שמע ישראל י-ה-ו-ה אלקינו י-ה-ו-ה אחד
Shemá Yisrael Adonai Elohêinu Adonai Echad

sábado, 30 de abril de 2011

Teoria do Intervalo, o que é isso? Bíblia versus Dinossauros e afins...

Esta é uma postagem interessante do Diálogo entre Metushelach Ben Levy e Elvis sobre assuntos polêmios  que mexem com a mente das pessoas a cerca da Teoria do Intervalo de Thomas Chalmers, a controvérsia Dinossauros versus Bíblia, a existência de um mundo antes de Gênesis e outros assuntos afins.

Espero que gostem do diálogo, e que os façam comentar mais nos nosso Blog.

Mas entendam que por ser apenas uma teoria, ou como gosto de dizer uma viagem em suposições não deve gerar descordia ou agressôes, mas apenas especulaçôes que nos levem a construir respostas mais plausíveis à certos questionamentos científicos.


Elvis disse... Caro Metushelach Ben Levy,
 
Gostaria de merecer atenção sua sobre um fato que tem gerado alguns conflitos teológicos e científicos, que seria: qual sua posição em relação aos dinossauros e a Bíblia e se na BJC em Jó 40:15, qual a tradução para o ser citado?


Metushelach Ben Levy disse... Elvis,

Sobre o Tema dinossauros e a Bíblia eu não tenho uma opinião bem definida, apenas especulações, que assim que eu conseguir reunir subsídios suficientes eu compartilharei em forma de artigo.


Na BJC o ser citado em Jó 40:15 teve sua grafia apenas transliterada do original Behemot, " בְ֭הֵמֹות " que é o plural do termo Behalah "בְּהֵמָה" que tem como significado diversos termos genéricos como "animal", "besta", "comedor de capim", "gado", nada muito especifico.
Mas a tradição judaica dá algumas explicações citando uma animal místico do norte de Israel mais precisamente um Búfalo voraz do Lago de Hulé; Outra explicação é que o Behemot é um simples Hipopótamo primitivo cuja a única diferença seria a calda inervada mais forte que as do animal moderno.
 
Outra teoria mais cristã do que judaica é que o Behemot era uma Braquiossauro, algo que eu não concordo.

 Espero não ter decepcionado muito.

Mas saiba que suas indagações me fazem ter estímulos para pesquisar novos temas e desenvolver um material mais elaborado, desde já agradeço o seu incentivo.

Elvis disse...
 
Você já ouviu a teoria de que existe um espaço de tempo indeterminado entre o versículo 1 e 2 do capítulo 1 de Genesis e que os dinossauros teriam existido nessa primeira terra e o tal asteróide que matou todos eles seria quando Lúcifer foi jogado na terra e provocara uma espécie de explosão nuclear e então foi recriada a terra já no versículo 2 somente com os fósseis, o que no meu entender causaria um problema que seria a morte entrando na terra antes do pecado de Adão e Eva, ou seriam os animais mortais desde a criação? O que você acha?

Metushelach Ben Levy disse... Elvis,
 
Já ouvi sim a Teoria do Intervalo de Thomas Chalmers, de que a Terra foi destruída pela queda de HaSatan e de que já existia homens nesta Terra mas que sem livre arbítrio ou sem a imagem e semelhança de D-us, mas esta teoria vem inspirada por discussões Rabínicas sobre o tema, mas nunca muito conclusivas por sempre se deparar com impasses; Minhas especulações passam perto destas discussões mas como eu disse falta os subsídios necessários para não travarem nos impasses.
Quanto serem os animais mortais desde a criação, imagino que sim, sendo um ciclo natural de todo aquele que não foi feito à imagem e semelhança de D-us Eterno.
Até o homem mesmo antes do pecado não seria 100% imortal, pois qual seria a função da Árvore da Vida se o homem fosse 100% imortal? uma pergunta intrigante não é?

Elvis disse... Caro Metushelach Ben Levy,

Essa sua pergunta sobre a arvore da vida é mais que intrigante, pois se o homem era imortal, pra que uma arvore da vida? Realmente é um grande quebra-cabeça essa questão.

Quanto a questão dos dinossauros estou a ler algumas matérias e consegui essa informações interessantes para podermos analisar:

- O Leviatã. A Bíblia fala que Deus criou "os grandes animais marinhos" (Gen. 1:21). e Deus descreveu uma dessas criaturas a Jó, chamando-a de Leviatã (Jo 41:1). Algumas pessoas pensam que Deus estava a descrever o crocodilo, mas a descrição não é coincidente. A Bíblia afirma: «Põe a tua mão sobre ele, lembra-te da peleja, e nunca mais o intentarás» (v.8). As pessoas não o podiam apanhar com anzóis - ele era tão forte que nem espadas ou lanças o feriam (v. 1 e 2). Não sabemos qual a fisionomia deste ser, mas Deus afirma que "na terra não tem igual, pois foi feito para não ter medo" (v.43).
O Leviatã cuspia fogo ! É isso que se lê em Jó 41:19. Alguns dizem que é meramente simbólico. Mas o versículo refere: "Da sua boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela". Em primeiro lugar, este versículo dá-nos a prova de como este ser não era o crocodilo. Contudo, esta descrição não é simbólica.
Podemos dizer que da boca deste "dinossauro" saía  de fato fogo. Eis a prova: Deus preservou até aos dias de hoje uns pequenos seres chamados besouros bombardeiros, com pouco mais de 1 cm, que nos mostram como era possível lançar "fogo". Estes besouros têm um pequeno canhão nas suas caudas, cada qual com um gás venenoso. Quando sentem perigo misturam estes dois gases, formando uma bola de gás quente e nocivo que ataca os seus inimigos. Se isto sucede hoje, porque não com animais maiores ?

- O BEEMOTE. Também Jó 40:15-24 fala do Beemote, que era um ser herbívoro (v.15). Ele movia a sua cauda, com ossos fortes (v.17) e era impossível de capturar (v.24). Embora algumas versões da Bíblia o apresentem como o hipopótamo, a descrição não é conducente com esse animal, mas com um dinossauro. Leia passagem completa.

OUTRAS REFERÊNCIAS. Mas existem outras passagens que se referem a "dragões" de vários tamanhos, como * Isaías 34:13. * Miqueias 1:8. * Malaquias 1:3. Nestas passagens, a palavra original no hebraico é tanniym, isto é, «monstro». Os dinossauros foram criados por Deus, multiplicaram, encheram a terra e conviveram com o Homem, cumprindo assim a ordem de Deus (Gén.1:22).

Metushelach Ben Levy disse... Elvis,
 
Já ouvi muito a respeito destas comparações dos Taniym כַּתַּנִּ֔ים serem dinossauros, mas o termo em hebraico é sempre traduzido como chacais é o mais aceito contextualmente, poderia ser bestas feras também, mas o que tem que se levar em consideração é que os animais de grade porte contemporâneos do ser humano nos tempos bíblicos são espécies de mamutes, grandes bovinos, grandes peixes, que através de ossadas são comprovado o tempo, o local que respaldam os textos citados, cientificamente não temos provas da contemporaneidade dos dinossauros ao seres humanos e não é nem por falha dos métodos de carbono 14 ou radiação, mas sim por fatores de analise mineral, topográfica e várias outras variáveis.
 
E só pra descontrair, na arca de Noach (Noé) não serviria nem mesmo os Ovos de todas as espécies de dinossauros já catalogados, e Iyov (Jó) não poderia ser um semita, pois so temos registros que um semita habitou e depositou seus ossos em lugares onde foram achados os braquiossauros (pseudo Behemots) muito tempo depois de David.
Sendo pela ciência ou pela contextualização Bíblica fica difícil homens e dinos terem convivido juntos harmoniosamente.

 Continuemos nosso papo, está bom!!

Elvis disse... Caro Metushelach Ben Levy ,

Sua lógica é interessante, porém admitir a teoria do espaço de tempo de Genesis, seria o mesmo que admitir que em Gn 1:27 se tratava de outra mulher anterior a Eva, pois em ambos os casos dá a entender uma pré-criação da terra e da "mulher"...

Mas estou tentando juntar mais situações hipotéticas sobre os dinossauros...

Segue mais uma matéria sobre essse conturbado assunto para análise:
Os Dinossauros entraram na Arca?
A Palavra de Deus diz-nos que entrou na Arca um par dos animais imundos e sete dos não-imundos. Lemos ainda em Gn. 7:7-9, que entrou na arca "de todos o réptil sobre a terra" . Logo, os dinossauros também entraram! É claro não entraram dois Braquiossauros, de 80 toneladas cada.
A Arca era muito grande. Como já referido, as dimensões da arca eram gigantescas.
Calcula-se que nela caberiam 520 vagões de um comboio. Nela teriam entrado cerca de 40.000 animais. E, logicamente, girafas, elefantes, e outros grandes animais.
Os Dinossauros cresciam sempre. Eis a outra face da questão. Os homens crescem até
aos 20/30 anos. Então, pára o crescimento. Mas os dinossauros cresciam sempre! Ora,
Deus trouxe para a Arca somente os pares que pudessem "povoar a terra e nela se
multiplicarem" (Gén. 8:17). Deste modo, os enormes dinossauros não entraram na Arca - eles seriam "avós" e não se podiam reproduzir. Mas, em contrapartida, entraram os jovens dinossauros - mais pequenos, é verdade, mas dinossauros.
Os Dinossauros Saíram da Arca. Tal como entraram, também saíram da Arca. É claro que o mundo que encontraram era diferente do que estavam habituados a viver antes do dilúvio. Mas, mesmo assim, viveram e multiplicaram-se durante alguns anos.
Por isso, os dinossauros podem ter convivido com o Homem. Independentemente de todas as argumentações sobre o assunto, a ciência afirma que:
Existe um fóssil que é a reprodução de pegadas humanas numa rocha cambriana, um trilobite amassado, pode ser observado numa das pegadas. De acordo com as ideias evolucionistas, o homem não evoluiu até centenas de anos após a formação das rochas cambrianas e a extinção de trilobites, as quais, segundo os mesmos são do tempo dos dinossauros. (Prof. H.Andrews, Museu de W.J.Meister, Jr.) De acordo com essa tese comprovando cientificamente, que os homens conviveram com os dinossauros. E atestaria em Bíblia em (Jó 40 e 41).

Metushelach Ben Levy disse... Elvis,
 
Sobre a Mulher de Gn 1.27, ao contrário que apregoa o misticismo judaico e os devaneios cristãos que diz ser esta mulher a famosa Lilith, eu afirmo que era Chavá (Eva), não já feita da costela de Adam (figurativamente), mas era Chavá na concepção mental de D-us, que planejou o homem a sua imagem e semelhança já completo, isso é macho e fêmea, veja que a uma só carne ocorrida pelo casamento revela este mistério, o homem e a mulher em uma só carne refletem a imagem e semelhança de D-us, assim como o Mashiach e a sua noiva a Igreja, que em um só corpo refletem a glória de D-us.
Sobre os dinossauros terem vivido paralelamente com o homem, isso é cientificamente descartado, mesmo por que as pegadas cambrianas são desconsideradas como prova pela comunidade científica, por serem pequenos os vestígios sem um laudo conclusivo para tamanha alegação.
Fora que para Iyov(Jó) ter visto braquiossauros como alegam os interpretes de Jo 40 e 41, ele teria que ter feito o que Colombo demorou, ter ido e voltado do Continente Norte Americano.
 
Como eu já disse eu não descarto a Teoria do Intervalo, mas com outros enfoques, mais científicos e com respaldo bíblico não muito explícito.

Elvis disse...

Quanto a questão de Gn 1:27, você colocou agora uma situação bem lógica e concordante com o contexto em si, e inclusive estou considerando essa tese como sendo realmente a intenção do Senhor pois Ele sempre foi onisciente.

Já sobre os dinossauros, sua colocação sobre Colombo teríamos uma outra situação interessante que é a "pangéia" logicamente não na época científica mas sim pós-diluviana...

O que você quer dizer quando mencionou "com outros enfoques, mais científicos e com respaldo bíblico não muito explícito" exatamente em que linha de raciocínio você entraria, pois apesar de considerar meio estranho essa teoria do intervalo, se houver provas híbridas (Biblico-científicas) posso tentar clarear melhor essa visão?

Metushelach Ben Levy disse...Elvis,
Como eu já havia dito, minhas especulações passam perto da discussões sobre a teoria do Intervalo mas me faltam os subsídios necessários para não travarem nos impasses.
Mas como eu vi que você ficou muito curioso, vou apenas dar alguns relances de minha especulações, que se baseiam em discussões Rabínicas e outros devaneios filosóficos cristãos.
Para mim houve uma criação antes do verso 2 de Gênesis, onde tudo era governado por Samael, mas conhecido pelos cristãos por querubim ungido ou portador da Luz, Lúcifer, ele oficializava entre o mundo semi-material e o espiritual diante de D-us a partir do Monte do Senhor, que conforme os nossos sábios seria o Monte Moriáh em Yerushalaiym que nada mais era que o centro do Universo, ( Por isso a insistência até hoje de Samael manter uma Mesq.... ops Templo para ele lá).
Mas Samael se ensoberbeceu com a Glória direcionada por intermédio dele, e isso o fez se rebelar, e neste momento que a nossa tradição diz que ele recebeu o nome de B’lial (Belial) o “Sem Senhor”, e levou os homens daquela época à adorá-lo, estes homens sem alma, ou feitos não conforme a imagem e semelhança de D-us, poderiam ser os donos dos fósseis que chamam hoje de Neanderthais e Cro-Magnon, e é deles que hipoteticamente Kaym poderia ter falado em Gênesis 4.14, pois logicamente naquele momento da historia só existiam três pessoas existentes após a recriação, Kaym e seus pais, que obviamente não matariam o filho, assim hipoteticamente sobraram estes adoradores de Belial após a rebelião no céu onde os anjos foram lançados na Terra e a deixaram disforme e vazia, mas como sobraram? Como eles eram semi-materiais como eu disse e hipoteticamente gigantes avantajados, eles sobreviveram ao impacto morando nas profundezas (Figura do Território de Tzion em Matrix), e desta tradição que vem a idéia que os moradores das profundezas eram demônios e que o inferno ficava no subterrâneo e não nas regiões celestiais como afirma Shaul (Paulo) em Efésios 6.12.
O Governo de Samael era sobre um mundo semi-material atemporal, no que se trata a comparação da realidade enfrentada hoje marcada pelo tempo, assim como Apocalipse relata a forma da Nova Yerushalaiym, (a Kanaan Celestial), o mundo pré Gênesis verso 2 era coberto de jóias e todo o tipo de material precioso, e com o impacto se reduziu ao que geologicamente se denomina de jazidas disformes superficiais, pois as pedra preciosas até hoje são encontradas não muito distantes da superfície terrestre.
E você me perguntaria, e os dinossauros? De duas uma, ou eles foram sucumbidos por Samael antes mesmo de sua rebelião, ou não existiram vivos, mas só em forma de fósseis, pois como diz um Rabino conhecido Shlomo: “Nada além de fósseis, incluindo a noção de que já pertenceram a seres vivos chamados dinossauros, e em que época essas criaturas habitaram a terra, é uma teoria. Mas, por natureza, uma teoria não poderiam realmente representar uma contradição: é apenas uma teoria.”
Judaísmo na verdade, sempre defendeu que o mundo parece mais velho do que realmente é. Por exemplo, ver dissertação Talmud Rosh Hashaná 11a - Árvores foram criadas já a dar frutos, e o mundo foi criado na forma completa.Veja Midrash Rabba 14:07 Breishis - o momento que Adam nasceu ele parecia ter 20 anos de idade.

Elvis,
Estas especulações usam como base alguns fatos da matéria de geologia, antropologia, paleontologia, desvaniologia, e textos bíblicos como o de Ezequiel 28, Isaias 14, Lucas 10.18 e várias contextualizações gerais das Escrituras do ponto de vista mais cristão do que judaico.
Pois para a ala conservadora do judaísmo os texto que falam da queda do Rei de Tiro, não são de dupla aplicação sendo assim não fazem referência a Samael.
Para eles HaSatan não se rebelou e caiu, ele foi criado por D-us do jeito que é, para o propósito especifico que ele tem, ser o inimigo, tentador, o desvendador do outro caminho para que o homem tenha escolha e possa escolher.
Para eles o Universo foi criado à 5771 anos e tudo que nele há tem esta idade, mas D-us pode ter dado a aparência envelhecida para que o homem demorasse para chegar no nível intelectual tão elevado que os fizessem se considerar deuses.
Elvis,
Outra questão que você tinha tocado e eu lembrei agora, como poderia haver morte antes da queda de Adam?, ora o pecado de rebelião de Samael poderia ter desencadeado a morte e a destruição a ponto de ter que haver uma recriação, e por terem sobrado os moradores das profundezas, os tais gigantes que causaram grendes problemas é que precisou haver o dilúvio para acabar com a má influência causada por estes adoradores de Belial

Espero ter matado um pouco de sua curiosidade.

Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

37 comentários:

  1. Caro Metushelach Ben Levy "מתושלח",

    Esta matéria foi adaptada por mim e "não reflete meu ponto de vista" sobre o assunto porém, por ser uma refutação da Teoria do Itervalo achei interessante.

    Vou postar abaixo uma matéria de algumas fontes onde fiz algumas adaptações (pois nos originais se usam uma forma muito agressiva, daí tentei amenizar um pouco) para que vc com seu conhecimento das tradições e linguisticas judaicas possa nos ajudar a entendermos se tem alguma lógica ou não, lembrando que "essa nao é minha posição oficial" pois tenho uma linha de raciocínio bem próxima da sua no que se refere a esse assunto, porém é um posicionamento que convém analizarmos:

    TEORIA DO INTERVALO

    SERIA TEOLOGIA EVOLUCIONISTA TRAVESTIDA DE CRIACIONISMO

    "...escolhei hoje a quem sirvais..." (Josué 24:15)

    O relato da criação no livro do Gênesis é simples e cristalino! Os apóstatas, rebeldes e erudiólatras (cultuadores dos eruditos, não importando a crença) não se conformam com a pureza da Palavra de Deus. Eles a queimam, corrompem, subtraem e adicionam. A longa guerra contra Deus, iniciada por Satanás no jardim do Éden, continua. Em nossos dias, uma das mais eficazes armas de Satanás para afastar o homem de Deus tem sido, sem sombra de dúvida, o evolucionismo. Ele, entretanto, não encontra a menor brecha nas Santas Escrituras. Satanás, sabendo disso, teve uma brilhante idéia: Soprou no ouvido dos seus fantoches-teólogos, uma doutrina entre um versículo e outro!!!

    A teoria do intervalo (Gap Theory), apesar de existir de forma esporádica durante séculos (ver o livro de Arthur Custance, Without Form and Void, Box 291 , Brockville, Ontario, Canada) ganhou força através de duas figuras no mundo evangélico: Dr. Thomas Chalmers (1780-1847), fundador da Free Church of Scotland, e Scofield na sua Scofield Reference Bible publicada com notas de rodapé em 1917. Tal teoria, totalmente desnecessária, ANTI-BÍBLICA e inadequada, foi elaborada para tentar ACOMODAR a Bíblia ao evolucionismo, que crescia de modo avassalador no século 19.

    O que é a teoria do intervalo?

    1 Deus criou o mundo no verso 1:1
    2 Começa o intervalo de milhões de anos para dar tempo para a evolução ocorrer e a formação das camadas geológicas...
    3 Deus criou os anjos e Lúcifer.
    4 Deus usa a evolução para criar uma raça pré-adâmica e os dinossauros. A morte reina na terra durante milhões de anos...
    5 Lúcifer pecou e foi lançado na terra.
    6 Lúcifer estendeu sua rebelião à terra arrebanhando a raça pré-adâmica.
    7 A raça pré-adâmica é destruída com o julgamento divino no Dilúvio de Lúcifer.
    8 A terra se torna sem forma e vazia...(verso 1:2)
    9 A terra atual nada mais seria que uma recriação e a Bíblia seria apenas um registro de menos de 0,0001% da História.

    Continua abaixo...

    ResponderExcluir
  2. A teoria da evolução (e a teoria do intervalo) usa um princípio da geologia chamado uniformitarismo. Charles Darwin (1809-1882) foi tremendamente influenciado pelo geólogo Charles Lyell (1797-1875), que é citado inúmeras vezes no Livro "Origem das Espécies". Darwin tinha como livro de cabeceira "Princípios de Geologia" de Lyell. Nesse livro, Lyell declara que o presente é a chave para o passado. Em outras palavras, esqueça a Bíblia! Observe o presente (camadas geológicas)e tente adivinhar o passado, pois tudo no passado ocorreu como sempre temos observado: tudo muito lentamente, uniforme, sem catástrofes. Darwin, então, aplicou essa mesma falsidade para o reino animal e os teólogos evolucionistas, para o reino da Bíblia!

    Pela própria definição do uniformitarismo, não se admitem catástrofes globais ou signicativas, sob pena de se inviabilizar todo o sistema de classificação das camadas geológicas que depende das lentas deposições. Todavia, a teoria do intervalo não respeita isso, estabelecendo o dilúvio de Lúcifer (eles não podem fugir disso, para explicar que a terra estava coberta de água - Gên 1:2-8). Note, agora, que as evidências da explicação dos vastos milhões de anos das longas eras estabelecidas pelas camadas geológicas (milhões de anos de lentas deposições), estão completamente destruídas pelo "dilúvio de Lúcifer". Ou seja, o dilúvio de Lúcifer (que eles inventaram) destroi os traços dos milhões de anos, que é o motivo de se ter elaborado a teoria do intervalo...

    A teoria do intervalo quer dar 2 explicações contraditórias para o mesmo fato. Existem as camadas sedimentares na crosta terrestre. Isto é um fato. Nessas camadas existem fósseis. Isso é um fato. A fossilização ocorre através de um rápido sepultamento do ser vivo (catástrofe). A resposta, então, para a existência de fósseis é a existência de uma catástrofe e não a combinação dela com longas eras que é a essência da teoria...Além do mais, existem "fósseis vivos" que são idênticos, geneticamente, a criaturas ainda encontradas no nosso mundo. Como explicar isso se no tal dilúvio de Lúcifer não houve sobreviventes?

    Continua abaixo...

    ResponderExcluir
  3. Contradição da teoria do intervalo com a Bíblia.

    1 Pelo silêncio da Bíblia

    Certo pastor, citando seu professor num determinado seminário, afirmou que o bom teólogo é aquele que trabalha nas entrelinhas! Ao escutar tal afirmação, rechacei-a de imediato respondendo que isso é totalmente errado e herético! O bom teólogo não inventa nada. Ele está intimado a pregar uma mensagem que não é a sua. O bom teólogo não tem o direito de inventar nada. Não tem o direito de colocar na boca do Senhor o que Ele não disse. Tal ação é uma abominação ao Senhor, incorrendo o imprudente agente no mesmo pecado de Satanás e das Sociedades Bíblicas apóstatas que com suas versões modernas da Bíblia torcem a Palavra de Deus para sua própria perdição. Veja as ameaças gravíssimas do Senhor para os rebeldes desastrados: Jer. 14:14-15, 23:21, 23:25, 23:31, 27:15, 29:9; Gál. 1:8-9; 1Tim. 4:1-7, 6:3-5; 2Tim. 4:1-4; 2Pe. 3:16 e Apoc. 22:18-19. O Senhor é Zeloso por Sua Palavra! Será que 99,999% da história do mundo está nas entrelinhas entre Gên. 1:1 e 1:2, numa fantasia que não se acha o menor traço na Bíblia, a não ser na cabeça de apóstatas que idolatravam outros apóstatas? Não!

    2 Pelo Testemunho da Bíblia

    - Gên. 1:31 "E viu Deus tudo quanto tinha feito e eis que era muito bom." Pergunto: Teria sido "muito bom" as desgraças relatadas no item 3 desse artigo (lógico que fazia parte do "tudo")? Óbvio que não! O teólogo do intervalo estaria acusando o Senhor de chamar a morte e o pecado de "muito bom".

    - Teria a morte entrado no mundo antes do pecado de Adão? Veja que isso é uma heresia! Veja as contundentes declarações de Paulo: Rom 5:12,14; 1Cor. 15:22; 15:45.

    - Teria Jesus omitido esse importante dilúvio (o de Lúcifer), já que o único a que se refere é o de Noé? (Mat. 24:37; Luc. 17:27)

    - Seria o CONTUNDENTE dilúvio GLOBAL E UNIVERSAL de Noé (ocorrido em 2.500 AC), relatado de modo claro e direto por Moisés durante 3 extensos e detalhados capítulos do Gênesis (cap 6 a 9), um evento insignificante sob o ponto de vista geológico e hidrodinâmico?! NÃO ! O único dilúvio que a Bíblia se refere, é o de NOÉ. Ele arrasou a crosta terrestre. Os fósseis atuais são produto desse dilúvio ocorrido a apenas 4.500 anos atrás (2 Pe. 2:5 e 3:6).

    - Existe a palavra "caos" na Bíblia? Na Bíblia verdadeira não! Nas Bíblias corrompidas existe! Cabe ressaltar que esta palavra é proveniente da mitologia herética grega! No hebraico, esse conceito é totalmente inexistente! Na Septuaginta (tradução do Velho Testamento do Hebraico para o Grego feita supostamente no ano 250 AC - mais provavelmente no 2º ou 3º séc. AD ) esta palavra não passa nem de longe. No Novo Testamento está completamente ausente. Vou dizer onde você acha essa palavra: Nas seguintes Bíblias alteradas: Revista e Atualizada e na Revisada da Imprensa Bíblica Brasileira. O caos não existe! Recomenda-se a Corrigida e Fiel ou a King James Bible, ambas baseadas no irretocável Textus Receptus (Grego) e Massorético (Hebraico).

    Em Êxodo 20:11 dá o GOLPE na teoria do intervalo! Declara o próprio Senhor na Escritura feita por seu próprio dedo (ver Ex. 31:18)! "Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo quanto neles há, e ao sétimo descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do Sábado, e o santificou." Gênesis 1:1, meu irmão, estava no primeiro dia de 24 horas da criação feita pelo amoroso Deus, de modo perfeito, súbito, sobrenatural, sem a evolução e sem a contaminação do pecado!

    Continua abaixo...

    ResponderExcluir
  4. Foi Thomas Chalmers que propôs a teoria do intervalo - a idéia de que entre Gênesis 1.1 e Gênesis 1.2 há um longo período de tempo. Teria a terra se tornado um caos depois da criação original? Foram os dinossauros e outras criaturas mortas e fossilizadas neste período? Será que Adão e Eva realmente estavam andando em nada mais nada menos que o cemitério de criaturas colossais? Teria Satanás já se tornado o deus deste mundo muito antes de Adão e Eva terem sido dado o domínio? Estas perguntas clamam por respostas bíblicas. Será que um mero compromisso com a explicação uniformitariana (como Thomas Chalmers propôs) não estaria minando a autoridade bíblica?

    A teoria do intervalo tradicionalmente defende que num passado remoto Deus criou um céu perfeito e uma terra perfeita. Satanás era o governante desta terra. Alguns acreditam que esta terra era habitada por uma raça de homens sem almas. Eventualmente Satanás habitava num Jardim do Éden, composto por minerais (Ez. 28). Satanás então rebelou-se contra Deus (Is 14) e por causa da sua queda, o pecado entrou no mundo, trazendo o julgamento de Deus na forma de dilúvio (indicado pelas águas de Gênesis 1.2). Então todos os fósseis de plantas e animais que nós temos hoje datam desta época.

    Parece que Chalmers no seu entusiasmo de harmonizar a Bíblia entregou para o inimigo aquele componente básico que a ciência evolucionária mais precisava: tempo, e vasta quantidade de tempo! Tendo por base aquela indispensável regra da hermenêutica bíblica de que a Bíblia interpreta a si mesma e de que nenhum texto deve ser interpretado independente de seu contexto, percebemos que a teoria do intervalo é mais uma harmonização externa do que uma exegética interna. Em Exodo 20:11 Moisés afirma que em seis dias Deus criou o universo e tudo o que nele há. Isto estabelece um limite cronológico a respeito da interpretação do primeiro capítulo de Gênesis que vaporiza não somente a teoria do intervalo mas qualquer outra teoria que não postule a formação de todo o universo na estrutura dos seis dias da criação. Os proponentes da teoria do intervalo afirmam que há uma distinção entre a palavra criar (bara) em Gênesis 1.1 e fazer (asah) em Exodo 20.11. Para eles bara e asah referem a dois tipos de criação separadas pelo tempo. Bara seria a criação original e asah a recriação depois da queda do diabo. Mas um cuidadoso estudo revela que o significado de asah é igual ao significado de criar.

    Continua abaixo...

    ResponderExcluir
  5. De especial interesse é Neemias 9.6 onde a palavra asah é usada afirmando que Deus fez o céu e todo seu exército (anjos). Para aqueles que interpretam asah como uma recriação após a queda de Satanás, temos aqui uma contradição lógica, pois os anjos estão incluídos nesta segunda criação! Como então Satanás teria caído se os anjos nem tinham sido criados ainda? A hermenêutica bíblica tem que ser consistente e não subjetiva.

    Outra passagem de interesse é Provérbios 8:26: “Ainda Ele não tinha feito (asah) a terra...nem sequer o princípio do pó do mundo.” O contexto está nos versículos 22 e 23: “O Senhor me possuía no início de sua obra, antes de suas obras mais antigas, desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes do começo da terra.” Se asah é entendido por recriação, então Deus não possuía a sabedoria quando ele criou o mundo original, e foi possuir só depois da queda de Satanás! Como vemos, ambas as palavras são usadas como sinônimos (ver também o uso de bara em Gn 1.21 e asah em Gn 1.25 onde se refere a criação dos animais aquáticos e terrestres; e Gn 1.26, 27 onde asah e bara são usados para designar a criação do homem). Também era uma característica do hebraíco, particularmente na poesia, o fato de se usar dois verbos diferentes para se referir a mesma ação (paralelismo sinonímico - ver Is 41.20 onde asah e bara são usadas trocavelmente).

    Proponentes da teoria do intervalo tem argumentado que a gramática de Gênesis 1.2 é favorável a interpretação do longo intervalo de tempo. No entanto, nós temos uma cláusula nominal em Gênesis 1.2 (“a terra estava sem forma e vazia...” representa algo fixo, um estado) e não uma cláusula verbal - a qual representa algo em progresso. Por exemplo: “O Senhor é nosso rei” em Is 33.22 é uma cláusula nominal e “Deus disse” em Gn 1.3 é uma cláusula verbal).

    Desta forma Gênesis 1.2 é uma cláusula nominal, a qual é circunstâncial (subordinada e explanatória) à Gn 1.1. Assim em 1.2 nós temos uma descrição da terra como ela foi originalmente criada e não como ela tornou-se em um tempo subsequente à criação. Uma tradução equivalente destes trechos seria: “No princípio Deus criou o céu e a terra, agora, a respeito da terra, ela estava sem forma e vazia.”

    Continua abaixo...

    ResponderExcluir
  6. Um outro ponto gramatical a ser discutido é o waw [Conjunção "e" (hebraico WAW): Sua função gramatical é - Juntar, unir]que é usado como conjunção entre o primeiro e o segundo versículo. Existe o waw consecutivo e o waw copulativo.
    O waw consecutivo expressa sequência de tempo. Este é o tipo de waw usado em Gn 1.3 “E Deus disse.”

    O waw copulativo é também conhecido como waw disjuntivo (porque ele quebra a sequência da narrativa) ou waw conjuntivo (porque ele adiciona detalhes circunstânciais). O uso do waw disjuntivo é o mais apropriado para descrever Gn 1.2, porque o waw não está continuando uma sequência (waw consecutivo) e não está adicionando detalhes explanatórios para a narrativa (waw conjuntivo). Segundo F. F. Bruce, para permitir um intervalo de tempo o texto teria que ter um waw consecutivo ao invés do waw copulativo.[2]

    A gramática destes dois versos nos forçam a dizer que a terra foi criada sem forma e vazia. Dizer que ela foi criada e depois tornou-se sem forma e vazia é gramaticamente impossível. Desta maneira Gênesis 1:2 não é um desenvolvimento sequencial e cronológico de Gênesis 1.1.

    Um outro argumento dos proponentes da teoria do intervalo é de que a palavra estava (Gn1.2) – hayeta - deve ser traduzida como tornou-se. É imperativo notar que a palavra hayeta é copulativa, ou seja, ela serve como cópula ou conexão entre “a terra” e “sem forma e vazia.” Adicionando a isto, os tradutores da Septuaginta traduziram hayeta pela palavra grega eimi (ser) e não ginomai (tornar-se). Não havia nenhum agente externo (teoria do uniformitarianismo) que fizesse com que os tradutores antigos compromissassem o sentido original do texto! Sem dizer que nenhuma versão Bíblica de respeito traz a palavra tornou-se, mesmo que seus tradutores não acreditem na literacidade e historicidade de Gênesis 1-11. Inserir uma preposição nas Escrituras que elas não afirmam, simplesmente por causa de uma visão pessoal do mundo é um grave erro de exegética. Embora tornar-se pode também ser um dos significados de hayeta em situações bastante restritas, o fato de Gn 1.2 ser uma cláusula circunstâncial de Gn 1.1 torna impossível traduzir hayeta por qualquer outra palavra a não ser estava.

    Outra consideração a ser feita são as palavras tohu e bohu, traduzidas normalmente como sem forma e vazia. Proponentes da teoria do intervalo argumentam que bohu deve ser traduzido por “destruído” e não como algo que está para ser construído. A palavra é usada apenas 3 vezes no AT, e em cada uma delas num contexto diferente e com um significado diferente (Is 34.11 e Jr 4.23 - esta última referindo-se ao juízo de Deus no futuro). Apenas em Is 34.11 onde o contexto está relacionado com a destruição dos muros que bohu é usado como algo destruído, mas nenhum léxico defende esta mesma interpretação para Gn 1.2. Se os teoristas do intervalo reivindicam uma interpretação especial em Gn 1.2 de bohu simplesmente por uma mera preferência subjetiva, então porque não interpretar os demais versículos (Is. 34.11 e Jr. 4.23) com o mesmo sentido de Gn 1.2? Mas é claro, isto seria apenas uma opinião subjetiva e não teria nenhum lugar no estudo objetivo da gramática Vetero-Testamentária.

    Tohu significa ‘sem forma.’ Os teoristas do intervalo entendem tohu como algo que foi reduzido ao caos. Mas não há nenhuma relação ao conceito de redução dentro da palavra. Nota-se que nas outras duas únicas vezes em que tohu e bohu são usadas juntas, se refere a eventos proféticos futuros e não eventos históricos passados. A terra então, longe de estar num estado de caos, estava num período particular de criação. Ela tinha um núcleo, manto e crosta composto de metais e rochas. Ela estava coberta pelos oceanos e envolto em uma perfeita atmosfera, mas ainda não estava completa de acordo com o propósito de Deus. Por isso que no segundo e terceiro dia da criação nós vemos Deus mais organizando a Terra do que criando. Deus não criou a terra para ser um caos, mas sim para ser habitada (Is 45.18).

    Continua abaixo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, no princípio Deus criou os "céus" e a terra (Gen 1:1), mas estes "céus" são a dimensão infinta do espaço cósmico, e a terra, o nosso planeta onde vivemos. Deus, então, criou, no princípio, a terra deficiente, "sem forma e vazia", havendo somente águas, abismo e trevas sobre o planeta, onde o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas?
      Então, a expansão entre as águas que estavam sobre a terra, quando foram separadas, ficando água sobre a terra e águas sobre a expansão, que foi denominada por Deus de "céus", no 2º dia da criação (Gn 1:6-8) não é os "CÉUS" do v.1?

      Excluir
  7. Muitos, rejeitando a teoria de que o Dilúvio de Noé é o suficiente para responder os depósitos de fósseis, carvão e petróleo, os colocaram no intervalo de Gn 1.1 e 1.2. Mas se isto for verdade, se existia morte no mundo animal antes de Adão, como é que nós iremos explicar Rm 5.12 o qual diz que por um homem só o pecado entrou no mundo e pelo pecado a morte? Paulo ainda afirma que toda a criação ficou sujeita a corrupção por causa de Adão (Rm 8.20). Ou seja, a maldição só entrou no mundo natural por causa do homem (Gn 3.17,18). O quanto as plantas e os animais mudaram por causa da queda nós não sabemos, mas não podemos negar que ela caiu do estado de perfeição após a queda. E isto não se restringe só ao planeta terra, mas a todo o universo. Poderia então, a morte prevalecer num mundo perfeito sem pecado? Não indica a Bíblia que a criação geme e suporta angústias (Rm 8.22) por causa da maldição Edênica que veio após a queda? Realmente me parece incrível acreditar que Satanás e seus anjos tenham caído, que a terra tenha sido arruinada por um dilúvio pré-adâmico, que uma raça pré-adâmica inteira tenha perecido, que um mundo completo de animais e plantas tenham se tornado extintos e que Adão e Eva estavam caminhando em cima deste cemitério cósmico e que Deus tenha dito no final da criação: Muito Bom! (Gn 1.31).

    Quando então teria Satanás caído? Muitas denominações incorporam em suas teologias oficiais o fato de que Satanás caiu antes da criação do mundo. Existe nesta pressuposição um implícito compromisso com o uniformitarianismo. Que Lúcifer caiu é inegável (Is 14). Agora assumir que ele andava num Eden pré-adâmico (Ez 28) é inconcebível. Como já foi refutado a idéia de uma ruína-restauração da terra, segue-se que o Éden, Jardim de Deus de Ez 28 era o Éden de Gênesis 1, pois assim não só Ezequiel, mas também todos os profetas antes de Cristo, todos os apóstolos, todos os Pais da Igreja e basicamente toda a Igreja nos primeiros 18 séculos entendiam! Não há nenhuma razão segundo as Escrituras para colocar a Queda de Satanás antes da Criação, pois embora esta interpretação é popular hoje, ela nunca foi defendida durante a História da Igreja. Sem nenhuma pressuposição e não estabelecendo nenhuma ideologia a priori, antes fazendo uma análise a posteriori do texto de Gênesis junto com outros textos, a conclusão mais cabível é de que a Queda de Satanás se deu entre o término da Criação e aquele dia eventual onde a serpente cruzou o caminho de Eva.

    Em suma, concluímos que é inacreditável crer que Moisés ao escrever Gênesis acreditava no intervalo de tempo entre duas criações distintas. Se a ssim o fosse, porque Deus então não nos deu mais detalhes deste dilúvio cósmico que destruiu toda uma criação ao invés de se comunicar entre as entrelinhas, escondendo o fato somente para os mais inteligentes da espécie humana descobrir? Reafirmamos que Gênesis 1-11 foi escrito para ser compreendido como uma história literal e não simbólica ou figurativa. O gênero literário de Gênesis 1-11 indica a natureza intencionalmente literal da narrativa. Com efeito, todos os escritores do Novo Testamento se referem a Gênesis 1-11 como história literal.

    ResponderExcluir
  8. Caro Metushelach Ben Levy "מתושלח",

    Não coloquei as fontes dessa matéria acima, pois ela se repete em vários blogs sobre o assunto dificultanto saber quem originou o artigo e quem foi aumentando ou alterando de acordo com as próprias convições, mas que é uma tese muito interessante isso é! Porém requer uma analogia bem específica principalmente com subsídios judaicos para se saber até que ponto pode ou nao ter coerência teológica aplicavél.

    ResponderExcluir
  9. Elvis,

    Este texto é um legítimo texto cristão apologético, que como na maioria das vezes se fundamentam em bases fracas e muito agressivas contra um proposição contraria ao convencionalismo e como sempre se acham os donos das verdades.
    Como eu já disse eu acredito em algo parecido com o que é proposto pela Teoria do Intervalo, no que tange a existir uma criação antes de Gênesis 1.2, mas como disse também o que me falta são alguns subsídios científicos os quais eu somente conseguirei ao me debruçar no mundo da Geologia, e isso é complicado pois eu gostaria de falar com algum doutor nesta área que seja judeu religioso e isso está complicado, pois apenas lendo o conhecimento fica raso.
    Outro ponto é que estes apologista confundiram a Teoria do Intervalo, com a Teoria da Evolução Darwinista, sendo que a primeira foi proposta para tentar resolver as seguintes questões: Quantos anos tem a Terra? Pois a proposta judaica de que ela tem apenas 5771 anos não se encaixa confortavelmente nas proposições cientificas.
    Como se formaram as camadas sedimentares? Novamente o tempo judaico é um problema.
    O que são e de que são os fósseis encontrados? E o petróleos e o gás natural como e quanto tempo precisou para a formação? Em 5771 anos teríamos apenas piche.
    O Universo segundo proposições baseadas na emissão de radiação, que se expande no vazio do cosmo e segundo informações do telescópio Hubble foi encontrado o seu fim, pois a radiação ainda não se expandiu por lá, e fazendo algoritmos regressivos temos que o Universo tem algo em torno de 13,7 bilhões, mas para que a evolução acontecesse da maneira Darwiniana seria preciso 500 vezes maior que este.
    Agora vamos para as parte pontuais do texto, e as minha especulações sobre o tema.
    Fala-se do dilúvio de Lúcifer para explicar as águas de do verso 2 de Gênesis, mas ao meu ver não era necessário um dilúvio de grandes proporções para explicar a necessidade de organização das águas pelo próprio D-us, se um terço dos anjos caiu, diga-se muito tempo depois de Samael ter caído, estes vários corpos cadentes viriam, em 1ª hipótese a levantar uma grande nuvem de detritos que encobriria a atmosfera Terrestre, podendo causar efeito estufa sem tamanho, e fora a 2ª hipótese do impacto da queda fazendo o centro da Terra entrar em ebulição, a Terra com uma temperatura tão elevada ferveria a água do planeta todo com exceção do mundo subterrâneo(as trevas na profundeza do abismo) “para a minha teoria de sobreviventes dar certo”, e com algo parecido com a Teoria de Stanley Miller, que eu chamo de chove e molha até resfriar a Terra e a água se depositar sobre a massa feita pelos erupções e terremotos dá o cenário do verso 2 de Gênesis.
    Vou parar com a aula de ciência pois está tarde.

    Fala-se do “isso era bom” que D-us falava quando terminava o dia, falando que ele não diria isso não fosse bom, mas antes de Gênesis não tem referencias a isso então não tem como colocar tal suposição a teste. Puro devaneio apologético. Eu poderia dizer que então D-us se enganou quando disse que tudo era muito bom mas destruiu tudo isso pelo dilúvio de Noach (Noé). Não é mesmo?
    continua...

    ResponderExcluir
  10. Fala-se de como poderia ter fósseis vivos de animais pré Gênesis se todos morreram na queda dos anjos ou no suposto dilúvio de Lúcifer, uma hipótese seria não teve sobreviventes animais mas no 6° dia de Gênesis D-us recriou todos os animais pré Gênesis numa condição mais compatível com um homem feito a sua imagem e semelhança, com animais menores todos responsáveis pelo equilíbrio do ecossistema, isso poderia explicar a aparência de um lagartixa com Tiranossauro Rex.

    Fala-se do silêncio da Bíblia, mas a Bíblia também foi silenciosa até a manifesta do Mashiach quanto ao mistério da Igreja como o Corpo do Mashiach, quanto a pormenores da vida do Mashiach que só é aceita pela manifestação da Ruach HaKodesh.
    Fora que nossas especulação, são apenas para coordenar todo o conhecimento humano de forma a que tudo convirja para as declarações Bíblicas e nada tem haver com salvação, do jeito que estes apologistas falam parece que todos que pensarem diferente deles serão condenados naquele Dia. (Abuso de poder teológico).

    Quanto aos termos Bara, Asah, Tohu, Bohu, Waw e hayeta, tem os significados defendidos pelos apologistas, e isso é óbvio, pois pelo contrario todas as traduções, versões e edições da Bíblia não teriam crédito, e eles a teriam usado em vão.
    Mas nem por isso os significados propostos pelos defensores da Teoria do Intervalo são descabidos, pois são utilizadas as significância pertinentes e cabíveis na língua vernácula, quero dizer com isso que não estaria errado, trocar todas as significância das palavras abordadas como a temos cristalizadas hoje por seus sinônimos possíveis.
    Mesmo se não tivesse nenhuma referência bíblica que permitisse a aceitação destes outros significados, pois a língua hebraica existe até hoje e se um dicionários disser que o sinônimo de asha é recriar temos que aceitar a hipótese, mas pelo contrário existem a utilização dos mesmos termos com significância diferente em diversos outros textos bíblicos, sendo assim a melhor tradução das idéias de cada passagem será dada pelo contexto e pelo conhecimento cultural-histórico-econômico-filosófico daquele que se propõe a este trabalho.
    Vemos que os defensores da Teoria do Intervalo tem respaldo lingüístico para sustentar suas alegações.

    ResponderExcluir
  11. Caro amigo Metushelach...

    Existe alguma boa literatura de seu conhecimento para o estudo desse período pré-genesis? Na verdade já me questionaram muitas coisas sobre Genesis que não fazem sentido sem que algo tenha acontecido antes do que conseguimos interpretar nas Escrituras.

    Fico agradecido com qualquer indicação e parabéns pessoal pelas discussões, tenho acompanhado diariamente!

    Shalom

    Rubens

    ResponderExcluir
  12. RUBENS,

    Que Bom ve-lo por aqui, e obrigado como sempre pelas palavras.
    Tem alguns textos que falam sobre isso mas alguns são gnósticos como o "Sobre a Origem do mundo" que fala da criação e da distruição. faz parte do acervo da Biblioteca de Nag Hammadi.
    Tem o Apócrifo Judaico Sefer Hachoch ou Livro de Enoque, que consta como inspirado numa Bíblia Copta Judaica encontrada na Etiópia.
    Tambem tem uma produção satírica de proverbios aramaicos e hebraicos compilada na idade Média, considerada como originaria de escritos de Ben Sira o autor de Eclesiastico, chamado de Alfaberto de Ben Sira.
    Fora isso não recomendo outra coisa, por serem modernas e fruto de inferencias cientificas que dá mais uma caracteristica de ficcção cientifica do que inspiração divina de conhecimento.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  13. - Como raça pré-adâmica se a Bíblia fala que apenas o ser humano passou a existir com Adão e Eva? Cuidado com as conjecturas...
    - Por que não falar do Gênesis 6 onde se sabe que no original hebraico os filhos de Deus se referem a uma raça de extra-terrestres (seres não hunanos) os quais geraram com mulheres humanas filhos gigantes e com poderes extra-humanos, levando a Terra a uma guerra sem precedentes e a corrupção geral dos seres humanos fato este que motivou o Dilúvio?
    - Sabemos também que a Bíblia (Antigo e Novo Testamento) fala de principados e potestades (civilizações de outras dimensões espaço-tempo) que foram criadas por DEUS mas que 1/3 delas se rebelaram com Lúcifer e até hoje interagem com a humanidade decaída...
    acsa-multidimensional.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Acsa,
    Como vc disse são apenas conjecturas, e conjecturas baseadas em livros que apesar de não serem canonicos podem conter a verdade, não a verdade divina mas pelo menos a verdade histórica.
    Quanto a raça pré adamica pode muito bem serem os anjos caidos em forma carnal, seres estes que podem ter sobrevivido ao cataclisma entre Gênesis 1.1 e Gênesis 1.2, escondidos ou abrigados na face do abismo, que deram origem aos gigantes, responsáveis por ensinar o que não deviam aos homens gerando assim a ira divina em forma de águas purificadoras do dilúvio.

    ResponderExcluir
  15. Assim como existem fósseis de hominideos gigantes datados do periodo noético, tambem existem muitos fósseis de gigantes datados de centenas de milhares de anos, assim como explicar lógicamente isso? Por isso com base em textos tidos pelos sábios como históricos conjecturamos e conjecturamos.

    ResponderExcluir
  16. Senhores,

    Gênesis 1:1-2 declara: “(1) No princípio, criou Deus os céus e a terra. (2) A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas”. A Teoria do Intervalo é a teoria que acredita que Deus criou o planeta Terra completamente funcional, com todos os animais, incluindo os dinossauros e outras criaturas que conhecemos apenas por fósseis. Então, segue a teoria, aconteceu algo que destruiu a terra por completo – alguns especulam que foi a queda de Satanás à terra – e, por isso, a terra tornou-se sem forma e vazia. A esta altura, Deus começou tudo de novo, recriando a terra em sua forma de paraíso como descrito no primeiros capítulos de Gênesis.

    Há muitos problemas com essa teoria para podermos descrevê-los adequadamente neste artigo, no entanto, a primeira coisa que devemos nos perguntar é se algo importante tivesse acontecido entre os dois versículos, não teria Deus nos dito isso claramente? Ou será que Ele teria nos deixado a especular em ignorância sobre eventos tão importantes? Segundo, Gênesis 1:31 diz que Deus viu tudo que fizera e que tudo era “muito bom”. Ele com certeza não poderia ter dito isso se o mal já tivesse entrado no mundo através da queda de Satanás durante o “intervalo”. Dessa mesma forma, se a explicação para a existência de fósseis é com milhões de anos durante esse intervalo, isso significa que morte, doenças e sofrimento eram comuns bem antes da queda de Adão em pecado. No entanto, a Bíblia nos diz que foi o pecado de Adão que introduziu morte, doenças e sofrimento a todo tipo de vida, principalmente à humanidade: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5:12).

    Aqueles que defendem a Teoria do Intervalo o fazem para poder reconciliar as teorias de cientistas modernos que acreditam na teoria de que a terra é muito velha – a crença de que a terra é bilhões de anos mais velha do que a Bíblia afirma que ela seja quando adicionamos as genealogias do homem encontradas nas Escrituras. Até evangélicos bem intencioados adotaram a teoria de que a terra é velha, interpretando muito do capítulo de Gênesis alegoricamente, e ao mesmo tempo tentando manter uma interpretação literal do resto das Escrituras. O perigo com isso é em determinar em que ponto podemos parar de enxergar a Bíblia como alegorias e começamos a interpretá-la literalmente. Foi Adão uma pessoa real? Como sabemos? Se ele não era, então será que ele realmente trouxe pecado à humanidade, ou podemos transformar isso em uma alegoria também? E se Adão não realmente existiu para introduzir o pecado que todos nós herdamos, então não houve motivo pelo qual Jesus tinha que morrer na cruz, pois, primeiramente, isso negaria o motivo para a vinda de Cristo como 1 Coríntios 15:22 explica: “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo”. A esta altura, o Cristianismo se torna uma farsa e a Bíblia é apenas um livro legal cheio de histórias e fábulas. Será que não podemos enxergar onde esse tipo de “raciocínio” pode nos levar?

    Gênesis 1 simplesmente não pode ser reconciliado com a noção de que a criação ocorreu durante longos períodos de tempo, nem que esses períodos ocorreram entre Gênesis 1:1 e 1:2. O que aconteceu entre Gênesis 1:1 e 1:2? Absolutamente nada! Gênesis 1:1 nos diz que Deus criou os céus e a terra. Gênesis 1:2 nos informa que logo quando Deus criou a terra, ela era sem forma, vazia e escura; não estava pronta ainda e não era habitada por criaturas. O resto de Gênesis capítulo 1 nos diz como Deus refinou a terra sem forma, vazia e escura e a encheu com vida, beleza e bondade. A Bíblia é verdade, literal e perfeita (Salmos 19:7-9). A ciência nunca conseguiu refutar nem um jota ou um til da Bíblia, e nem conseguirá. A Bíblia é a verdade suprema, e, portanto, é o padrão pelo qual teoria científica deve ser avaliada, e não o contrário.

    Fiquem na Paz.

    ResponderExcluir
  17. Zergon,

    Calma, não se preocupe tanto, não estamos introduzindo uma nova doutrina ou Teologia, nós apenas estamos debatendo alguns temas polêmicos tendo como base a especulação conciliativa, com base em livros históricos antigos e de grande intrelaçamento com os acontecimentos Bíblicos.
    Este tipo de debate não deve ser encarado com disvirtuador da Obra Salvifica do Mashiach Yeshua, mas sim como uma maneira de conciliarmos o que temos em nossa realidade material com o que temos de relatos Bíblicos, e históricos, pois entendemos que quando a Biblia se cala quanto à algum assunto, não devemos apenas ignora-lo, temos que a partir de nossa mente abençoada nos dada pelo Criador, fazer com que tudo neste Planeta tenha um sentido que nos leva a enxergar a existência de D-us e qual é a sua vontade.

    Fique na Shalomd e Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  18. Caro Metushelach,

    Voltando aos dinossauros, seria o peixe que engoliu Jonas um dinossauro aquático? Pois já assisti um cientista falando que mais de 90% dos dinossauros eram aquáticos. Isso é intrigante, pois se assim for eles podem estar ainda hoje entre nós... Vc já leu sobre isso?

    Shalom

    ResponderExcluir
  19. Elvis,

    Quanto ao texto de Jonas 1:17 o termo que aperece para dentro do peixe é בִּמְעֵ֣י הַדָּ֔ג "bim'ei Haddag" e o termo haddag quer dizer Peixe mesmo não monstro, réptil ou nada que possa fazer referencia a um dinossauro, tanto que em Mateus 12:40 aparece o termo κήτους "kētous" que tem como significado predominante "baleia", e como temos relatos modernos de transpote de seres humanos vivos dentro da boca de baleias do tipo Cachalote, fiquemos com o significado mais simples.
    Fora que existem animais marinhos, assim como alguns insetos e baratas que eram comuns tanto naquela época como são hoje, assim dizer que uma baleia azul com tamanho quilometrico seria um dinossauro não é algo de relevância e respaldo científico.

    ResponderExcluir
  20. Caro Metushelach,

    Faz sentido, e só para tirar a dúvida qual o termo hebraico exato que foi usado em Genesis qd na criação de grandes peixes (Baleias) digo isso pois algumas Bíblias citam Baleias e outras Grandes peixes, mas qual seria o mais correto sendo que poderiam ter outros peixes ancestrais já extintos até maiores que as baleia e mais Baleia não é peixe e sim mamífero aquático.

    Shalom

    ResponderExcluir
  21. Elvis,

    No original não tem grande, mas somente peixes do mar sempre com o termo com raiz דְגַ֨ת "da'gah" que significa animal que se movimenta com a batida da calda, em um significado mais proximo etimologicamente da raiz da palavra, podendo ser qualquer animal marinho com calda seja mamífero cetáceo, foca, leão marinho ou peixe mesmo é uma generalização de uma língua primitiva que com o tempo evolui e cria termos mais próprios pra cada circunstancia.
    O mesmo ocorre com termo ave em Lev 11.13 que desígna o morcego, que no mesmo caso da baleia é um mamífero, mas o termo aqui tido apenas como ave, no original עוֹף "ofe" generaliza todos os animais alados inclusive os mamíferos alados.

    ResponderExcluir
  22. Existem algumas passagens inclusive no NT que atestam que os anjos "pecaram", e que os anjos (filhos de Deus) teriam tido relações sexuais com as mulheres (supostas filhas de Caim) em Gn 6:4.

    Daí eu te pergunto oque a luz do judaísmo linguistico e traliterado tem lógica nessas situações, como atestam alguns comentaristas bíblicos como o famoso Finnis J. Dake, será que anjos pecaram? Praticavam relações sexuais? E que Mulheres são essa afinal?

    Aguardarei assim que possível a sua verificação sobre o assunto e que bom que voltou.

    Grato.

    ResponderExcluir
  23. John B,

    Este assunto tem muita divergencia, mesmo dentro de cada vertente do judaismo, pois alguns acreditam que tais Filhos de D-us, seriam mesmo anjos caídos que tiveram relações com humanas e geraram seres híbridos.
    E outras que entendem que estes בני האלהים "Benei Haelohim" são filhos de poderosos que subjulgavam os outros, pois o termo Elohim não quer dizer D-us, mas sim "aquele que detem os poderes e autoridades de julgar", sendo assim notamos que no fim do verso 4 de Gn. 6, relata que os filhos deste relacionamento gerou os herois e homens de renome da antiguidade, dando relação contextual ao termo Elohim.
    Vemos então que os Benei Haelohim que subjulgavam os outros eram provavelmente os filhos de Caim, e as mulheres que foram subjulgadas eram as filhas dos simpleces portanto filhas de Sete.
    Por este ponto de vista, os Nefilim não teriam nada haver com esta união, mas seriam anteriores a tal, sendo originarios conforme a teoria do intervalo dos anjos caidos que sobreviveram a recriação, escondendo-se na face do abismo.

    Espero não ter complicado com minha divagações.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  24. Como você disse, é bem complicado para o meio protestante e para minha surpresa para o meio judaico tambem, mas retirando esta teoria do intervalo ou inviabilizando essa possibilidade, mesmo assim existe a chance de que Scotfield e Dake em suas referidas biblias comentadas estarem com a razao quanto a questao de anjos mesmo sendo espirituais e nao possuirem corpos carnais terem tido orgaos sexuais masculinos e terem gerados filhos hibridos, isso é aceitável entao como possibilidade, pelo menos assim que eu entendi.

    Shalom

    ResponderExcluir
  25. John B.

    Entenda que o que eu falei de os Benei Haelohim serem filhos dos poderosos da época, não tem nada haver com a teoria do intervalo, eu apenas liguei uma interpretação à outra falando da origem dos gigantes, pois o entendimento de que estes Benei Haelohim não sejam anjos mas sim filhos da descendência de Caim que subjulgam os filhos da descêndencia de Sete, sendo aqueles por seu poder e autoridade sobre os demais , receberem a designação de Benei Haelohim, ou seja, filhos dos que detem poder e autoridade de julgar os demais, nada havendo com anjos.
    Os relatos de pecado dos anjos tem haver com sua rebelião contra D-us ao seguirem Samael o anjo da morte em seus intentos de usurpar o lugar Santo de D-us para ser adorado.
    E sobre usar algum estudo de Scotfield, lhe recomendo ter muito cuidado e um ou dois pés atrás. pois do que conheço dos estudos dele, vejo muita adulteração e forçação de barra.

    Espero ter esclarecido a dúvida por mim causada.

    Shalom

    ResponderExcluir
  26. Esclareceu sim, e já pegando o gancho do assunto, seria o polemico Finnis Dake um seguidor de Scotfield? Qual sua opinião sobre ele e sua famosa Biblia comentada?

    Grato,

    ResponderExcluir
  27. John B.,

    Finnis Dake é um megalomaniaco, que se dizia detentor de toda a verdade escatológica das profecias biblicas, sendo assim não é digno de ser considerado um pesquisador sério, só deve ser lido para sabermos de como é o erro de alguem que nega Israel como relógio escatológico de D-us, não estou tendo pretensões patrióticas mas é somente lermos os profetas Zacarias, Ezequiel e Daniel e compararmos com as cartas de Paulo e os escritos de João que veremos que a escatologia passar intemitentemente por Israel, Romanos 11 é o texto mais claro sobre isso.
    Por isso eu digo que ler Finnis Dake esperando ter algum lampejo de realidade é muito difícil.

    Shalom

    ResponderExcluir
  28. tenho um trabalho sobre isso e ainda tem coisa que nao entendi

    ResponderExcluir
  29. Muito bom então eu digo. Oque ou creio nisso o fico com oque a Bíblia diz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Enio,

      Primeiramente quem pediu pra você crer nisso ou naquilo?

      Calma, não se preocupe tanto, não estamos introduzindo uma nova doutrina ou Teologia, nós apenas estamos debatendo alguns temas polêmicos tendo como base a especulação conciliativa, com base em livros históricos antigos e de grande intrelaçamento com os acontecimentos Bíblicos.
      Este tipo de debate não deve ser encarado com disvirtuador da Obra Salvifica do Mashiach Yeshua, mas sim como uma maneira de conciliarmos o que temos em nossa realidade material com o que temos de relatos Bíblicos, e históricos, pois entendemos que quando a Biblia se cala quanto à algum assunto, não devemos apenas ignora-lo, temos que a partir de nossa mente abençoada nos dada pelo Criador, fazer com que tudo neste Planeta tenha um sentido que nos leva a enxergar a existência de D-us e qual é a sua vontade.

      Excluir


  30. Ninguém nesses comentários postados deste site disse a verdade com respeito às discussões relativas as questões referentes à criação na terra, do homem, e sobre a ciência evolucionista. Primeiramente, a teoria do intervalo é uma grande mentira, e o cara que criou essa teoria é um ignorante com relação aos assuntos relativos aos primeiros três capítulos de Gênesis.
    Logo de início é fácil ver muitos erros nessa teoria.
    1) O anjo que se tornou satanás e diabo é uma criatura espiritual, e, portanto, pertence a outro domínio de coisas, diferente do domínio de coisas de ordem físicas em que o homem pertence. Então, sendo esse anjo do domínio espiritual, que interesse ele teria em causar uma catástrofe na terra para aniquilar animais irracionais como, por exemplo, os grandes répteis, os dinossauros, e uma tal raça de pessoas desprovidas de inteligencia, ou, como é dito, sem alma? Isso é ridículo!
    É verdade que entre Gênesis 1.1 e Gênesis 1.2 há um certo período de tempo, mas a hipótese de que o caos, que é mencionado em Gênesis 1:2 teria ocorrido em resultado da queda do anjo que se tornou satanás é mentirosa e sem fundamento, porque os dinossauros surgiram na terra durante o período (230 milhões de anos) referente à semana criativa, mencionada a partir do versículo 3. Portanto, não houve nenhuma criação original ocorrendo antes do início da semana criativa. Também na criação, referente às obras que Deus realizadas durante os seis dias criativos, não se inclui as coisas criadas por Deus desde o nascimento do universo, mas somente aquelas obras de Deus as quais são realiza durante os seis dias criativos. Outro detalhe importante que as pessoas devem entender é que embora a bíblia descreva, em Gênesis 1:2, a condição de caos em que a terra se encontrava antes de inciarem os dias criativos, o sol a lua e as estrelas já existiam, pois estes astros já faziam parte dos céus citados no versículo 1 do capítulo primeiro de Gênesis. Então, o motivo de que a luz do sol não atingia a superfície aquosa da terra nessa Época é porque nesse tempo a terra estava em volta por uma grossa camada de nuvens escuras de vapor d'água, e, por essa razão, a luz preciosa do sol continuou sendo broqueada até o início da semana criativa. Mas que evento ocorreu na terra que teria causado a condição de caos descrita em Gênesis 1:2? Agora é a hora de as pessoas que são contra as descobertas da ciência profissional (evolucionismo) se decepcionarem! Por quê? Ora, por que é a própria ciência profissional que nos fornece a pista sobre o evento que ocorrera na criação que foi responsável por fazer a terra apresentar a tal condição caótica que vemos na bíblia, mencionada em Gen 1:2 . E este evento se trata daquele acontecimento que muitas vezes os cientistas tem estudado, que ocorrera a partir de 4,2 bilhões de anos atrás, chamado de "grande bombardeamento tardio" em que o sistema terra-lua foi brutalmente surrado em decorrência da queda de vários corpos meteóricos e cometários advindos do sistema solar externo. Eu tenho informação importe sobre o tempo em que teve início a semana criativa de Gênesis capítulo primeiro. O início do período dessa semana se deu a mais ou menos 604 milhões de anos atrás, e a razão pela qual houve aquele surgimento explosivo de criatura na terra ocorrendo a partir de 600 milhões de anos (explosão Cambriana) foi, em parte, devido ao fato de que neste tempo Deus fez com que a luz surgisse na superfície aquosa da terra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Isac, parece que você não leu o começo do artigo, vou postar aqui pra você ler: "Mas entendam que por ser apenas uma teoria, ou como gosto de dizer uma viagem em suposições não deve gerar discórdia ou agressões, mas apenas especulações que nos levem a construir respostas mais plausíveis à certos questionamentos científicos." então começar a sua argumentação chamando alguém de mentiroso e etc já de cara desqualifica o senhor como alguem que mereça atenção à uma elucubração.

      Excluir
  31. PAZ DO SENHOR A TODOS.Diante de tudo q foi falado e explicado qual e logica que esta correta,as duas ou as tres sao interessantes oq ensinar para os crentes a esse respeito !!!!GRATO

    ResponderExcluir
  32. Ezequiel 28 vemos um mundo pre adamico qual samael fazia parte e pelo mal uso do livre arbitrio pecou ja. Em genese vemos ele tentando adao.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entre o vers 1 eo 2 ocorre a queda de satanas sendo e a terra se tornou sem forma e veio estar vazia o que trouxe a extincao dos dinossauros nao por um diluvio mais pela queda de satanas o que trouxe o que a ciencia explica de inverno glacial devido o impacto alguns dinossauros vieram a morrer e outros sobreviveram ate que a luz do sol nao emanava mais vuda as plantas nao poderiam mais fazer a fotocintese e tudo veio a congelar nos sabemos que gelo e agua em seu estado solido

      Excluir
  33. E o espirito de Deus pairava sobre a face das aguas. O gelo que estava congelado a qual o espirito santo reaquecendo e restabelecendo a ordem

    ResponderExcluir

Faça um blogueiro feliz, Comente porfavooooooooooooor