שמע ישראל י-ה-ו-ה אלקינו י-ה-ו-ה אחד
Shemá Yisrael Adonai Elohêinu Adonai Echad

domingo, 12 de dezembro de 2010

Como entender as aparentes contradições da Bíblia?. Parte II

Por Julio Dam Rabino Messiânico.
Traduzido e adaptado por Metushelach Ben Levy


Por que dizemos que existem sérias dificuldades de interpretação?
Já vimos a lição Pilpul de um lado agora vamos olhar para alguns dos exemplos do pensamento grego binário aplicada às Escrituras e compreender melhor o que queremos dizer.


Paradoxos na Escritura

Por razões de espaço, só podemos mostrar alguns dos muitos paradoxos e as aparentes contradições que a Escrituras exibem e esperamos que nossos leitores entendam que não temos espaço num pequeno artigo sequer para cobrir uma pequena parte deles, seria tema de um livro inteiro.

Um tema que tem causado mais confusão no seio da Igreja, e especialmente ao povo judeu que foi inicialmente quem recebeu a Torá (*) (Instruções), é o paradoxo, a seguinte contradição aparente: os cristãos têm de cumprir a Torá? É somente para os judeus, e não têm eles que cumpri-la?

(*) (A palavra Torá quer dizer "instruções" Podemos defini-lo como. "Dedo de Elohim que nos diz:" Vem por aqui, cuidado não vá lá, agora, volta aqui, e ande com cuidado ao longo desta estrada” O tradutor do grego que traduziu o Brit HaDashá – Pacto Renovado (Novo Testamento) não encontrou outra palavra, aparentemente, para traduzir "Instruções" a não ser “nomos”, que significa "lei". No entanto, a tradução exata de "instruções" é em grego “paidéia”, que é encontrada em 2 Tim 3:16 e Hebreus 12:5.
Lexicon Thayer, publicado pela Baker Book House, 1977, pg 473 o Termo Paidéia diz: (2): " A Torá cultiva a alma dos adultos, especialmente através da correção de erros e pôr colocar fim às paixões, portanto, uma instrução que visa aumentar a força ".. Esta é a definição exata para a Torá, de modo que esta deveria ter sido a tradução correta.

Agora me digam: Quem gosta de obedecer uma lei imposta? A palavra "lei" já leva consigo conotações negativas para começar, mas no entanto como vimos, para a mente judaica a palavra Torá não tem conotação negativa, mas sim positiva como neste pensamento "D-us fez uma cerca ao redor de seus filhos para que eles não tropecem.")

Uma das regras utilizadas para a exegese, é "a Bíblia interpreta a si mesma", ou seja, as respostas podem ser encontradas nas próprias Escrituras e não precisamos procurar em outro lugar. Esta regra surgiu como resultado de um problema legítimo da autoridade. A Igreja da “Babilônia” ensina até hoje que a autoridade da interpretação se encontra no Magistério da Igreja, o que significa que apenas as autoridades da Babilônia têm a palavra final sobre qualquer problema exegético. A reação pendular à este abuso de autoridade é a regra de que "a Bíblia interpreta a si mesma." (Cremos que a única autoridade é a do autor das Escrituras. Se a "Bíblia interprete a si mesma", não haveria discussões só teríamos que ir para ver o que a Bíblia diz sobre qualquer assunto e pronto, mas como todos sabemos por experiência própria, a realidade infelizmente não é assim.)

Mas voltando ao assunto da a cerca da Torá perguntamos:Está o cristão sujeito a Torá u não? Vamos ver como "a Bíblia interpreta a si mesmo" à luz da lição Pilpul. Vemos em Romanos 6:14: "... porque você não está mais sob a Torá (a lei), mas sob a graça." Como o gentio da lição Pilpul, a igreja sorri satisfeita dizendo a si mesma: "Ah, eu entendo!" Tal qual o rabino da lição de Pilpul o Rabino Shaul (Paulo) responde: "Errado!" E dá-lhe para ler a verdadeira tradução da Torá, que é o que ele realmente disse o rabino Shaul (Paulo) em Ro. 6:14: "... porque você não está mais sob as instruções dos Elohim, mas debaixo da graça". E se isso não confundi-lo, dá-lhe para ler Romanos 3:31: ". Anulamos então as instruções de Elohim pela fé? De maneira nenhuma! Pelo contrário, confirmamos tais instruções de Elohim" Ou Romanos 7:12 que nos diz: "De fato a Torá é santa, e o mandamento é santo, justo e bom."

O Rabino Shaul (Paulo) esta brincando conosco nos apresentando estes versos aparentemente “contraditórios” ? "Certamente que não!" Quando Yaacov (Tiago) disse: "Meus irmãos, que adianta se alguém disser que tem fé mas não tem obras, a fé pode salvá-lo?" (Tiago 2:14), mas Shaul (Paulo) não disse que a salvação é pela fé? Voltemos para a lição do Pilpul:"Dois homens caíram de uma chaminé. Um saiu limpo e outro sujo. Qual deles foi se lavar ?..." Caros leitores estão entendendo agora o paradoxo?

2 comentários:

  1. Quanta baboseira, diz e diz e não diz nada, meu caro judaizante nois estamos debaixo da graça, voltar pra lei e se colocar debaixo de maldição.
    Aceite a Jesus que voce pode ser salvo se ficar na lei vc é maldito.

    Irmao lineu da batista.

    ResponderExcluir
  2. Desulpem-me desde já se sou ensistente em comentar sobre o assunto, mas me é latente a vontade de compartilhar aquilo que recebo, é com humildade que lhes peço para apenas conhecerem o meu modo de viver e pensar e como para mim e os que comigo confessam a mesma fé é importante estarmos diante do Senhor de conciêencia sem máculas e sem estarmos levando um fardo que não seja àquele que Yeshua disse que seria leve e suave.
    A questão que gostaria de compartilhar é sobre a lei cerimonial, pois para nós tudo que é relativo a culto cerimonial não foi de maneira alguma abolido, mas digamos assim que foi aperfeiçoado mediante as promessas de D-us que vaticinou que tal ocorreria, isto quer dizer que as "sombras" do sacerdócio Levítico e do trabalho templário sempre tiveram o "Objeto", isto é, para que a sombra exista é necessário que haja um objeto que a forme, sendo assim o que se cumpre em Yeshua é a revelação deste "objeto" sem com isso a desqualificação da sombra, que querendo ou não, para os nossso irmãos judeus que não chegaram a fé em Yeshua é o que vale ainda, digo então que no plano que o "Objeto" e a "sombra" ainda figuram, há a possibilidade de se vincular a cada sombra o seu real objeto, e a visão que teremos do real objeto dependerá dos óculos que usamos para vermos a realidade, estes óculos são nada mais são que a tradição que adquirimos na concepção de nosso culto, quero dizer que a tradição cristão tem os seus óculos que veem o objeto desvinculado de sua sombra, não digo que isso é errado mas sim que é uma das formas de se ver o plano, nós judeus com fé em Yeshua temos os óculos que por através deles vemos a íntima ligação entre sombra e objeto, e isso nos é dado por nossa tradição, já os nossos irmão que não tem a fé em Yeshua tem a mesma tradição que nós mas seus óculos estão riscados, turvos e como com que um véu postos sobre os olhos, veem apenas as sombras.
    Vou fazer algumas ligaçoes de objeto-sombra para explicar: Oração - seria nosso incenso, e alguns de nosso tipos de sacrifícios(pois temos 7 tipos);Nosso corpos como templos que habitam a shechiná - Espírito Santo; As Festas Bíblicas seriam todas datas marcantes da vida do Mashiach Yeshua, Chanuká - concepção de Maria, Sucot - Nascimento de Yeshua, Pessach-Premissas-Pão Azimos - a trajetória de sua entrega a morte, sepultamento e Ressurreição, Shavuot "Pentecostes" - a entrega da Lei antes em pedras, agora no coração do homem por ação do Espírito Santo, Yom Teruá - dia das trombetas -será o dia do seu Retorno, 10 dias até Yom Kippur, será o julgamento final e com a condenação final e a glorificação final, a troca do sacerdocio de Levy por o de Melktzedk, não é uma mudança pois como as Escrituras dizem o Senhor não muda, mas sim um aperfeiçoamento de algo que é perecivel pelo pecado que é a carne do levita por algo que é eterno a carne do Mashiach, e muito mais mas não quero me alongar muito.

    Fiquem na Shalom de Yeshua.

    ResponderExcluir

Faça um blogueiro feliz, Comente porfavooooooooooooor