שמע ישראל י-ה-ו-ה אלקינו י-ה-ו-ה אחד
Shemá Yisrael Adonai Elohêinu Adonai Echad

segunda-feira, 31 de março de 2014

Yeshua e a Pessach (Páscoa Judaica)

Yeshua celebrou o Sêder* com Seus discípulos. Junte-se a nós nesse rápido passeio através das partes que compõem um tradicional Sêder pascal e atente aos pontos que são significativos, de maneira especial, aos crentes em Yeshua.
*Seder significa ORDEM. É a forma de como é organizada ordenadamente o jantar que é feito na primeira noite de Pessach.

A retirada do fermento

Antes do início da Pessach (Páscoa judaica), todo o “Chametz” (fermento), que é um símbolo de pecado (1 Co 5:6-8), deve ser retirado do lar judeu. A casa é limpa de cima a baixo e qualquer coisa que contenha fermento é retirada. Então, na noite antes da Páscoa, o chefe da casa toma os utensílios tradicionais de limpeza: uma pena, uma colher de madeira e um saco, e faz uma busca na casa por algum resíduo de fermento que talvez tenha sido esquecido .
Shaul (Paulo) faz uma reverencia muito boa como segue “Pelo que façamos festa não com o fermento velho,nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade. 1 Cor.5.8”
RITUAL DE ELIMINAÇÃO DAS IMPUREZAS
Não comereis nenhuma coisa levedada;
em todas as vossas habitações comereis pão ázimo”(Ex. 12,20)
Lavagem das mãos 
Uma vez que o fermento é removido, a família senta-se ao redor da mesa e cerimonialmente lava as mãos com uma bacia e uma toalha. Yeshua também participou dessa tradição, mas em vez de lavar Suas mãos, Ele levantou-se da mesa e lavou também os pés de Seus discípulos, dando-nos uma lição, sem igual, de humildade. (João 13:2-17).

Acendimento das velas
Estando a casa e os participantes limpos, o Sêder pascal pode começar. A mulher da casa profere uma bênção e acende as velas pascais. Convém que a mulher traga a luz para o lar, pois foi através da mulher que a luz do mundo, Yeshua o Mashiach, veio ao mundo (Gn 3:15).

Hagadá
Hagadá significa "relatar, contar" – o contar da história da Páscoa judaica. A história é contada em resposta a quatro perguntas feitas pelas crianças:

“E acontecerá que, quando seus filhos disserem: Que ritual é este? Então dirão: Este é o sacrifício de Pessach à ADONAY, que passou sobre as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu aos egípcios, e livrou as nossas casas. Então o povo inclinou-se, e adorou. E foram os filhos de Israel, e fizeram isso como ADONAY ordenara a Moshe e a Aaron, assim fizeram. (Êxodo 12:26-28)

1- Porque está noite é diferente das outras noites?
2- Porque todas as outras noites nós comemos pão com fermento e esta noite só comemos Matzah (pão sem fermento)?
3- Todas as outras noites nós comemos todos os tipos de ervas então porque está noite comemos apenas ervas amargas?
4- Todas as outras noites nós não molhamos nossas ervas na água salgada então porque esta noite nós molhamos as ervas com água salgada 2 vezes? Também nas outras noites comemos sentado ou reclinado porque esta só comemos reclinados?
O pai passa a contar a história do êxodo do Egito, lendo um livro chamado de “A Hagadá” e usando símbolos e objetos a fim de prender a atenção dos pequeninos e responder cada uma das perguntas.

A primeira taça de vinho

O Sêder começa com uma bênção recitada na primeira das quatro taças de vinho: “BARUCH ATÁ ADONAI, ELOHÊNU MÊLECH HAOLAM BORÉ PERI HAGÁFEN” = “Bendito és tu, Senhor, nosso D-us, Rei do Universo, que criaste o fruto da vide”. O próprio Yeshua abençoou a primeira taça em Lucas 22:17-18.

A segunda taça de vinho

A segunda taça é para nos lembrar das Dez Pragas e do sofrimento dos egípcios quando endureceram o coração para o Senhor. A fim de não nos regozijarmos com o sofrimento de nossos inimigos (Pv 24:17), derramamos uma gota de vinho (que é o símbolo da alegria) enquanto recitamos cada uma das Dez Pragas, lembrando-nos, assim, que nossa alegria é diminuída com o sofrimento dos outros.


Afikoman

 Ocorre, então, uma tradição muito curiosa. Junto à mesa, está um saco com três compartimentos e três matzás. O matzá do meio é retirado, partido e metade é posta de volta ao saco. A outra metade é enrolada em um guardanapo de linho e escondida para ser retirada mais tarde, após a refeição. Cada uma das Matzot representam os patriarcas Avraham, Yitzhak e Yaakov, a do meio que é quebrada representa Yitzhak, e figura o Mashiach que assim como Yitzhak foi dado em Sacrifício no Monte Moriáh, assim como a Matzá do meio é quebrada em duas partes assim é as vindas do Mashiach uma já desvendada outra ainda a ser revelada da mesma maneira que o Afikoman é revelado apenas no fim.

O prato do Sêder


Os rabinos têm planejado uma série de lições de coisas [lições com a utilização de objetos] para prender a atenção dos pequenos durante o Sêder pascal. Esses itens são experimentados por cada pessoa, já que cada uma é instruída a se sentir como se tivesse feito parte da saída do Egito.

Karpás – verduras

O primeiro item é o karpás, ou verduras (geralmente salsa), que é o símbolo da vida. A salsa é mergulhada em água salgada, símbolo de lagrimas, e ingerida para nos lembrar de que a vida de nossos ancestrais foi imersa em lágrimas.

Betsá - ovo

Um ovo assado está no prato do Sêder para trazer à memória o sacrifício diário no templo, que não pode ser mais oferecido, já que o templo não existe mais. Exatamente na metade do Sêder pascal, os judeus são lembrados de que não possuem sacrifício para torná-los justos perante D-us.

Maror – erva amarga

Geralmente, trata-se da planta conhecida como raiz-forte (moída) e come-se (juntamente com o matzá) até que uma lágrima saia dos olhos. A não ser que experimentemos primeiro o amargor da escravidão, não podemos apreciar a doçura da redenção.

Charósset

O charósset é uma mistura doce de maçãs e castanhas picadas, mel, canela e um pouco de vinho tinto Manischewitz (kosher para a Páscoa judaica) apenas para dar cor! Essa mistura doce, amarronzada e pastosa simboliza o barro que nossos ancestrais usaram para fazer os tijolos na terra do Egito. Por que será que nos lembramos de uma experiência tão amarga com algo tão doce? Os rabinos têm uma boa interpretação: mesmo o mais amargo dos trabalhos pode ser doce quando nossa redenção se aproxima. Isso é verdade, em especial para os crentes no Mashiach. Podemos encontrar a doçura inclusive na mais amarga das experiências porque sabemos que a vinda do nosso Senhor está próxima.

Perna de cordeiro

Em cada lar judaico, em cada prato do Sêder, está uma perna de cordeiro (com o osso à mostra). No livro de Êxodo, os primogênitos judeus foram poupados pelo Anjo da Morte ao se passar o sangue de um cordeiro inocente, imaculado nas ombreiras e na verga da porta dos lares, já que D-us levaria o povo da escravidão para a liberdade. Hoje, cremos que Yeshua é esse perfeito cordeiro pascal e quando passamos Seu sangue nas ombreiras e na verga de nossos corações, também nós vamos da morte para a vida, da escravidão do pecado para a liberdade de ser um filho redimido de D-us. Como João Batista disse quando viu Yeshua se aproximando dele, “Eis o Cordeiro de D-us, que tira o pecado do mundo.” (João 1:29).

A Refeição

Ah, mesmo em meio às maravilhas da tecnologia moderna, ainda podemos levar a você a parte mais memorável da Páscoa judaica… a refeição, do mesmo modo que a vovó costumava fazer! Apenas imagine: sopa quente de frango, com a fumacinha saindo, e enormes bolinhos macios de matzá; mais um pouco de matzá; fatias de um gefilte fish (bolinho de peixe) de sabor picante feito em casa com raiz-forte bem ralada (que faz você chorar); mais matzá; fígado picado (com bastante schmaltz – gordura de frango ou de ganso - e cebolas fritas crocantes) em uma camada de alface; mais matzá; mais cebolas fritas crocantes ao lado; mais matzá... e isso que é somente o aperitivo!

A seguir, vem a refeição… você consegue sentir o cheirinho? Peito bovino macio, adocicado, com repolho; mais matzá; costela bovina (em corte judaico) feita em casa; frango ensopado, frango de panela, frango grelhado, frango cozido, frango sautée, frango assado, mais matzá; peru inteiro assado; mais matzá; ervilhas recém cortadas e com cebolas; mais matzá; cenoura e tsimes de ameixas-secas; mais matzá; batata doce e tsimes de uvas passas; mais matzá; purê de batatas feito em casa e repleto de manteiga; mais matzá!

Você guardou espaço para a sobremesa? Bem, você terá de esperar, porque agora é a hora de continuar com o Sêder!

Em busca do afikoman

Depois do término da refeição, o líder do Sêder deixa as crianças livres para encontrarem o afikoman, que havia sido embrulhado em um guardanapo e escondido antes. A casa fica em polvorosa, já que todo mundo se apressa para ser o primeiro a encontrar o afikoman e reivindicar o prêmio quando o vovô o toma do localizador sortudo. O valor corrente equivale a U$5,00! Tendo o líder recuperado o afikoman, ele o despedaça e o distribuí em pedacinhos para todos que estão sentados ao redor da mesa. Os judeus realmente não compreendem essa tradição, mas as tradições não precisam ser compreendidas – apenas seguidas! Contudo, crê-se amplamente que esses pedaços de afikoman trazem uma longa e boa vida aos que os comem.

A tradição talvez date da época de Yeshua. Se for esse o caso, então Lucas 22:19 assume um sentido maior: "E tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim". Pois Yeshua, o Mashiach teria tomado, dos três, o matzá do meio, o pedaço que ficava para o sacerdote, o mediador entre D-us e o povo, partido (como Seu corpo seria partido), envolvido parcialmente em um guardanapo de linho (como Ele seria envolto em linho para o funeral), o escondido, (assim como Ele foi enterrado), o trazido de volta (assim como Ele seria ressuscitado), e o distribuído a todos os que se assentavam com Ele (assim como Ele iria ainda dar a Sua vida para todos os que cressem). Como Ele assim o fez, estava consciente de que o pedaço de matzá do meio representava Seu próprio corpo imaculado dado para a redenção de Seu povo. Assim como o matzá é todo marcado e perfurado, Seu próprio corpo seria mais tarde marcado (pelos açoites) e perfurado e é por essas pisaduras que fomos sarados (Isaías 53:5). O pedaço de matzá do meio, ou o afikoman, é nosso pão da Santa Ceia.

A Terceira Taça

A terceira taça de vinho é tomada após a refeição. È a taça da redenção, que nos faz lembrar do sangue derramado do Cordeiro inocente que trouxe nossa redenção do Egito. Vemos que Yeshua tomou a terceira taça em Lucas 22:20 e em I Coríntios 11:25, “Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim”. Essa não foi simplesmente uma taça qualquer; foi a taça da redenção da escravidão para a liberdade. Essa é a nossa taça da Santa Ceia.

A Quarta Taça

A quarta taça é a Taça de Hallel (ou halel). Hallel, em hebraico, quer dizer "louvor," e vemos na bela Oração Sacerdotal de João 17, que Yeshua usou seu tempo para louvar e agradecer ao Senhor no fim do Sêder pascal, sua última ceia. O Cordeiro Pascal imaculado tinha louvor em seus lábios quando estava a caminho de Sua morte.

A Taça de Elias

Um lugar estabelecido permanece vazio para o profeta Elias, o convidado de honra em cada mesa pascal. Os judeus esperam que Elias chegue na Páscoa judaica e anuncie a vinda do Mashiach (Malaquias 4:5). Então, um lugar é reservado, enche-se uma taça com vinho e os corações ficam na expectativa de que Elias venha e anuncie as Boas Novas. No final da refeição pascal, uma criança é enviada à porta para abri-la e ver se Elias está lá. Todos os anos, a criança retorna desapontada e o vinho é derramado fora sem ser tocado. Meu povo espera e anseia pelo Mashiach – eles não percebem que o Mashiach já veio, mas os de nós que crêem em Yeshua sabem que é dele de quem o profeta falou. Ele é o Cordeiro Pascal imaculado e sem defeito, cujo corpo foi partido por nós, cujo sangue foi derramado e que agora vive para dar Sua vida a todos nós que colocarmos Seu sangue nas ombreiras e na verga de nossos corações e que passamos da morte para Sua vida eterna.


Texto adaptado e acrescido por Metushelach Ben Levy de Texto publicado em http://www.povoescolhido.com.br/index.php?id=92



32 comentários:

  1. sou católica,participo do caminho neocatecumenal e aprendi com a Igreja a valorizar muito a raiz judaica do cristianismo...
    Na quinta feira vou fazer a pascoa judaica com meus filhos e ensiná-los desde pequenos a viver o SHEMÁ!!! Para no Domingo viver a plenitude da Ressurreição.

    ResponderExcluir
  2. Minha cara anônima,

    Desconhecia o "caminho neocatecumenal", mas parabenizo a atitude rara de se recuperar as raizes judaicas do cristianismo.
    Felicito-lhe por ensinar aos seus filhos os princípios da fé judaica que se caracterizam pelo ensino familiar memorial, como manutenção cultural e histórica de nosso povo, bem como a essencia monoteista do Shemá.

    Que D-us lhe fortaleça em seus intentos e lhe abençoe.

    Fique na Shalom daquele que morreu mas ressucitou, a saber Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  3. Muito feliz por encontrar artigos como esse. Gostaria de saber se sou autorizado a dar uma espécie de estudo em minha igreja, baseado nesse fenomenal artigo.

    ResponderExcluir
  4. Caro Anônimo,

    Fique a vontade para compartilhar com sua igreja estes conhecimentos, fico feliz por mais pessoas entenderem as raizes da Fé e quererem se aprofundar nestes temas.
    E desde já se sinta a vontade para questionar, indagar e dar sugestões.

    ResponderExcluir
  5. Caro Ben Levy, Shalom.

    É difícil encarar a realidade de que hoje em dia poucos se preocupam com a verdadeira essência da Pessach, constituída por tradições bíblicas e, outrossim, não só constando tradições mas uma verdadeira essência espiritual do que se refere ao sacrifício salvífico do nosso Cristo, Yeshua, que nos leva a um sublime sentimento, não do corpo, mas do espírito, que nos faz sentir em nosso interior a ação, o "mover" dentro de nós no que se diz respeito a Redenção. Enfim, não existem palavras para descrever esse sentimento, só quem sente mesmo é que pode constatar a sublime essência da Redenção que o Espírito Santo nos faz sentir em nosso interior. Me congrego em uma denominação protestante mas sempre observando as raízes e os verdadeiros mandamentos do Cristianismo. É de entristecer saber que, muitos lares cristãos não levam em conta o verdadeiro valor e sentido da Páscoa, que nos mostra a história do sacrifício, redenção e salvação, propiciada a nós, favor esse imerecido a humanidade, mas que o tão grande AMOR do nosso SENHOR permitiu a nós sermos parte do seu povo (João 3:16).

    Parabenizo-lhe pelo texto. Que a graça de Nosso Senhor Jesus, o amor de Deus e as consolações do Espírito Santo estejam com você e sua família. Amém.

    ResponderExcluir
  6. Ben Avrahan,

    Agradecemos por suas palavras, e concordamos em gênero, número e grau com suas asseverações sobre o modo de se portar das pessoas que se dizer seguir a D-us.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  7. Eu comentei acerca do estudo um pouco acima. Se puder passar teu e-mail pra mantermos contato. o meu é saviosimei@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Savio,

    Claro que podemos manter contato segue meu e-mail metushelach.cohen@gmail.com

    ResponderExcluir
  9. Sou Evangelica e sempre admirei as tradições judaicas,Estou fazendo um estudo sobre a Pascoa Judaica, a Cristã e a paga e por acaso encontrei o seu estudo. Acho que não foi por acaso, mas sim por Deus, tenho certeza que o que eu aprendi aqui foi grandioso e com sua permissão passarei para minhas crianças a maravilhosa obra de Deus, que é a Pascoa, a verdadeira Pascoa

    ResponderExcluir
  10. Cara Anônima Evangélica, pena que vocês não deixam o nome no final do comentário para um tratamento mais formal.

    Fique a vontade para espalhar o conhecimento dado por nosso D-us, fique a vontade tambem para nos visitar sempre e nos indagar sobre algo que tenha dúvida, estamos aqui para compartilhar sempre aquilo que recebemos do Senhor.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  11. olá gostaria de perguntar se posso compartilhar esse belissímo post lá no meu blog, ficarei muito feliz com a sua resposta! Shalom Adonai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simone,

      Primeiramente agradecemos a sua participação como seguidora Oficial do Blog, e desde já fique a vontade para compartilhar qualquer artigo que seja.

      Shalom

      Excluir
    2. Pra vo/çês: http://kehilahangradosreis.blogspot.com.br/search/label/Obras%20Judaicas%20Importantes

      Excluir
  12. meu nome é marcio sou evangélico e adorei esse estudo sobre o pessach excelente texto.
    Eu estou escrevendo um livro e nesse livro eu falo sobre a páscoa realizada pelos cristãos evangélicos e nesse livro falo sobre a verdadeira história da páscoa( pessach) e gostaria de saber se posso utilizar esse texto em meu livro, pois citarei de onde foi extraído esse texto.
    se puder utilizá-lo se não for te atrapalhar gostaria que me enviasse um e-mail com sua resposta, meu e-mail é marcio_ministro@yahoo.com.br, obrigado pela atenção .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcio,

      Não sei se você recebeu o meu e-mail, mas fique a vontade para participar.

      Shalom

      Excluir
  13. Costumo arriscar um idéia dizendo que o Cristianismo mais puro é um Judaísmo mais avançado. Amei este estudo, repassei para meus amigos e vou divulgar o mais que puder. Obrigado e abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Getulio,

      Agradecemos desde já a sua participação e fique a vontade para indagar, criticar e principalmente comentar tudo.

      Shalom

      Excluir
  14. Olá,
    Meu nome é Geovânia, e fiquei muito feliz em encontrar seu maravilhoso blog. Sou evangélica desde pequena e há 12 anos minha igreja celebra as festas bíblicas, e desde então, pudemos ver a transformação que Yeshua trouxe sobre nossas vidas! Sou líder da Rede de Eventos e Festas Bíblicas em minha igreja, e ainda se muito pouco sobre as tradiçõs das festas judaicas, mas creio que ainda chegarei lá, a cada dia crescendo mais um pouco. Neste fim de semana estamos celebrando a pessach em nossa igreja e tem sido sobrenatural! Confesso que ao ler suas explicações sobre pessach segurei as lágrimas em relembrar a obra de Deus em nossas vidas através de Pessach. Obrigada por este blog tão maravilhoso. Que as bênçãos de Deus se concretizem a cada dia mais sobre a sua vida ao compartilhar Sua palavra aos gentios. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geovânia,

      Agradecemos pelas lindas bençãos a nós proferidas, e fique a vontade sempre, pergunte, indague e participe.
      E me diga qual é a sua Igreja e de onde é?
      Pois é dificil ver igreja evangelica celebrando as festas biblicas, isso é uma noticia maravilhosa, e gostaria de indicar aos outro que visitem.

      Shalom

      Excluir
  15. O cordeiro da pascoa ( Pessach ) não tira pecado,Shaul faz uma analogia que não tem cabimento. Shaul era rabino como ele pode comparar uma coisa dessas. Quantas pascoas ele festejou,muitas creio eu!
    É um absurdo sem tamanho João Batista dizer que Yeshua é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. A finalidade do cordeiro da pascoa nunca foi de fazer expiação dos pecados,e sim de ser uma celebração até porque o ritual da Pessach (Páscoa) é uma festividade nacional dos judeus, é zman cheruteinu [época da liberdade deste povo] e por tanto não tem quaquer relação com sacrifício de expiação pelo pecado.

    ResponderExcluir
  16. Havia dois objetivos na morte de Yeshua:

    1 - Vencer a morte (oferecendo a Sua vida a nós)
    2 - Expiar nossos pecados;

    Yeshua, como cordeiro do Pessach, afastou a morte, e nos trouxe para a VIDA em YHWH. Exatamente como lemos na Torá:

    "Porque YHWH passará para ferir aos egípcios, porém quando vir o
    sangue na verga da porta, e em ambas as ombreiras, YHWH passará aquela
    porta, e não deixará o destruidor entrar em vossas casas, para vos
    ferir." (Shemot/Êxodo 12:23)

    Isso foi cumprido no Pessach de Yeshua, onde Ele, como nosso cordeiro, ofereceu a Sua vida para que não morrêssemos - exatamente como cada
    cordeiro no Pessach morreu para dar vida à casa de cada família de Yisra'el.

    Havia expiação no Pesach? Deixemos a Torah responder.

    Números 28:16-25

    16 - Porém no mês primeiro, aos catorze dias do mês, é a páscoa do SENHOR.
    17 - E aos quinze dias do mesmo mês haverá festa; sete dias se comerão pães ázimos.
    18 - No primeiro dia haverá santa convocação; nenhum trabalho servil fareis;
    19 - Mas oferecereis oferta queimada em holocausto ao SENHOR, dois novilhos e um carneiro, e sete cordeiros de um ano; eles serão sem defeito.
    20 - E a sua oferta de alimentos será de flor de farinha misturada com azeite; oferecereis três décimas para um novilho, e duas décimas para um carneiro.
    21 - Para cada um dos sete cordeiros oferecereis uma décima;
    22 - E um bode para expiação do pecado, para fazer expiação por vós.
    23 - Estas coisas oferecereis, além do holocausto da manhã, que é o holocausto contínuo.
    24 - Segundo este modo, cada dia oferecereis, por sete dias, o alimento da oferta queimada em cheiro suave ao SENHOR; além do holocausto contínuo se oferecerá isto com a sua libação.
    25 - E no sétimo dia tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis.

    Apocalipse 5:12

    12 - Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças.

    Apocalipse 12:11

    11 - E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte.

    Nas bençãos do que VIVE para sempre!
    Yeshua Hamashiach ben David

    ResponderExcluir
  17. Shalon! Sou evangélica, congrego na Comunidade Vida de Guarapuava no Paraná, nosso Pastor Harold McLaryea está nos ensinando sobre a Pessach judáica, e este ano toda a igreja está convocada a realizar a pascoa neste "formato". Fazemos nossos estudos Bíblicos nas casas além dos cultos de adoração é claro, chamamos de células e na quinta feira nos reuniremos com as famílias das células para comemorar fazendo a refeição como nossos patriarcas!!! Obrigada pelos detalhes e explicações, tem nos ajudado muito a entender sobre as tradições e costumes judaicos, assim nos ajudam a entender mais a Palavra de Deus. Que O Senhor lhe abençõe!

    ResponderExcluir
  18. Parabens pela materia.
    Pr De Paula
    rondantedp2@terra.com.br

    ResponderExcluir
  19. Shalom!

    Fantástico o blog! Como a amiga do primeiro comentário, também participo do Caminho Neocatecumenal, um itinerário de catequese pós-batismal da Igreja Católica.Depois da Vigília do Sábado Santo, na qual ouvimos toda a história da salvação desde a criação até a Ressureição de Cristo, fazemos uma ceia na qual nossos responsáveis ou um sacerdote explica exatamente o que você explicou, os sinais da ceia, o que são e por que o são. No Caminho, temos uma etapa que se chama "Shemá", que nos aprofunda muito no judaísmo. Convido-os a conhecer sobre Caminho Neocatecumenal e ver que a opinião oficial da Igreja de aproximação com o judaísmo é plenamente ensinada!

    Um abraço!

    João Paulo dos antos

    ResponderExcluir
  20. Gostaria de saber mais, sobre o sacrifício do cordeiro pascal como era o ritual, com detalhes, se for possível obrigado!!!

    ResponderExcluir
  21. Desde 2012 recebi instruções de Adonai para celebra as Festas Bíblicas e em obediência temos celebrado nas respectivas datas conforme o calendário judaico. Estas festas tém pra nós umsignificado riquíssimo e trouxeram revelações preciosas para nós. Vi que vocês são judeus Messiânicos e isso muito me alegra! Sou pastor e também não me encaixo com muitas práticas da igreja, nossa Comunidade se considera Messiânica judaica. Pois entendemos que o Cristianismo nasceu no berço do Judaísmo e o nosso Yeshua o MASHIAH , derrubou o muro e de dois povos fez um! Me ajude por favor a amadurecer enviando pro meu e-mail seus conceitos e valores para que eu possa estudá-los. Agradeço antecipadamente. Meu nome é Luiz Cláudio e meu e-mail é: freireungido@gmail.com

    ResponderExcluir
  22. Shalom.

    Sou um cristão evangélico desde a minha infância, e sempre amei o povo judeu e Israel.

    Tenho uma dúvida sobre o shabbat. Qual é a posição dos rabinos messiânicos? Devemos seguir o shabbat no sábado ou no domingo? E o que devemos/podemos fazer e não fazer?

    Parabéns pelo blog!

    renato(ponto)oliveira(ponto)chem(arroba)gmail

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renato,

      Agradecemos as palavras de incentivo.

      Mas me diga o que o Shabat tem haver com o Domingo, de onde pode ser concebível isso??

      Excluir
  23. Já conhecia. Estudei todo o cerimonial judaico, fiquei impressionado com a força que há nele. Só assim pude entender a força do nosso povo, mesmo sendo de base cristã. Sou ligado a essas raízes de uma forma muito íntima, mesmo crendo em Yeshua me sinto deslocado desse mundo.

    ResponderExcluir
  24. Caro Metushelach Ben Levy, gosto bastante de sua publicação. Você é muito bem preparado. Minha duvida é: Fui evangélica quase a minha vida toda, até conhecer o seu site e de outros que falam do judaísmo messiânica. Tudo que tinha conhecido até então sobre judaísmo vinham desta fontes, é fantástico, mas conheci um rabino cabalista e estou aprendendo a kabalah e o idioma hebraico. O que mudou foi que ele não acredita no messias eshua como mashiach. O que devo fazer agora?
    Gostaria de receber sua orientação neste sentido, meu email: marlonfc.costa@gmail.com.


    grato desde já pela sua atenção, fique na shalom do Eterno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só um alerta cara Anônima.

      Rabinos não ensinam cabaláh para não judeus, nem para quem não sabe hebraico, nem antes de ao menos uma formação básica em Yeshiváh e etc, o que você pode estar aprendendo é outra coisa que não a cabaláh.
      Recomendo não se aprofundar em nada que não seja plenamente reconhecido, e ainda mais você sendo uma seguidora de Yeshua obviamente se não tiver um relacionamento sincero com D-us e o Mashiach Yeshua e fortalecida a razão de sua fé, tal proximidade de alguém que diz conhecer as santas escrituras, irá te levar a negar a Yeshua e consequentemente a tornará uma anátema, inimiga da fé a ponto de se tornar militante contrária,
      Sendo assim busque irmãos da fé, busque praticar a fé coloque tudo que aprendeu em ação, e verá que a revelação virá no dia a dia.

      Shalom
      Ficamos a disposição.

      Excluir

Faça um blogueiro feliz, Comente porfavooooooooooooor