שמע ישראל י-ה-ו-ה אלקינו י-ה-ו-ה אחד
Shemá Yisrael Adonai Elohêinu Adonai Echad

terça-feira, 17 de maio de 2011

Conversas sobre o Verbo ser D-us, ou D-us ser o Verbo

Este texto é fruto de uma conversa sobre as implicações do Capítulo 1° do Evangelho de João.

Sinceramente Dr. David Stern, por ter suas origens, na crença no Mashiach Yeshua, em meio cristão acentuado e ter participado de algo que eu nunca fui muito fã, o movimento "Jews for Jesus" que mais cristianizam os Judeus do que lhes apresentam o Mashiach Yeshua como um Judeu zeloso pela Torah e os Profetas, que vejo que ele em seus comentários do Novo Testamento se mantém imparcial em textos críticos quanto a divinização de Yeshua, ele não afirma categoricamente que Yeshua seja D-us, e nem nega, mas dá pra ver que suas origens o fazem entender que a divinização de Yeshua é muito importante, mas com certeza Stern não O coloca em uma característica trinitária.


Mas para entender melhor esta bipolarização de pensamento dentro do movimento Judaico-Messiânico, eu explico da seguinte maneira os Judeus Tradicionais que se achegaram na fé no Mashiach Yeshua pelo poder da Ruach HaKodesh e não passaram pelo cristianismo não pensam na divinização de Yeshua como algo que o faça se comparar com D-us Todo Poderoso, mas entendem que Yeshua é o Ungido de D-us, que no princípio de tudo era a própria Palavra de D-us, mas que num momento oportuno se personificou, ainda sendo a Palavra de D-us mas agora como um ser distinto, que apesar de ter sido arrancado de D-us não é D-us e nem um terço de D-us, mas sim o Filho de D-us, o único que recebeu a Honra de ser chamado de Filho (Hb. 1:5) e de ser a expressão de D-us (Hb. 1:3), pois D-us ao se expressar à criação ele se utiliza de sua Palavra, Palavra esta que agora é personificada e recebe o nome de Filho, e que após encarnar e nascer da concepção virginal de Myrian recebeu o Nome de Yeshua, ao qual devemos a nossa justificação, pois pelo sangue de Um Justo que se entregou por amor é coberto uma multidão de pecados (1 Pe. 4:8).

Já os Judeus que conviviam em meio cristão e agora restauraram suas raízes judaicas, ainda carregam as ideologias e concepções cristãs originarias do desenvolvimento da Igreja alheia à suas raízes bíblicas e de entendimento judaico, e este movimento ao longo dos séculos perdeu a concepção bíblica do Mashiach, fazendo dele algo que ele poderia ter escolhido ser, mas não usurpou tal mérito mas se esvaziando (Fp. 2:6-7) e sendo obediente se fez aquilo que as profecias vaticinaram a seu respeito, a saber um servo sofredor, cheio de sabedoria levantado do meio de Israel superior a Moshe (Moisés) (Dt. 18:15,18-19) com entendimento da essência da Torah mas zeloso pelo que se havia estabelecido pela tradição que não se chocava com a essência da Lei, sendo assim um homem de sabedoria elevada que expressava em seu viver e agir a vontade do Pai, sendo assim a personificação da Palavra, em outro termo, a encarnação da Palavra, tanto que Yochanan (João) o descreve assim no prólogo de seu Evangelho (Jo.1) como também em Apocalipse 19.13.

Mas a Bíblia Judaica Completa não apoia o trinitarismo apenas é imparcial quanto a Yeshua ser D-us, mas mesmo se fosse clara esta idéia, em nada se pareceria esta concepção com o trinitarismo, mas chegaria perto do Unicismo dizendo que Yeshua seria uma emanação carnal de D-us, não que Ele seja parte de um trindade ilógica, de três serem um e ao mesmo tempo serem distintos e subordinados entre si mas que Yeshua seria uma Teofania tridimensional perfeita e encarnada do Próprio D-us, idéia esta não compartilhada pela maioria da comunidade Judaica-Messiância.



Quanto ao Texto de João 1, admite-se a construção gramatical estabelecida pela maioria das traduções, mas tal construção leva ao erro corrente, pois se a palavra era D-us, ou D-us era a palavra dependendo do contexto cultural e histórico ao qual ela é proferida , é inteligível o seu significado.

Deixa eu exemplificar, a criação ao ouvir a Palavra entendia que era D-us a se expressar então entende-se que D-us era a Palavra ou que a Palavra era D-us sem distinções, mas se pelo contrario no contexto mais cristianizado eu entendo que D-us está em lugar e a palavra está em outro e a Palavra está comunicando algo de D-us então entende-se que a D-us não é a Palavra, mas erroneamente eu entenderia deste texto proposto que a Palavra sendo D-us, seria portanto um outro D-us, mas para resolver o problema do politeísmo contrario a fé de Avraham, cria-se a idéia trinitária de são duas pessoas mas na realidade é um único D-us, mas idéia é completamente desconhecida tanto na Torah como pelos Escritos e definitivamente nunca proclamada pelos profetas, assim é melhor ficarmos na idéia de o Mashiach ser o Filho Unigênito do Pai, e como Palavra a expressão exata de D-us com todo o poder nos Céus e na Terra “recebido” de seu Pai, para no fim Ele mesmo, o Filho, se sujeitar ao Pai conforme 1 Coríntios 15:28.

1° Adendo por ter surgido dúvidas.

Para descomplicar um pouco mais, a concepção é que o Mashiach é superior a qualquer criatura por ser Ele a “ferramenta” que D-us utilizou para fazer toda a criação, isto é, a Palavra, o Verbo Divino, pois todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez (Jo. 1:3) e que sustenta todas as coisas pela Palavra do seu poder (Hb. 1:3b), veja que é Palavra de seu poder e não poder de sua Palavra, mostrando que o Poder vem de D-us que o manifesta pela Palavra, e esta Palavra não é uma criatura, mas sim um ser gerado de D-us, isto é, uma certa data D-us arranca de si a sua própria Palavra, e ela é personificada, isto é, torna-se em um Ser, distinto de D-us, um Ser divino, divino assim como os arcanjos, Serafins, querubins e os demônios pois divindade significa ser um Ser sobrenatural, com poderes significantes que é admirável em sua essência, mas aprouve a D-us chamar este Ser Divino, que é a sua Palavra de Filho "pois hoje Te gerei e Me tornei seu Pai" (Salm. 2:7; Hb. 1:5).
Portanto Yeshua não será Divino pois desde sua geração ele é Divino, na concepção acima exposta, mas ao encarnar ele se despiu de sua divindade se esvaziando conforme (Filipenses 2.7) para cumprir o propósito que o seu Pai determinou conforme eu já havia passado na resposta anterior, Hebreus 2:5-18 (leia na BJC é mais compreensível).
E quanto ao lugar hierárquico celeste ele é menor que o Pai pelo simples fato de ele ser subordinado ao desígnios do Pai em obediência, mas ele é representante de toda a autoridade do Pai diante da criação, pois esta autoridade foi dada a ele (Mt. 28:18; Hb. 2:8) mas vemos que a autoridade somente é manifesta dentro do seu Reinado que ainda é Parcial hoje, pois Ele Reina somente sobre os Filhos de D-us, mas em sua vinda quando Ele aprisionar HaSatan por mil anos Ele terá além da autoridade completa terá também o Reino Total, pois reinará sobre todos, até o dia da implantação do grande Trono Branco (Apoc. 20:6-15) onde haverá o julgamento final de todas as obras, e é neste julgamento que a morte será lançada no lago de fogo, e é aqui que vemos o último inimigo sendo vencido, é neste momento que o Filho se subjugará ao Pai, para que D-us seja tudo em todos (1 Cor. 15:28).

18 comentários:

  1. Boa Noite, Amados(as):

    Eu entendo a Triunidade do PAI, do FILHO e do E. S. da seguinte maneira: do mesmo modo que somos um espírito, que possui uma mente (alma) a qual habita num corpo físico. Esta realidade, creio eu que seja a principal característica de nossa imagem e semelhança em relação a DEUS. Assim, quando alguém olha para outra pessoa ou para si mesma, por mais simples e imperceptível que seja, na verdade está vendo uma Unidade de três realidades interdependentes entre si: o espírito, a alma e o corpo. Gramaticalmente falando o Verbo, ou a Palavra, pode se apresentar como a ação (realidade) de Ser e Estar. Assim, o Verbo é, pensa, planeja, etc (em sua ação de Ser), executa (em sua ação de Estar fazendo algo) e dá vida (traz à existência) todas as coisas pelo Seu Poder Criador. É isto que eu entendo quando leio Gênesis 1; Provérbios 8: 22-36; João 1; Colossenses 2: 1-3; Hebreus 1; I João 1, etc).
    Acsa.

    ResponderExcluir
  2. Acsa,

    Como sempre agradeço pela visita.

    Quanto a sua comparação da "Triunidade" com a concepção de o que é o ser humano, eu sugeriria primeiro que você lesse um artigo que nós fizemos sobre o que é uma Alma Vivente no seguinte link: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2011/01/alma-penada-ou-alma-vivente.html

    Após a leitura do artigo eu gostaria que você comentasse se aceitou as nossas argumentações sobre o assunto e se em caso afirmativo você retificaria ou ainda continuaria com a mesma idéia exposta no comentário acima.

    Ficamos a disposição para dialogarmos sobre o assunto para compreendermos sempre mais e mais as interpretações bíblicas acerca destes assuntos críticos.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach.

    ResponderExcluir
  3. Oi Amados(as):

    Li o texto recomendado por você mas, concordo com o mesmo em parte.
    - Realmente, as almas penadas e espíritos "desencarnados" que muitas pessoas dizem ver não são de pessoas mortas, pois como a própria Bíblia nos ensina, quando alguém morre não fica o seu espírito vagueando por algum lugar.
    - Porém, em relação a que todo espírito que sai de um corpo volta para DEUS eu gostaria que você me explicasse então os textos de Lucas 16: 19-31 e Mateus 22: 23 - 32.
    Acsa.

    ResponderExcluir
  4. Acsa,

    Não pense que eu esqueci de você, é que para que eu possa ser mais bem compreendido vou fazer um texto analítico das passagens citadas, para melhor entendermos o assunto.

    Mas para não te deixar sem nada para pensar segue a passagem de Eclesiastes 12.7 "e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu".

    Veja que este espírito não é uma parte pessoal de alguem mas sim a força motriz dada por D-us ao homem para ele se torne alma vivente, sendo assim quando esta centelha emprestada de D-us volta à Ele, não leva consigo nenhum pensamento, vivência, sentimento, memórias, vemos apenas o Autor da vida recolhendo o seu poder vivenciador.

    Mas não se preocupe voltamos a conversar sobre o assunto.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashaich.

    ResponderExcluir
  5. as palavras Ruhae ul him existem, e se sim, quais seus significados. Li numm comentoario dizendo que existem; o ruha pai, o ruha filho e o ruha terceiro ser eterno; há explicação para isto; obrigado.

    ResponderExcluir
  6. Ivonil,

    Nunca ouvi tais construções, parece até um esperanto moderno feito a partir de uma má audição do hebraico.

    Shalom.

    ResponderExcluir
  7. Shalom. Gosto muito de seus posts. Tenho algumas duvidas, uma delas é a seguinte:
    È o Novo Testamento confiável. Não seria uma invenção da igreja católica, essa estoria de um salvador que salva todo mundo do inferno. Assim, como o proprio inferno, como tambem o Deus que pune todo mundo que nao o aceita,e ao mesmo tempo é um deus de amor;é um deus justo, de justiça, mas, mata inocentes, só pro que nao praticam o judaismo ou o cristianismo??? Sinceramente nao sei mais em que acreditar.

    ResponderExcluir
  8. Paulo Jorge,

    Que bom que gosta de nosso trabalho, mas quanto a saber se o novo testamento é confiável eu diria que versões e traduções não o são, mas a leitura dos originais nos diversos manuscritos e tendo em mente toda a contextualização judaica que o Novo Testamento precisar ter para ser compreendido com certeza assim ele é confiável.
    Não podemos dizer que o NT seria uma invenção católica pois a própria institucionalização da Igreja longe de Jerusalém se deu mais de dois séculos depois da confecção e reunião dos textos tidos como canônicos do Novo Testamento, muitos dizem que foi por causa do Concílio de Nicéia que a configuração do Novo Testamento se deu como temos hoje, mas historicamente e arqueológicomente temos comprovações que os livros reunidos de forma canônica já era encontrados agrupados da mesma forma moderna a mais de um século e meio antes da oficialização da configuração do Cânon.

    Fora que o Evangelho ou as boas novas esperadas pelos judeus, se baseavam nas profecias, e sempre foram muito mais profundas do que um simples salvar do inferno, pois as Boas Novas nos diz que temos uma segunda chance para cumprirmos o nosso papel existencial, portanto de posse do entendimento dado pelas Boas Novas o anseio de termos respostas para as perguntas primordiais são saciados, pois com o Novo nascimento proporcionado pela fé que vem do ouvir, e ouvir a Palavra de D-su, (Romanos 11), respondemos as seguintes questões: De onde viemos? Para que viemos? Quem somos? Para Onde vamos?, sendo que ao respondermos estas questões o nosso andar nesta Terra muda radicalmente e esta transformação nos faz dar crédito ao Evangelho de maneira mais elevada a ponto de querermos compartilharmos com todas as nações.
    Vemos então que a mensagem não é um simples céu ou inferno, mas sim algo mais profundo como por exemplo a remissão da criação Rom. 8:22-23, e o reequilibrar o mundo com atos de justiça nos quais todas as nações possam ver a manifestação da Justiça Divina por nossas vidas Apoc 15:4, é devolver a dignidade perdida do homem que fora criado a imagem e semelhança de seu Criador.

    Pelo seus termos parece que você teve contato com o Mashmid nosso irmão cooperador inicialmente com este Blog que por alguma desilusão se tornou um agnóstico, ou com o fórum de agnósticos pois tais termos são recorretentes desta linha de pensamento.
    Mas como D-us pode ser injusto sendo Ele quem determina o que é justo ou injusto, mas para não ficarmos filosofando o “infilosofável”, podemos ver que D-us mata toda a humanidade no tempo de Noach (Noé) e ninguém o julga como causador de um genocídio, pois não há um povo envolvido para determinar a morte de muitos, mas vemos a misericórdia de D-us fazendo com que Noach (Noé) pregasse por mais de 100 anos que haveria o julgamento divino e que existia uma Boa Nova, isto é, existia uma forma de não se perecer no dilúvio, e tal boa nova era a ARCA, o povo que pereceu não poderia alegar que não sabia de nada pois Noach pregou para que se arrependessem assim como Chanoch (Enoque) também já havia pregado tempos antes conforme vemos no Livro tido como apócrifo Sêfer Chanoch corroborado pela Epistola de Judas verso 14.

    ResponderExcluir
  9. Vemos também que D-us não traz juízo sem antes dar tempo de arrependimento, em Gênesis 15:13-16 vemos a profecia de que Israel seria cativo por 400 anos no Egito que ao tira-los de lá depois deste tempo também julgaria o próprio Egito, mas o interessante é o porque que se leva tanto tempo para que a promessa feita a Avraham de que seus descendentes herdariam Canaã se cumpra, e a resposta está no verso 16, pois a medida de injustiça dos amorreus ainda não se tinha completado, sendo que assim como Nínive que estava tendo a medida de injustiça se chegando até os céus e por isso receberia o castigo divino, mesmo assim D-us envia Jonas para lá para pregar o arrependimento, mas ao contrato de Nínive que se arrepende pela pregação e não é destruída, os amorreus e todos os povos da região de Canaã não se arrependeram mesmo tendo 400 anos para isso, então D-us agora não usa a natureza para impor seu castigo mas sim o seu povo escolhido que sendo a ferramenta para se impor a justiça divina limpa toda a terra de Canaã da presença dos que praticavam a injustiça, inclusive crianças no ventre ou nascidas que ao saberem mais tarde de sua história poderiam se rebelar contra D-us e se vingar no povo, assim como os palestinos o fazem ainda hoje.
    É claro que D-us é misericordioso mas também justo, pois ele crias as regras e te dá o livre arbítrio para escolher o caminho a seguir, alerta os perigos do caminho errado e as bênçãos do caminho certo, manda seus escolhido para alertar e muitos destes escolhidos são mortos por isso, mas mesmo assim sempre há um alerta para que quando vier o julgamento o julgado não possa dizer que não sabia ou não foi avisado, simples, D-us não pode se contradizem ao passar a mão na cabeça de um desobediente compulsivo e não lhe julgar com justiça, pois isso seria injusto para com aquele que obedeceu e verdadeiramente amou e confiou nos seus desígnios e promessas.
    Se D-us é injusto em praticar a justiça estabelecida com regras claras, então quem não queira este D-us para ser seu D-us que procure o Papai Noel, ops.... O Papai Noel também não dá presente para quem não se comportou durante o ano, xiiiiiiiiiiiiii então ficou difícil mesmo, então fica mais fácil se acreditar no Big Bang e na evolução proposta por Darwin, ops..... O Big não é tão Big pois é em nível atômico, e o Bang no vácuo não faz Bang, e a teoria do Darwin não é dele, é do David Ricardo um economista Inglês xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    ResponderExcluir
  10. Paulo Jorge, leve na esportiva as brincadeiras e trate com seriedade os alertas.

    Fique na Shalom de Yeshua HaMashiach. que no obstante estar escrito que nao veio trazer a paz mas sim a Espada, fim na Shalom.

    ResponderExcluir
  11. Obrigado por usar seu precioso tempo para me responder, por mais absurdas possam parecer minhas indagações. Shalom. Me parece bastante coerente sua resposta. Contudo, gostaria de que me responde-se, se possível, outra questão: Por que D'us, revelado nas escrituras de sinais e maravilhas nao opera mais do mesmo modo, já que o "Nova Aliança" diz ser Ele imutável, ou está se referindo somente a seu caracter e nao seu 'modus operantis". Onde estão o falar face a face, audivelmente, onde a aparição de anjos,as curas de fato,ou isto tudo foi algo do passado, ou o resultado de uma "igreja" apostata?Shalom

    ResponderExcluir
  12. boa paulo jorge responde ai tambem quero saber
    pois tudo que sei nada sei.....

    ResponderExcluir
  13. Olá...
    Parabéns pelas matérias, é disso que muitos precisam saber.
    Tenho um fórum evangélico, e gostaria de saber se posso copiar alguns textos para colocar nele, e colocar seu blog na categoria sites recomendados?
    segue endereço do mesmo:

    www.forumevangelico.org

    ResponderExcluir
  14. Equipe Apologética,

    Fique a vontade para reproduzir os textos, e desde já agradcemos pela participação.

    Shalom

    ResponderExcluir
  15. Não sei pra que motivo esse forum evangelico vai querer publicar material desse blog,pois é mais um site que publica os mesmos "trolólós" que já estamos acostumados a ver basta ler esse artigo http://www.forumevangelico.org/t125-devemos-guardar-o-sabado
    É até controverso,publicar um texto desses e indicar este blog como "site recomendado".

    ResponderExcluir
  16. Yoel,

    Calma, como é um fórom, há participação de divesas mentalidades e pontos de vista divergentes, portanto se existir um apoio bem estruturado para a visão mais correta, nada mais providencial que o nosso Blog esteja relacionado, pois ocm certeza o que você acha controverso pode suscitar a contestação individual que fará que eles se perguntem: mas se aqui é dito algo e ali outra coisa, quem está correto? e se a intensão da pessoa for a de saber mais de D-us, a sua sede o fará procurar o que mate a sua sede e como sabemos que Yeshua é a personificação da Palavra, entao a sede somente será saciada com a água que emana do Mashiach que representa a verdadeira Palavra, assim se cumpre a vontade de D-us na vida desta pessoa sedenta que terá num fórum considerado tão controverso por você um caminho pata o manancial.

    Espero ter lhe ajudado a entender que quem não é contra nós é por nós assim como disse Yeshua.

    Shalom

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jozeni, lhe encaminhei e-mail mas voltou com erro, verificar se é este mesmo o seu endereço neneas@terra.com

      Excluir

Faça um blogueiro feliz, Comente porfavooooooooooooor