis 19:8, todos gramaticalmente distintos do verso 14 de Daniel 8, pois em todos as palavras para dias e noites é Yom e Laila, sempre seguidos do numerais, sendo assim quarenta dias e quarenta noites por exemplo é obvio o entendimento de 40 dias de 24 horas, isso porque gramaticalmente todas as passagens são bem claras até mesmo a passagem citada de Mat. 4:2 em grego é conforme o hebraico “dia + numeral, noite + numeral”, uso desonesto de passagens que em nada se relacionam com o contexto ou gramática de Daniel 8:14.

      Excluir
  163. Frederico M. Gusstein3 de junho de 2012 11:34

    “Quarenta Dias e Quarenta noites”
    (Gên. 7:4, 12. Êxo. 24:18. I Reis 19:8. Mat. 4:2).
    • São 20 dias ?!
    • São 40 dias ?!
    • São 40 ou 80 tardes e manhãs ?!
    Ora, é evidente que são 40 dias completos (ciclos de 24 horas), compostos de quarenta tardes e quarenta manhãs. Como estamos fazendo juntos, busquemos na simplicidade das Escrituras, esta equação divina.

    Uma tarde e uma manhã não podem ser duas tardes e duas manhãs. Será sempre um dia. Assim sendo, 2300 tardes e manhãs são 2300 dias literais, completos ciclos de 24 horas. E mais: Como se trata de tempo profético, são então 2300 anos, porque no estudo da profecia um dia equivale a um ano. É a Bíblia quem estabelece o dia-ano como “padrão para tempo profético”. Eis a prova: “Cada dia representa um ano...Quarenta dias te dei, cada dia por um ano.” Núm. 14: 34. Eze. 4: 6.
    Diante da contundência do argumento bíblico, buscam-se uma saída dizendo que “tarde e manhã” siginifica holocaustos. Será verdade?

    • “Nas ocorrências de ‘tarde e manhã’ no 1º capítulo de Gênesis ainda não havia sequer a idéia de holocaustos, os quais só aparecem posteriormente no código levítico, e nenhuma relação se pode estabelecer entre tarde e manhã e holocausto, e muito menos tentar designar ‘tarde e manhã’ como unidade separada de um todo. É contra a verdade, a exegese, a lógica, o bom senso e a razão.
    • “Sempre que a Bíblia se refere a holocaustos de um dia, ela os indica em ordem inversa, isto é, em vez de ‘tarde e manhã’, diz ‘holocausto da manhã e da tarde’, sempre incluindo nescessariamente a palavra ‘holocausto’. Importante: vem sempre em primeiro lugar o holocausto da manhã, que era o mais importante, contínuo, e em segundo lugar o holocausto da tarde. Ler. Êxo. 29:39. Lev. 6: 20. Núm. 28: 4. II Crôn. 2: 4; 31: 3. Esdras 3: 3. II Crôn. 13: 11. etc.
    • “O holocausto da manhã, como se disse, era o principal, contínuo e sua regularidade era absoluta (Núm. 28: 23. Lev. 9: 17. Amós 4: 4, etc). Portanto é precaríssimo o argumento de que ‘tardes e manhãs’ signifiquem holocaustos. Não tem a menor base, mesmo porque os holocaustos também se realizavam em horas intermediárias.

    Tais argumentos por si só bastariam para os que sinceramente buscam a perfeição em Cristo, porém em Daniel 8: 26
    “A visão da tarde e da manhã... se refere a dias ainda muito distantes.”
    Percebe? – Se O criador diz “dias”, quem terá a coragem de dizer “holocaustos”? Quem contestará o Senhor? Que não sejamos nós, amados.

    A última etapa deste estudo é o cumprimento desta profecia. As 2300 tardes e manhãs, que foram reduzidas para 1150 dias (o que não confere com suas próprias interpretações); não é exata nos dias, nos números nem nos anos, se cumpriram em 168/165 a.C., na pessoa de Antíoco Epifânio, rei selêucida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. utra observação para mostrar o erro adventista, o tal do carneiro e do Bode são explicados nos versos 20 e 21, como sendo representantes dos Reinos Medo-Persa e Grego, sendo que as pontas do carneiro representavam os Reis Medo-Persas Ciro e Dario, que correlacionam com os chifres do carneiro um maior que o outro assim como Ciro era maior que Dario, e que foram rapidamente atacados por Alexandre , O Grande, a ponta grande notável entre o olhos do Bode, que veio do ocidente numa velocidade de conquistas como que se não tocasse o chão, mas na sua maior força o grande e notável chifre foi quebrado, indicando a morte prematura aos 33 anos de Alexandre, O Grande, que deixou o seu Reino na mão de quatro sucessores, os seus generais

      Cassandro, Lisímaco, Ptolomeu e Seleuco, estes representavam os quatro notáveis chifres do Bode, e de uma das quatro pontas surgiu uma pequena ponta, a saber do General Seleuco surgiu muito tempo depois um pequeno rei Antíoco IV Epífanes, que começou a crescer para o oriente e para a Israel a chamada Terra Formosa, e subjugou o exercito do céu que é pela tradição os Sacerdotes do Templo, e o príncipe deste Exército é o Sumo Sacerdote (Shaul também chama o Sumo Sacerdote de príncipe em Atos 23:5).

      Daí as contas para fechar desde o decreto do fim do oficio sacerdotal e do sacrifício diário no Templo até a re-dedicação do Templo os tais de 1150 dias que é o complicado para saber se teve ano judaico de 13 meses mas é mais plausível que qualquer outra explicação.

      Fora que contar os 2300 anos a partir do ano 457 é um erro pois a profecia é clara em se referir a ponta pequena que veio de uma das quatro pontas que surgiram após a queda ponta grande e notável e todas se referindo ao Bode que representa o Reino da Grécia sendo que se a conta começar em 457 com o decreto de Artaxerxes o reino ainda no poder era o Persa e não o Grego, assim sendo vemos a falta de cuidado com os detalhes, e fora que o decreto de Artaxerxes faz referência a contagem da profecia das 70 semanas e não das tarde e manhã 2300.

      Excluir
  164. Frederico M. Gusstein3 de junho de 2012 11:35

    Deduzo que se trata de dias, e não holocaustos. Que são 2300 dias e não 1150. Agora, quando isto se cumprirá? Em 168/165 a.C.?

    Daniel 8: 17

    “...porque a visão se realizará no Fim do Tempo.”
    Daniel 8: 19

    “...porque ela (a visão) se exercerá no determinado Tempo do Fim.”


    O livro de Daniel, como é sabido, estava “selado” desde o sexto século a.C. (Daniel 12:9). E se está selado, está mesmo. Somente seria aberto no Tempo do Fim (Daniel 12: 4,9), e não pode haver dois tempos do fim, o dos selêucidas (Antíoco Epifânio) e o nosso (século XX).
    Na época de Antíoco, o livro de Daniel estava no pergaminho, e “selado”, pois que, nesta ocasião não lhe deram especial atenção nem a ciência havia sido multiplicada, como são as características exigidas em Daniel 12: 4 e que ocorreriam matematicamente no Tempo do Fim.
    Querido irmão, se a Bíblia afirma que o período profético dos 2300 anos teria cumprimento no Tempo do Fim, como pois se pode ensinar tenha-se cumprido no tempo dos selêucidas (168/165 a.C.), não é? (Deste período seriam tirados 490 anos, lembra-se? Como se pode tirar 490 anos de 2.300 dias?). Pior será tirar de 1150 dias!

    Dizem alguns que dá 3 anos e 10 dias, o que seriam 1105 dias. Não dá 1150 dias de modo nenhum. O problema é o seguinte. Se se tomar o ano judaico de 360 dias, sem admitir que tivesse havido a inserção do 13º mês (o Ve-Adar) que destinava a acertar o tempo das estações e aproximar-se do ano solar, então teremos, de fato, apenas 1105 dias. Mas nunca 1150 que ‘seriam’ exigidos pela profecia dos epifanistas. Por outro lado, se se admite a inserção do13º mês (como se fazia, de quando em quando, obrigatoriamente, nos calendários lunares, e o judaico o era), então teremos, quem sabe, 1120 ou 1130 dias. Se se tomam os meses lunares que somam o ano de 354 dias, então dará menos ainda... nunca dará 1150 dias. Sempre ficarão faltando dias. Sempre. Nem colocando isto tudo num leito de Procusto, com amputações ou acréscimos, se conseguirá o total exato de 1150 dias

    Estarmos vivendo hoje 2012, é uma prova de que este cumprimento está falido. E mais, fosse verdade, Jesus não teria nascido e assim ninguém se salvaria. Jesus nasceu aproximadamente 200 anos mais tarde, e já estamos vivendo 2000 anos depois Dele e o fim ainda não aconteceu.
    – Logicamente, jamais poderia ter sido o “Tempo do Fim”, a época de Antíoco.
    Estas, pois, são as razões bíblicas, claras e evidentes.
    Com sinceridade não duvido que o “Tempo do Fim”, ou o “Determinado Tempo do Fim”, começou no século passado, quando se deram o cumprimento dos grandes sinais precursores da volta de Jesus (Joel 2: 30, 31. Isaías 13: 10. Amós 8:9. Mateus 24: 6-8, 11, 24, 29. Lucas 21: 9-11, 25, 26), corroborado com o grande avanço tecnológico e científico. Daniel 12: 4.
    Não é por conseguinte, mais razoável, lógico e correto, aceitar que o cumprimento dos 2300 anos tenha sido em 1844 ou 1766 (de acordo com calendário judaico lunas), quando de fato, tal data está dentro do contexto do final de todas as coisas? A ciência, os meios de comunicação e os próprios povos, indicam-nos que estamos vivendo os “Tempos do Fim”.

    Parabéns pelo blog.

    Shalom Adonai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neste ponto há a contestação de que o período de Antíoco IV poderia ser como diz os versos 17 e 19 o tempo do fim, para começar há sim na tradição judaica a ligação da expressão do fim dos dias com os acontecimentos do Juízo Divino, mas tal expressão em hebraico é

      אחרית הימים “Acharit Hayamim” Fim dos Tempos” mas a expressão que aparece no verso 17 é לעת־קץ “Le’et Rets” no sentido de tempos posteriores em contraposição ao assombro de Daniel de achar que tudo aquilo ainda aconteceria em sua época, e no verso 19 a expressão é למועד קץ׃ “ Lemoed Rets” apontamentos e determinações futuras. Mas o termo אחרית “acharit” neste verso 19 aparece em meio à instruções do Anjo, e isso coloca a dúvida de que tempos o Anjo fala, no verso 26 aparece novamente muitos dias e não uma expressão de conotação com o Juízo Final.

      E por fim o tempo considerado o tempo do fim começou faz tempo então não podemos condicionar isso a tal profetada de 1844, pois temos passagens como a de Coríntios 10.11 “Tudo isso aconteceu com os nossos antepassados a fim de servir de exemplo para os outros, e aquelas coisas foram escritas a fim de servirem de aviso para nós. Pois estamos vivendo no fim dos tempos.” , se Shaul já tava vivendo o fim dos tempos naquela época nós então o fim começou desde que o fim foi revelado que viria, sendo assim o fim está correndo desde os Profetas.

      E agora com que fim ficar, com o fim que não finalizou em 1844 dos Adventistas ou com o fim profético que ocorre desde de que foi revelado??

      Espero ter ajudado ao menos a mostrar a falta de conhecimento ou desonestidade do tal de Lourenço Gonzáles.

      Excluir
    2. Frederico,

      Não tome como pessoal, e saiba que agradecemos suas palavras e sua participação no Blog.

      Shalom

      Excluir
  165. Frederico,

    Vou deixar que o própio Metushelach lhe responda sobre o "seu" texto, de autoria de Lourenzo Gonzalez.

    De onde vc tirou a data de 1766?

    Fique na Graça.

    ResponderExcluir
  166. Prezado Metushelach

    A pedido de um Leitor de meu Site/blog que também é Leitor de seu Blog, e deseja saber a Verdade sobre a Trindade de Deus, bem como, a Pessoa de Jesus no contexto, formulei o Presente Artigo que está postado conforme o endereço Eletrônico que segue:

    http://www.assuntospolemicosdabiblia.com/artigos/o-enigma-da-divindade-de-jesus/

    Certo de seu objetivo sobre a Verdade, tomei a liberdade de mostrar aos seus Leitores, através do Presente Artigo a minha interpretação em relação aos argumentos de seu Blog.

    Onir

    ResponderExcluir
  167. por favor Metushelach eu quero que você me ajude a interpreta corretamente o texto de Daniel 8:14, como você respondeu acima: ויאמר אלי עד ערב בקר אלפים ושלש מאות ונצדק קדש׃, tradução literal: E foi dito: até tarde manhã duas mil e trezentas, endireitará o Santo. Porém não achei em lugar nenhum a palavra dois achei falta da palavra !שנים que traduz: dois, duas, então a tradução deste texto não seria אלפים (mil), ושלש (e três),מאות (centena), mil e terezentas tardes e mahãs.? me ajude porfavor! obrigado!

    ResponderExcluir
  168. Acabo de achar um dicionario que traduz a palavra אלפים, também por dois mil, mas ai fica outra duvida: Como pode uma mesma palavra ter duas traduções?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Termo אַלְפַּ֕יִם "Alpaim" deriva de אֶ֤לֶף "Éleff" que quer dizer mil, sendo assim o termo אַלְפַּ֕יִם é plural, sendo considerado no hebraico biblico como dois milhares, e podemos constatar isso em 28 ocorrências, sendo que se fosse três, quatro e n milhares o numeral indicando tais quantidades devem antecer o termo Élef ou seus derivados.
      Espero ter Ajudado.

      Excluir
    2. Segue alguns textos que o termo Alpaim é entendido como dois milhares:
      Números :4:36,40; 7:35; 35:5
      Juízes: 20:45
      1 Samuel: 13:2
      1 Reis: 7:26
      2 Reis: 18:23
      1 Crônicas: 5:21; 26:32
      2 Crônicas: 26:12; 35:8
      Esdras: 2:3, 6, 14, 64
      Neemias: 7:8, 11, 17, 19, 66, 71, 72
      Isaias: 36:8
      Daniel 8:14

      Excluir
    3. muitississimo obrigado!ajudou muito! Shalom!

      Excluir
  169. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  170. Querido Metushelach! peço que me ajudes a interpretara o texto de revelação (apocalipse)17, seriam eventos do futuro ou que já acontecera? Pois o texto diz de sete reis, cinco já haviam caído, e um existia: seria este Domiciano o sexto? o sétimo apareceria mas por pouco tempo e o oitavo seria a própria besta. como entender melhor este texto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saulo, como eu sempre digo, escatologia é bom apenas para mostrar os tempos, mas em nada deve pautar o nosso relacionamento com D-us, sendo assim eu não comento alem do que a Biblia diz ou a tradição judaica preservou, sendo assim a lenga lenga que tem ocorrido por causa da renuncia do Papa só serve pra confundir e tirar o foco dos que realmente querem viver uma vida santa e agradável à D-us.

      Excluir
    2. Não, não Metushelach! não tem haver com o papa, eu estava fazendo um estudo deste texto, que embora eu sempre acreditei que se trata-se de eventos futuros, antes de ontem eu prestei atenção na parte que diz: as sete cabeças são sete colinas, sobre as quais esta sentada a mulher. são também sete reis: cinco já caíram, um esta vivo, e o outro ainda vira.......etc! este um ainda esta vivo, (ou ainda existe) se tratava de Domiciano, ele estava falando do imperado Domiciano que imperava na época que o apostolo João estava preso na ilha de patmos? ou seria eventos futuro? Há algo na Historia que mostra que esta profecia já se cumpriu? eu gostaria de saber se você tem alguma resposta sobre esta questão, pelo fato de o texto dizer que um ainda esta vivo! Não tem nada a ver com o acontecimento do papa. Então se você tiver alguma resposta eu ficaria grato! Shalom!

      Excluir
  171. Olá, Levy. Sou crente batista e estudante de Teologia Bíblica. Achei muito interessante tudo que você escreveu, pois, há muito tenho observado textos em que Jesus declara que seu Pai é também seu Deus. Mas não achei seu comentário neste artigo referente a II Pe. 1:1 "...nosso Deus e Salvador Jesus Cristo"; II Jo. 5:20 "...em seu filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna." e Jd. 1:4 ¨...e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo", todas na RC. Minha intenção é entender melhor as Escrituras. Aguardo.

    ResponderExcluir
  172. Paz do Senhor,

    Peço sua ajuda para entender melhor sobre esse assunto. Entendo seu ponto de vista e concordo com muita coisa que foi dita por você, porém como posso harmonizar tudo isso com 1 João 5:20, que enfatiza ser Jesus o verdadeiro Deus? Ou será que o versículo está mal traduzido como em 1 João 5:7 e Mateus 28:19, que são claras modificações trinitarianas? Por favor me ajude a entender isso.

    Shalom Adonai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Nelson,

      Vamos por partes, primeiramente o texto de I João 5:7, tem somente a seguinte parte “Porque são três que testemunha:”, e isso pode ser comprovado por inúmeras traduções que não se utilizam majoritariamente do Textus Receptus da idade média e consequentente nem da Vulgata Latina do Século XVI, e várias notas de rodapé nos informam que o texto (no céu: O Pai, o Verbo e o Espírito Santo, esses três são um só) nem existe nos mais antigos manuscritos gregos, nas mais antigas versões e nem nos mais antigos e melhores manuscritos da própria Vulgata de São Jerônimo, sendo encontrado somente em glosa marginal, isto é, como acréscimo manual na lateral do texto da mais recente Vulgata Latina do século XVI, portanto sendo totalmente descartado como texto inspirado, e as notas de rodapé a que me referi as tendo em mãos são as da Bíblia de Jerusalém e da NVI.

      Em 1 João 5:20 o que temos é um problema gramatical, ou na melhor da hipóteses uma falta de conhecimento gramatical de quem lê, pois se atentarmos para quem é o sujeito foco desde o verso 18 veremos que é sempre D-us, pois vemos o que é nascido, gerado e o plural somos é sempre concernente à D-us, e daí no verso 20 criam uma endeusação do Filho destoante do texto, pois se o texto fosse composto de maneira invertida sem mexer na estrutura gramatical não teríamos problemas interpretativos, senão vejamos: “E sabemos que já o Filho de D-us é vindo e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; Este é o verdadeiro D-us e a vida eterna, e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Yeshua HaMashiach.”

      O que nos mostra que é o Pai que é D-us verdadeiro e não o filho é o pronome possessivo “seu”, alertando de quem se fala, e que é possível ver não só no português mas sim através da presença do pronome possessivo grego autou “αὐτοῦ“ esclarecendo ainda mais a frase.

      Excluir
    2. Mateus 28:19, é uma discussão sem fim, mas não podemos alegar que seja um acréscimo como o de 1 João 5:7, pois sua presença em quase todos os manuscritos gregos conhecidos, em todas as antigas versões ( diga-se Aramaica, Copta e similares) e seja nas discussões posteriores é inquestionável a configuração apresentada.
      E depois de eu ler 28 manuscritos que datam do fim do primeiro século entre 98 e 100 e dos anos 210-215 e uma versão hebraica dos anos 125 e uma aramaica do anos 250-60 que constam tal passagem me orientem com o Dr. David Stern tradutor e autor do Novo Testamento Judaico e da Bíblia Judaica Completa, além de Yossef Burne e Barry Shulam, e vários outros, e todos tem o entendimento de que Yeshua não falou de trindade alguma, de nome algum, de RG algum, de CPF algum, de certidão de registro civil algum e nem de batismo nas águas algum.
      Yeshua falou para que os discípulos fossem a todas as nações e fizessem discípulos, isso é, seguidores que vivessem com eles e vissem neles como é um novo nascimento, e a frutificação de uma nova vida e entendessem o que é ser RODEADO POR TODOS OS LADOS, IMERGIDO, MERGULHADO na realidade que é A Existência De Um Pai que envia o Seu Filho e que resgata pela ação e poder do Espírito a todos os quais ao Pai se achegam em arrependimento para morrerem para si e ressuscitado para não mais viverem em si mas o Filho vivendo neles por meio do Espírito Santo.
      Portanto não é no RG CPF ou nomezinho que é pra se fazer um batismo, mergulho na água ritual, mas é pra através de uma vida de testemunho imergirem, isto é, colocarem as pessoas totalmente a par do que significa D-us em seu completo plano de Salvação, no Amor do Pai, da Graça do Filho, da Consolação do Espírito, dai sim, as pessoas imersas, mergulhadas, completamente inseridas na realidade de o que o Pai fez, do que o Filho fez e de como há a manifestação do Espírito, poderiam elas fazer parte da família divina.
      E os discípulos faziam exatamente isso, imergiam as pessoas que se achegavam em arrependimento na realidade de tudo o que a Tanach profetizou, e na hora de ritualizar com um banho ritual de demonstração pública de arrependimento e morte para o pecado é que os discípulos o faziam na autoridade de Yeshua, veja que é na autoridade dada por Yeshua que os discípulos batizavam, não como num uso de palavras mágicas....abracadabra......que se fazia um ritual mas sim na outorga de poder dado pelo Filho aos discípulos para que os arrependidos pudessem publicamente confessar o Senhorio do Filho já mergulhados na realidade e entendimento do Pai do Filho e do Espírito Santo, portanto nada de trindade.

      Espero ter ajudado.

      Fique na Shalom que emana de Yeshua HaMashiach.

      Excluir
    3. Obrigado por responder minhas perguntas.
      Em questão de 1 Jo 5:20 e a complexa concordância, já aceito melhor depois de sua explicação e de certa forma concordo.
      Em questão de Mt 28:19, me surpreendeu bastante, pois eu realmente estava convícto de que essa forma era uma evidência trinitária imposta, e pelo visto tem um simbolismo bem mais espiritual doque ritualístico. Mais uma que eu aprendi. Obrigado. Shalom Adonai.

      Excluir
  173. Caro Metushelach,

    Li recentemente vários comentaristas do livro de Salmos e confesso que fiquei muito confuso quanto a interpretação do capitulo 82, especificamente o vers. 6, onde é usado o termo, JFA "deuses" e no hebraico "elohim", portanto, seriam esses deuses genéricos, subjugados ao Eterno, sendo que os mesmo morrem? E esse versículo justificaria o fato de que nós nos tornariamos como deuses quando exaltados na parousia do Massiach?

    Shalom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Elvis,

      Lembrei que havia falado do termo elohim contigo, e fui ver e falei mesmo em maio de 2011, e expliquei detalhamento mas para não me repetir irei falar do texto de Tehilim 82.

      Salmos 82.1 Salmo de Asaf
      Elohim está na congregação dos poderosos; em meio a elohim, Ele julga.

      82.2 Até quando julgareis injustamente e tomareis partido pela causa dos ímpios?
      82.3 Fazei justiça ao fraco e ao órfão, procedei retamente para com o aflito e o desamparado.82.4 Socorrei o fraco e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios. 82.5 Eles nada sabem, nem entendem; vagueiam em trevas; vacilam todos os fundamentos da terra.

      82.6 Eu disse: sois elohim, sois todos filhos do Altíssimo.
      82.7 Todavia, como homens, morrereis e, como qualquer dos príncipes, haveis de sucumbir.

      82.8 Levanta-te, ó Deus, julga a terra, pois a ti compete a herança de todas as nações.


      Ao analisarmos o texto vemos que Asaf está discorrendo sobre a Soberania de D-us sobre todos, e até mesmo sobre os juízes e príncipes estabelecidos por ELE mesmo, que no relato estão agindo fraudulentamente, de forma injusta sem compaixão para com os oprimidos.
      Vemos que em meio a tais elohim = detentores de autoridade para julgar, o próprio D-us é que julga (verso 1), e mesmo tais elohim sendo investidos de poder e serem chamados de filhos de Elion (verso 6), no fim como simples mortais, morrerão e sucumbirão (verso 7).

      Sendo assim não vemos divinização nenhuma no homem aqui por lhe ser atribuído o termo elohim, e tal termo tem seu significado intrínseco a qualquer detentor de autoridade como juízes (Ex. 21:6; 22:8; Jos. 24:1), como também para anjos (Sl. 8:5-6 e confirmado em Hb. 2:7) ou pseudo-divindade como Moloque, Baal-Zevuv, Dagom (1 Sm. 5:7; 1 Reis 18:27; 2 Reis 1:2 e 1 Cron. 5:7).

      E quando haver o arrebatamento seremos transformados à semelhança do Mashiach, em corpos incorruptíveis e imortais mas mesmo assim advindos do pó da terra, isto é, com configurações químicas e orgânicas de tudo que há no solo, a tabela periódica ainda estará em grande parte em nosso organismo, e fora que o homem será eternamente dependente de D-us para sua existência e só o fato de o homem se achar suficiente em si mesmo é uma blasfêmia, imagina ser um deusinhozinho qualquer.

      Excluir
    2. Caro Metushelach,

      Obrigado pelo esclarecimento, eu tinha quase esse posicionamento, apenas queria ter certeza antes de comentar sobre o mesmo, pois muitos estudiosos creem também que poderia ser uma referência a anjos, por seres celestiais e espirituais e também podem ser mortos pelo Altíssimo. Verifiquei sobre o termo elohim, e me atualizei, sobre tal, ficando esclarecido, sobre o mesmo. Só para confirmar essa tradução então não poderia em hipótese alguma ser comparada a anjos, tipo semi-deuses (metafóricamente falando)?

      Shalom.

      Excluir
    3. O Termo elohim pode sim ser usado para anjo quando estes tem o poder de julgar dado por D_us,, mas o contexto do Salmo 82, mostra que Asaf não está falando de anjos e sim de juízes corruptos, injustos que distorcem a justiça, e por D-us serão julgados, e mesmo estando eles em situação de prestigio não passam de homens que morrerão e sucumbirão em suas existências.
      Sempre preste atenção no contexto.

      Excluir
    4. Sem dúvida a atenção ao contexto desfaz muitas heresias que vimos no mundo contemporâneo. O que realmente leva a interpretações errôneas é o termo elohim, muito associado a divindades. Mas o contexto do salmo agora ficou mais exato.

      Com referência as outras passagens gostaria de confundir um pouco com algumas análises que tenho:

      Essa questão de “deuses” é mais complexa. Alguns acreditam que, sob a influência e a tutela de D-us, após a morte alguns progredirão através da graça de Cristo para se tornar mais semelhantes ao Pai. No entanto, Ele sempre será o nosso Deus e nosso Pai, e sempre O adoraremos. Nunca seremos maiores que Deus. Esta doutrina, chamada de “exaltação” ou “teosis”.
      São muitas as escrituras da Bíblia que explicam teosis. Acreditam no progresso eterno, mas rejeitam a idéia de que homens e mulheres podem algum dia exceder a glória de seu Pai.
      João 10:34-35: “Tornou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses? Se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada)…”
      Cristo mandou que Seus seguidores fossem perfeitos, que se tornassem mais parecidos com o D-us. Muitos levam a sério; embora não pensem que a perfeição é possível nesta vida, e sim na vida que vem.
      Mateus 5:48: “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está no céu. ”

      continua...

      Excluir
    5. Cristo também ensinou através do apóstolo João que aqueles que se arrependem irão superar seus pecados através do sacrifício expiatório de Cristo e sentar-se-ão com Ele no Seu trono, sugerindo que depois da morte poderemos progredir para um estado de glorificação.
      Apocalipse 3:19-21: “Eu repreendo e castigo a todos quantos amo: sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou ã porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer, eu lhe concederei que se assente comigo no meu trono.”
      O apóstolo Paulo ensinou que os justos são herdeiros de Deus, co-herdeiros de Cristo, e que eles serão glorificados com Ele. Ele ensinou que o Ruach HaKodesh dá testemunho do fato, confirmando o papel do Ruach HaKodesh como testificador da verdade.
      Romanos 8:16-17: “O Espírito mesmo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus; e, se filhos, também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.”
      O livro de Gálatas no Novo Testamento também ensina que os justos serão herdeiros de Deus através de Cristo.
      Gálatas 4:1-7: “Ora, digo que por todo o tempo em que o herdeiro é menino, em nada difere de um servo, ainda que seja senhor de tudo; mas está debaixo de tutores e curadores até o tempo determinado pelo pai. Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos ã servidão debaixo dos rudimentos do mundo; mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei, para resgatar os que estavam debaixo de lei, a fim de recebermos a adoção de filhos. E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai. Portanto já não és mais servo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro por Deus.”
      Paulo descreveu o processo de progressão eterna em 2 Coríntios: passo a passo, homens e mulheres podem progredir para uma glória maior.
      2 Coríntios 3:18: “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.”
      O apóstolo João ensinou da mesma forma que aqueles que seguem a Cristo (os “filhos de Deus”) tornar-se-ão algum dia mais como Ele é.
      1 João 3:1-2: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai: que fôssemos chamados filhos de Deus; e nós o somos. Por isso o mundo não nos conhece; porque não conheceu a ele. Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é, o veremos.”
      Por motivos que não entendo, por muitos anos muitos escolheram usar a linguagem do Velho Testamento quando falam em teosis, e isso tem causado muita confusão. Creio eu que já estamos abandonando essa linguagem confusa, preferindo frases como “tornar-se mais próximos de D-us”. No entanto, de vez em quando ainda ouço o povo falar em “deuses”. Quando falam isso, geralmente querem dizer outras entidades como me referi a anjos ou seres humanos transformados pelo Ruach do Senhor (2 Coríntios 3:18) que podem até ter algumas características divinas, mas que são sempre sujeitos ao Altíssimo. Assim pode ver que, embora usemos linguagem confusa às vezes, esse conceito dos céus é em muitos aspectos igual ao conceito de muitos outros cristãos: nos céus há D-us o Altíssimo e também outros seres como anjos que fazem a Sua vontade.

      Não é difícil entender por que muitas pessoas ficam confusas com essas idéias! E por favor me corrija em onde posso ter errado. Apenas quero clarear o entendimento de versículos que fora do contexto podem gerar grandes conflitos teológicos.

      Shalom.

      Excluir
    6. Elvis,
      Desculpe não responder a estes textos, pois não me entusiasmei em falar de algo que está longe de nossa realidade, pois não é prático e nem deve ser um tópico a muitos que ainda nem mesmo engatinham na fé, pois antes de pensar nisso temos que focar no hoje, e nas nossas simples dificuldades de abandonarmos vícios prejudicais ao nosso corpo, como comer demais, se alimentar errado, escutar o que não presta, perder tempo na tv, não dormir direito, não nos hidratarmos direito, fazer o uso errado de nosso tempo, a nossa falta de capacidade de interagirmos com o próximo na perspectiva do próximo e não no nosso egocentrismo de dedo erguido acusativo, e fora a questão espiritual de fazermos com que todos estes erros de nosso físico diminuam ao ponto de podermos nos santificar de maneira total, isto é, de corpo, alma, espírito, bolso, mente, coração e etc e etc e etc.....por isso falar de teosis é quase que perder tempo no quadro pratico que o corpo do Mashiach se encontra hoje.
      Espero que não se magoe.
      Shalom

      Excluir
    7. Caro Metushelach,

      Não há razões para mágoas, entendo suas razões e complicações que poderiam gerar o tema.

      Fico apenas sem o seu ponto de vista sobre o assunto, que para mim é muito significativo, pois após anos aprendi a ter um respeito e apreço inestimáveis sobre suas analogias propostas.

      Só posso lamentar, mas nunca magoado, digamos que deixei de aprender mais um pouco com vc.

      Fique à vontade.

      Shalom.

      Excluir

Faça um blogueiro feliz, Comente porfavooooooooooooor